teste

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

ABC

Obviamente não compartilhava da mesma visão que o Prof. Antônio Barros de Castro, morto este fim de semana no Rio (pelo desabamento da laje de sua casa - que coisa mais sem sentido). No entanto, era um economista sério, polêmico e que me deu um bom trabalho na defesa da minha dissertação de mestrado. Acima de tudo, parecia ter enorme respeito por Sua Majestade: o Dado. Uma perda.


Reações:

21 comentários:

O desabamento da laje de sua casa é um triste paradoxo para o desabamento da laje de suas idéias...

Att,
Vienna Man

O mau-gosto deste comentário quase me fez jogar fora anos de política de não-censura. Mas não podia deixar de comentar.

A pergunta que não cala: Existe algum economista austriano brasileiro com idade emocional acima de 13 anos?

Vocês já pensaram a hipótese desse Vienna Man ter 13 anos de idade mesmo?

A maior parte dos economistas austrianos que conheço é aluno de graduação, e já conhece as teorias do Mises e do Hayek por blogs na internet antes de ingressar na faculdade. É por isso que suas argumentações costumam ter muitos hormônios para pouca fundamentação.

Ae Alex, pelo menos deu uma dentro!
Muito louvável de sua parte fazer esse comentário, e replicar o comentário "Vienna Man".

De mestrado, sim. Lembro de ter ido a Congonhas para levá-lo à USP. Paramos no Eldorado, porque ele queria tomar um café expresso (mais raro em 1990 do que hoje), onde entabulou uma longa conversa com a moça que servia café no Café do Ponto. Quando ouviu o forte sotaque carioca do ABC, foi mostrar como era um "café carioca" (fraquinho, segundo ela) e a conversa pegou.

"Vocês já pensaram a hipótese desse Vienna Man ter 13 anos de idade mesmo?"

Estava pensando nisso: se alguma criança minha falasse algo similar àquilo que aquele austriano falou, eu juro que reformularia imediatamente minhas idéias sobre punição física.

Alex, (se o "O" quiser responder também)

O professor Adolfo da UCB é bastante reconhecido no Brasil e tem publicado frequentemente aqui e no exterior. Ele é também um seguidor da escola austríaca, mas, pelo visto, é mais flexível quanto aos métodos da matemática e estatística do que os extremistas austríacos que detestam qualquer coisa do tipo. Não pense que todos os austríacos compartilham essa alergia às ferramentas das ciências exatas, mas que, também, nunca devemos esquecer de suas limitações.

Qual sua opinião sobre o Adolfo e seu trabalho?


Elisa Souza




Sobre esse Vienna Man. Como boa conhecedora da doutrina austríaca, sei que há, da mesma forma que há aqueles revoltadinhos contra o sistema que se auto proclamam Marxistas sem nunca ter lido nada de Marx, também aqueles revoltados anarcocapitalistas que nunca leram porra nenhum dos austríacos, mas se auto entitulam como tal como forma de obter uma base teórica para seu fundamentalismo político.

Em suma, esse Vienna Man é ridículo.....

era melhor ter ido ver o Pelé

Acho que identifiquei quem é o "Vienna Man":

http://www.econosheet.blogspot.com/

Independentemente de concordar ou não com as idéias, o jeito emocionado e arrogante de escrever é o mesmo.

Grande perda

Mesmo após se aposentar compulsoriamente pela idade, continuava dando aula na UFRJ pois se interessava em pesquisar e discutir idéias que pudessem contribuir para o desenvolvimento do país.

Caro Alex, louvável o post. Acho que faz parte de bons profissionais respeitar correntes divergentes quando feita por profissionais sérios como o Antônio Barros de Castro. Um abraço!

Anônimo das 15:59...

Discordo... um cara daqueles só seria capaz de fazer o blog "econoshit".

O público clama pelo desenvolvimento da história da tese de mestrado, Alex. O post deixou curiosidade !

Abraço

JA

JA:

Nada demais, mesmo. Mas o ABC fez perguntas difíceis e eu tive que suar um bocado para respondê-las (já faz mais de 20 anos; eu não vou me lembrar exatamente o que ele perguntou).

O mais pitoresco é que defendi a tese no dia de abertura da Copa de 90 na Itália e fui interrompido pela alegria da galera ao saber que Camarões tinha feito 1x0 na Argentina, então campeã mundial.

Eu me juntei à comemoração.

Tive o privilegio de conviver muito proximamente com o professor Castro. Homem aberto ao diálogo que nunca considerou os que dele discordavam como inimigos, nem suas idéias como idiotas. Sua generosiade intelectual era algo raro de se observar dentro da academia. Pesquisador criativo e obstinado... Grande perda para o Brasil....

Estadão: Na avaliação de Mantega, desde 2008, o governo vem adotando medidas ligadas ao IOF e que têm mostrado efeito. "Sem elas, o câmbio estaria em R$ 1,20, em R$ 1,30 há muito tempo e isso teria quebrado a indústria lá atrás, com a entrada de produtos estrangeiros", considerou.

Alex, se puder comentar, agradeço.

"Homem aberto ao diálogo que nunca considerou os que dele discordavam como inimigos, nem suas idéias como idiotas."
Grandes homens normalmente duvidam de suas próprias certezas...

Lido em algum lugar: "Paul Krugman laments lack death and destruction following todays earthquake".
Mais uma oportunidade perdida...

"O desabamento da laje,...
Att,
Vienna Man"

Insensibilidade e desprezo pelo próximo; ficou horrível.
Que tal mostrar bom-senso, respeito pelo ser humano e retirar a frase acima?
Apagarei este 'post', tão logo você exclua o seu.