teste

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Não tão depressa que pareça covardia, nem tão devagar que pareça provocação

04/01/2011 às 16:24h


O reajuste do salário mínimo para um valor superior aos R$ 540 aprovados no Orçamento de 2011 será vetado pela presidenta Dilma Rousseff, afirmou hoje (4) o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele classificou de temerário qualquer esforço para aumentar o mínimo além do previsto.

De acordo com o ministro, um novo reajuste complicará o ajuste fiscal prometido para este ano. “É temerário aumentar o mínimo além de R$ 540. Se vier coisa diferente, vamos vetar. Um reajuste acima desse patamar pressiona os gastos da Previdência, causa deterioração das contas públicas e dificulta o resultado fiscal que pretendemos”, ressaltou.

Brasília, 14 - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou há pouco que o governo federal corrigirá o valor do salário mínimo de R$ 540,00 para R$ 545,00.

- No pasarán!
- Ih, passou

Reações:

24 comentários:

A única coisa que ele devia fazer, que é cortar o orçamento, ele não faz. Aí fica falando (e fazendo) besteira sobre o cambio e fazendo a gente passar vergonha lá fora, sendo zoado até pelo FT. Lamentável...

Márcio

Ele foi ultrapassado pelos fatos, deu a inflação maior que previsto e agora é necessário aumentar, é a lei.

Por isso, ele informava antes 540 por que era o que a lei indicava e agora 545,00 por que a lei exige...a discussão é por que o salário que precisa do índice de inflação de dezembro todo ano é discutido antes...

Mas, nessa parte não vejo muito o reclamar dele, pior seria bancar o experto agora e manter os 540,00 e perder lá na frente na justiça.

Abs.

Isto não virou lei. De qualquer forma, o temerário não é mais temerário.

Nenhuma menção a compensar o aumento de despesas.

Este sujeito é ridículo.

Bom, para quem a meta fiscal de 2010 seria cumprida sem truques, o que é cerca de R$ 1,5 bi a mais para garantir um mínimo R$ 5 acima do que ele tinha dito antes?

Não sou fã do Mantega, nem tenho nada contra; creio que alguns de seus 'erros' sejam propositais; encenação.
Tal qual presidente de BC, é mais respeitado pelo que diz e/ou não diz do que muitas vezes pelo que faz, na visão imediatista dos agentes econômicos e financeiros.
No longo prazo fica a obra, esta é a que conta.
Vide o período de exercício, como chairman do FED, de Alan Greenspan, semi-endeusado pelo mercado. As críticas que ele sofre hoje são fortes, fundadas ou infundadas; acusado de ser um dos agentes que causaram a Grande Crise, a qual ainda não obteve um desfecho completo.

Alex,

O Mantega eh pau mandado, inexpressivo, chega a ser patetico.

M.

PS. No dia seguinte ao fim do CEO Conference fez sol...

"Não sou fã do Mantega, nem tenho nada contra; creio que alguns de seus 'erros' sejam propositais; encenação."

Nao. Nao eh encenacao. Eu conheco ele. Ele eh semi-retardado.

Se a atividade economica aguentar,esse valor é recuperado.

Meus caros,
O manteiga, ao contrário do que vocês dizem, é muito esperto. Sendo um economista tosco e inexpressivo, conseguiu um excelente emprego já faz 8 anos e pretende continuar lá (o que são pequenas humilhações públicas vindas do presidente da república?).
Saudações

Gostaria de saber o que o Alex e o "O" pensam sobre esses argumentos do A.Saschida, sobre inflação.

"http://bdadolfo.blogspot.com/2011/01/inflacao-alimentos-e-oferta-de-moeda_18.html"

Posso estar equivocado, mas esses não são argumentos de uma macroeconomia bastante arcaica?

"Nao. Nao eh encenacao. Eu conheco ele. Ele eh semi-retardado."
Ele é formado pela USP; o QI não deve ser tão pobre.

"Ele é formado pela USP; o QI não deve ser tão pobre"

Já vi cada coisa por lá, ainda mais quando a FEA não era tão disputada como é hoje. E não me refiro apenas ao corpo discente...

Ok. Acredito que tenha visto. Sem querer esparsar pelo lado filosófico de que todos erram e vir a alongar uma delonga.
Ainda creio que certos erros dele sejam encenações; bem, espero que sejam.
E vamos torcendo para o governo calibrar a mão e ter mais juízo evitando manobras fiscais e que venha a reduzir a dívida. Seria o começo, dentro da série 'grau de investimento', para subirmos até atingirmos o tão cobiçado AAA, aqueles, que os títulos americanos possuem,... rs, rs
Abs colega.

Sobre o texto indicado pelo anônimo das 10:34

"Sendo assim, devemos excluir quedas frequentes em Q como a origem da inflação dos últimos 500 anos. V, a velocidade de circulação da moeda, é uma das variáveis mais estáveis da economia."

V é uma das variáveis mais estáveis da economia? Sem comentários! Isso não só é tão arcaico quanto um escolástico da Idade Média como é ERRADO.
O cara conseguiu inverter os efeitos de médio e longo prazo de mudanças na oferta de moeda, colocou a culpa da baixa correlação de curto prazo nos índices de inflação... abusou!

"Posso estar equivocado, mas esses não são argumentos de uma macroeconomia bastante arcaica?"

Desde quando arcaico eh sinonimo de errado?

"V é uma das variáveis mais estáveis da economia? Sem comentários! "

Deve ter passado pela cabeca dele plotar V, mas dai bateu aquela preeeeguissa... (com ss mesmo)...

Austríaco também é quermesseiro...

Anônimo das 10:34 - Eu honestamente acho que o Sachsida anda falando algumas bobagens, agora percebo que existe uma benevolência maior (por parte do Alex) em relação a ele do que se nota em relação aos quermesseiros hehehe . . . Um liberal falando bobagens é menos perigoso que um quermesseiro falando besteiras?

Sobre liberal falando besteira...
O texto do Sachsida é realmente um monte de bobagens. Mas é absolutamente inofensivo. O máximo que pode ocorrer é um quermesseiro, no seu mix de ignorância e má fé, citar e dizer que a visão dele é a visão do "mainstream".
Já o problema com os quermesseiros é que eles estão numa posição onde podem não só falar besteira, como também fazê-la. Então, não creio que haja benevolência do Alex, mas sim questão de foco.
E o mais curioso em relação ao Sachsida é que, embora a análise seja totalmente equivocada, a solução de agora seria a correta, ou seja, apertar a política monetária.

Em geral é.

A receita pronta do liberal radical é a não intervenção e, felizmente para ele, na maioria dos casos a solução descentralizada é muito superior à centralizada.

Entretanto de 50 em 50 anos (valor arbitrário) ocorrem merdas que requerem intervenção coordenada e centralizada para evitar um ajuste mais doloroso.

Já a receita do quermesseiro é intervenção em tudo, da forma mirabolante que surge em sua cabeça (que é incapaz de incorporar a noção de determinação simultânea de variáveis), esquecendo inclusive que existem restrições físicas e orçamentárias para seus delírios.

No Brasil, esse é um mal pervasivo, que faz parte da cultura popular. Que brasileiro não acha que o governo tem que promover o desenvolvimento, manipulando câmbio, impostos, juros...? Um pouco de Tea Party no Brasil faria muito mais bem do que mal.

No fundo, espero que nossa esquerda esteja convergindo para a esquerda americana a la Krugman e nossa direita para a direita americana a la Mankiw.

Mas, aqui, Krugman ainda seria considerado um ortodoxo direitista neoliberal, pronunciado como se cada um desses adjetivos fosse um palavrão.

Galego,

Não diria que a análise do Sachsida está totalmente equivocada, justamente pelo que você fala em seguida.

Acredito que, dado o histórico dos economistas no país, que acham que inflação pode ser reduzida por decreto - mantendo gastos altos e juros baixos ao mesmo tempo!- ele queira chamar a atenção para o fato de que não existe mágica, que inflação em geral é causada por gastos governamentais ou política de crédito fácil. E se você quer resolver o problema, tem que atacar a fonte.

Leo,
eu diria que um liberal radical é como um relógio quebrado que fica repetindo toda hora que NÃO é meio dia.
Quanto ao resto,não creio que a melhor forma de combater a quermesse é escrevendo um texto que fale que a velocidade da moeda é uma das veriáveis mais estáveis da economia e que um índice de preços com todas as mercadorias refletiria exatamente a expansão monetária... essas coisas são erradas, facilmente refutadas e, pior, um quermesseiro que fizesse isso acharia nisso uma evidência de que ele (o quermesseiro) está certo.