teste

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Holland de Brito, a obra (parte 1)

A tarefa do dia é decifrar o que se passa na cabeça do Professor Márcio Holland de Brito, o novo secretário de política econômica de Mantega.

Como eu sei menos do que gostaria, fui ao IDEAS procurar por suas publicações e artigos. A publicação mais recente é esta:

Luiz Carlos Bresser-Pereira & Marcio Holland, 2009. "Common currency and economic integration in Mercosul," Journal of Post Keynesian Economics, M.E. Sharpe, Inc., vol. 32(2), pages 213-234, December.

... cujo abstrato diz o seguinte: “Latin America has a long history of attempts to achieve regional integration, yet success has been modest. This paper contends that this is essentially due not so much to protectionist practices in the various countries, but to the lack of a common currency or, at least, of a tightly managed exchange rate band. We reviewed the optimum currency area criteria that indicate it is prudent to increase economic integration before attempting to establish exchange rates coordination. It seems fair to say that diminishing exchange rate instability could encourage trade and investment flows across Latin American economies. We also performed a very simplified exercise to understand how feasible efforts would be between policymakers in two large economies (Brazil and Argentina) to achieve exchange rate parity stability and step toward adopting a common currency.”

Perguntem-se a si mesmos: se o Professor Bresser Pereira, o gênio renascentista da Nove de Julho, lhes convidassem a escrever um artigo sobre uma proposta de moeda comum para o Mercosul, vocês (a) aceitariam; (b) teriam um ataque de riso; (c) ou ouviriam pacientemente para depois esquecer do assunto?

Devido à sua afiliação profissional, o Professor Holland de Brito tem boas razões para não escolher a alternativa (b). Mas que ele tenha escolhido a alternativa (a) sobre a (c) diz quase tudo que nós precisamos saber para esboçar o perfil psicológico do sujeito e inferir sua capacidade de influenciar política econômica proativamente e independentemente.

O Mantega de fato escolheu-o a dedo.

Preciso colorir?

Reações:

45 comentários:

Realmente, a academia no Brasil não é séria. Vcs viram quem vai defender o doutorado no dia 17/Dez na Unicamp? O MERCADANTE!!!!!

Vejam com seus próprios olhos....

http://www.eco.unicamp.br//biblioteca/calendario.php

Nesse ritmo, o próximo a ir parar no governo é o dr Paulo Gala. A FGV-SP venceu. Bresser-Pereira é o Robert Rubin brasileiro. Que Baal nos proteja.

Nelson Barbosa é consideravelmente pior economista do que esse cara e nunca li nada sobre ele aqui...

é um disparate.

“Nesse ritmo, o próximo a ir parar no governo é o dr Paulo Gala. A FGV-SP venceu. Bresser-Pereira é o Robert Rubin brasileiro.”

Poxa vida, nessa eu discordo completamente.

Podem chamar o Holland, o Gala e o Nakano juntos, mas a chance dos planos malucos do Bresser serem referência de política econômica é zero. O governo pode até usar a turma da FGV-SP para justificar alguma bandalheira (algum FGV se voluntaria para justificar o crédito do BNDES para o JBS?), mas imaginar que essa turma vai ter poder decisório é doidivanas.

Pega a questão da conta de capital. Com o pré-sal, o Brasil tem pela frente pelo menos meia década de déficits em conta corrente gigantescos (sim, isso mesmo que eu acabei de escrever).

O Bresser pode repetir a opereta usual de que não se cresce com capital externo umas 100 vezes, mas não dá para acreditar que a probabilidade de um fechamento de nossa conta de capitais seja maior que a probabilidade do Cristo Redentor descer o Corcovado (dançando o tchan).

A GV-SP está cheia de "gênios", não citarei nomes por uma questão de educação, mas tem um sujeito arrogante lá que estudou comigo e com o Alex,se for por aí, que Deus que nos proteja de tanta sabedoria.
Foi mencionado a questão do BNDES e o JBS, realmente se confirma a história que o pessoal da Unicamp entendia de capim. Esses cara eram autoproclamados grandes "conhecedores" da estrutura produtiva brasileira notadamente da industria e do desenvolvimento tecnológico brasileiro. Melhor parar por aqui.

O Holland tem pós-doc em Berkeley.

Isso não deveria significar que ele é entende do riscado?

Pai Alex.

Não necessariamente. Um pouco antes do meu tempo contam que um professor que andou por lá melhorou muito o backhand durante o pós-doc.

Pós-doc não quer dizer nada.

Concordo com o anonimo acima. Sai Nelson Barbosa, entra Holland de Brito, boa melhora.

Defesa da tese de Doutorado do Mercadante...esse é o evento do ano!!! Voces repararam na banca? e o tema da Tese? realmente um show de horror. Vou mudar de opinião e comerçar a achar que Dr é só para médicos

Alex e "O"

Para um aspirante ao mestrado, quais seriam as diferença fundamentais entre os 3 princiapais centros do país :puc rio, fgv rio e usp ?
Poderiam, por gentileza, apontar os pontos fortes/fracos de cada um?
Fico muito grato, pois 2011 será um ano de dedicação para a Anpec e quero conhecer um pouco mais destes centros.
forte abraço
eduardo

"Defesa da tese de Doutorado do Mercadante...esse é o evento do ano!!! Voces repararam na banca? "

Uma verdadeira elite da merda.

Creio que o blog aqui esteja subestimando o Holland. O cara é extremamente político e pragmático.

O interessante é a primeira frase do texto: o q está da cabeça do novo secretário. Resposta: não sei. Como coordenador da pós da GV, sempre conciliou a turma do Bresser com Firpo, Portela, etc. totalmente político. Sempre falou o que o publico presente quis, sendo pragmático. Suas aulas foram similares a entrevista dele hj no Valor: vc lê, vê, presta atenção sem parar e não consegue nutrir informação alguma. Na academia, é o cara da Unicamp que escrevia com Canuto, Samuel Pessoa, etc.

Por isso, a frase "mas a chance dos planos malucos do Bresser serem referência de política econômica é zero" é totalmente verdadeira.

Agora, ser pragmatico e politico do jeito que ele sempre foi não é necessariamente pior que ser heterodoxo. Pq a gente não sabe com quem está lidando. E são pessoas assim q sobem de cargos.

post-doc = uma salinha no fundo do departamento, onde o sujeito faz o que quiser, sem obrigações nenhuma com o depto. O sujeito no máximo aparece nos seminários, e se não falar besteira, ninguém se importa. Dizer que um post-doc equivale a um PhD fora só pode ser ignorância ou picaretagem!

Legal esse papo aqui sobre o pós-doc. Sempre achei que nas escolas de ponta era exigido um mínimo de conhecimento às matérias básicas, de modo que o cara não sairia de lá sem saber mas-colel, blanchard&fisher, hayashi e companhia.

Se o cara já tem doutorado no brasil, em uma escola mais fraca, como fazer então para dar um upgrade? (suponha que o cara tenha potencial para isso).

Não precisa a versão para colorir pq este post tem pé e cabeça (garoto mimado).

O fato é que o ministério da fazenda pertence aos pós-keynesianos, portanto se é Barbosa, Holland, Cardim, Ferrari, etc.. não faz a menor diferença pq todos leem da mesma cartilha. Agora é relaxar e bater neles.

Abs.

Se eu entendi corretamente a informação lá no blog do Márcio Laurini, vai dar para assistir a defesa da tese do Mercadante ao vivo clicando neste link:

http://www.eco.unicamp.br/noticias/exibirDetalhes.php?itemPag=evento&id=169

O freak show será hoje às 10h.

Mas eu acho que no final das contas, a pos-keynesianice da turma e' irrelevante. Digamos que o Mantega ache que fechar a conta de capitais seja uma boa ideia. Metade das vacas que pastam no Brasil afora tem QI alto o suficiente para entender que o pre-sal nao vai ser plenamente explorado se a Petrobras ou o seu agente financeiro não tiverem acesso a capital externo. Quem você acha que manda mais sobre a política brasileira de engajamento com os mercados de capitais internacionais, o Ministro Mantega ou o diretor de relações institucionais da Petrobras? Eu nao tenho duvida alguma sobreva resposta.

Guido Mantega, zoado outra vez, agora pelo Barry Eichengreen:

http://nationalinterest.org/article/mr-bernanke-goes-war-4573?page=show

é hoje em pessoal...a defesa de Tese do Mercadante!!! será que vai passar na TV? queria muito assistir a esse show de horror ao vivo. Além disso, como tudo no Brasil recente, essa maravilha de tese de certa forma tem o dedo do Lula. Imperdível!!! Dr só para os médicos.

Não sei como economista, mas o cara tem uma lábia...vai se dar bem na política!

Nenhum post em homenagem ao Dr. Ministro de Ciência e Tecnologia?

"Mas eu acho que no final das contas, a pos-keynesianice da turma e' irrelevante."

"O",

O fato é que esta guinada não é de hoje, pois quando o Manteiga assumir a Fazenda o jogo mudou, saiu o Lisboa e entrou o Barbosa, então a lógica deles é a mesma. Mas acho que controle de capitais, etc não vai acontecer, até pelo o que vc defende em seus comentários anteriores. Estou mais preocupado com o Tombini, acho que é dali que podemos ter surpresas.

Abs.

Alguma alma caridosa podia ler a tese do Mercadante, que deve ser uma b#$!a, e apontar aqui seus erros mais grotescos. Será que nenhum leitor deste blog estuda em Campinas e tem acesso à obra?

Não gosto do Mantega, acho um equívoco mantê-lo e acho o Holland apenas mais uma figura pitoresca na Fazenda. Por outro lado, concordo com o "O" que há limites institucionais e, principalmente, políticos à atuação dessas pessoas.

Mas gostaria de saber dos serristas, em que um governo do PSDB seria diferente? Se Dilma é amiga do Mantega que é amigo do Holland, o Serra é amigo da Conceição Tavares e do Mendonça de Barros...

10 min assistindo "a Tese"...nao aguentei...parece uma conversa de churrascaria...Subjetivo é pouco!!!

e viva mais um Dr de Campinas

subjetivismo é pouco...afinal, ele Mercadante é o cientista ou o objeto da tese?

Tudo bem a economia. Mas, pelo andar da carruagem, as grandes emoções virão na política. Ai é que mora o tom da próxima quadra. A próxima presidente está fechada em copas. Nada sabe-se o que pretende fazer. Pelas escolhas, não haverá surpresas. Talvez apenas revezes.
Dawran Numida

Comecei a assistir a defesa num ponto qualquer, onde o Bresser-Pereira estava falando. Primeira frase que escuto, algo do tipo: É um absurdo a Capes dar conceito mais elevado para as revistas de economia estrangeiras do que para as nacionais.

O cara acha que a REP é tão boa/prestigiosa quanto o QJE, AER etc.

Parei aí mesmo.

Olá eu estudo engenharia,porém me interesso por economia. A minha dúvida porque a "ortodoxia" ecônomica errou?


Quem melhor explica a crise é a escola austrica.

Que tristeza a SPE:

Até o Marcos Lisboa, a lista de ex-secretários incluía José Roberto Mendonça de Barros, Amaury Bier, Edward Amadeo...

Depois do Lisboa, Bernard Appy, José Julio de Almeida!, Nelson Barbosa e agora Marcio Holland...

Frases de Mercadante durante sua defesa de tese, segundo a Folha de São Paulo:
"Superamos a visão do Estado mínimo"; "Não nos rendemos à tradição populista"; "Retiramos 28 milhões da pobreza"; "Melhoramos muito o atendimento na saúde";
"Essa ideia de que o pesquisador tem que dissociar a paixão da racionalidade é uma visão superada pela neurociência"


frase de Bresser:"Aloizio, você resolveu não discutir teoria..."

frases de Delfim:"Com o Lula você exagera um pouco, mas é a sua função"

frase de um vestibulando de 18 anos, eleitor do PSOL:"Achei bom, mas ele é muito militante, né? Parece que a campanha não acabou..."

obs. Maria da Conceição Tavares não compareceu, mas enviou bilhete elogioso!!

"O fato é que o ministério da fazenda pertence aos pós-keynesianos, portanto se é Barbosa, Holland, Cardim, Ferrari, etc.. não faz a menor diferença pq todos leem da mesma cartilha. Agora é relaxar e bater neles."

anônimo, relaxa que o "O" já avisou que não bate no Nelson Barbosa. Ele inclusive já falou que o aprova.

Vai entender...

Olha o cara querendo me provocar...

Alguem poderia me dar uma evidencia mais forte que o sistema político brasileiro nao leva a serio as políticas publicas para ciência e tecnologia do que Mercadante e Bresser Pereira como ministros de C&T, Belluzzo como secretario de C&T em São Paulo?

Nos últimos anos o Brasil se beneficiou de reformas que originaram do período Lisboa na SPE. O Appy bobeou de nao cair fora junto com a turma do Palocci, foi encostado na tal reforma tributaria que nunca vai sair. O legado do Barbosa vai ficar claro em breve.

Será q vai ter artigo do Mercadante na REP, depois disso?

"Nos últimos anos o Brasil se beneficiou de reformas que originaram do período Lisboa na SPE. O Appy bobeou de nao cair fora junto com a turma do Palocci, foi encostado na tal reforma tributaria que nunca vai sair. O legado do Barbosa vai ficar claro em breve."

O Barbosa discorda:

http://nodocuments.wordpress.com/2010/03/09/a-inflexao-do-governo-lula/

trecho:
"E a opção estratégica fundamental em apostar no crescimento, ao invés de radicalizar a incerta proposta do ajuste fiscal contracionista, baseada nos cânones neoliberais, terminou sendo validada com base em resultados imediatos. Ressaltamos que foi imprescindível a opção pragmática de atuar com medidas de incentivo fiscal e monetário conjuntamente às transferências de renda e ao aumento do investimento público.
O reconhecimento da necessidade de um papel mais ativo do Estado, com a recuperação progressiva da capacidade de investir em áreas estratégicas foi, e continua a ser, imprescindível. Isso implicou o Estado assumir responsabilidades que se julgavam, durante a hegemonia neoliberal recente, alheias a suas esferas de atuação.

Nem esquenta com isso.

O Barbosa escreveu essa balela toda porque isso faz parte da descrição de emprego dele.

Mas é piração, loucura, alucinação, imaginar que o Nelson Barbosa não entenda que o sucesso do governo Lula se deve aos programas de transferência de renda que o governo recebeu dos tucanos e da assistência técnica do Banco Mundial; das reformas no crédito gestadas pela turma do Marcos Lisboa e a estabilidade macroeconômica proporcionada pelo regime de metas de inflação do Armínio Fraga e do Ilan Goldfajn.

Quanto ao “espetáculo do crescimento”... Nos últimos 2 anos crescemos uns 3 por cento em média, enquanto rodamos déficits fiscais e externos crescentes, além de depreciar boa parte da credibilidade do Bacen. Faz favor!

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-31572010000400003&script=sci_arttext&tlng=pt

Meu Deus do ceu...

"Mas é piração, loucura, alucinação, imaginar que o Nelson Barbosa não entenda que o sucesso do governo Lula se deve ..."

Valeu, "O", o cara escreve e assina, mas vc quer dizer que o que ele pensa é outra coisa... Beleza, mas assim vc pode justificar qualquer coisa. Por exemplo, que o Oreiro na verdade é um ótimo economista, mas escreve aquele lixo de sacanagem... fala sério.

Mudando de assunto, saiu um texto interessantíssimo pelo FMI:

http://www.imf.org/external/pubs/ft/wp/2010/wp10268.pdf

Segundo os autores, "our framework is the first to provide an internally consistent mechanism linking the empirically observed rise in income inequality between high income households and poor to middle income households, the increase in household debt-to-income ratios among the latter group, and the risk of a financial crisis."

Meu caro, este texto foi escrito para um livro de "intelectuais" do PT editado pelo Emir Sader. Se o Barbosa tivesse escrito algum pensamento inteligente ou honesto, voce pode confiar que nao sobreviveria a tesoura do Emir. Eu tenho muito mais bronca quando ele, o Oreiro e resto da trupe circense colocam o chapéu de acadêmico. Ninguém who gets it procuraria livro do Emir para procurar evidencia de inteligência superior.

Este artigo foi extremamente interessante, especialmente porque eu estava à procura de ideias sobre assunto nesta quinta-feira passada.

Obrigado pelo post útil! Eu não teria chegado a este o contrário!

Caro Alex
Você não percebeu o motivo da indicação de Holland para o governo: Ele vai ficar encarregado de impedir que o Brasil contraia a doença Hollandesa!!!!!