teste

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Nestor Kirchner, descanse em paz

Achei chocante a notícia da morte repentina do ex-presidente argentino Nestor Kirchner. Ainda um jovem de sessenta anos apenas, caiu vítima de um ataque cardíaco fulminante.

Sim, não existe hora melhor para deixar isso claro, Nestor Kirchner foi uma verdadeira desgraça de político, um capo mafioso que nunca hesitou antes de quebrar contratos, falsificar estatísticas, destruir a reputação e instituições de seu país, e em tempos recentes até conspirar contra as liberdades individuais.

Mas ainda assim, era um ser humano. E como tal, preferia-o vivo.

Meus mais sinceros pêsames àqueles que sentirão sua falta.

Reações:

33 comentários:

"conspirou contra as liberdades individuais" ?!?!?!?!?!?!?!?

"nunca hesitou antes de quebrar contratos" ?!?!?!?!?!?!?!?

Favor especificar. O home fiz muitas coisas ruins. Mas outra coisa é falsear os fatos.

Anônimo 03:49

Jornais acusam Kirchners de tentar calar imprensa
21 de setembro de 2010
"O governo da presidente argentina, Cristina Kirchner, pretende liquidar os meios de comunicação que não se alinham ao discurso oficial, afirmaram os dois principais jornais do país, La Nación e Clarín, cujos responsáveis foram denunciados nesta terça-feira por crimes de lesa humanidade pela secretaria de Direitos Humanos".

"O governo italiano deveria mandar navios e bloquear o Rio da Prata para forçar o governo argentino a pagar o que nos deve. Jamais comerei carne argentina de novo. E pensar que boa parte deles tem origem italiana... É inacreditável."
GIANFRANCO LUCIFORA
Técnico de construção de pontes e estradas, o italiano Lucifora, de 66 anos, trabalhou no Kuwait durante dez anos com a intenção de garantir uma renda extra na aposentadoria. Juntou 100 000 euros. Há seis anos, o italiano investiu tudo em títulos da dívida externa argentina. Hoje vive apenas da aposentadoria.

"O povo argentino não é sério. Até a bandeira na frente da embaixada em Roma é suja"
TOMMASO PROCOPIO
Economista, de 62 anos, Procopio perdeu a poupança de uma vida.

Fora a manipulação dos índices de inflação, que caso vc não saiba é um tipo de calote.

Obs: O Tio "O" está ótimo, deve estar tomando REDBULL no café da manhã!

"conspirou contra as liberdades individuais" ?!?!?!?!?!?!?!?
"nunca hesitou antes de quebrar contratos" ?!?!?!?!?!?!?!?

A lista é extensa. Vai desde a perseguição ao grupo Clarín até o congelamento do preço do gás natural (o que destruiu a indústria local), passando pela manipulação de estatísticas para dar calote na dívida pública, aliás em sua maioria nas mãos de investidores domésticos.

Mas de longe o pior de tudo que ele fez foi ter confiscado a poupança privada investida no exterior - a tal “nacionalização” da previdência.

Que Nestor Kirchner tenha morrido de morte natural e em liberdade é a melhor prova possível que a Argentina tem o povo mais acovardado da face da terra.

"O"

Se o assunto é morte, permita-me citar a nota de falecimento escrita por Mansueto Almeida

Superávit primário: descanse em paz. Valor Econômico - 28/10/2010

“O superávit primário morreu e talvez fosse melhor passarmos a ter metas para a poupança pública, que é um conceito que exclui os gastos de investimento. Mas se você ainda acredita na relevância do conceito de superávit primário depois deste artigo, por favor, poderia me enviar o endereço do Papai Noel?”

http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2010/10/28/superavit-primario-descanse-em-paz-mansueto-almeida

Reforçando a pergunta: pq o blog do NPTO saiu da lista?

Eu fiz essa sugestão ao Alex algumas semanas atrás. Fico feliz que ele aceitou.

A meu ver, já faz um bom tempo que o NPTO deixou de ser um debatedor merecedor de respeito.

Hoje em dia é apenas uma versão sem charme, escatológica e "sophomoric" de um... Luis Favre.

Um exemplo: o argumento que Serra seria pior para a política macroeconômica do que Dilma. Eu posso até aceitar que alguém não veja grandes diferenças entre os dois, mas argumentar que a Dilma é melhor para mim é querer se lambuzar na compota da Mensalena.

O motivo foi político então.
Uma pena. Mesmo.

Anônimo

"O motivo foi político então.
Uma pena. Mesmo."

Não entendi seu comentário. Por que foi uma pena? Poderia explicar?

Será porque o tal do npto começa como aquele esquerdista metido a cheirosinho, equilibrado, com jetinho sagaz e provocativo mas acaba se traindo e se entregando como mais um funcionário raivoso, mentiroso e pilantrinha do PT?

Será?

Meus caros,
Só um pequeno comentário. Eu, infelizmente, não sou tão otimista. Apesar de todos os (graves) problemas do Kirchner, sua morte pode aumentar a instabilidade institucional argentina (muito em função da destruição institucional promovida por ele em seu governo ampliado - as duas gestões). Existe muito radicalismo na Argentina (e nenhum destes efetivamente são democratas). Vamos torcer para que lá não ocorra um ainda maior retrocesso.
Saudações.

"Será porque o tal do npto começa como aquele esquerdista metido a cheirosinho, equilibrado, com jetinho sagaz e provocativo mas acaba se traindo e se entregando como mais um funcionário raivoso, mentiroso e pilantrinha do PT?"

NPTO é um sujeito ignorante que não é capaz de compreender as ideias que tornaram o Brasil o que é hoje.

Daí o discursinho "a distribuição de renda começou com o Lula, Serra vai desestabilizar a economia"...

Imagino o que seria da nossa economia se o partido que estivesse no poder fosse aquele que tentou sabotar "o regime de metas de inflação, a lei de responsabilidade fiscal, o PROER, a reforma da Previdencia, as privatizações, o apoio ao agronegocio etc"

Melhor que meu pai ele não foi,dai meu desprezo para o morto ilustre para os ilustres.E que importa a morte dele,diante de tantas mortes por aqui,de fome ,sede ,bala ou moléstia.Mané tem mania de cultuar estrangeiro vivo ou morto,que a terra lhes seja leve,ou pesada,vai de cada um o peso que vai levar.
ABRAÇOS FRATERNOS

Lembrando o legado de Kirchner, o lema é: se viajar, leve ao menos dois petistas.
Sem conotações políticas, é claro.
Fernando A.

"Melhor que meu pai ele não foi,dai meu desprezo para o morto..."

Uau, seu pai deve ser o cão.

Pai Alex.

"O" Anonimo,
Sou novo aqui e fiquei sem saber de que lado você está. É difícil entender o que alguém quer dizer sem que se saiba de que lado ele fala.
Lembrei-me de curso de Administração Pública em que os colegas tratavam o então governador de Minas Gerais de corrupto. Não havia uma sentença transitada em julgado, mas era assim que eles referiam ao então governador no final da década de 80. Bem, pensei que eles estavam de brincadeira e passei a argumentar na mesma moeda. Lembrei que enquanto Roma era comandada por bandos de soldados corruptos e orgiásticos o Império Romano floresceu e só veio a sucumbir quando em vez de formar soldados deformados os romanos passaram a formar sacerdotes. Lembrei ainda dos escândalos da Lockheed que surgiram no Japão quando a taxa de crescimento no Japão era a mais alta. Falei também do momento áureo de Chicago na época dos gangesters mafiosos, mas que depois dos implacáveis só regrediu.
Agora leio essas suas exéquias para uma espécie que você chamou de capo mafioso e me pergunto o que você quer dizer. Será que para você o mundo precisa de pessoas como Néstor Carlos Kirchner e não desses santinhos sobre quem todo dia a gente lê nos obituários dos jornais?
Clever Mendes de Oliveira
BH, 29/10/2010

Esse Clever é incrível. Não me surpreendo mais com o desempenho brasileiro no PISA.

"que a Argentina tem o povo mais acovardado da face da terra."

Bom, que os argentinos são arrogantes, metidos, mal educados, etc. é consenso universal. Agora, que são "acovardados" aí não. Só conhecer um mínimo da história e da paíxão deles pela política. Ao contrário, parecem que sempre estão em guerra contra alguma coisa ou alguém.

Eu conheço muitos argentinos e não sei de onde este estereótipo de arrogância vem. Eles são sim mal-educados. Quanto ao ‘acovardados’, o adjetivo cai como uma luva.

Os argentinos se tornaram tão bundões que investiram suas aposentadorias no exterior para não ser expropriados pelo governo nos anos noventa, mas quando o governo conseguiu roubar a poupança mesmo assim, nada aconteceu, nem um traque.

Esta é uma das diferenças entre os EUA e a América Latina (ou a civilização e a selva, como diria o Selva Brasilis!). Se um governante estadunidense meramente mencionasse a possibilidade de confiscar a poupança do Joe Six Pack...

Alex,
Agora que Nestor se foi, acho que a Argentina tem toda chance de salvar-se.
Basta a Cris chamar seu superamigo e nosso Guia Maior (a essa altura, já desempregado) e sua "tchurma" ! Salvaremos o Brasil e assistiremos a Argentina deslizar garbosamente para debaixo da Antártida !

O tio "O" parece um pouco enganado em relação aos argentinos. Eles podem ser equivocados no jeito de lidar com as coisas, mas acovardados não, não há povo mais briguento em termos de politica na america latina. Quem tem fama de mais passivo são os chilenos, os argentinos tem fama de conflitivos sempre, a classe média argentina vai pra rua por quase tudo (hehehhe). Agora uma duvida, o americano médio é realmente aguerrido na defesa dos seus direitos? A imagem que temos pelas bandas de cá é de um bando de Homer Simpsons engordando e desconhecendo tudo que saia do seu umbigo.

“O tio "O" parece um pouco enganado em relação aos argentinos. Eles podem ser equivocados no jeito de lidar com as coisas, mas acovardados não, não há povo mais briguento em termos de politica na america latina.”

Em termos de política e defesa de direitos individuais, o argentino é como o marido corno que fica sentado na sala enquanto o Ricardão se diverte com sua mulher na frente das crianças pequenas e quando o Ricardão sai de sua casa vestido em seu melhor terno e carregando seu laptop, dá um piti porque ele deixou uma camisinha suja no chão do quarto.

“ Quem tem fama de mais passivo são os chilenos, os argentinos tem fama de conflitivos sempre, a classe média argentina vai pra rua por quase tudo (hehehhe).”

Ao contrário. Os argentinos são aqueles que aceitam viver em um país onde direitos de propriedade são atropelados sempre que o governante da hora assim o decide, não os chilenos. Por outro lado, são os chilenos aqueles que se beneficiam de vivem no país latino americano com os menores índices de corrupção. Quem será que é o povo mais ‘passivo’?

“ Agora uma duvida, o americano médio é realmente aguerrido na defesa dos seus direitos? A imagem que temos pelas bandas de cá é de um bando de Homer Simpsons engordando e desconhecendo tudo que saia do seu umbigo.”

É uma imagem bem ignorante que apenas ilustra como o estereótipo do Homer Simpson se aplica para você, que acabou de demonstrar total ignorância sobre a cultura política norte-americana.
Não existe nenhum país no mundo em que os direitos individuais são mais aguerridamente defendidos e mais profundamente enraizados na cultura de seu povo do que nos Estados Unidos.

Meus caros,
Só um pequeno comentário sobre estes estereótipos. Eles não fazem sentido muitas vezes. Ao mesmo tempo, sabemos como são complexos estes processos de coordenação. Instituições e mudanças institucionais são temas facinantes e complexos. Digo isto para não cairmos na bobagem que determinado povo é bundão porque seus governantes fizeram alguma coisa. O que está sendo proposto do ponto de vista da ação individual (afinal de contas somos indivíduos e agimos individualmente)? Que o cidadão compre um rifle e atire nos políticos? Posso chamar nós todos de bundões por não termos feito isto em tempos recentes no país? Ou, a cada escândalo que ocorreu, só aumentava um forte sentimento de impotência? As sociedades são complexas e problemas de coordenação existem.
Agora, a Argentina é jóia, tem gente de tudo quanto é tipo, as mulheres são linas, o tango é lindo, as carnes e ops vinhos são ótimos e por aí vai.
Saudações.
PS: Cito o professor Aluísio: "Economista que chama país de caloteiro é economista ruim. As ações devem ser entendidas a partir da estrutura de incentivos na qual o agente está imerso". O mesmo vale para a Argentina, o Chile ou os States. Devemos entender a ação individual das pessoas não porque estas são cagonas ou valentes e sim a estrutura de incentivos (o ambiente institucional) na qual estas estão imersas.

Eu discordo. Você está recorrendo a um argumento quase que determinista, que parece implicar que as instituições e incentivos existentes não são resultado da ação humana.

Quanto ao que você falou do rifle, é exatamente disso que estou falando. Em alguns países, governantes internalizam o conceito que algum “louco de rifle” vai fazer a Constituição ser cumprida com suas próprias mãos. Em outros países, governantes entendem que sua fortuna pessoal e de seus amigos e parentes não vai sofrer se eles expropriarem o João Cidadão.

“chamar nós todos de bundões por não termos feito isto em tempos recentes no país?”

Oh, sim. São poucos países do mundo em que os cidadãos têm a tolerância à corrupção e à desigualdade de oportunidades que nós brasileiros temos.

A descrição do governo Kirchner é só parcialmente verdadeira. Na medida em que a Argentina se liquefez em 2001, a quebra de contratos foi o menos pior que poderia ter ocorrido. E o ataque às instituições foi fichinha perto do que a história de lá mostra. Na realidade, se lembrarmos o que foi feito em relação à punição dos gorilas de 76-83, pode-se dizer que algum respeito às instituições públicas enquanto afeitas aos princípios basilares dos direitos humanos foi retomado sob o Pinguim, algo no qual estamos há anos luz em relação a eles. De qualquer forma, Menem e De la Rúa destruiram qualquer respeito às instituições antes que Kirchner pudesse fazer qualquer coisa.
Kirchner encontrou um não-país em 2001 e entregou um país com algum sinal de recuperação.

Ah, e lamento pelo exemplo do Estadão ter encontrado adesão aqui neste blog. O debate sobre São Paulo, República Velha e investimentos foi bem legal. Esperava que se repetisse.

"Ah, e lamento pelo exemplo do Estadão ter encontrado adesão aqui neste blog."

Não entendi.

“A descrição do governo Kirchner é só parcialmente verdadeira. Na medida em que a Argentina se liquefez em 2001, a quebra de contratos foi o menos pior que poderia ter ocorrido.”

Errado... Os Kirchners continuaram quebrando contratos depois da economia ter se recuperado graças ao boom do soja. O confisco da poupança, se não me engano, aconteceu em 2009.

“Na realidade, se lembrarmos o que foi feito em relação à punição dos gorilas de 76-83, pode-se dizer que algum respeito às instituições públicas enquanto afeitas aos princípios basilares dos direitos humanos foi retomado sob o Pinguim, algo no qual estamos há anos luz em relação a eles.”

Discordo. Os gorilas tomaram o poder na Argentina em resposta à radicalização dos terroristas nos anos que os precederam. É o fim da picada querer punir os gorilas ao mesmo tempo que reabilita-se os terroristas de esquerda.

Eu me referia à discussão entre o NPTO e você, levantado pela nova divisão dos royalties do petróleo entre os estados, sobre o papel de São Paulo no desenvolvimento do Brasil na República Velha, algo assim, lembra? Foi uma discussão interessante.

Os "terroristas" não eram responsáveis por instituições, daí seus crimes serem diferentes dos cometidos pelo Estado. De mais a mais, tirando algumas dezenas dos que pegaram em armas, eles foram dizimados (junto com milhares de inocentes e "culpados" de crimes menos graves). Aliás, já em 77 os montoneros estavam dizimados, sendo que a barbárie que perdurou até 83 (incluindo o sequestro de crianças) pouco ou nada teve a ver com uma resposta ao "terrorismo".
Kirchner fez um excelente trabalho na área dos direitos humanos, e, tendo em vista da extrema importância deste tópico na história argentina, deixa um saldo bastante elevado pra o futuro daquele país. Quanto à economia, realmente, falo somente baseado na leitura um pouco superficial dos jornais.

Concordo com quase tudo.

Menos com a glorificação dos montoneros.

É o fim da picada absolver uma gangue de sequestradores e assassinos lutando para que a Argentina fosse uma ditadura de esquerda e ao mesmo tempo condenar outra gangue de sequestradores e assassinos lutando para que a Argentina fosse uma ditadura de direita.

Peralá, eu não glorifiquei ninguém. Apenas apontei de leve uma diferença entre guerrilha e o aparelho de Estado. Por pior que fossem os montoneros (em especial sua liderança de loucos e irresponsáveis que jogaram centenas de jovens nas mãos dos assassinos de Videla, Viola e Galtieri), não há simetria entre eles e os militares responsáveis por uma Constituição, pela ordem e pela lei.

“Peralá, eu não glorifiquei ninguém.”

Hey, calm down, boneca (*) -- Estou falando do Kirchner.

“O”

(*) Não sei porque eu acordei hoje me coçando para escrever essa frase – nada pessoal!