teste

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Nova (?) política industrial

* The so-called Productive Development Policy (PDP), the Brazilian Government new attempt of industrial policy was announced with great fanfare and heralded as a “turning point” for industrial development in Brazil. The program consists of a combination of tax breaks (roughly 0.3% of GDP) and BNDES (Development Bank) financing at even more advantageous conditions than usual, aiming at increasing investment from 17.5% to 21% of GDP between 2007 and 2010, as well as increasing the share of Brazilian exports in global trade from 1.18% to 1.25% over the same time period, helping reduce balance of payments vulnerability.

* However well-intentioned, my take is that it should do little to actually achieve these objectives. For a start, the program paid little, if any, heed to macroeconomic consistency, that is, the need to reduce government spending to actually allow investment to grow. Second, it creates additional monetary impulse in an already economy facing inflationary problems, which is curious, to say the least, if one recalls that the Central Bank is, at this point, actually moving in the opposite direction, i.e., removing monetary impulse. Finally, the program elects some 24 sectors as priority, which raises the obvious question: what is NOT a priority these days? Moreover, it did not explicitly address the market failures that the program should tackle, which makes me think that the only justification for industrial policy (correcting market failures) played no relevant role in the process.

* Hence I have no high hopes that this policy should actually play any meaningful role in accelerating long term growth. At the same time, the additional monetary impulse it creates plays against CB efforts to curb domestic demand growth, a factor that can increase to some extent the amount of tightening required to bring inflation back to the target path.

The new Brazilian industrial policy was announced this week, calling for tax breaks of about R$ 21.4 bn (US$ 13 bn) between 2008 and 2010, a value corresponding to roughly 0.3% of GDP/year. In addition to that, BNDES is expected to extend credit ranging from R$ 62.5 bn (US$ 38 bn) in 2008 to R$ 77.7 bn (R$ 47 bn) in 2010, supporting the elected sectors. While BNDES reference rate (the Long Term Interest Rate, TJLP) should, at least for the time being, remain constant at 6.25%, spreads should be reduced by 60 bps/annum.

In addition to giving a boost to specific sectors (more on that below), the program aims at increasing investment from 17.5% of GDP in 2007 to 21% of GDP in 2010, and also increasing the share of Brazilian exports in global trade from 1.18% in 2007 to 1.25% in 2010. Both objectives are commendable. My calculations suggest that every additional percentage point of investment relative to GDP may increase potential GDP growth by an amount ranging from 0.20% to 0.25% per year, meaning that such increase could enhance trend growth by something like 0.7% to 0.9% per annum, pushing it towards the 5% per year mark.

The increase in exports, in turn, is tantamount to tighter integration of Brazil in international markets, with positive consequences for economic competition and productivity growth.

That said, whereas the objectives are laudable, there are issues related to macroeconomic consistency that do not seem to have been properly addressed. For one, increasing investment from 17.5% to 21% of GDP requires (a) a decrease in private consumption (i.e., an increase of private savings); or (b) a reduction of government spending; or (c) an increase of the current account deficit; or (d) some combination of the elements above. Given that the program brings no measures to increase private savings (which, to be fair, no one really knows how to do), and no measures to reduce government spending, the only way left for financing additional 3.5% of GDP in investment would be the increase of the current account by the same amount.

To be sure, this is not really an issue for whoever thinks and implements industrial policy, since these are not the same people that run fiscal policy. Nevertheless, it is ironic that the very same government that frets about the current account deficit to the point of imposing IOF on fixed income inflows to weaken the currency, closes an eye to the process just described, and takes no steps to curb government consumption. The presentation of the program makes clear that maintaining low external vulnerability -- which some government circles identify with low current account deficits, if not surpluses -- is an objective of the policy, but it is difficult to reconcile this with the objective of increasing investment in the absence of a lower government spending.

In addition to that, the reduction in BNDES cost of lending is equivalent to an increase in the monetary impulse, given the sheer size of the bank (BNDES lending represents something like 17% total credit), precisely at a moment in which the Central Bank is moving in the opposite direction, that is, removing monetary impulse to reduce the speed at which domestic demand has been moving. Whereas it is hard to quantify the precise impact of BNDES “easing” on monetary conditions, it seems safe to assume that this should not make the Central Bank be less hawkish on monetary policy.

As for the priorities of the program, the sheer truth is that I am possibly not the person in the best position to evaluate each one the programs for each one of the sectors and industrial complexes that are supposed to benefit from industrial policy initiatives. That said, it did not escape me that the policy elected some 24 segments as priorities, which makes me wonder precisely what has been left out.

Moreover, I could not find in the documents any analysis that made explicit the market failures that would justify any help for, say, the sector of personal hygiene (are people not taking sufficient baths, so a shower subsidy would be in order?), or the auto sector (whose domestic sales and production are, respectively, up by 35% and 20% year-to-date).

In all, I do not expect much result of industrial policy in terms of actually increasing trend growth by a significant amount in the next 3 years (the program horizon), although some of the elected sectors can actually benefit from it. From a fiscal perspective, furthermore, the impact is small, raising little concern on the ability of the government to keep meeting the fiscal targets, even if they were raised to something like 4.5% of GDP. That said, the additional monetary impulse does not help the Central Bank job, and clearly does not contribute to reducing the amount of monetary tightening required to push inflation back to the target path.

Reações:

28 comentários:

Por que voce nao quer que o Brasil cresca?!? Todo pais que cresceu usou politica industrial. Por que nao podemos? Seus patroes ditam o que voce escreve? Como podemos acreditar que voce nao estah seguindo ordens da plutocracia espanhola que quer recolonizar a America?

Naahhh... Minhas ordens vêm de sionismo internacional que quer dominar o mundo...

Raciocínio engraçado o desse anônimo. Alguém q discorda desse lixo de política industrial não quer q o país cresça. Não contente ele adiciona acusações contra a plutocracia espanhola (só faltou o estadunidense)

Mas Alex, olhe q tipo de gente vc é: o governo faz uma política industrial sensacional, com a qual o país vai bombar com todo mundo podendo ganhar dinheiro a rodo, inclusive o banco q vc trabalha, e vc é contra!!! Vc prefere um bonus menor com sua receita neoliberal. Me desculpe, mas esses quermesseiros são uns idiotas absolutos (zero kelvin).

Marcelo:

A notar que o ministro responsável pela nova política industrial veio do... Santander!

Realmente estes neo-colonizadores plutocratas espanhóis não sabem o que querem: mandam um executivo formular a nova política industrial e seu economista para criticá-la... São as contradições inerentes ao capitalismo.

Será que eles não percebem que quando tem politica industrial, esta tirando do resto da população através de impostos, como nos alimentos e dando para um grupo restrito da econômia. E ainda quando o imposto sobre o consumo o governo (ou um burocrata que se acha melhor que os demais) esta guiando através de estimulos e desestimulos o que nós devemos fazer com o nosso dinheiro.

d.a.m.:

Acho que alguns percebem (e não se importam) e outros que não conseguem entender o assunto e crêem, sinceramente, que sabem melhor o que fazer com os recursos do que as pessoas que ganham a vida com determinada atividade.

Daí minha estranheza quanto à total e completa ausência de qualquer menção às falhas de mercado que justificariam (em tese) a política industrial.

De qualquer forma, trata-se, sim, de dar o meu, o seu, o nosso dinheiro (na expressão imortal do Armínio Fraga) para um grupo restrito de amigos do príncipe.

Lamentável.

Abs

Alex

Com certeza Alex!
Vc não está apenas criticando as políticas industriais deste ou daquele governo e seus ministros, está mostrando, de acordo com a teoria, erros no plano ora apresentado. Portanto, não é questão de querer ou não que o país cresça, e sim de aprimorar o debate em torno dos caminhos que nosso país pode tomar....

Alex,

Leitura obrigatória neste tema é o texto:"O que divide os economistas brasileiros", do Edward Amadeo (http://www.econ.puc-rio.br/gfranco/O%20que%20divide%20os%20economistas%20brasileiros%20(PDF).pdf). Além do tema da política industrial o autor mostra as diferenças entre os quermesseiros e o mainstream.

abç.

M.

"Realmente estes neo-colonizadores plutocratas espanhóis não sabem o que querem: mandam um executivo formular a nova política industrial e seu economista para criticá-la... São as contradições inerentes ao capitalismo."

Marx jah dizia isso!

Hegeliano

Mas talvez ele fosse capaz de perceber ironia (pensando bem, com os furúnculos todos, provavelmente não).

Don't throw the baby with the bathwater...

Nao e verdade que

1) Apenas politicas industriais que estabelecem prioridades especificas baseadas simplesmente na necessidade de corrigir market failures sao beneficas aos paises.

2) E possivel estabelecer e manter a consistencia entre politica industrial e monetaria (intelectualmente atrativa) no mundo real, (onde interesses contraditorios tem que ser balanceados num sistema democratico)

Ha varios exemplos de paises onde politicas industriais focadas em areas especificas ajudaram o creascimento da economia. Tecnologia de comunicacoes na China e IT na India. Os respectivos governos criaram incentivos financeiros e estruturais (por meio de regulamentacao, por exemplo) que beneficiaram individuos e grupos especificos em seus paises, mas garantiram tambem o crescimento de industrias e empresas de servicos locais, que tem tido impacto positivo no crescimento economico do pais.

O problema principal com o plano brasileiro nao e, ao meu ver, a dissonancia com a politica macroeconomica mais indicada. Isso e "par for the course" em qualquer sociedade democratica. O maior problema e a aparencia que nao ha um plano real e ambicioso focado em algumas areas realmente estrategicas para o pais. E a impressao que 24 areas froam incluidas simplesmente por que era politicamente conveninente e porque nao houve conviccao e lideranca para se tomar decisoes dificeis.

EU ate consigo imaginar o comite ou grupo de trabalho (em tradicao ptista) que decidiu as areas criando um compromisso com 24 areas, sem nenhuma base analitica e sem quaisquer objetivos claros...

Assim ficamos com dois problemas: a contradicao entre a politica industrial e macroeconomica, e uma politica industrial ineficaz.

Pig

M.

Obrigado pelo link para o artigo do Amadeo. Excelente leitura!

Sds,
Ed

Alex,
Achei muito interessante o seu texo sobre a política industrial, mas confesso que estou realmente curioso para ver a sua anális do fundo soberano (ainda que imagine o que você possa dizer...)

Pig:

Discordo. Políticas industriais focadas em áreas específicas podem acelerar o crescimento (aqui uso crescimento como sinônimo de bem-estar, o que, francamente, não é muito lá correto), mas PORQUE corrigem falhas de mercado. Tecnologia de comunicação e TI são duas áreas onde economias de rede e externalidades abundam (não, não é um trocadilho barato). Se há economias de rede e externalidades que não são capturadas por aqueles que investem, do ponto de vista de bem-estar/crescimento há um caso para política industrial, especificamente subsídios. Todo trabalho do Romer e do Grossman & Helpman na nova teoria do crescimento sugere precisamente isso (exceção feita aos modelos de “quality ladders”, onde pode haver investimento em excesso).

Caso não haja falha de mercado (i.e., o sistema de preços captura custos e benefício completamente) não porque esperar que a política industrial melhore bem-estar//crescimento. Pelo contrário, como usa recursos escassos em atividades já perfeitamente arbitradas pelo sistema de preços, o efeito deverá ser reduzir bem-estar/crescimento.

Isso dito, concordamos em tudo a que se refere à versão brasileira do problema, embora eu não tenha entendido muito bem a questão da dissonância entre política macro e industrial. Imagino que se refira à política fiscal. Estou certo?

Apareça sempre.

Abs

Alex

Pig:

Discordo. Políticas industriais focadas em áreas específicas podem acelerar o crescimento (aqui uso crescimento como sinônimo de bem-estar, o que, francamente, não é muito lá correto), mas PORQUE corrigem falhas de mercado. Tecnologia de comunicação e TI são duas áreas onde economias de rede e externalidades abundam (não, não é um trocadilho barato). Se há economias de rede e externalidades que não são capturadas por aqueles que investem, do ponto de vista de bem-estar/crescimento há um caso para política industrial, especificamente subsídios. Todo trabalho do Romer e do Grossman & Helpman na nova teoria do crescimento sugere precisamente isso (exceção feita aos modelos de “quality ladders”, onde pode haver investimento em excesso).

Caso não haja falha de mercado (i.e., o sistema de preços captura custos e benefício completamente) não porque esperar que a política industrial melhore bem-estar//crescimento. Pelo contrário, como usa recursos escassos em atividades já perfeitamente arbitradas pelo sistema de preços, o efeito deverá ser reduzir bem-estar/crescimento.

Isso dito, concordamos em tudo a que se refere à versão brasileira do problema, embora eu não tenha entendido muito bem a questão da dissonância entre política macro e industrial. Imagino que se refira à política fiscal. Estou certo?

Apareça sempre.

Abs

Alex

Alexandre:

Como voce notou, eu concordei em grande parte com a sua opiniao re:politica industrial:

1. E' contraditoria a politica fiscal ideal

2. 24 prioridades e uma piada, e indica que na verdade o que esta ocorrendo e o que os democratas nos USA chamam de "corporate welfare."

Eu ainda discordo com ou nao entendo sua opiniao que politica industrial deve ser criada com o objetivo de corrigir falhas de mercado que debilitem o crescimento do pais. Talvez seja o meu entendimento do que voce caracteriza como falhas de mercado, mas eu ainda acho essa sua posicao erroneamente restritiva.

E verdade, existem muitas externalidades de rede em tecnologia e comunicacoes (Search/ advertising e operating systems/applications sao bons exemplos de complementary network effects, e nao e coincidencia que Google and Microsoft sao dominantes nas duas areas, respectivamente). Se o Brasil desejasse concorrer internacionalemte ou criar um provedor nacional de bens ou servicos em areas que tem essas caracteristicas, entao uma inovacao fundamental (gerada possivelmente por investimento em educacao e R&D) ou subsidios (impostos reduzidos), ou regulamentacao, seriam necessarios. Ate ai eu concordo em genero, numero e grau com o que voce escreveu.

O problema e que existem areas onde essas falhas de mercado nao ocorrem, mas ainda assim o pais nao e competitivo (internacionalmente ou localmente) a despeito de ter potencial para ser competitivo, e uma politica industrial bem pensada pode ajudar o pais a realizar esse potencial.

Veja o examplo da Huawei e ZTE na China, pra ser especifico. Sao dois provedores de equipamento de telecomunicacoes. O governo chines os favoreceu de muitas maneiras. (por que os chineses escolherem essa area e como exatamente eles favoreceram esses dois e muito interessante, mas nao muda o argumento). Hoje essas duas empresas (Huawei principalmente) fornecem equipamento na China (onde estao alguns dos maiores provedores de servico no mundo), e competem agressivamente no mundo inteiro (incluindo o Brasil e a Europa).

Na industria de telecom equipment nao ha network externalities. Ha, isso sim, "returns to scale" porque e um negocio com custos fixos grandes (R&D). Mas e' um mercado internacionalmente competitivo (Alcatel, Siemens, Ericsson, Nokia, Nortel, Motorola, Huawei, ZTE, varios japoneses). Nao pode ser que market failure exista nessa industria, por que se assim fosse todas as industrias com custos fixos altos (e ha muitas) teriam as mesmas caracteristicas (todas tem returns to scale) e sofreriam de market failure. Se voce olhar os exemplos indianos em IT, os returns to scale sao menores, e sao industrias ainda mais competitivas globalmente. Um exemplo ainda mais forte de que politicas industriais podem ser bem sucedidas mesmo que focadas em areas onde nao ha market failure.

O que ocorreu e que tanto a China quanto a India decidiram que eles tinham acesso a certas vantages competitivas EM POTENCIAL (o mercado potencial na China, mao de obra qualificada e barata nos dois, com a vantagem de falarem ingles na India), e criaram uma politica industrial cujo o objetivo era realizar esse potencial.

Eu tenho certeza absoluta que o que e bom para a China e para a India nao e bom para o Brasil, ja que as circunstancias sao totalmente diferentes. E nos ja tivemos a nossa parcela de politicas industriais estupidas (a.k.a. "Lei de Informatica").

Mas o conceito fundamental de se escolher uma area onde o pais possa criar vantagens competitivas e investir, ao longo de 5, 10 ou 15 anos nessa area, pesada e consistentemente, e algo que o Brasil talvez devesse copiar.

Meu votos vai pra biotecnologia, incluindo e possivelmente enfatizando bio-energia. Eu prefira que a politica industrial investisse 24 vezes mais nessa area e nada nas outras, do que diluir o investimento pra satisfazer os companheiros com as mais diversas opinioes e interesses.


PIG campeao

PIG:

Acho que o exemplo que você deu é de "economias de escala dinâmicas" ou "leraning by doing", associadas - de alguma forma - com o conceito de "indústria nascente".

Esta também seria, em potencial, uma falha de mercado, i.e., potencialmente um país X pode ter vantagens comparativas no produto y desde que atinja determinado nível de "learning by doing", mas isto não aparece no sistema de preços.

Modelos de comércio internacional com estas características existem e tipicamente sugerem subsídios a estes setores como políticas ótimas (em oposição, por exemplo, a protecionismo).

O problema está no adjetivo "potencial". A rigor, você só sabe se acertou no final do processo. Daí este tipo de política dever ser exceção, não regra, mas acho que nisto estamos de pleno acordo, não?

Abs

Alex

Caro PIG,

Voce parece-me um pouco perdidinho em sua descricao da "politica industrial" da India.

A melhor descricao eh que a India NAO se valeu de politica industrial para desenvolver a sua industria de software.

A narrativa eh bem interessante de como tal industria se desenvolveu. Em resumo, foi o setor privado e o setor privado e o setor privado. Desde sempre, uma das alternativas de ascensao social na India foi aprender skills que permitem que voce caia fora daquele pais. Portanto, o sucesso das escolas de engenharia (IIT, por exemplo) que preparam seus estudantes para migrar para os EUA principalmente.

Muitos desses engenheiros indianos principalmente no Vale do Silicio tornaram-se bem sucedidos empresarios e CEOs e resolveram fazer valer de suas conexoes para reduzir custos aproveitendo da mao-de-obra barata de sua pais natal.

E o resto eh historia...

Quanto a CHINA, nao conheco muitos dos detalhes, mas discutindo com economistas chineses, emerge uma historia semelhante... Mesmo hoje em dia, uma parcela significativa das exportacoes chinesas sao produtos sob encomenda ("maquilas") para firmas taiwaneses e mais recentemente coreanas. Nao me surpreenderia se politica industrial for apenas periferica ao sucesso industrial chines tambem, vou ler mais sobre isso quando tiver tempo.

"O"

Acho que o argumento do Pig está, mais uma vez, na linha do second best. À parte o argumento da indústria nascente (cujos problemas já foram indicados), um setor já estabelecido e com grande potencial de crescimento pode simplesmente não conseguir financiamento pq o mercado de crédito apresenta alguma falha (não estou falando de problemas informacionais, sobre os quais qualquer governo pouco pode fazer além de estimular transparência).

Nesse caso, política industrial pode ser um second best. Porém, sabendo do custo extremamente elevado do PI, ficam as perguntas: qual o custo do first-best, i.e., lidar com os problemas do mercado de crédito? Qual o custo de simplesmente aceitar a falha de mercado e não fazer nada? Não conheço o caso indiano, mas de forma geral acho que PI vertical é a forma mais "cara" de lidar com o problema. Sem tentar responder a essas questões, acabamos caindo na mesma pegadinha do Rodrik sobre controle de capitais. "Second-best", no final das contas, pode se revelar um tenth-best...

Caro Pedro,

Desculpe-me mas essa discussao de first best, second best nao vai muito longe para discutir a politica industrial no Brasil.

Eh crony capitalism mesmo. De um lado, existem empresarios fazendo lobby para receber benesses, de outro existem quermesseiros querendo ascender socialmente. O casamento destes dois interesses eh a politica industrial lulo-petista, financiada pela magnanimidade do contribuinte brasileiro.

Segue link para um ensaio (do qual eu sou um dos co-autores) que trata várias das questões levantadas aqui sobre política industrial e faz uma breve análise da política industrial antiga do governo Lula (PITCE). Muito do que está lá também se aplica à política nova.

http://virtualbib.fgv.br/dspace/bitstream/handle/123456789/706/2191.pdf?sequence=1

Alex,

Existe um argumento por politica industrial que justificaria "priorizar" 24 setores.

Eh a conjectura do Hausman e Rodrik de que existem externalidades de informacao que causam um nivel insuficiente de experimentacao na economia. A ideia eh que quando um empresario inovador descobre que o pais tem vantagem comparativa em um produto, ele recebe apenas uma parcela do beneficio social do aprendizado dessa vantagem comparativa (pois outros empresarios o copiam).

Nesse caso, eh otimo que a politica industrial atue em varios setores, fazendo pequenas apostas que permitam identificar os setores que podem se tornar lucrativos e expandir.

"O"

"Naahhh... Minhas ordens vêm de sionismo internacional que quer dominar o mundo..."

Veja a estrategia do nosso amigo pluto-hispano-sionistocrata...

Ele estah tentando argumentar que o sionismo internacional quer dominar o mundo, assim desvia de nossa atencao que eles jah dominam o mundo.

Tenho certeza que o Marx tem um capitulo avisando-nos das estrategias dos sionistas em dissimulacao. Nao lembro se no livro II ou III. Ou sera que li isso no blog do Nassif?

Claro que já dominamos o planeta. Inteligência é o principal fator escasso neste mundo, como seus comentários não param de provar...

"O":

De alguma forma acho que isto não passou pela cabeça (?) dos formuladores do PDP.

E, de qualquer forma, é ainda uma conjectura. Eu estive numa apresentação do Hausman há uns três anos em que ele expunha uma idéia parecida com esta no que se refere a reformas institucionais. Na linha do "como não sabemos qual funciona, vamos tentando todas". Não saí particularmente impressionado.

Abs

Alex

"Claro que já dominamos o planeta. Inteligência é o principal fator escasso neste mundo, como seus comentários não param de provar..."

Os sionistas raspam a cabeca para melhor receber as ordens vindas de Tel Aviv e New York via satelite.

Alguns. Eu prefiro receber junto com minha mala de dinheiro...

"Eu prefiro receber junto com minha mala de dinheiro..."

Por essas e outras que eu leio o Nassiph, ele nunca aceitaria um emprestimo subsidiado de um banco publico, assim comprometendo sua credibilidade como jornalista.

O Nassiph tambem nunca achacaria empresarios em troca de cobertura positiva, ne?