teste

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Para quem só tem martelo...


Tudo é prego. Se tivesse que resumir as várias tentativas fracassadas para reviver a economia, acho que nada descreveria melhor o insucesso do que a imagem de alguém tentando resolver um problema com instrumentos inadequados e, pior, sem perceber o desajuste.

Na verdade, da mesma forma que dizem que os generais sempre lutam a última guerra, o governo parece resolvido a lidar com as dificuldades de hoje recorrendo aos instrumentos que usou para superar a recessão de 2008-09.

Ocorre que, na época, a natureza do problema era outra. Naquele momento a crise financeira levou a uma recessão mundial sincronizada, traduzida, por exemplo, em quedas de dois dígitos na produção industrial em qualquer meridiano ou paralelo que se olhasse. Era um caso clássico de insuficiência de demanda, expressa na queda tanto do consumo quanto do investimento.

Por conta disso, o desemprego (já ajustado à sazonalidade e à fuga de parcela da população do mercado de trabalho, o chamado “desalento”) saltou de 7% para 9% da força de trabalho em poucos meses. Sob estas circunstâncias, políticas de incentivo ao consumo têm boa chance de recolocar a economia na rota de expansão, às vezes até demais, como os exageros de 2009 e 2010 demonstraram (mas, vocês sabem, havia eleição a ganhar).

Em contraste, a desaceleração do crescimento em 2011 e 2012 para níveis inferiores a 2% ao ano foi acompanhada de queda persistente do desemprego. Neste contexto, a tentativa de impulsionar a economia pelo aumento do consumo perde muito da sua eficácia.

Parte deste aumento se dirige ao consumo de serviços, que, em sua esmagadora maioria, têm que ser produzidos localmente (quase ninguém manda os filhos para a escola em Buenos Aires, ou vai se tratar com um médico nova-iorquino), exigindo maior emprego no setor. Isto não é um problema enquanto a mão de obra é abundante, mas, com desemprego reduzido, leva a aumentos salariais que superam em muito o crescimento acanhado da produtividade.

O setor de serviços convive com isso aumentando seus preços, o que nos ajuda a entender porque a inflação deste segmento tem rodado na casa dos 9% ao ano e segue acelerando. Já a indústria, pressionada pela competição externa, não consegue fazê-lo, o que se traduz em redução de margens e problemas de competitividade, e, portanto, dificuldades para aumentar a produção.

Assim, o aumento das importações (o “vazamento” da demanda para o exterior) é a forma pela qual a economia consegue compatibilizar a maior demanda por bens e a incapacidade industrial em competir, não apenas com o exterior, mas, principalmente, com os serviços pela mão-de-obra agora escassa. Por este motivo, políticas de incentivo à demanda acabam apresentando pouca tração em termos de crescimento. E, por não entender esta dinâmica, o governo insiste com o martelo, na esperança de achar, em algum lugar, um mísero prego.

É contra este pano de fundo que se entende o abandono do tripé macroeconômico. Seu arranjo impedia as marteladas, já que o limite para a taxa de juros era a meta de inflação, enquanto a meta fiscal restringia (ainda que de modo muito imperfeito) a expansão desmesurada do gasto.

Não se trata, portanto, de dizer que a desaceleração econômica resultou do abandono do tripé, mas, pelo contrário, que a conjugação de baixa expansão com a percepção errônea da natureza do problema levou à deterioração da política macroeconômica.

O Brasil cresce pouco por problemas do lado da oferta: expansão medíocre da produtividade, educação inadequada, e investimento insuficiente. Por falta deste entendimento o governo acredita que pode sacrificar a estabilidade em troca de mais crescimento, mas colhe apenas mais inflação sem ganho perceptível de produto. E, pelo andar da carruagem, prosseguirá com os sacrifícios, sem a devida atenção aos efeitos colaterais das suas marteladas.

A equipe econômica em ordem unida
(Publicado 23/Jan/2013)

Reações:

113 comentários:

Alex que que tu acha do Steve Keen e ou seu livro Debunking Economics?

Bom post mostrando o efeito positivo do tal "tripe macroeconomico" sobre as variaveis que realmente afetam o crescimento. Eu so acho que faltaram umas palavrinhas-chaves: (modelos de) Cruto-prazo e Longo-prazo. Essas palavras iriam explicar melhor para os leigos que a relacao "mais inflacao e menos desemprego" SO acontece no CURTO-PRAZO. Nao precisava nem entrar na seara sobre a possibilidade de manipular essa relacao com "estimulo" pra poupar o restante da discussao.

Minha critica sobre essa discussao nao eh de forma alguma uma critica a esse tripe. O meu argumento eh que isso na verdade nao eh nem de longe o principal problema do brasil. Esse eh so mais um, ainda que evidencie a situacao desesperadora do Pais ja que o pessoal nao entendeu nem o minimo! Como disse o O com palavras mais educadas: o motivo do fracasso do brasil eh ter um monte de idiota/burro/imbecil/... tomando as decisoes. E eu falo isso sinceramente. Acho que Manteiga, Lula, Dilma, etc sao realmente pouco dotados de inteligencia no sentido objetivo da palavra: Baixo QI. Nao eh nem que eles facam de proposito. De qualquer forma, um novo governo que mantenha o restante das politicas, ainda que voltando com o tripe, nao vai resolver nada. O buraco eh muito mais embaixo.

Sugiro, por exemplo, uma olhada na coluna que Pedro Cavalcanti e Renato Fragelli costumam escrever no Valor (e em um report do IBRE se eu nao me engano) pra discussoes sobre crescimento no correto sentido da palavra. Isso explica porque o brasil nunca sera mais que um portugalzao e ainda assim contando com MUITA sorte.

Economista Y

0,88% no IPCA-15...estamos indo da convergência não-linear à não-convergência linear...

Falando em longo prazo, nada como uma palavra lúcida sobre o difícil tema da corrupção versus democracia: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,corrupcao--e-democracia-,987632,0.htm.
A corrupção solapa as frágeis instituições democráticas e, assim, todas as possibilidades de crescimento de longo prazo com justiça social.
Notem que a corrupção corrói os três poderes, e não apenas o Executivo.
Na falta de uma imprensa livre, ou seja, na presença de uma imprensa cabresteada pelo poder público, a corrupção só tende a crescer.
No curto prazo, concordo, tem que voltar a dominância monetária com um Banco Central verdadeiramente independente.

Portugalzão?! Você é um tanto otimista!

"O"

Alex, qual sua opinião sobre o IPCA-15 de 0,88%? Quero dizer, obviamente é um dado terrível. Tipo assim, se continuarmos com o dados parecidos com esse e com o registrado em dezembro nossa inflação vai fácil fácil passar de 8%. Você esperava esse dado? Ou era "um pouquinho mais otimista"? Eu, particularmente, já esperava uma inflação alta, mas não tanto assim. Esse dado me parece muito terrível.

Será que vocês aí de cima podem ler o livro "Porque as Nações Fracassam"?
E tem também "Economia numa Única Lição" de Henry Hazlitt, de menos de 100 páginas, que pode ser encontrado em PDF e sem custo, é só buscar no Google.
Após a leitura pelo menos do segundo livro os comentários serão inteligentes.
E após o primeiro livro haverá a compreensão dos reais problemas brasileiros.

Pior que esperava, principalmente porque veio sem o reajuste de ônibus. A sazonalidade é desfavorável, é claro, motivo pelo qual não se pode simplesmente anualizar o número (como também, alguns devem lembrar, eu notei que seria errado anualizar os números positivos de meados do ano passado).

Acho que caminhamos para inflação entre 6-6.5%, ainda sem furar o teto. Ou seja, como no ano passado, eu sou um otimista inveterado...

E, sim, concordo com o anônimo que escreveu "estamos indo da convergência não-linear à não-convergência linear...". Muito boa.

Resumindo: o governo trocou o câmbio flutuante e a meta de inflação por meta de câmbio e inflação flutuante.
Só isso.

Acho que o BC está contando muito com este reajuste nas contas de luz. Estão projetando impacto de 1 p.p. no IPCA anual. Será que chega a isso tudo mesmo? Já o aumento da gasolina estão projetando aumento de 0,3 p.p. Mesmo considerando os cálculos do BC sobraria então 0,7 p.p., que provavelmente serão engolidos pelo IPCA de janeiro.

Além do que o pano de fundo é político-eleitoral. Ou seja, a tentativa de reeleição em 2014. Ou seja, seriam 16 anos do partido do governo no poder. Assim, com o desemprego em baixa, fica mais difícil o governo alterar a direção da política econômica. E o cidadão comum, não vai ligar para decisões econômicas enquanto estiver empregado ou enquanto consiga mudar de emprego, ou seja ser contratado por um salário até mais alto do que percebia antes. Isso o torna um eleitor quase que automático do governo.

"Resumindo: o governo trocou o câmbio flutuante e a meta de inflação por meta de câmbio e inflação flutuante.
Só isso."

Na mosca!

Anônimo-23 de janeiro de 2013 11:37

Boa frase. Porém, não seria tentar estabelecer meta nominal de crescimento?

Meus caros,
Um pequeno comentário sobre o impacto do custo da energia sobre a inflação. Devido a esta forte estiagem que estamos vivendo, o uso das usinas termo-elétricas para geração de energia está muito alto. O operador nacional do sistema já sinalizou que estas não serão desligadas em 2013. O problema é que seu custo é muito maior que o das hidrelétricas. Ou seja, o governo furou o olho das empresas mas, em seguida, sofreu um magnifíco choque negativo no custo da energia (que ironia, não?). Apesar da Dilma já sinalizar que recursos do tesouro serão gastos para baratear a energia (coisa muito burra), isto pode não ser suficiente para gerar esta folga nos índices de inflação.
Saudações

Dizem que vão dar um "choque" de oferta de mão-se-obra com "importação" maciça de hermanos de topos os naipes. Tô precisando de um motorista, porque o meu foi ser gourmet.

Alex, o que você acha de uma meta de superávit nominal de 2% para o Brasil (sem fanfarronices com a taxa de juros, apenas ajustando via gastos e impostos)?

Apesar de seu custo político, acho que seria excelente para aumentar o PIB potencial.

Alex... que que tu achas do Franklin Serrano e suas perspectivas sraffianas? Acho que talvez é o melhor professor de facul publica do brasil em economia.. Seus textos são reproduzidos na argentina como se fosse keynes,ou outros

"que que tu achas do Franklin Serrano e suas perspectivas sraffianas?"

http://maovisivel.blogspot.com.br/2010/04/o-ataque-dos-sraffianos.html

Alex,

Me tira uma dúvida, por favor?

Voce afirma que o fraco desempenho atual da economia brasileira se deve à problemas de oferta: "O Brasil cresce pouco por problemas do lado da oferta: expansão medíocre da produtividade, educação inadequada e investimento insuficiente".

Nesse cenário, tipicamente de excesso de demanda, deveríamos observar vazamento de demanda para o exterior. Isto, segundo você, está ocorrendo no Brasil: "o aumento das importações (o "vazamento" da demanda para o exterior) é a forma pela qual a economia consegue compatibilizar a maior demanda por bens ...".

Minha curiosidade é a seguinte: como conciliar este diagnóstico com fato de que o quantum importado se reduziu em 2012.

Será que o que você tem em mente é algo do tipo: O quantum importado depende de vários fatores, dentre os quais, câmbio, excesso de demanda etc. O que se oberva na economia brasileira é um contribuição positiva do excesso de demanda sobre o quantum importado, porém inferior à contribuição negativa dada pela desvalorização cambial (da ordem de 30%). Confere o raciocínio?

Fique à vontade para discordar...

Forte abraço

Economista X

Po, li teu post sobre o Serrano.. tu realmente considera a inflação hiato do produto ?

Meu Deus, a Argentina está mais ferrada do que eu imaginei.

Alexandre,

Afinal, foi voce ou o "O" que quem escreveu sobre o Franklin? Ou vocês seriam a mesma pessoa?

"Afinal, foi voce ou o "O" que quem escreveu sobre o Franklin?"

Foi o "O" (é só ver quem assina), o que não me impede de concordar com ele.

"tu realmente considera a inflação hiato do produto ?"

Não. Na verdade eu considero a inflação um castigo dos deuses por não termos sacrificado cordeiros em número suficiente.

Já outros dias eu acho que a inflação resulta do desempenho do São Paulo no Brasileirão (é só ver que anos do tri a inflação ficou em média muito próxima da meta).

Enfim, depende do remédio que ando tomando...

"Será que o que você tem em mente é algo do tipo: O quantum importado depende de vários fatores, dentre os quais, câmbio, excesso de demanda etc. O que se oberva na economia brasileira é um contribuição positiva do excesso de demanda sobre o quantum importado, porém inferior à contribuição negativa dada pela desvalorização cambial (da ordem de 30%). Confere o raciocínio?"

É por aí mesmo, mas preciso elaborar.

Abs

Alexandre,
não vejo ninguém, pelo menos explicitamente, falando dos males que os subsídios que o tesouro nacional vem fazendo de forma crescente na previdência (para viabilizar a redução da carga tributária sobre a mão de obra) e agora no setor elétrico para viabilizar a redução de tarifas.
Será que nada foi aprendido da década de 80? Será que ninguém vê o que este tipo de política vem causando na Argentina.
Por favor, alguém precisa começar a gritar contra a subsídios do tesouro nacional que no final das contas vai gerar mais inflação e piorar ainda mais a situação como um todo e não melhorá-la como o governo insiste em dizer.

Uma definição de inflação:
http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1296

Alex

muito bom, e denovo a imagem é um classico (The Wall do pink floyd)

Acrescentado ao seu raciocinio:

O resto da explicação a gente encontra olhando o mapa-mundi

Não temos concorrencia, somos um mundinho isolado no extremo de um continente, onde o povo razoalvelmente civilizado mais proximo esta a centenas de kms de distancia.

O BR não corre o menor risco de dar certo, nem PORTUGALZÃO, pq eles tem o Euro de costa quente.

Vc viu a historia da velhinha na belgica que se perdeu de carro e cruzou 5 paises???

O governo não tem concorrencia, pode fazer o que quiser, estamos presos isolados no paraíso.



Boa pergunta X... Muito bem colocado...

tem gente que se trata em LA sim, ao contrario do que voce disse; com o Doutor Hollywood!! em brasilia sao varias......

Acho que o "quase ninguém" funcionou bem como "hedge" no caso.
Abs

"Não. Na verdade eu considero a inflação um castigo dos deuses por não termos sacrificado cordeiros em número suficiente."

tu usa bem a microfundamentação neoclassica

"Let us now hypothesize that there is a process, a benevolent central authority perhaps, that redistributes wealth in order to maximize social welfare, this indirect utility function provides a positive representative consumer for the aggregate demand function" - Mas-Colell et al. 1995

Espere só até eu usar os argumentos sraffianos: além do superacelerador prometo fazer a dança da chuva e me comunicar diretamente com o espírito de Lord Keynes...

Parece que o Serrano recebe uns orixás também

Beleza usa aí.. ps: teu deus Krugman ta virando MMTer né?

"meus herois morreram de overdose.. meus inimigos estão no poder"

Pera lá...demanda doméstica cresce mais que o produto. Fim de papo.
Olhar só o dado de importação está errado. Isso deveria ser óbvio e tem gente achando que o rapazinho X teve uma grande sacada.



Ao anonimo das 15:59,

Boa pergunta. Suspeito que parte da resposta venha do fato de que o argumento do Alex só vale para bens de consumo, já que se a indústria não consegue crescer por conta das pressões de custos, é de se esperar que o quantum importado de bens de capital e intermediários seja negativamente afetado. Fora que o argumento não supõe, até onde eu entendo, que a elasticidade renda das importações tenha ficado negativa: ou seja, o PIbinho tende a gerar importaçoes mais fracas tudo o mais constante. Talvez o correto seria olhar o comportamento das importações de bens de consumo somadas ao déficit na conta viagens internacionais (ja que turismo é um serviço transacionável, ainda que a arbitragem entre preços domésticos e internacionais nesse caso seja bem imperfeita). O que vc acha Alex?

"Pera lá...demanda doméstica cresce mais que o produto. Fim de papo.
Olhar só o dado de importação está errado. Isso deveria ser óbvio e tem gente achando que o rapazinho X teve uma grande sacada."

Se esta errado eu lhe convido a apontar o erro e a tentar decifrar o aparente enigma.

Atenciosamente,

Economista X



Que tal fazer uma lista dos dos subsídios e das canetadas ?

Voltamos aos anos 80... regredimos 30 anos em 8... que coisa !!!

1. Subsídio direto a voos regionais vai custar até R$ 1 bilhão por ano - Governo federal vai pagar 50% da passagem para custear operação em pequenos aeroportos do País;

2. "Acabo de assinar o ato que coloca em vigor, a partir de amanhã (quinta-feira), uma forte redução na conta de luz de todos os brasileiros." (só rindo !!)

Os programas e subsídios bancados por esses encargos, como o Luz para Todos, a Tarifa Social e os subsídios aos sistemas elétricos isolados da Região Norte, serão pagos agora pelo Tesouro, com custo estimado em R$ 4,6 bilhões em 2013.

Além disso, o governo terá de indenizar um grupo de empresas concessionárias de energia elétrica. O valor exato ainda não está calculado, mas os técnicos acreditam que os R$ 21 bilhões já reservados para essa finalidade serão suficientes.

E... com se não bastasse ... leio que o real impacto no bolso do consumidor ainda não foi calculado, porque mais da metade das 65 distribuidoras do país terá reajuste de tarifas em 2013.

3. Segundo o economista André Perfeito, da Gradual Investimentos, com a redução na tarifa de energia, haveria espaço para a Petrobras reajustar em até 15% o preço da gasolina sem pressão na inflação. (ótimo, não ?!)

bom site: http://www.implicante.org/

4. BNDES - quem pode googlar para listar os subsidios ??

"O governo não tem concorrencia, pode fazer o que quiser, estamos presos isolados no paraíso."

Paraiso?! O unico paraiso que eu conheco eh um bairro no comeco (ou final?) da Avenida Paulista.

Nos nao somos nem um destino turistico. Vide a conta de turismo no nosso balanco de pagamentos.

"O"

P.S. Estou um pouco amargo hoje.

Vejam a conclusão de um paper do Oreiro em 2009:
"Neste contexto, verifica-se a existência de uma armadilha juros-câmbio na economia brasileira. Com efeito, a eliminação do desalinhamento cambial imporia, na atual estrutura de condução da política monetária, uma forte elevação da taxa de juros, o que teria impacto nocivo sobre o investimento e, portanto, sobre a sustentabilidade do crescimento econômico no longo prazo. Para eliminar esta armadilha propomos um conjunto de medidas de política econômica, como adoção de metas implícitas de câmbio, controles sobre a saída de capitais de curto prazo e flexibilização do regime de metas de inflação no Brasil"

Engraçado né?! O governo adotou essas e muitas outras medidas excêntricas/diferentes/heterodoxas.....cadê o crescimento??
esses heterodoxos são uns picaretas mesmo...........
http://desafios.ipea.gov.br/sites/000/2/publicacoes/tds/td_1431.pdf

Pessoal, não se esqueçam que a Petrobrás tem alguns bilhões de dólares em importações de petróleo e derivados em 2012 que ainda não foram contabilizados na balança comercial em mais um truque do governo para turvar os dados economicos.
Digo isso, pois, a demanda por combustíveis foi um dos grandes aumentos de demanda em 2012.

Alex, ve alguma credibilidade no discurso do Tombini em Davos, estilo Mario Draghi de "fazer o que for preciso para trazer a inflação à meta em 2013"?

Att,

JB

"Se esta errado eu lhe convido a apontar o erro e a tentar decifrar o aparente enigma."
Serio, economista X, você jura que é economista? Até em escolas ruins ensinam contabilidade nacional...cruzes!

Oreiro deveria ser mais respeitado,devido ao numero de
publicãções que ele possui.

Anonimo de 24 de janeiro de 2013 00:56

Troque "o tesouro vai financiar", por "NOS, a POPULACAO, vamos financiar" essa porra toda.

Escrevendo dessa forma o absurdo fica mais claro: A gente paga de um bolso e recebe em outro. Mas nao eh so isso. Adivinha se voce paga mais ou menos do que recebe? Vou dar umas pistas: corrupcao, ineficiencia caracteristica do governo em alocar recursos e cobrar impostos, sem falar que ninguem veio perguntar se voce queria ter esse gasto, veio? Citando Friedman "ninguem sabe fazer uma decisao melhor sobre como gastar o seu dinheiro do que voce mesmo".

E pro longo prazo? Essa distorcao nos precos (PRINCIPAL incentivo economico) vai sair de graca ne?

Ah cara... Que desanimo olhar pro futuro do brasil...

Eu falei Portugalzao com MUITA sorte. MUITA sorte significa que durante os proximos 50 anos, nao vai mais ter pt no poder. Vai ter algo como um PSDB, que apesar de ser esquerda nao eh essa tragedia socialista corrupta que eh o pt. De repente uma crise no futuro qd a china parar de importar tanta commodity vai fazer o FMI impor alguma medida benefica.

Enquanto isso o chile esta na lista dos top 10 em investimento estrangeiro direto no brasil! Tudo bem, a gente tem a unicamp, ufrj e amigos pra formar nossos economistas.

Economista Y

"Alex, ve alguma credibilidade no discurso do Tombini em Davos, estilo Mario Draghi de "fazer o que for preciso para trazer a inflação à meta em 2013"?"

Sim, vejo, principalmente agora que o Coelhinho da Páscoa me prometeu uma dose dupla de chocolate.

Alex, o que achou da ata, principalmente o item 26? Sera que passou a bebedeira?

Talvez a tese da convergencia não linear se confirme ao longo do tempo.

Lendo a ata do BC, jornais e assistindo ao discurso da "presidenta", começo a entender o porquê dos programas humorísticos estarem em vias de extinção. Chamem o MP, CADE, o Barbosa e etc...Concorrência desleal para com os comediantes!
Sai, "não linear" e entra o "convergência tempestiva". Sei não, mas tá com cara de filme da boca Ah! Vera Fischer, Aldine Muller, quem diria que vcs iriam arrumar uma "boquinha" no BC! Ops!Sorry! este é um blog de família!

"Sera que passou a bebedeira?"

Não, porque ainda vale:

"o Copom entende que a estabilidade das condições monetárias por um período de tempo suficientemente prolongado é a estratégia mais adequada para garantir a convergência da inflação para a meta."

Manteiga nos seus tempos de companheiro

http://3.bp.blogspot.com/-ax9G8Hxzn1g/UPleh9FU4_I/AAAAAAAAEPw/Z51tG1e1d7M/s1600/mantega_jovem.jpg

créditos pelo achado: Drunkeynesian

Deixa eu ver se entendi: o copom agora acha que a economia não cresce por problemas na oferta. Ela acha também que os mercados de crédito vão se recuperar e que a massa salarial vai continuar crescendo. A política fiscal é clara e reconhecidamente expansioinista. E, dado que até bem pouco atrás o BC vinha vendendo a política monetária como "anticíclica", é de se supor que ele acredite que a Selic real está abaixo do neutro. Em cima de tudo isso ele jogou uma desvalorização cambial não desprezível e promete manter os juros inalterados por um longo período de tempo. E, depois de tudo, quer que a gente acredita que a inflação convergirá "tempestivamente" para a meta...
Eu acho que essa estratégia tem alguma chance de dar certo se o Papai Noel, montado em um unicórnio falante sair atacando remarcadores de preços nos supermercados. Ou isso ou apelamos para a lei delegada número 4...

BC acreditava que a inflação iria ficar por volta de 5% em 2012 por conta da desinflação mundial e a boa luta seria evitar a perda de dinamismo da atividade. Errou, a inflação ficou em 6%. Agora acredita que a inflação somente irá tocar 6%/6,5% em 2013 com a economia rodando acima de 4%. Vai errar de novo e terá que subir os juros antes do previsto com crescimento abaixo do previsto.
Dantas

Muito bom esse retrato do Jumantega.

Só um dado para os amantes (não-correspondidos) da contabilidade nacional: as exportações em quantum se contraíram 0,3% em 2012. As importações se contraíram 2,3% no mesmo período. Os dados são da Funcex.

Att,

Economista X

Só rindo !!!

Quem define aumento de gasolina não é a empresa que produz... é o BC - leiam nos jornais de hoje Gasolina poderá ter reajuste ‘em torno’ de 5%, diz Banco Central


"Oreiro deveria ser mais respeitado,devido ao numero de
publicãções que ele possui."

Ate onde eu sei, nenhuma em periodico de qualidade.

"O"

Flavio Dias..

Peraí cara, tu não pregava o corão Austriaco? Ficou traumatizado é? aí resolveu tentar zoar os heterodoxos pra virar amiguinho da galera hahaha

"Por vários destes motivos, é crescente o número de críticos do regime que propõem a transição para um regime de política econômica de “juro baixo e câmbio alto”.

O problema é que, uma vez que nos demos conta de como o sistema de metas funciona realmente, se o diferencial de juros for reduzido e o câmbio desvalorizado substancialmente, surgem algumas questões complicadas.

Em primeiro lugar, como manter a inflação sob controle? As taxas de crescimento dos preços internacionais das commodities e do petróleo recentemente têm sido bem mais elevadas do que a meta de inflação brasileira. Se não for usado o instrumento da valorização cambial o que se deve fazer?

Alguns economistas têm sugerido que o Banco Central use controles de crédito de diversos tipos para controlar a demanda agregada, sem ter que elevar a taxa básica de juros (evitando assim a valorização do câmbio). Outros têm sugerido a ampliação adicional dos já elevados superávits primários fiscais, que diminuiriam o crescimento da demanda agregada sem a necessidade de aumentar os juros (novamente evitando a valorização do câmbio).

O problema é que estes críticos não levam em conta que a economia está sofrendo um choque de oferta externo e não um choque de demanda interno. A economia não está superaquecida. Além disso, e mais importante, como vimos acima, não há evidência de que as flutuações no hiato do produto (ou emprego) no Brasil afetem a inflação. Estas medidas só teriam o efeito colateral de reduzir o crescimento, viés já existente na política de juros altos, e não afetariam a taxa de inflação, exatamente por não valorizar o câmbio.

Por outro lado, se houver uma grande desvalorização cambial e a inflação só aumentar pouco e temporariamente, como ficam os salários reais? É importante notar que, devido à indexação dos preços monitorados ao IGP-M, que é muito afetado pela taxa de câmbio, os salários reais médios serão fortemente reduzidos por uma desvalorização cambial. Curiosamente não tenho visto nenhuma preocupação com este assunto no debate recente.

Neste caso, talvez esteja na hora de começar a se pensar em combinar desvalorização cambial com desindexação dos preços monitorados, além de taxação das exportações de alguns bens básicos, o que reduziria o custo para os salários e geraria melhora da competitividade, nas linhas do que foi feito pelo governo da Argentina[4].
"

Isso foi escrito em 2007. Preveu perfeitamente o futuro.. Os retardados da demanda agregada se fuderam

Economista X, parabéns. Chegou perto! Já reconheceu que na verdade é preciso analisar as exportações líquidas, nao somente as importações. Demorou, mas você conseguiu. Agora falta só mais um passo! Nao desista.
Com amor e carinho,
Daniel

um tanto comico a ata falando de preco de petroleo... who cares, precos sao regulados!

Alex, quando vem artigo novo???

"O"

O que seria um periódico de qualidade para um economista heterodoxo?

Imagino que Cambridge Journal e JPKE sejam. E lá o Oreiro publicou.

Você não pode exigir dele que ele publique onde VOCE considera de qualidade. Estas são revistas incompatíveis com a visão ou linha de pesquisa do autor.

Abs
carlos

Mais uma para a tal.. LISTA:

4. o Programa de Sustentação do Investimento (PSI) financiará projetos de infraestrutura logística, notadamente estradas e rodovias - O financiamento dos projetos de infraestrutura logística no PSI 2013 terá taxa de juros de 3% ao ano nas operações contratadas no primeiro semestre e de 3,5% ao ano no segundo semestre. O prazo de financiamento é de até 20 anos com carência de até 36 meses. O dinheiro para essa nova área de atuação que poderá buscar financiamento no PSI virá da parcela de R$ 15 bilhões de recursos próprios do sistema bancário, decorrentes da liberação de depósitos compulsórios sobre depósitos à vista. Apesar da mudança, a Fazenda informa que o montante total do PSI 2013 continua previsto em R$ 100 bilhões.

LA-MEN-TÁ-VEL !

Carlos,

Periódico de qualidade é periódico onde merda não é publicada rotineiramente.

Só isso. Tal descrição claramente exclui o CJE, e mais enfaticamente, o JPKE.

Se o Oreiro só consegue publicar em periódico café–com-leite, não tem como imaginar que ele possa ser respeitado por suas publicações…

E nem vem com o papo que ele publica no roteiro café-com-leite porque ele é heterodoxo.

Não, ele publica na boca do lixo porque os artigos dele são ruins, preguiçosos e cheios de erros fundamentais.

“O”

Carlos pergunta:
"O que seria um periódico de qualidade para um economista heterodoxo?"

Exemplos de economistas heterodoxos reconhecidos: Samuel Bowles, Herbert Gintis, Michael Piore

Revistas onde publicam: Quarterly Journal of Economics, American Economic Review, Journal of Economic Literature, Journal of Public Economics, Journal of Economic Behaviour and Organization, etc.

Ranking destas revistas no Repec: 1, 3, 5, 20, 50.

Ranking do Cambridge Journal: 208
Ranking do JPKE: 385

Resumo: Há inúmeros exemplos de ideias heterodoxas (ou que eram heterodoxas antes de virarem mainstream) publicadas em revistas de ponta. Mas tem que ser boa pesquisa.

Não entendo como ninguém fez publicidade antes para este recente livro:

http://www.elsevier.com.br/site/produtos/Detalhe-produto.aspx?tid=88585&seg=3&isbn=9788535251555&cat=276&origem=Lista&evp=&tit=DESENVOLVIMENTO%20ECON%c3%94MICO

Desenvolvimento Econômico UMA PERSPECTIVA BRASILEIRA

Fernando Veloso
PEDRO CAVALCANTI FERREIRA
Fabio Giambiagi
SAMUEL DE ABREU PESSÔA

Aê, careca.. vc tá na Veja dessa semana, logo na primeira frase do Veja Essa.. Parabéns!

Vai assinar coluna lá quando?

Abs,

Joao Bosco

Alex, aquelas mãos pra cima na foto, significam:

A)Dai-me paciência!;
B)Coitado dos baianos, se fez aquilo na rua Chile, imagina no Ondina;
C)Estão apontando um "supermultiplicador sraffiano" para o meu peito.

Texto perfeitamente lógico. Impecável. Mas a lógica do governo é outra: é a do poder. Então temos uma Presidente que aparece em rede nacional para anunciar seu grande feito: a diminuição da conta de luz. Assim, na próxima eleição, ela poderá rebater quando for acusada de ser a Presidente do apagão. Enquanto isso, o trabalhador adoece nas filas do SUS (Sistema Único de Saúde) e é impedido de trabalhar porque não tem creche para deixar os filhos. E nada disso é justificável, visto que a sociedade civil paga tributos abusivos para o Poder Público cumprir seu papel social descrito na Constituição.

http://oantipetralha.blogspot.com.br/

O ANTIPETRALHA.

Caro "O", ou Irineu de Carvalho Filho, por que essa fixação pelo Oreiro? Deve ter muita "história" entre vocês dois...

serio alguem explica para um graduando a existencia de inflação de demanda? empiricamente raiz unitaria 1 não existe, vamos ser sérios né gente

Anônimo 27 de janeiro de 2013 15:20

Imagino que que a Carta Capital seja o supra-sumo do jornalismo nacional, né?

"empiricamente raiz unitaria 1 não existe, vamos ser sérios né gente"

Axel: eu sei que pedir para você falar apenas do que entende seria impor um voto de silêncio, mas, por favor, tente limitar seus comentários aos supermultiplicadores sraffianos e outras figuras de ficção, tá?

Agradecido...

"... Sim, vejo, principalmente agora que o Coelhinho da Páscoa me prometeu uma dose dupla de chocolate".

Não, quem está prometendo chocolate duplo em todo mundo este ano é o CRUZEIRÃO EXPORTAÇÃO!!!!
Ele voltou, meus caros, podem começar a tremer!!!!!
Saudações

E aí Alex,o IPCA vai pra meta em 2016?

Só se o BC fizer força para isso...

Alex, vc não vai colocar o "link" da sua entrevista no Infomoney?
Você tem muito coragem! Pelo $ que vc já pagou, em um país que me parece, ressuscitaram o Beria...

abs

Segue o link:

http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/2662842/lucrar-brasil-visto-como-suspeito-diz-alexandre-schwartsman

Só um comentário. O repórter escreveu que eu disse ser um erro forçar as empresas lucrativas a contribuírem para o crescimento. A palavra chave no caso é "forçar", pois as empresas lucrativas já contribuem para o crescimento.

Pragmatismo pode estar voltando: BC faz leilão e doleta aponta ir ladeira abaixo.
Meu call é que o BC "se deu" um prazo para o pib voltar a crescer sem olhar para a inflação: segundo tri deste ano. Depois, a selic volta a subir para os 9%, mesmo que o PIB ande 3% na ponta. E vamos todos ver que o estrago na confiança (pedra fundamental na igreja do IT) será zerado em 15 minutos. E que o juro real agora é outro.
Maradona

Alex,

O IBGE calcula estoques???

abs

Marcos

Não, até onde eu sei. Calcula a variação de estoques como resíduo das estimativas de PIB versus demanda agregada.

Afora umas poucas estimativas setoriais (automóveis, alguns grãos) não há estatísticas acerca do nível de estoque. Há, nas sondagens da FGV e da Markit perguntas sobre o nível de estoques (mais que desejado, menos, igual) e sobre a variação (caiu, subiu, ficou igual).

Abs

nos Estados Unidos do período 1991-2002 os dados não indicam a presença de raiz unitária. Como vc mesmo admite que é a presença de raiz unitária que justifica a=1 no modelo teórico, então vai concordar que quando não houver raiz unitária não deve ser nenhum sacrilégio supor a<1 e investigar as implicações teóricas para compreender o que está ocorrendo, ao menos no que diz respeito a este período específico. E aí, lamento te informar de novo, com a<1 não tem NAIRU
(cara responda serio por favor, sem tiradinhas engraçadas e falta de respostas, abracos)

Alex,

desculpe a ignorancia, mas a relacao expressa na lei de Okum continua, com algumas ressalvas, valida, certo?

Segue no link uma discussao a respeito do tema.


http://www.voxeu.org/article/jobs-and-growth-are-still-linked-okun-s-law-still-holds

abs
Xian

Pois é, eu te pedi encarecidamente para não escrever do que não entende, mas, já que você não atendeu, me vejo na obrigação de ser engraçadinho e dizer que nada do que você escreveu faz qualquer sentido porque:

1) Você não entendeu o que é raiz unitária;
2) Não há qualquer relação entre raiz unitária e a inflação resultar de hiato de produto positivo ("inflação de demanda"), mesmo porque todos os modelos que explicam o fenômeno são, por construção, estacionários;
3) A evidência que você cita não guarda qualquer relação com o tema;
4) Por tudo que você tem escrito aqui fica claro que você sequer sabe do que está falando
5) Atenha-se à produção de cretinices por meio de cretinos, ou então vá estudar economia a sério

"Alex,

desculpe a ignorancia, mas a relacao expressa na lei de Okum continua, com algumas ressalvas, valida, certo?"

Eu vi, há pouco, um texto, acredito que do Larry Ball, em que ele afirmava ter evidências que a Lei de Okun permanecia válida. Tenho um cópia (acho) no escritório (ainda não passei isso para a nuvem). Se achar a referência, passo.

Abs

Xian:

Acabei de abrir seu link. O texto nas referências (fit at 50) é o que tinha visto.

Abs

Alex

Então o que explica o fato da inflação ser uma série não estacionária em alguns momentos e não o ser em outros

"Então o que explica o fato da inflação ser uma série não estacionária em alguns momentos e não o ser em outros"

Fundamentalmente é atender ou não o princípio de Taylor, ie., a postura de política monetária, mesmo na presença de indexação

Aqui (http://maovisivel.blogspot.com.br/2009/04/ainda-o-fardo-do-economista-neoclassico.html) você acha a discussão do princípio de Taylor. Se quiser o caso com indexação tem que me mandar um e-mail.

axelsraffa@gmail.com



valeu

E essa aqui agora ?

O Joseph Stiglitz, Nobel de Economia, culpa ‘políticos e governos’ por desigualdades (Ok !), contesta avaliação de que mercado é o responsável (ok !), e completa dizendo que Brasil está no caminho certo para ‘crescimento bastante forte’ com as medidas de 15 anos atrás (ok !)

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/nobel-de-economia-culpa-politicos-governos-por-desigualdades-7402454#ixzz2JJq6PAzI

Será que aquele Paul Kruggman concorda ? ahauhauah

--Renato/BH

meu Deus alex, o BC vai usar deslavadamente o dollar como ferramenta de politica monetária!!! qual o próximo passo? já podemos fazer uma eleição para escolher quais animais serão impressos no verso das próximas cédulas de real?

" já podemos fazer uma eleição para escolher quais animais serão impressos no verso das próximas cédulas de real?"

Ouvi dizer que sua doce mãezinha quer sair candidata...

Coitado do cara aí de cima, não falou nada demais e levou um coice na cara. hahahaha. Morri de rir.

Grosseria sem qualquer razão com o sujeito. Está de mal humor? Vai brigar com o Gabrielli.

"Grosseria sem qualquer razão com o sujeito. Está de mal humor? Vai brigar com o Gabrielli."

1) Já briguei;
2) É mau humor, seu analfabeto (mau é adjetivo que acompanha o substantivo "humor")
3) O blog é meu;
4) O babaca em questão já tinha aparecido antes com uma historinha parecida
5) Se não gosta, ninguém pediu para vir aqui
6) VDMHDB

Alex (voce é oono do blog né)
faço ADM mas tenho uns interesses por economia mas sou leigo mas sobre o debate inflação de custo e demanda : porque nos EUA se abaixa os juros pra niveis irriozios e não ha inflação e no Brasil se bota a culpa na demanda pelos juros altos, ou seja a baixa inflação se explicaria por aumento salarial real nulo em 40 anos e não por crescimento ou estagnação. Ja no Brasil a inflação aumentou nos periodos com menor crescimento, ou seja o canal de custos importados repassados

Tente explicar para um semi-leigo .. abração (rumo ao tetra)

Quantas vezes o Sr "Brigou" em seminários para defender o seu ponto de vista/da Ciência Economica?

alex .. para um estudante de economia pretendendo seguir a linha freshwater .. me diga os principais autores que devo ler? (columbia é freswater né?)

http://blogdosidaomalhumorado.blogspot.com.br


O Cãmbio, os Juros e a Política Econômica em Saint of Paul Oco


Antes de começar o texto, acho justo alertar que Saint of Paul Oco é um país fictício e que quaisquer semelhanças com eventos que ocorram em algum país real é mera coincidência!

Em algum momento, num logínguo século, possivelmente ao redor de 1400 ou 1500, quando as práticas mercantilistas estavam em voga, os conselheiros do Rei em Saint of Paul Oco perceberam que o país deles estava sendo alvo de uma guerra cambial, cujo objetivo maior era destruir a indústria do país. Naquela época a taxa de câmbio era ao redor de P$ 1,60 (1,60 pauls por dólar). E ninguém questionou muito, pois quase todos concordavam que aquela taxa de câmbio estava exagerada. Os pauls estavam mais firmes do que deviam.

Foi então que o Conselheiro Bufão decidiu contra-atacar e disparou sua metralhadora contra os especuladores. E, como os tiros eram disparados à esmo, algumas balas perdidas ricochetearam contra o próprio sistema produtivo. De qualquer forma, ainda que fossem questionáveis alguns dos tiros disparados, em parte se caminhava para um equilíbrio mais saudável.

Aos agentes dos “mercados”, investidores, empresários e especuladores a grande pergunta era: Qual a taxa de câmbio desejada pelo conselheiro Bufão, que às gargalhadas, além de tiros, disparava anátemas em direção dos agentes de mercado e da mídia?

Ninguém tinha certeza. Analistas mais atentos percebiam que, embora uma posição mais ofensiva na guerra cambial fosse razoável, a política de desvalorização cambial era inútil sem o acompanhamento de uma política monetária ativa (que evitaria a elevação da inflação, que por si só anularia o efeito da desvalorização) e de uma política fiscal também contracionista ( que ajudaria na contenção da inflação, com menor custo monetário, e reduziria a absorção doméstica ).

Enfim o Conselheiro Bufão e a equipe do Banco Central de Saint of Paul Oco estavam fechados com a Rainha e decidiram continuar baixando os juros, pois assim reduziriam o déficit nominal do setor público, diminuiriam a atração de capitais especulativos que para lá iam se aproveitar dos juros elevados, criando um novo equilíbrio mágico com câmbio desvalorizado, crescimento forte e nenhuma inflação. Afinal, Saint of Paul Oco, além de uma terra lendária, também era uma terra de faz-de-conta !

Faltava-lhes entender a inconsistência do conjunto de medidas. Lá eles não conseguiam entender muito a diferença entre real e nominal e entre o que era real e o que era faz-de-conta...

Voltemos às taxas de câmbio de Saint of Paul Oco, cujos registros foram encontrados em um esgoto, por historiadores que acreditam que o tal esgoto vem direto de Saint of Paul Oco, que como vocês sabem teria chafurdado na M... há séculos atrás. Os registros mostram que os agentes econômicos acompanhavam as medidas do BC de St of Paul Oco em busca de sinalizações sobre qual a taxa de câmbio desejada.

Haviam sinais de mudança de regime cambial, de flutuante para “bandas móveis”. Mas, ninguém sabia ao certo qual seria esta banda. Mas, como dito, os agentes no mercado tentam observar qual o nível de taxa de câmbio, para tomarem decisões, a partir das sinalizações do BC e do conselheiro Bufão.

(Seu HTML não pode ser aceito: Deve ter no máximo 4.096 caracteres)

Pelo mesmo motivo que você possa no freio ladeira abaixo e no acelerador ladeira acima. E, francamente, custos dos importados repassados? Quais? Bens duráveis? Estão em deflação. Alimentos? Praticamente nao importamos. Só se você acredita que a inflação de serviços for importada, mas aí você nao seria semi-leigo em economia....

excelente sua entrevista no Infomoney!
http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/2662842/lucrar-brasil-visto-como-suspeito-diz-alexandre-schwartsman
abs

Já brigou com o Gabrielli e perdeu o emprego.
Abraços....

O ponto é que nao é so o Chile q vai pra frente.
Nos é que somos os imbecis que andamos p tras.



xian

"Já brigou com o Gabrielli e perdeu o emprego. "

Então, voce tem culhão para isso?

O post é bastante correto no diagnóstico da atual conjuntura da economia brasileira. Gostaria apenas de levantar um ponto. Nestes dois últimos anos, mais precisamente em 2012, os indicadores de consumo aparente da indústria apontam para um vazamento externo muito pequeno. Inclusive, a contribuição das exportações líquidas ao crescimento anual do PIB foi nula no ano passado. Aí surge um outro fator: o forte e lento processo de desacummulo de estoques pelo qual passou a indústria desde meados do segundo semestre de 2011. Em 2012, esta variável tirou 0,9 ponto percentual do PIB, ou seja, o crescimento teria sido o dobro. Isto coloca uma outra questão: até que ponto a demanda por bens industrais está tão forte assim. Talvez uma grande parte da demanda total esteja indo para os serviços, o que tornaria ainda mais complicado o mix de política a ser inplementado pelo governo.