teste

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Os 12% de Héracles


Dizia Aristóteles que a tragédia se caracteriza, entre outras coisas, pela mudança da fortuna do herói, consequência de erro (intencional ou não) cometido no passado, através da qual o herói trágico e a audiência obtêm uma revelação acerca da natureza humana (ou da vontade dos deuses). Não me escapa a ironia (outra palavra grega) dessa definição encampar de forma tão completa os desenvolvimentos recentes na Eurolândia. A Grécia passa por uma mudança de fortuna, resultado de erros passados, e, como na tragédia, a queda traz uma revelação sobre a natureza da crise.

O problema se manifesta como um aumento considerável dos prêmios de risco associados à dívida helênica. Enquanto escrevo este artigo o custo de proteção contra um possível calote grego gira em torno de 350 pontos-base (3,5% ao ano para o prazo de 5 anos), vindo de valores ao redor de 100-150 pontos na segunda metade de 2009. Em comparação, o prêmio de risco no caso do Brasil para o mesmo prazo é próximo a 140 pontos, enquanto o argentino é de 1100 pontos. Estes preços sugerem que mercados consideram haver uma probabilidade razoável de um default grego nos próximos 5 anos.

A razão para tal desempenho parece clara. Enquanto outros países da Eurolândia fizeram um esforço para reduzir o endividamento do setor público (a dívida média da região atingiu 66% do PIB no final de 2007), a Grécia entrou na crise com uma dívida próxima a 100% do PIB, ou seja, praticamente sem espaço fiscal para incorrer em novos déficits. Apesar disto, em 2009 o déficit público alcançou 12% do PIB, valor não apenas elevado, mas, principalmente, muito superior ao divulgado originalmente pelas autoridades gregas (3,7% do PIB), levando o próprio governo a admitir que, em primeiro lugar, o país sofre de um “déficit de credibilidade”.

Em razão do descaso fiscal anterior, a Grécia enfrenta agora a necessidade de apertar sua política fiscal em meio a forte recessão, sofrendo ainda com o aumento do custo de capital associado à elevação do risco-país no contexto de uma taxa fixa de câmbio. Em outras palavras, o país está condenado a uma política fiscal pró-cíclica, por conta da falta de cuidado anterior. Nem no Hades, onde Tântalo passa fome e sede em meio à água e iguarias, e Sísifo empurra continuamente sua pedra morro acima,  seria possível imaginar punição mais rigorosa.  Reduzir o déficit nestas condições seria um desafio digno do 13o trabalho de Héracles.

Que o diga a Argentina, que, sob circunstâncias semelhantes em 2001, tentou heroicamente ajustar suas contas, embora sua dívida fosse, a bem da verdade, consideravelmente menor do que a grega. Por outro lado, nossos vizinhos não faziam parte de um clube exclusivo, disposto, aparentemente, a financiar o país nesse período delicado, desde que os gregos se comprometam com um pacote duríssimo de austeridade fiscal.

E, após a catarse, o que se revela para a audiência? Acima de tudo que países ganham e perdem facilmente os favores do mercado. Quando a fortuna muda não falta quem aponte os diversos erros cometidos nos anos de felicidade como motivo para a tragédia recente. Descuidos fiscais e truques contábeis, que parecem modestos nos anos de felicidade, têm o mau hábito de voltar para nos assombrar quando a maré vira, fato que não deveria ser esquecido em momento algum por qualquer gestor de política econômica, mas frequentemente é.

À luz disso, só nos resta concluir, como Ésquilo: “não considere um homem feliz até que morra”. Os antigos helenos sabiam das coisas.

(Publicado 17/Fev/2010)

Reações:

95 comentários:

Por isso que Friedman sempre foi contra a Eurozona.Seria melhor que cada país tivesse sua moeda propria.

O ajuste com cambio flutuante seria mais suave.

PS:Porque você nunca comenta a situação fiscal dos EUA e da Inglaterra?

Eles assim como a Grécia aderiram a "magica" Keynesiana de aumentar os gastos públicos.E vão ter problemas no futuro.

Não era o caso de eles venderem os monumentos históricos? O Parthenon não valeria uma parte razoável da dívida? O Brasil compraria para ganhar profundidade histórico-cultural? Fora isso, não vejo muita saída.

Alex,

é um exagero meu entender que há uma crítica às manobras feitas no fim de ano para salvar o superavit primário aqui no Brasil?

E sem querer voltar à polêmica sobre o Oreiro, alguém poderia lembrar a ele que neste blog as atenções não são dadas apenas a ele, mas a outros ilustres membros da quermesse, como o Gala, o Bresser, Pochmann, Nakano e outros.

Então não adianta fazer o papel de vitima e querer sair por cima. Não há questão pessoal, apenas uma questão cívica, como disse o "O". Não se está contra ninguém, mas a favor do Brasil e do seu bom futuro.

Alex, o estilo ta a la Eliana Cardoso.


nesta aqui o ivo foi bem:

"O ajuste com cambio flutuante seria mais suave."

o cambio é o grilhão...

"Por isso que Friedman sempre foi contra a Eurozona.Seria melhor que cada país tivesse sua moeda propria."

E o Krugman também. Você, hein, Ivo?


" PS:Porque você nunca comenta a situação fiscal dos EUA e da Inglaterra?

Eles assim como a Grécia aderiram a "magica" Keynesiana de aumentar os gastos públicos.E vão ter problemas no futuro."

Os EUA tinham uma dívida próxima a 40% do PIB quando a crise começou. O Reino Unido 44% do PIB. Ambos não só bem melhores do que a Grécia como com mais espaço fiscal que o Eurozona.

Assim, se, por exemplo, a expansão fiscal levar a dívida dos EUA a, digamos, 80% do PIB, supondo uma taxa real de 4% ao ano (a neutra é estimada em 2%; ponho dois pontos a mais como prêmio de risco) e que sua capacidade de crescimento é próxima a 2% ao ano, seria necessário ter um superávit primário de [0.80*(0.04-0.02) = 0.016] 1,6% do PIB para estabilizar a dívida.

Com 4% de juros sobre uma dívida de 80% do PIB, o custo da dívida seria 3,2% do PIB, ou seja, um déficit nominal de 1,6% do PIB mantem a situação sob controle. Qualquer coisa menor que isto começa a reduzir o endividamento.

Em outras palavras, os EUA (e o RU) dificilmente entrariam numa trajetória explosiva. No caso da Grécia, uma palha a mais quebra as costas do camelo. (deixo as contas para o Ivo).

"o cambio é o grilhão..."

É mais complicado que isto. Eu concordo, mas há pelo menos dois fatores complicando a história. (1) o euro tem se depreciado (o que atenua); (2) a dívida está denominada em euro. Em retrospecto, nao deveria ser assim, mas até aí, não se faz política econômica em retrospecto.

"é um exagero meu entender que há uma crítica às manobras feitas no fim de ano para salvar o superavit primário aqui no Brasil?"

De forma alguma Rogerio. Eu sempre escrevo o mesmo artigo.

Abs

A

Alex,

O que me chama a atenção é o governo grego deixar a situação chegar a essa insustentabilidade fiscal e "ninguém" ter alertado antes para essa crise. Que afinal incluem os PIGS - Portugal-Irlanda-a nossa Grécia e a Espanha.

Hoje não estou na floresta. Resolvi passar uns dias aqui no frio português. E vendo o PM Sócrates e a confusão com a PT, parece que continuo no Brasil. Que bela herança recebemos deles rsrsr

Abraçao,
João Melo

caros:

gostaria de sugerir um tema para um post: o novo position paper do fmi. está em:

http://www.imf.org/external/pubs/ft/spn/2010/spn1003.pdf

o texto sugere que a meta de inflacao deve subir, reconhece a necessidade de intervencoes pontuais no mercado de cambio e de politica fiscal contraciclica.

o texto parece ir de encontro a algumas posicoes já defendidas neste espaco, mas nao tenho certeza (li apenas diagonalmente).

bom, é só uma sugestao.

abs
sgold

opa, o anomino do grilhao sou eu.

e isto q o mundell fala, EURO mais forte?!

Alex,na sua opinião o melhor era cada país ter sua moeda própria ou o Euro foi a melhor solução?

Qualquer um sabe que cambio fixo só agrava as recessões.

Estabilizar não é cair.Eles teriam que ter um superavit nominal de 2% do PIB durante 10 anos para o nivel de endividamento voltar ao de 2008.

"Estabilizar não é cair.Eles teriam que ter um superavit nominal de 2% do PIB durante 10 anos para o nivel de endividamento voltar ao de 2008."

Dãããããã... Se voce acha o valor que estabiliza automaticamente sabe que valores acima deste derrubam a dívida.

Não te deram espinafre na infância?

Oia como você esta inteligente.Você reconhece que a população americana vai pagar por 10 anos o custo da "solução Keynesiana".

Se o ajuste fosse feito nos moldes de Friedman o custo para o contribuinte americano seria praticamente zero.

"gostaria de sugerir um tema para um post: o novo position paper do fmi. está em:

http://www.imf.org/external/pubs/ft/spn/2010/spn1003.pdf"

Boa sugestão. Eu andei trocando ideias com um cliente a respeito, mas preciso amadurecer alguns pontos.

"Oia como você esta inteligente.Você reconhece que a população americana vai pagar por 10 anos o custo da "solução Keynesiana"."

E olha como você continua burro. Sem comparar custos e benefícios não há análise econômica.

"Se o ajuste fosse feito nos moldes de Friedman o custo para o contribuinte americano seria praticamente zero."

E o ganho seria negativo...

Já disse: Os bancos quebram,vem a recessão,o mercado se ajusta depois volta tudo ao normal.A autoridade amplia a base monetária caso tenha riscos de deflação.

"Já disse: Os bancos quebram,vem a recessão,o mercado se ajusta depois volta tudo ao normal.A autoridade amplia a base monetária caso tenha riscos de deflação."

E quanto cai o PIB quando os banco quebram?

Alguns exemplos:

Argentina (2002): -10.9
Coreia (1998): -5.7
Tailândia (1998): -10.8
Colômbia (1999): -4.2
Venezuela (1999): - 6.0

Segundo Rogoff & Reinhart (capítulo 13, figura 13.6) na média das "5 Grandes" crises bancárias pós-Segunda Guerra (Espanha 77, Noruega 87, Finlândia e Suécia 91, e Japão 92) o crescimento PER CAPITA(!) cai em cerca de 6 pontos percentuais.

Dado que o PIB dos EUA caiu 2,9% em 2009, o resultado parece ter sido bastante razoável.

Alex,

Tendo em vista as discussões com o Oreiro, seguem alguns comentário pertinentes à blogosfera, que podem ser úteis até para outros.

Primeiro, contrariamente ao que disse o Professor Oreiro, pseudônimo não é anonimato, quando a constituição veda o anonimato isso tem relação com saber a quem punir quando for o caso. Pseudônimo pode ser usado em atividade legais, não há problemas.

Calúnia é atribuir a alguém, falsamente, algum crime. Acredito que não seja o caso a que se refere, pois isso é grave.

Difamação é atriguir a alguém fato ofensivo à reputação. Também não acredito que seja o caso.

Já a injúria é atribuir uma qualidade negativa à pessoa e a maior parte dos casos se situa aí. Entretanto, cabe notar que questionar as idéias de alguém e qualificá-las negativamente, por pior que seja, não é injúria. Assim, pode-se qualificar uma idéia de "estúpida" por exemplo. Entretanto, no momento em que se deixa de qualificar idéias e se passa a se qualificar pessoas, aí se inicia o terreno para a injúria.

Mas idéias podem continuar sendo idiotas, estúpidas, asneiras, pataquadas e burrices sem problema algum! Afinal, até gênios falam uma pataquada de vez em quando.

É isso aí!

Abs,

Ricardo.

Talvez a crise bancária nos EUA tivesse gerado uma queda no PIB ainda maior que as do trabalho do Rogoff citado pelo Alex.
O sistema bancário dos EUA é muito mais descentralizado do que a maioria dos demais países. Uma crise bancária poderia durar mais tempo, com "ondas" de corrida bancária (isso foi o que houve na crise de 29). E só para lembrar que uma forte queda no PIB também causa aumento do déficit público por si só, simplesmente porque as receitas também caem.

PS: o bom disso é saber que o Ivo evoluiu e passou a defender câmbio flutuante.

Alex,

essa análise pontual com os dados do ano em que a crise se deflagrou não está superdimensionando o problema?

Se fizermos uma análise com uma série mais ampla, considerando os anos que geraram a crise e os anos posteriores (com a retomada dos estoques, p. ex.) não teríamos uma figura mais "justa"?

Abs,

Romero

Alex, viu a réplica do Roberto Macedo ao seu artigo no Estadao?
E quanto à entrevista do Delfim ao valor?

Abs, Lucas

Alex,

Acredito que você tem razão em condenar a política fiscal irresponsável da Grécia no período pré-crise. No entanto, acredito que a situação é um pouco mais grave do que isso. O grande problema hoje não é apenas a necessidade de um ajuste fiscal. É a necessidade de um ajuste fiscal em meio à perspectiva de anos de deflação (provavelmente em termos absolutos) para recuperar a competitividade da Grécia (e dos PIGS em geral).
Se o problema da dívida em si já era grave, o que tira o sono do mercado é a provável incapacidade política desse governos de apertar a política fiscal com a taxa de desemprego subindo sem parar...
O que você acha de duas idéias meio heterodoxas para amenizar esse quadro:
1) o BCE tolerar por algum tempo taxas de inflação mais elevadas, de forma a facilitar o ajuste do câmbio real dos PIIGS;
2) Criação de um FMI Europeu bem parecido com o FMI original (financiar ajustes externos em um mundo de taxas de câmbio fixas).

Vladimir:

Não sei bem como uma taxa de inflação mais alta irá resolver o problema de câmbio real do Clube Med. Só se isto significar inflação mais alta na Alemanha/França do que na Grécia.

A menos que você tenha em mente que já haverá este diferencial de inflação (x%) de qualquer modo, mas que ao invés da inflação na Grécia ter que ser 2% - x% seja de, sei lá, 4% - x%.

Quanto a (2), euacho que estamos caminhando para isso, ainda que informalmente. Aliás, como criar esta instituição em particular é talvez o principal desafio europeu.

Abs

Alex

As crises bancarias da Coreia,Argentina e Tailandia foram gerada pelo governo.

Coreia e Tailandia porque tinham cambio fixo.Argentina porque deu Default.

A crise americana foi gerada pelo mercado.A melhor coisa a fazer é deixar quebrar.Se tiver problemas de liquidez a autoridade monetária aumenta a oferta de moeda.


Ja que você tem o Kindle sugiro a leitura de America’s Great Depression.

http://www.amazon.com/Americas-Great-Depression-LvMI-ebook/dp/B002BWQ6AS/ref=sr_1_1?ie=UTF8&m=AGFP5ZROMRZFO&s=digital-text&qid=1266517669&sr=1-1

"A melhor coisa a fazer é deixar quebrar.Se tiver problemas de liquidez a autoridade monetária aumenta a oferta de moeda."

Ah, tá. Quando quebra porque o mercado falhou e o PIB cai 8% tudo bem. Quando quebra porque o governo falhou e o PIB cai 8% é para intervir...

Os outos Bc's não fizeram expansão monetária,ou quando fazem ja é tarde demais.

O BOJ só injetou liquidez depois de2 anos.

Alex,

Minha idéia é de que se a Zona do euro tiver, sei lá, 4% de inflação ao invés de 2%, a Grécia pode ter 0% e produzir o mesmo ajuste de câmbio real do que se tivesse -2% se a Zona do Euro tiver 2%. Do que jeito que está, eles vão precisar ter deflação em termos absolutos por vários anos...

Alguém falou em Milton Friedman...onde foi que eu ouvi esse nome mesmo? Ah, já sei, é aquele cara que escreveu um livro mostrando como a grande depressão foi provocada por um erro de política monetária que gerou uma crise bancária...
Tenho certeza que se ele fosse vivo estaria pedindo a cabeça dos bancos :-)

OK Vladimir, mas precisaríamos ter mais certeza que a inflação de fato seria 2% mais baixa na Grécia que no resto da Europa.

": Os outos Bc's não fizeram expansão monetária,ou quando fazem ja é tarde demais."

PORQUE OS BANCOS QUEBRARAM, SUA ANTA! O MULTIPLICADOR BANCÁRIO COLAPSOU!

É POR ESTE MOTIVO QUE RECESSÕES PRECEDIDAS (OU ACOMPANHADAS) DE CRISE BANCÁRIA SÃO MAIS PROFUDNAS E DURADOURAS.

Injeta liquidez que resolve.Friedman nunca defendeu em seu livro resgate de bancos.Ele defendia o aumento da base monetária.

Se um banco quebra outro vai e assumi o lugar.

"Se um banco quebra outro vai e assumi o lugar."

Só no planeta onde o "i" substitui o "e" na terceira pessoa do presente indicativo do verbo "assumir". No planeta Terra nós vimos o que ocorre quando só se trata da liquidez sem cuidar da solvência.

Estimado amigo Alexandre,

Pelas duas deusas!
Mulheres não podem dizer: "Por Zeus!".

Sou assinante da Folha há anos, mas nunca abro o Caderno "dinheiro"; contudo, na edição dessa última 4ª feira, algo sobre os Gregos me chamou a atenção.

Qual não foi meu espanto ao conferir sua coluna intitulada "Os 12% de Héracles": que desenvoltura!

Gostaria de parabenizá-lo pelo excelente texto. Até eu, que não entendo absolutamente nada de economia, creio ter compreendido algo; mas são seus conhecimentos sobre a tragédia e os mitos gregos o que mais me chama a atenção.

Dificilmente encontramos (mesmo na Academia) quem discorra de forma tão profunda e magnificamente simples sobre a Hélade, como você o fez.

Mais uma vez, Parabéns!

Que os deuses o abençoe, e aos que ama, com o destino de Nestor.

Sentir-me-ei honrada com sua visita a meu Blog: www.lucienefelix.blogspot.com

Um grande abraço,

Luciene Felix
Professora de Filosofia e Mitologia Greco-Romana da
Escola Superior de Direito Constitucional - ESDC
www.esdc.com.br

Alex,

Considerando que o desemprego vai para lua e que um ajuste fiscal vai acontecer (por bem ou por mal) seria surpreendente se a taxa de inflação dos PIGS não for menor do que da Zona do Euro como um todo. Uma inflação um pouco maior ajudaria a a amenizar o problema da rigidez dos preços "para baixo".
O principal contra-argumento é de que, talvez, seja muito difícil estabilizar a inflação na faixa dos 4% a 5%. Outro diz respeito aos custos da inflação mais alta em si. Mas, aqui, acho difícil de acreditar que esses custos sejam muito mais altos do que uma inflação de 2% a 3%. Particularmente no caso atual onde, tentar forçar um ajuste que pode ser impossível goela abaixo dos PIGS coloca em risco toda a idéia da moeda comum...

Você leu o artigo do Blanchard? Ele toca, tangecialmente, nessa questão. Acho que vale não um, mas vários posts.

Ivo,

Tenho notado em você uma evolução de conhecimento, só que a passos de tartaruga. A estilística continua deprimente.

"Você leu o artigo do Blanchard? Ele toca, tangecialmente, nessa questão. Acho que vale não um, mas vários posts."

Li e pretendo comentar. Tento fazê-lo no fim de semana.

Abs

A

Os 25 pontos-base que vão ficar para história...

(Desculpem, não resisti)

Caríssimos, vcs andaram lendo algo sobre a adoção de duas moedas no velho continente. Pois bem, já há propostas de adoção, junto com o atual euro (chamando de strong euro), de um "weak euro" para a Grécia e, consequentemente para os PIIGS e aquela outra cambada de países do Centro e do Leste Europeu. Achei a idéia meio louca, mas bem criativa. Tem gente séria escrevendo sobre isso. Acho que foi o Goodhart no FT no fim de janeiro.

Alguém leu a respeito??

Sds, Imperador

Esse papo de mitologia pega muuuita mulher. Mandou bem careca!

Mais uma matéria que merece ser comentada: Valor de hoje, caderno de Finanças, pág. C1, de Bob Davis (WSJ). Estará o FMI mudando de extremos sem pensar no camninho do meio? É uma matéria de um jornalista não o texto original.

Alex,
os pontos levantados pela secretaria de fazenda de SP (Valor de hoje...) estão corretos?

abs

Entendo como uma inflação maior diminuiria um pouco o custo do ajuste grego. Hipoteticamente, como se produziria, num ambiente econômico maduro, uma inflação de 4%-6%?

algum trouxa aqui ainda pensa q o BNDES vai quebrar? hahhaha

Alex
Você já deve ter visto, mas segue o link da réplica do Mauro Ricardo a seu artigo:

http://www.fazenda.sp.gov.br/noticias/arquivos/nt5-10-santander.pdf

Vou dizer uma coisa, eu bem que queria que você estivesse certo, sou servidor daqui de SP, das chamadas "carreiras técnicas de alto nível", e estamos sem ver qualquer real de aumento a mais de 4 anos...estudo empírico de meus contracheques.

Mas isto não quer dizer nada, espero que você esteja certo e que fustigue mais ainda o Mauro Ricardo e o Serra, eles bem que merecem.

“Anônimo disse...
algum trouxa aqui ainda pensa q o BNDES vai quebrar? Hahhaha”

Eu diria que muita gente mais esperta - e mais bem paga - que você entende que do BNDES podem emergir passivos contingentes (esqueletos) a ser assumidos pelo Tesouro colocando a sustentabilidade de nossa dívida pública em questão.

Economics focus

Disciplinary measures
In a guest article, Daniel Gros of the Centre for European Policy Studies (pictured left) and Thomas Mayer of Deutsche Bank argue the case for a European Monetary Fund

http://www.economist.com/research/articlesBySubject/displayStory.cfm?story_id=15544302&subjectID=348918&fsrc=nwl

Martins

Não quebra porque é do governo.

Lucrécio

Este comentário foi removido pelo autor.

“Você já deve ter visto, mas segue o link da réplica do Mauro Ricardo a seu artigo:”

Eu li por alto enquanto almoçava e saí na dúvida: por que os autores não apresentam os valores NOMINAIS dos gastos correntes e de capital para as esferas federal e estadual e deixam os leitores concluírem?

Toda informação relevante está contida nos valores nominais, esse negócio de sair dividindo pelo PIB mais ofusca do que informa.

Diga-se de passagem, minha visão a priori é favorável a acreditar na Fazenda paulista, mas esta nota não ajudou muito.

Tem muito gente falando de Friedman. Acho ótimo, porque é sempre bom ter a lembrança de um grande economista e sobretudo um grande homem. Para quem não entende sobre sua posição sobre os bancos recomendo voltar a Fisher em sua proposta de 100% money.

Eu diria que muita gente mais esperta - e mais bem paga - que você entende que do BNDES podem emergir passivos contingentes (esqueletos) a ser assumidos pelo Tesouro colocando a sustentabilidade de nossa dívida pública em questão.

Não, não tem esqueleto nenhum... e foda-se quem ganha mais q eu... se é q ganha, pq eu duvido mto.

ah... o reinaldo azevedo te enquadrou como apoiador do goberno Lula, Alex... essa deve ter doído um pouco...

"seu estudo entrará para a história como mera peça de proselitismo eleitoral"

merece resposta, não?

Careca, te sacanearam no espaço aberto hein! Está parecendo o sr. barriga!! Tem q exercitar careca!

"Eu li por alto enquanto almoçava e saí na dúvida: por que os autores não apresentam os valores NOMINAIS dos gastos correntes e de capital para as esferas federal e estadual e deixam os leitores concluírem?

Toda informação relevante está contida nos valores nominais, esse negócio de sair dividindo pelo PIB mais ofusca do que informa.

Diga-se de passagem, minha visão a priori é favorável a acreditar na Fazenda paulista, mas esta nota não ajudou muito."

A nota da Sefaz utilizou a mesma metodologia do paper.

"Não, não tem esqueleto nenhum... e foda-se quem ganha mais q eu... se é q ganha, pq eu duvido mto."

Se tem passivo contingente ou nao, o tempo vai dizer. Quanto a ganhar mais que voce, eu tenho certeza.

Depois da resposta da fazenda de São Paulo o Alexandre ficou quietinho quietinho...
Como diz o "O", seria razoável e coerente (não é vc que cobre isso?!) sair a público e dizer que errou ou responder à fazenda de SP.
Aguardamos...

Alex,

Já havia comentado aqui sobre as atitudes do "Onônimo". Comentei que a qualidade do blog tinha caído um pouco, pois virou arena para discutir e falar mal do trabalho dos outros. O blog não está mais com a características de discutir economia, finanças e Governo. Discutem-se pessoa, título, banca, nome de universidade, salário etc.

Você disse que "O" também "remava", colaborando com o blog. Em alguns momentos, acho que isso pode ser verdade, mas acredito que ele rema jogando água para dentro do barco. Ele está afundando isso aqui!

Veja a diferença. Você, Alex, escreve e coloca seu nome. Gostei muito do trabalho sobre a condução das finanças do governo de SP. Outros, discordaram, o que é um direito de todos. Isso deu grande repercussão e permitiu que outros escrevessem a respeito. Nós, leitores, tivemos a oportunidade de ler trabalhos dos dois lados, todos devidamente assinados. Quando se assina, podemos saber o quão imparcial é a fonte. Quais seus verdadeiros interesses.

Enquanto isso, "O" fica se escondendo. Ele diz que tem e-mail e que basta escrever para ele com meu e-mail pessoal. Ele pede algo que nem ele tem: e-mail pessoal.

Mas o que me faz escrever neste momento? Acabei de ver essa citação na agenda de minha filha:

"A arrogância esconde uma fragilidade de caráter e um medo de se mostrar diante do outro." (Jaime Leitão)

Depois de ler isso, impossível não lembrar do "O".

Att,
Eduardo.

"Se tem passivo contingente ou nao, o tempo vai dizer."

Nem precisa ter.

Pega do BNDES e gira numa financeira e tá tudo resolvido.

"Como diz o "O", seria razoável e coerente (não é vc que cobre isso?!) sair a público e dizer que errou ou responder à fazenda de SP.
Aguardamos..."

Eu vou ler a nota com cuidado, olhar os dados e refletir. Caso esteja errado, vou admiti-lo; caso ache que há problemas, vou apontá-los.

"Você disse que "O" também "remava", colaborando com o blog. Em alguns momentos, acho que isso pode ser verdade, mas acredito que ele rema jogando água para dentro do barco. Ele está afundando isso aqui!"

Eu sei nadar, e você?

Caro Alex

Tecnicamente, não tenho como opinar sobre as análises divergentes das contas do governo Serra, pois não domino os conceitos e as metodologias que as fundamentam. Portanto, suspendo o juízo e aguardo outros esclarecimentos.

Assisti sua entrevista ao Estadão
http://cristianomcosta.blogspot.com/2010/02/nenhuma-barbaridade.html

Nela, eu só consigo discordar da avaliação sobre a mesma origem social-democrata para ambos os candidatos. Historicamente, Dilma (entrou no PDT e saiu para o PT movida por convicção de realpolitik) e parte significativa e ainda poderosamente influente do PT têm origem militante no doutrinarismo marxista-leninista, ou seja, a origem se dá no âmbito da III Internacional. E hoje, em política, muitos no PT agem como verdadeiros stalinistas. E isso, convenhamos, não é pouca porcaria...

Eu tendo mais a concordar com a hipótese de estar em processo no PT uma viragem social-democrata. Porém, se essa viradeira social-democrata está consolidada ou não no partido, ao ponto de delinear claramente a “terceira via”, é coisa a ser melhor examinada e ainda provada. Eu não estou convencido. Acho que a virada é um movimento tático para uma grande maioria no partido. A estratégia ainda me parece ser a de um difuso socialismo de inspiração revolucionária e soviética (“a democracia plena exercida diretamente pelas massas”).

Nesse sentido, i.é., no da aproximação do PT à política econômica implementada pelo PSDB, eu tendo a concordar com você que nesses exatos termos nem PT e nem PSDB trazem novidades até o momento.

A identificação de Dilma com a política econômica em curso é recente. Iniciou com o lançamento da candidatura Dilma (há um ano). Setores filopetistas da imprensa, em busca de melhorar a imagem de Dima junto ao mercado, divulgaram a seguinte tese: “não há diferenças programáticas entre Dilma e Serra e ambos são ‘técnicos’”. Diluída a diferença no campo “técnico” da gestão da economia, surge o corolário: se ambos são mais do mesmo (a mesma farinha social-democrata), por que trocar Dilma por Serra? Começava-se assim a construção da imagem da Dilma “gerentona”. Quem quiser que compre.

Acompanho com interesse o que você escreve. Do que li, nada autoriza a filiação do seu pensamento com o do petismo. Por exemplo, sua firme defesa da autonomia do BC é bem mais antiga do que a “carta aos brasileiros”. No final de 2002, você mostrou-se contrário à escolha de Meireles, preferindo Pedro Bodin. Reli o artigo. A crítica sobre a escolha de Meireles foi feita em estrito cálculo do custo/benefício. Crítica, aliás, em termos coerentes com a que você dirigiu aos que foram ou são contrários à interferência estatal americana na crise financeira de 2008.

PS: O professor Oreiro é leitor atento não só dos posts, mas também da caixa de comentários do blog. Em comentário anterior, não coloquei em discussão os direitos autorais da expressão “economia social de mercado”, mas afirmei que a expressão trazia embutida as teses revisionistas Bernstein, herdeiro intelectual e amigo pessoal de Engels. Ou seja, não foram Lord Keynes ou Adenauer os criadores originais da regulação como forma de superar as crises no capitalismo. Se o professor Oreiro se interessa, o livro "Socialismo Evolucionário" de Bernstein ainda está no catálogo da Zahar.

Hélio Jaguaribe, o isebiano que ocupou a cadeira do keynesiano Celso Furtado na ABL (assumo que essa classificação das obras desses dois teóricos é um reducionismo vindo de minha parte) e dispensa apresentação, escreveu, em 1991, “A Social Democracia e as condições da América Latina e do Brasil”. O artigo oferece uma boa síntese a respeito da “evolução do socialismo” no sentido da social-democracia tal qual o preconizado por Bernstein:

http://www.cervantesvirtual.com/servlet/SirveObras/08146282288281351910046/207874_0052.pdf

Se o assunto Bernstein voltar à baila no blog, seguirei com os meus comentários.

Correção

Escrevi:

A estratégia ainda me parece ser a de um difuso socialismo de inspiração revolucionária e soviética (“a democracia plena exercida diretamente pelas massas”).

Escrevi errado.

Eu queria dizer que para a maioria do PT o alvo estratégico ainda é o seu (dele PT) difuso socialismo de inspiração revolucionária e soviética (“a democracia plena exercida diretamente pelas massas”).

"In a guest article, Daniel Gros of the Centre for European Policy Studies (pictured left) and Thomas Mayer of Deutsche Bank argue the case for a European Monetary Fund"

Eu li o artigo Martins. Minha impressão é que eles tentam reviver a ideia do SDRM, ou seja, a proposta de uma corte internacional de falências (vejam o artigo da Anne Krueger, publicado em 2002), no caso apenas para os países que fossem sócios do EMF.

Nós no opusemos ao SDRM e, ainda que haja algum mérito na ideia, continuo achando um mau negócio e potencialmente muito complicado. Mas parece ser uma obsessão entre os europeus.

Abs

A

Paulo Araújo,

Concordo em gênero, número e grau com suas observações sobre o PT. Economistas precisam às vezes lembrar que há mais do que economia em jogo nas escolhas políticas.

O melhor seria cada macaco cuidar do seu galho.Todo mundo sabe que quando o cambio é fixo,o país perde autonomia da política monetária.

Edward Prescott não merecia o Nobel de economia.

PS Você defendendo austeridade fiscal denovo? Ta se lembrando dos ensinamentos de Joaquim Levy sobre política fiscal?

"Edward Prescott não merecia o Nobel de economia."

Opa! Já temos a afirmação cretina do dia...

"Ta se lembrando dos ensinamentos de Joaquim Levy sobre política fiscal?"


E estes seriam como gerar uma forte expansão fiscal com uma economia já sobreaquecida?

Diz uma coisa: você está apaixonado pelo Joaquim?

Ele foi o único liberal de Chicago no governo Lula.

Um economista que defende cambio fixo merece ganhar nobel?

Friedman sempre criticou o trabalho dele.

"E estes seriam como gerar uma forte expansão fiscal com uma economia já sobreaquecida?"


Qual economia? (Americana,Brasileira...)

Pô Alex ta rancoroso com o Levy, por causa do incidente com o Bevilacqua...

Acho q naquele momento, o ponto do Joaquim era bem pertinente: o esforço fiscal do governo flexibilizava uma maior queda dos juros...

Wladimir

Entendo. Mas para que não paire dúvida, sou absolutamente contrário a que as escolhas embaralhem os números ou os fatos na medida das conveniências políticas de indivíduos e grupos, independente da coloração política de cada um. Acho lamentável que pessoas aticem os pitbulls para cima dos que trabalham com análise dos fatos.

A questão da “terceira via” é controversa também no PT. Conheço petistas que garantem que o PT entrou em um caminho sem volta no rumo da social-democracia. Os Cândidos-petistas até acreditam que no futuro os primos PT e PSDB vão se reconciliar e que esse, afinal, viria a ser o melhor dos mundos possíveis. O que virá eu não sei. Então eu prefiro esperar pelas provas. E, francamente, não nutro expectativas nesse sentido.

Não sou do ramo, mas imagino que o esperado nas análises do economista chefe de um banco seja o que faz o Alex, isto é, ele recolhe e analisa números e demais informações com vistas a produzir conhecimento sobre aspectos bem determinados da realidade. Concordo plenamente com ele que no curto prazo a política pouco deverá interferir na conjuntura econômica. Como ele diz na entrevista ao Estadão, a realidade política não apresenta hoje o grau de incerteza que se observava em 2002. Eu imagino que o profissional do Santander seja pago fazer análises de conjuntura e não de longo prazo. Então, esse debate sobre o verdadeiro caráter do PT é irrelevante. Ao contrário, por exemplo, do que é para quem está envolvido diretamente na luta política e ideológica.

Bem diferente é o espaço que Alex disponibiliza no blog. Aqui o debate é livre e aberto para o relevante e o irrelevante, para as convergências e as divergências. Eu gosto dessa informalidade. Divirto-me e aprendo bastante com os posts e os comentários.

Embora não tenha informação o bastante para uma análise mais aprofundada sobre a questão grega, idealizo apenas dois cenários. Um, a saída da Grécia do Euro; creio pouco provável, porque imagino a dívida pública da Grécia seja em Euro e daí a monetização da sua dívida, uma das formas de se resolver o problema, não seria possível. Outro cenário seria o da ajuda dos países membros do Euro à Grecia de forma a não exigir deste país membro um ajuste fiscal rigoroso (o consenso aqui no blog, me parece, ser de um ajuste fiscal rigoroso). O assunto para mim é de interesse, porque limites para déficits e dívidas e talvez outras regras foram descumpridos e portanto outras considerações devem estar sendo feitas pelo time principal do Euro.

"Ta se lembrando dos ensinamentos de Joaquim Levy sobre política fiscal?"

A Lusa, é claro...

Existe diferença entre Marcos Lisboa e ele?

Uma curiosidade:Aqui no rio existem Judeus com o sobrenome Schwartzman,eles tem algum graude parentesco com você?

Alexandre, a nota da fazenda de são paulo é curtinha..bem objetiva..
Imagino que o senhor não vá demorar meses para dar um parecer né...não conte com nosso esquecimento! Faço questão de ver o senhor reconhecendo o erro, enviando isso para todos destinatários dos seus relatórios no Santander, admitindo que seu economista chefe cometeu erros grosseiros...
Abraços

"Alexandre, a nota da fazenda de são paulo é curtinha..bem objetiva.."

E você acha que eu vou olhar a nota e não vou checar os números?

Isto dito, caso esteja errado, eu não terei problema algum em admiti-lo e divulgá-lo da mesma forma que divulguei o estudo original. Sabe como é. honestidade intelectual?

Hã? Você não sabe do que isso se trata? Depois eu explico...

Alex, é pq de duas uma:
Ou vc nunca errou ou vc nunca teve a "honestidade intelectual" de admitir...
Nunca ví vc reconhecer erro em algum estudo que tenha feito...

"Ou vc nunca errou ou vc nunca teve a "honestidade intelectual" de admitir..."

Alternativa (a) (por enquanto)

Alexandre, o senhor se considera hoje o melhor macroeconomista do Brasil?

anonimo

"nunca ví", com acento?
reconheça, vai,...
sgold

"Alexandre, o senhor se considera hoje o melhor macroeconomista do Brasil?"

Hahaha...

O melhor macroeconomista do Brasil é o professor Oreiro :)

Oreiro

hahahahahahah

Sério, bem que eu ( e imagino que muitos aqui ) gostaria de saber quem vcs consideram os melhores.


abs

Estou começando a me sentir um privilegiado por ter tido aula com o Oreiro... hahaha

Fernando

Alguns dos melhores brasileiros no Brasil em MHO: Antônio Salazar P. Brandão, Elcyon Caiado Rocha Lima e Márcio G P Garcia.

Alex, o projeto (debate) sobre o FMI-Euro parece desvirtuar o propósito ou melhor, a causa da situação de alguns países; o desequilíbrio fiscal dessas "algumas" economias da região vis-à-vis projeções futuras.

O caso grego é clássico, ou seja, a repetição dos velhos hábitos de "flatulência" com o erário - disciplina fiscal.

Quanto a obstinação dos europeus por controles, câmaras, etc e tal, deveriam aplicá-las aos sócios (governos) recalcitrantes sem meias palavras.

No entanto, creio que a tal política de soberania seja impeditiva nesses casos. Exceto quando envolve socorro em dinheiro, pois nesses casos a soberania pode esperar.

Ps: Não acompanhei o debate sobre as finanças públicas de SP. Existe algum lugar onde posso entender a situação?

Martins

Saídas para a Grécia?!?!?!?!?
Ta confuso vc.

O sistema monetário Europeu e o Euro não são mais uma aspiração política (de unificação européia) do que econômica. Zonas monetária ótimas são de difícil avaliação. Quantificar seus custos e benefícios é complicado.

Depois de inúmeras tentativas os europeus finalmente conseguiram a moeda única.
Fontes de financiamento para os países que precisassem realizar os devidos ajustes foi um dos pilares do sucesso da implantação.
O ajuste fiscal rigoroso não é solução alternativa à fontes de financiamento.
Ambos são complementares para solucionar questões com esta (esta não vai ser o ultimo episodio deste tipo, com a estrutura atual)
Caminhar para maior coordenação de política fiscal e homogeneização de políticas microeconômicas seria desejável porem...
complicado

Grécia abandonar o euro???
Difícil.
Seria uma derrota enorme para o projeto de integração.
A Alemanha abriu mão do marco, um de seus maiores patrimônios e símbolo da estabilização (lembrem q a perda de uma das funções da moeda ajudou, naquele país, à subida ao poder do Nazismo).

Fontes de financiamento e coordenação e supervisão fiscal são continuação do processo de integração.
Level playing Field é essencial.
O problema é que Europeu quer trabalhar pouco, ganhar bem se aposentar cedo e usufruir de serviços gratuitos.
Igual uma cambada de Brasileiro!
Ai a conta não fecha e, no final vai dar merda

Short Alemanha e long em Grécia!

Alex, algum comentário sobre "This Time is Different"?

Alex, "O", conhecem / recomendam algum blog sobre ricos, em especial de mercado?

Obrigado,

Fábio

Prezado Alex,
Na recessão de 1981-83, o produto americano caiu muito e bastante. É verdade que o problema ali era excesso de liquidez, que o FED enxugava. Mas meu ponto aqui é outro. O sistema sobreviveu. E o país também. Colocando de lado a polítca fiscal temerária de Reagan!
Oras, não teria sido muito melhor para os EUA, no longo prazo (30 anos), perder, digamos, 10 pontos percentuais de produto em 2009, mas estimular os americanos a poupar mais, consumir menos, e com as poupanças reconstruídas, começar de novo o ciclo econômico? Não teria sido muito mais salutar o governo americano ter simplesmente cortado gastos e o FED mantido a laxidão monetária, para em 2011 recomeçar a partir de bases mais saudáveis? Do que manter o estado de letargia atual no qual não há poupança, não há investimentos, os EUA são muito caros para investir, mas o dólar derrete, e o PIB caiu só 2,9%. Esse PIB ai é fake, 71% baseado em consumo e impressão de papel-moeda sem valor. Eu estou correndo fora do dólar, indo pro ouro. Procura no youtube "Peter Schiff was right". Foi assim que aconteceu em 1921-1923, sob o presidente Warren. No Europac.net tá o artigo do Tom Woods sobre aquela crise.
O que Krugman - quem eu não entendo a razão de você admirar - propunha, no auge da crise, iria levar justamente à situação de crowding-out do Japão até 2007. Eles gastaram, gastaram, gastaram, estatizaram, injetaram liquidez, e o público reagiu como: segunrando por mais tempo. Governos não criam riqueza, só inflacionam o preço da já existente.
Excedentes->Investimentos criam riqueza.
Observando a história recente, sob uma perspectiva austríaca, num rápido paginar da internet, eu não encontrei uma única crise que não tenha tido pelo menos uma digital do Estado. O qual, invariavelmente ao mirar resolver um problema A, acentua problema B. Tendo sido, segundo Rothbard, o caso inclusive em 1929-31 e 1937 (a chamda recession within the depression).
Como dizia Lao Tsé, o melhor governo é o que governa menos.
Abraços e saudações austríacas,
Deste leitor que muito te admira
Eduardo R

ps: o que que há entre você e o Levy que o pessoal fica falando ai? Tiveram um debate acadêmico acalorado?

Caro Alex,
excelente texto, como de costume, mas permita-me uma(talvez)correção: sua citação final, eu imagino, é a do Corifeu ao final da tragédia de Sófocles (e não Ésquilo, "Édipo Rei". Em traduções correntes, algo como: "não consideremos feliz nenhum ser humano, enquanto ele não tiver
atingido, sem sofrer os golpes da fatalidade, o termo de sua vida". Não me recordo de falha semelhante em Ésquilo...
(Bem, é isso que um professor de literatura diletante em economia pode encontrar de erro no seu blog, hehehehe).
Abraço,
Eduardo

Oi, Alex. Passei pra deixar um abraço e eis que vejo este artigo. Muito bacana.

Aproveitando: você viu "As Troianas"? Hepburn, que atriz, barbaridade! :-)

Beijo e até.

Olá, gostaria de te convidar para participar de uma rede de conteúdo para blogueiros.

Chama Ocasional, se você tiver interessa veja como funciona a rede aqui em www.ocasional.com.br/howto.aspx ou então pode enviar um email no smatosjr@gmail.com

Abs,
Samuel