teste

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Non sequitur


O Banco Central finalmente reconheceu que o baixo crescimento do Brasil não resulta da fraqueza do consumo, mas de limites à expansão da capacidade produtiva do país. Trata-se de uma mudança importante na atitude da autoridade monetária que, até semana passada, parecia comungar com o restante do governo a noção que o desenvolvimento do país viria na esteira do juro baixo e do dólar caro.

Na verdade, há uma importante suposição implícita nesta noção, a saber, que a economia disporia de suficiente capacidade ociosa para que o impulso do lado da demanda (consumo e investimento, pelas taxas de juros, e exportações, pelo efeito da taxa de câmbio) possa se transformar em aumento da produção.

“Capacidade ociosa” neste contexto tem um significado amplo, abrangendo – além da capacidade instalada na indústria – também a disponibilidade e qualificação de mão-de-obra, os serviços de infraestrutura, assim como todas as regras de organização da produção no país que se traduzem no nível de produtividade.

Ocorre que, se há ainda algum excesso de capacidade no setor industrial, nos demais as indicações são no sentido oposto. Não apenas as taxas de desemprego vêm em queda persistente, mas também os salários têm subido bem acima de qualquer estimativa honesta do aumento da produtividade. Em particular os sinais de falta de mão-de-obra são ainda mais pronunciados no caso do pessoal qualificado. A infraestrutura, por fim, está esgarçada, como sabe qualquer um que tenha usado estradas, portos ou aeroportos, culminando, mais recentemente, em elevações expressivas dos preços de energia no mercado à vista.

E, ao contrário do que ocorre no setor industrial, onde investimentos tendem a se materializar em capacidade adicional em prazos relativamente curtos (em torno de 18 meses), estes gargalos são de correção bem mais complicada. É risível acreditar, como andei lendo por aí, que imigração possa resolver o problema geral de falta de mão-de-obra (qualificada inclusive) num país das dimensões do Brasil, onde, de acordo com o último dado disponível (2009), o total de pessoas empregadas atingia pouco menos de 97 milhões.

Já no que diz respeito à educação, o tempo necessário para promover a mudança requerida se mede em anos, senão gerações, e isto na suposição que, de repente, fizéssemos todas as coisas certas, as mesmas que passamos as últimas décadas cuidadosamente evitando.

Adicionalmente, embora a iniciativa de conceder ao setor privado a responsabilidade por segmentos da infraestrutura seja louvável, os resultados obtidos pelas concessões anteriores não permitem nenhum otimismo quanto a uma solução de curto prazo. Trata-se de um caso exemplar de “muito pouco, muito tarde”, ao que poderia acrescentar: “e errado também”...

Por fim, o crescimento da produtividade tem sido pífio, e o padrão errático da política econômica contribui para enfraquecê-lo ainda mais. Desde meados da década passada não há uma agenda de reformas que busque acelerá-la e mesmo que uma milagrosamente surgisse (literalmente) do nada, a experiência sugere que seus efeitos só se manifestariam depois de alguns anos.

Assim, sem capacidade ociosa e sem que haja possibilidade de surgimento de nova capacidade no futuro imediato, não faz sentido tentar estimular o crescimento por meio de incentivos à demanda, como admitido pelo BC. Sob estas circunstâncias, o impulso monetário se transmite principalmente aos preços, ou seja, a divergência da inflação com relação à meta é apenas a outra face do esgotamento da capacidade de crescimento da oferta.

Mas, se isto é verdade, segue-se que a política monetária tem sido (e ainda é) inadequada para trazer a inflação à meta. Como, porém, o BC demorou quase ano e meio para entender o que estava ocorrendo, deve ainda encontrar dificuldades para atingir as conclusões lógicas de seu próprio argumento.

Epifania na última reunião


(Publicado 30/Jan/2013)

Reações:

107 comentários:

Com eleição no ano que vem, fica difícil pensar em uma mudança mais séria de política econômica para este ano e para o ano que vem.

O Tombini entrou no jogo. Fica difícil mudar a postura agora. Só se sair!

Abraços

Antes tarde do que nunca... reconhecer o erro é a parte mais fácil, quero ver se vai haver ação do BACEN para controlar a inflação, que considero ser um problema mais grave que o crescimento do PIB e que já vem demonstrando a sua fúria.
PS: daria um dedo pra saber o que disseram para o Tombini em Davos...

Alex, ontem o dólar fechou em um patamar que não era visto a alguns meses.

Vc acha que o BC vai atuar agora pra apreciar um pouco o câmbio?

Alex,

Olha a peróla do Asno Augustin no Valor de hoje:

"No caso dos aportes no BNDES, Augustin afirmou ver "total relação entre os valores que emprestamos ao BNDES e a redução da Selic". Para o secretário, se o governo não emprestasse os recursos, haveria pressão inflacionária quando o país crescesse, o que implicaria aumento da Selic e da dívida brasileira"


"O Tombini entrou no jogo"

Esse já virou margarida faz tempo. Só espero que não nos proporcione um Tombão!

Abs

No seu blog ,há tempos atras o senhor publicou diversos posts falando do impacto positivo da
valorização do dólar no cresci
mento do pib(termos de troca,etc).

Com o dolar nesse nível,ele se torna um impecilho no crescimento em função da queda nos termos de troca?

Alex,

Quais seriam os furos desse artigo? Faz sentido?

https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2013/1/29/taxa-de-cambio-e-desenvolvimento

Taxa de câmbio e desenvolvimento

Antonio Delfim Netto

Valor Econômico - 29/01/2013

"O 'mainstream' vai ter muito trabalho para deixar de encarar a possibilidade teórica e a experiência histórica que sugerem que uma taxa de câmbio relativamente desvalorizada e estável foi um complemento importante no processo de desenvolvimento da maioria dos países, e que não há razão para supor que o caso brasileiro seja uma exceção."

De repente o pessoal do BC anda acessando seu site essas ultimas semanas hein alex? Eh por esse tipo de coisa que eu ainda acredito no brasil, com muita sorte, virando um portugalzao em 50 anos.

Eh que tem um limite pra quantidade de merda que nego consegue fazer. Nego vai la fazendo uma atras da outra, ignora o *basico* do basico da economia, mas uma hora ate eles entendem que tem alguma coisa errada. Mas ai continua a pergunta: como eh q eles explicam essa palhacada de manter a inflacao alta desse jeito?? Mais um ano e meio pra pensar...

Alias, eu digo virar Portugalzao (com *muita* sorte) em *50* anos. Mas virar EUA, holandona, alemanhona, inglaterrona... Esquece ne. Isso nunca vai acontecer. O unico da america latina que vai dar certo eh o chile. Se tiver a mesma sorte que a gente precisar, vira uma holanda nesses 50 anos.

Economista Y

comentando o artigo do Delfim, será que o autor trata da taxa de investimento e de poupança nesses países?
Alex, seriam esses os "furos" do artigo?

"Essa depreciação real despercebida tem sido parte importante da história da China e dos países asiáticos desde a crise cambial de 1997-98. Bhalla faz uma interessante comparação histórica, mostrando que no século XIX a Inglaterra e a Holanda tinham as taxas de câmbio reais mais desvalorizadas do mundo, o que talvez explique seu crescimento."

O que acham da seguinte teoria:

Em 2006, vi um seminário do Tombini na universidade. Ele defendeu vigorosamente o regime da política monetária de então. Falou que o Brasil estava no caminho certo e o CMN DEVERIA (no sentido normativo, não de especulação se o CMN iria ou não) abaixar a meta de inflação e a margem de tolerância da meta de inflação, além de monitoriar a meta a cada 12 meses, não apenas no final do ano calendário.

Na época, minha impressão era que ele era um "hawk". Dadas a sua formação e histórico, fazia sentido.

Duvido que ele tenha virado um "dove" depois da crise de 2008.

Depois a Dilma o chama pra ser presidente do BC. Ele não é trouxa. Sabe que se não fizer mais ou menos o que a chefa manda, cai fora. E sabe que, se der mole, pode ser substituído pelo desastre, tipo o Belluzzo.

Então, é o seguinte:

Hip 1: Tombini é hawk, não dove.
Hip 2: Se a política monetária se distanciar do que a Dilma quer, ele cai fora.
Hip 3: Belluzzo ou semelhante é substituto potencial.

Conclusão: Tombini tá fazendo uma gestão de limitação de danos.

Daria pra modelar isso da mesma forma daqueles modelos de que o Banco Central é over tough pra sinalizar credibilidade ao mercado.

O Tombini sinalizou que é "under tough" pra não ser ceifado e impedir que a coisa degringole de vez.

Dadas as restrições políticas, o cara pode ser o Batman da política econômica brasileira!


Economista Y,

O Mexico está em um bom caminho.
A agenda de reformas esta bem estruturada e parece ser bem seria. O Pena Nieto está bem assessorado. A reforma do mercado de trabalho esta bem adiantada. O Governo pretende parar de ordenhar a PEMEX (que é fonte de renda pro governo e subsidia o preço dos combustíveis) e aumentar impostos. O problema de divida dos estados esta sendo abordado com sensatez e o a Federação irá transferir parte dos impostos federais aos estados.

enfim....

o cara q não é nenhum santo resolveu colocar a mao na massa e fazer as coisas certas de forma organizada.

O grande desafio deles é acabar com os Oligopólios/Monopólios e parece haver vontade politica para fazer isso.

Até o Banxico que nunca entregou o centro da meta (Entregava inflação próxima à meta, porém sempre em seu intervalo superior) parece o mais responsável dos Hawks quando comparado ao nosso BC. É só comparar as atas. Banxico se mostrando preocupado em se mostrar vigilante, modelar as expectativas e monitorar os efeitos de segunda ordem dos choques. O pessoal do Trombina, por outro lado, parece sempre preocupado em colocar panos quentes, justificar o que fizeram, ex-post, e falar q as pressões que estamos vendo não são nada demais.

Abs
Xian

Alex,

Se o problema desse estado letargico da economia brasileira advém de questões de oferta, e sendo estes problemas corrigíveis apenas em intervalos longos de tempo, então você prevê para o futuro próximo (sei lá, próximos 3 anos) um período de crescimento medíocre?

Abs

O furo do artigo do Delfim é que os tigres asiáticos tinham uma baita poupança, um alto investimento em educação e uma economia bastante aberta. Fora isso, o Alex já publicou um artigo argumentando que tanto o crescimento mais elevado quanto o câmbio mais depreciado são consequências da alta taxa de poupança.

"O Tombini sinalizou que é "under tough" pra não ser ceifado e impedir que a coisa degringole de vez."

Ah, que herói...

Parabéns, excelente texto. Correto, sem complicações e agradável de ler (acessível a todos).

Se o Tmobini fosse um hawk, jamais aceitaria ser presidente do BC sem exigir suas garantias. E a primeira da lista seria a independência operacional.

Henrique,

Entendi seu ponto, mas o Tombini está manhchando uma carreira que ele conquistou ralou pacas pra conseguir!

Então ao meu ver seria melhor cair fora. Pq essa de ficar atendendo a Presidente não dá, pq depois isso cai nas costas dele e aí?

A reputação como fica?

O Alex falar que o problema é oferta é falacia,o porblema nunca é oferta é a demanda leia Keynes,o futuro para o Brasil é ir com tudo para desonvolvimento taxa reais de juros negativas,substituiçao de importaçoes,basicamente o modelo Argentino,inflaçao não é um problema desde que indexada,enquanto alguns falam coitados dos Argertinos inflaçao de 20% eles de desenvolvem,cambio fixo com inflaçao alta seria mutio bom nunca ficariamos endividados e poderiamos pegar emprestimos em dolar a vontade que a inflaçao pagaria uma inflaçao indexada na casa de 40% me parece ideal,esse modelo exportador me parece falho tambem o ideal é uma economia basicamente fechada e com restriçoes enormes a qualquer tipo de importaçao e incetivos enormes para substituiçoes de importaçoes,o importante é o desenvolvimento do mercado interno a todo custo
.
Alex assim que um pais se desenvolve não ficar falando de argumentos geenricos como educaçao,qualificaçao de mão de obra isso tudo é consequencia do desenvolvimento,liberalismo é uma farsa enquanto eles propagavam isso eles tinham taxas reais de juros negativas,portecionismo,exploraçao dos paises subdsenvolvidos vide petroleo antes da OPEP,tambem investiam peasadamente em defesa que criava avanços tecnologicos e aumentavam seus poderes perante,mais não a demais ficavam criando maneiras de abrir o mercados dos outros paises,usando mecanismo como FMI,banco mundial,estipulando risco pais com agencias de rating aliadas,porque quanto mais juros maior o lucro,isso tudo em custa do desenvolvimento dos paises do terceiro mundo.

O futuro e o nacionalismo meu caro Alex.

Alex assim que um pais se desenvolve não ficar falando de argumentos geenricos como educaçao,qualificaçao de mão de obra isso tudo é consequencia do desenvolvimento,liberalismo é uma farsa enquanto eles propagavam isso eles tinham taxas reais de juros negativas,portecionismo,exploraçao dos paises subdsenvolvidos vide petroleo antes da OPEP,tambem investiam peasadamente em defesa que criava avanços tecnologicos e aumentavam seus poderes perante,mais não a demais ficavam criando maneiras de abrir o mercados dos outros paises,usando mecanismo como FMI,banco mundial,estipulando risco pais com agencias de rating aliadas,porque quanto mais juros maior o lucro,isso tudo em custa do desenvolvimento dos paises do terceiro mundo.

O futuro e o nacionalismo meu caro Alex

Duas observações:
1. Dilmão foi à TV falar do barateamento da energia; por que não foi pra falar da alta do petróleo?
2. Dolar começa a cair depois de anos; depois leio no Globo que Guidão sex com Manteiga vai fazer um roadshow em NY, London e Paris. Coincidência??
Sds.
Jurista

O tombini e um péssimo gestor da política monetária, passou dois anos caçando justificativas pra cortar o juros. Se estivesse minimamente preocupado com o a inflação ou puxava o juros ou cai fora. Ele nao passa de um burocrata que nao faz ideia do risco em que esta colocando essa sociedade. Ja o time da fazenda e completamente lunático.

"Se o Tmobini fosse um hawk, jamais aceitaria ser presidente do BC sem exigir suas garantias. E a primeira da lista seria a independência operacional."

Concordo 100%

"O"

porque um cara que tu admira tanto (krugman) é tão favoravel a diversas ideias heterodoxas e ja escreveu isso (controle de capitais e maxi desvalorização na islandia, moeda de um trilhão, etc) mas quando tu fala do brasil vc parece muito mais um paulo guedes ou algo do genero.. se decida porra

"porque um cara que tu admira tanto (krugman) é tão favoravel a diversas ideias heterodoxas e ja escreveu isso (controle de capitais e maxi desvalorização na islandia, moeda de um trilhão, etc) mas quando tu fala do brasil vc parece muito mais um paulo guedes ou algo do genero.. se decida porra"

1) É "por que", não "porque"

2) Pelo mesmo motivo que o Krugman criticava a política fiscal expansionista do Bush: circunstâncias diferentes requerem políticas diferentes, ou, se preferir a versão para colorir, não adiante receitar antibiótico se o cara sofre de doença autoimune, nem esteróide se o cara tem uma infecção.

Capice?

"Alex assim que um pais se desenvolve não ficar falando de argumentos geenricos como educaçao,qualificaçao de mão de obra isso tudo é consequencia do desenvolvimento,liberalismo é uma farsa enquanto eles propagavam isso eles tinham taxas reais de juros negativas,portecionismo,exploraçao dos paises subdsenvolvidos vide petroleo antes da OPEP,tambem investiam peasadamente em defesa que criava avanços tecnologicos e aumentavam seus poderes perante,mais não a demais ficavam criando maneiras de abrir o mercados dos outros paises,usando mecanismo como FMI,banco mundial,estipulando risco pais com agencias de rating aliadas,porque quanto mais juros maior o lucro,isso tudo em custa do desenvolvimento dos paises do terceiro mundo.

O futuro e o nacionalismo meu caro Alex"

Pô: me conta o que você anda tomando; tem jeito de ser bagulho bom...

O aumento da inflação no curto prazo,é um sinal que a oferta
futura esta se expandindo por
meo de aumento no investimento.

Alex, você concorda com o Krugman???
Que ridículo.
Já tirei teu blog da barra do meu navegador.

No comentário anterior esqueci de colocar meu nome.
É ridículo o Alex com as idéias que prega para o Brasil concordar com as idéias do Krugman.
Krugman ou Mantega dá na mesma.
Não perderei mais tempo neste blog.
Adeus.

Na entrevista no link abaixo o P.H. Albuquerque fala sobre o Tombinho:

http://selvabrasilis.blogspot.com.br/2011/02/entrevista-com-pedro-henrique.html

"Alexandre Tombini foi meu professor, colega e chefe. Com o tempo pude apreciar não somente sua competência como economista mas principalmente seu tino político e sua impressionante capacidade de navegar os corredores do poder".

Tá explicada sua permanência!

"circunstâncias diferentes requerem políticas diferentes, ou, se preferir a versão para colorir, não adiante receitar antibiótico se o cara sofre de doença autoimune, nem esteróide se o cara tem uma infecção."

1) é "adianta" e não "adiante".

"Não perderei mais tempo neste blog."

Quem?

1) É "por que", não "porque"

1) é "adianta" e não "adiante".

Ahahahah voces sao engracados.

O problema de krungman e esse pessoal eh que eles nao entendem que o curto prazo eh *curto* prazo. Pior ainda: os efeitos que eles esperam de "politica" fiscal e monetaria eh *completamente* questionavel. Na verdade, eu nao vi nenhum dado empirico que comprovasse a eficacia de nenhuma delas, e as justificativas teoricas pras medidas de puro aumento de demanda (e.g., o governo deve distribuir dinheiro de helicoptero, mandar abrir e fechar buraco, etc.) sao completamente impossiveis de se justificar (a nao ser para os participantes da seita, claro). Agora, todo mundo sabe que esse tipo de medida tem efeitos terriveis sobre o longo prazo. Eh so usar um pouco de logica. Essa politica fiscal maluca e socorro aos bancos entao?? tsc tsc tsc

Em tempo, nao eh uma questao de ser de direita ou de esquerda. Eh so questao de concordar que o mercado eh eficiente na alocacao de recursos (respeitadas algumas condicoes) e que as pessoas agem em seu proprio interesse. A turma do krungman acha q nao, e acha que o governo consegue planejar a economia ou "molda-la" e mais ainda, eles acham que nao exista "falha de governo". Ja o mercado (com milhoes de participantes guiados por "animal spirits") eh uma merda e ta sempre errado.

Por fim, essa historia de tentar alterar demanda de curto prazo eh igual a fazer sangria: Tem que fazer alguma coisa com o doente ne? Vai deixar o cara se curar sozinho correndo o risco morrer sem tentar nada?!? Nao pode... Alem disso, tem q dar emprego pros medicos que so sabem tirar sangue dos doentes.

Imagina como os medicos que nao aprovavam a sangria deviam se sentir an epoca...

Economista Y

pqp, os doentes mentais do mises brasil ou igrejas do genero vieram de vez infectar esse blog... voltem heterodochos!!!

Pera aí.. alguém leva Krugman estritamente a serio aqui? O cara é um agitador. E dos bons..

E Tombini já se "vendeu" há tempos, não adianta tapar o sol com a peneira. Ele já deve ter negociado seu próximo emprego depois do BC e uma dica: não vai ser na iniciativa privada...


O chamado regime de concessões é uma maneira de se fingir que o estado está querendo privatizar.

É uma arapuca para o empresário que quiser entrar na licitação e ficar o resto da vida prestando contas e entregando os resultados para as policialescas e politiqueiras agências de regulamentação.

Pode reparar, independente do setor, que quando alguém entra é devido ao fato de o BNDES estar bancando o empréstimo e alguma estatal entrou com a metade da participação.

Até o Nassif já tá criticando a Presidente... http://advivo.com.br/blog/luisnassif/os-riscos-do-hiperativismo-na-economia

O Alex é quermesseiro enrustido! Como todos os macroeconomistas salt water que empestam os manuais de graduação! Acham que fazem ciência, mas fazem puro proselitismo de engenharia social keynesiana.

"Até o Nassif..."

Ih, passa logo. Devem ter atrasado o pagamento.

"Ih, passa logo. Devem ter atrasado o pagamento."
Po**a! Se atrasaram o da The Economist rsrsrs! Mas, brincadeiras à parte, se tem FIDC tomando trolha, em razão da Petro, já dá pra imaginar né?

Exigir garantias?

Só quem pode exigir alguma coisa da Dilma é o Sarney!

"O", sua hipótese é que um hawk tem poder. E se ele não tiver?

Reputação? O cara já é presidente do Banco Central...

Partindo da hipótese heroica que ele vai ter um chefe pra quem ele precisa provar a reputação, bastaria ele contar minha conjectura. Se o problema de reputação é com o mercado, basta ele entregar poucos bons resultados; Mercado é que nem F1, vc é tão bom quanto sua última corrida...

Até o Nassif já tá criticando a Presidente... http://advivo.com.br/blog/luisnassif/os-riscos-do-hiperativismo-na-economia

Mais dois anos com crescimento abaixo de 2% e o Nassif vira aecista desde criancinha, uai.

"O"

nunca estudei economia na minha vida e achei esse blog via google

sempre tive essa duvida.. porque o governo não sai imprimindo reais e comprando dolares? o que impede isso?

ai compra varias paradas com o dollar
(quando tu imprime os reais ele desvaloriza? é só nao contar pra ninguem po)

serio nao riam de mim, sou aluno de biomedicina

" nunca estudei economia na minha vida e achei esse blog via google "

É assim que começa

" sempre tive essa duvida.. porque o governo não sai imprimindo reais e comprando dolares? o que impede isso? "

Isso significa claro, duas coisas:

1) desvalorização cambial, o que encarece os produtos estrangeiros e barateia os produtos brasileiros

2) inflação interna devido ao excesso de reais, que foram usados pra comprar dólares

Com esses dois fatores, você cria Inflação e cria desvalorização da moeda. Lucas Jr diria que, caso fosse uma política surpreende, vc teria mais produto hoje e menos produto amanhã (um ciclo econômico). E como o alex mostrou, vc tem menos Importação e menos Investimento Estrangeiro.

Creio que, isso acelera a inflação, diminui o investimento e concentra renda.

" ai compra varias paradas com o dollar
(quando tu imprime os reais ele desvaloriza? é só nao contar pra ninguem po) "

Sim ele desvaloriza, mas o Mercado perceberia uma política monetária expansionista caso o dólar se desvalorizasse cada vez mais.

" serio nao riam de mim, sou aluno de biomedicina "

Fica tranquilo, é pq vc n entende economia, tem ministro e jornalista por ai falando disso e também não entende.



Marcelo

"serio nao riam de mim, sou aluno de biomedicina"

Desculpa, mas é impossível não fazê-lo.

Para td problema difícil há uma solução fácil. E ela está invariavelmente errada.

“Reputação? O cara já é presidente do Banco Central...”

Manter a inflação a três anos seguidos fora da meta, e com perspectiva de manter esse patamar neste ano e no próximo (até o3º trimestre) já mostra a credibilidade dele, ou seja, arranha sua reputação sim. Isso sem levar em consideração outros países mais sérios, onde o cara pode ser chutado pra fora do BC e massacrado pela imprensa.

Ou seja, quando vc for a uma apresentação dele, vc vai ser chamado de palhaço pelo mesmo, pois ele diz que a inflação sempre irá convergir para a meta neste mês, neste ano, ou seja, não se sabe.

“Partindo da hipótese heroica que ele vai ter um chefe pra quem ele precisa provar a reputação”

Bom, uma das funções básicas do BC é resguardar o valor da moeda. Nesse caso, a incompetência é da Chefe e dele, pois estão brincando com fogo. Então para um Economista sério, não no meu caso ainda, pois ainda estou em processo de formação ele já mostrou o que é.

O sr ja viu alguma aplicação do Matlab em economia?

"O sr ja viu alguma aplicação do Matlab em economia?"

Já, por exemplo, para solução numérica de sistemas dinâmicos não-lineares (o Paulo Tenani publicou um livro há uns anos explorando dinâmicas de crescimento em modelos de 2 setores).

O pessoal de calibragem também usa, se não estiver enganado.

marcelo

ok, mas o governo compra dolares aonde? se ele compra no exterior os reais não vao parar na economia brasileira.

alias, quem decide quanto vale o real? como e calculado? é o numero de dolares no poder do publico?

"O sr ja viu alguma aplicação do Matlab em economia?"

Atualmente, no mestrado/doutorado da PUC-Rio, não tem como sair sem mexer pelo menos um pouco com Matlab, já em Macro I. Outras matérias (macros, organização industrial, econometrias avançadas) também exigem matlab, ou softwares parecidos, em exercícios. Deve ser parecido na FGV-EPGE. Da minha turma de mestrado, acho que quase metade usou o matlab na dissertação por algum motivo ou por outro.

Você tem que usar o matlab ou outro software parecido toda vez que seu modelo teórico for complicado demais para ter uma solução "fechada". Mesmos nestes casos, você vai usar o matlab se quiser estimar ou calibrar seu modelo (isto é, fazer ele replicar o que ocorre nos dados).

Aluno de biomedicina, esquece o valor do real.

Esse *não é o principal* problema. O próprio Alex tem ótimos artigos falando de excesso de demanda/falta de oferta, pleno emprego, entre outros...

Você não vai curar o paciente acabando com a febre. É preciso ficar atento aos sintomas, sem nunca deixar de procurar as CAUSAS.

alex, voce poderia explicar melhor suas afirmações de que por definição I=S abração

acho que se o Mantega tivesse estudado biomedicina ele não causaria tanto estrago
luiz

economista y

Realmente o Br pode virar um portugalzão daqui 50 anos, mas somente se as coisas continuarem piorando por lá durante os 50 anso seguidos
É dificil, mas não é impossivel.

Aluno de Biomedicina,

Os reais emitidos circularão no Brasil, já que só aqui eles tem valor. Mesmo se um Banco Central estrangeiro resolver manter parte de suas reservas em reais, eles o farão através da compra de títulos denominados em reais, não mantendo moeda em espécie. Quanto a quem "calcula" o valor do real é a mesma pessoa que calcula o valor de todas as outras coisas, o tal Sr. Mercado (leia-se, interação entre oferta e demanda). Mesmo se o governo decidir fixar o câmbio em um determinado valor, ele só conseguirá fazer isso se estiver disposto a "complementar" a oferta ou demanda por dólares com suas próprias compras. Mesmo se o governo tentar "centralizar o câmbio" (isto é, obrigar que todos só comprem e vendam dele ao preço estipulado por ele) não conseguirá evitar o surgimento de um mercado paralelo

"alex, voce poderia explicar melhor suas afirmações de que por definição I=S"

Porque é uma definição mesmo, mas em que contexto você leu isso?

alex, "O investimento e a poupança, assim como o desemprego, a taxa de câmbio real, o nível de preços, o nível de atividade econômica, o balanço em conta corrente, entre outras, são variáveis endógenas, isto é, são determinadas simultaneamente dentro do sistema econômico (em equilíbrio geral). Quem é incapaz de entender este conceito, não é um economista de verdade e tem mais que tirar carteirinha da AKB..."

com moeda endogena o investimento nao pode ser maior que a poupança?

Bom, o que está escrito aí é diferente de I=S. Afirma que todas estas são variáveis endógenas, determinadas simultaneamente no equilíbrio macro.

No caso de uma economia fechada, sem governo, I= S é a condição de equilíbrio macro e, no contexto de contabilidade nacional, também é uma identidade, i.e., uma definição.

"com moeda endogena o investimento nao pode ser maior que a poupança?"

Não em equilíbrio (sem governo, economia fechada ,etc)

alex, nao sou o carinha que escreveu ai em cima, mas entao I=S só numa economia irreal ou no equilibrio do pleno emprego, correto?

Se a memória me serve, no caso de uma economia aberta, poupança não necessariamente se converte em investimento, dado que há as possibilidades de investimento no exterior e de ocorrer investimento estrangeiro no país, mesmo no pleno emprego.

"Não estamos mudando a política cambial, a política é a mesma: não permitiremos uma valorização especulativa do real e isso veio para ficar. Aviso aos navegantes: isso veio para ficar. Não se entusiasmem porque isso (a valorização especulativa) não vai acontecer", afirmou o ministro da Fazenda a jornalistas. [fonte: estadão]

Que virilidade... que macheza ! Que controle da situação !

renato/bh

ou voce pega um emprestimo no banco, e todos sabemos que o banco cria o deposito antes de ter reservas requeridas, ou seja investimento pode ser maior que poupança

É so aumentar as importações que a inflação baixa.

Impressionante como o Krugman povoa o pesadelo de alguns - em geral os menos brilhantes.

Toda vez que ouvi/li alguém que realmente entende do riscado falando sobre o cara era num tom de admiração, ainda que de discordância em um ou outro ponto.

Santo ressentimento, Batman!

Alex,
leio sempre seu blog. Acho as análises muito corretas, parecidas com o que penso.
Sobre o futuro do nosso país, estava bastante preocupado, até que ouvi a mais recente do Ricardo Amorim: “Em menos de 5 anos, o Brasil vai ser a terceira potência mundial, atrás apenas de China e Estados Unidos”...
Ah, bom! Agora fiquei aliviado... ehehehhehe

Já falei do novo livro Macroeconomics do Nils Gottfries, Professor of Economics at Uppsala Universitet?

http://www.nek.uu.se/Faculty/gottfries/Macroeconomics2013.pdf

http://www.palgrave.com/products/title.aspx?pid=410264

Acho que merece a pena comprar, porque é mais consistente, embora requeira mais trabalho no começo, que os outros livros de macro intermediária no mercado.

Todos esses que aparecem neste blog perguntando coisas de fundamentos de macroeconomia, deveriam conferir.

I=S pq por definicao o que eh produzido e não consumido se traduz em poupanças para consumo futuro (investimento). Se fala em economia fechada sem governo e etc para simplificar e não ter que incluir G, X e o escambal, pois ai se extenderia ao resultado de conta corrente, fiscal(governo) et caterva. Entao cambada, I=S!!!

"ou voce pega um emprestimo no banco, e todos sabemos que o banco cria o deposito antes de ter reservas requeridas, ou seja investimento pode ser maior que poupança
Responder". Faz isso não filhotinho, desse jeito periga amnha ou depois voce repetir as palavras Dona Bronca: "não há oposição entre uma coisa[consumo] e outra[investimento].

KURTZ

achar que banco é emprestar dinheiro de quem quer poupar para quem não quer é um dos motivos que neoclassicos não previram a crise

o pior é que eles nem acham isso grave.... moeda é endogena caralho

"moeda é endogena"

E dai?

"ou voce pega um emprestimo no banco, e todos sabemos que o banco cria o deposito antes de ter reservas requeridas, ou seja investimento pode ser maior que poupança"

Isso eh irrelevante. Mesmo que banqueiros possam criar reservas a partir de suas flatulencias, nao muda o fato que investimento tem que ser igual a poupanca (que por sua vez eh a soma da poupanca domestica e poupanca externa).

Basta saber o minimo de contabilidade nacional a nivel de graduacao para entender isso.

"O"

Meus caros,
O "O" está redondamente enganado. "...Mesmo que banqueiros possam criar reservas a partir de suas flatulencias...". Isto claramente está errado. Banqueiros são MALVADOS!!!! Eles só criariam maldades com suas flatulências. Quem é capaz de criar coisas do nada É O GOVERNO!!!!
Saudações

“O”
Como você ousa retirar a foto do Mário Kosel Filho do seu perfil?
Gosto de ler seus comentários, mas ficar procurando “O” Anônimo entre tantos outros anônimos do esgoto é um trabalho desgraçado.

"O "O" está redondamente enganado. "...Mesmo que banqueiros possam criar reservas a partir de suas flatulencias...". Isto claramente está errado. Banqueiros são MALVADOS!!!! Eles só criariam maldades com suas flatulências. Quem é capaz de criar coisas do nada É O GOVERNO!!!!
Saudações"

Devo admitir que teu argumento é incontestável e esvaziou-me de dúvidas: és um idiota.

Como que o fato de banqueiros criarem depositos antes das reservas é irrelevante? É "double entry bookeeping" total.. toma 500 reais, oh by the way, voce me deve 500 reais.. se der merda o BC imprime dinheiro e foda-se.. Onde que esse dinheiro foi poupado antes?

Prezado Alex,

Sugiro você instituir o prêmio Artur Batista da Silva para os economistas que mais se destacaram com medidas ou propostas "salvadoras" e pouco inteligentes na economia. O prêmio pode ter a periodicidade que você preferir (anual, semestral, trimestral, mensal). Temos candidatos de sobra no Brasil.

Acho que você já sabe, outros talvez não, trata-se daquele falso economista português (o que engrandece a piada) que se opôs a todos os planos de austeridade da União Europeia. Basicamente, jogou pra platéia.

Descobriu-se que o cara era uma farsa, não era consultor da ONU, a Universidade Americana a qual dizia pertencer não existia desde 1982, sua dissertação era uma fraude, etc.

O prêmio cai como uma luva para os diplomados, infelizmente, da equipe econômica.

Alguns dos feitos dele: foi convidado para todos os telejornais como grande especialista e deu uma palestra no partido socialista português.

Mais detalhes ver:
http://gregmankiw.blogspot.com.br/2013/01/he-didnt-know-secret-handshake.html

http://www.independent.co.uk/news/world/europe/the-fraudster-who-fooled-a-whole-nation-portuguese-media-pundit-exposed-as-conman-8459249.html

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/artur-baptista-da-silva-mantem-que-e-colaborador-voluntario-da-onu-1578740

Anteontem morreu Frank Hahn, grande economista..
QEDP

"Basta saber o minimo de contabilidade nacional a nivel de graduacao para entender isso."

Isso numa contabilidade nacional conservadora. Tem q estudar contabilidade nacional progressista!

Imagine uma economia fechada e sem governo e que a produção y se divide entre consumo c e investimento i, assim y=c+i.

Então a produção ou vai para investimento ou para consumo. Aquela parte da produção que não é consumida pelas famílias e é poupada corresponde aos bens e serviço e mão de obra que serão destinadas ao investimento.

Se por algum motivo alguém consegue crédito e vai consumir ou investir além do que é poupado teremos inflação, pois a demanda será maior. E a inflação irá fazer o consumo e o investimento se igualar em à poupança. Não é uma questão puramente monetária. Não se pode investir ou consumir bens e serviços que não existam ou com mão de obra com oferta limitada.

A inflação e a taxa de juros fazem o ajuste para garantir que a poupança se iguale ao investimento.

Hull

Rogerio Ferreira

Inflação aonde? Só no pleno emprego pelo que eu sei, uma industria de bens de capitais não tem como "perceber" que alguem pegou o dinheiro criado endogenamente e por isso eles vão alterar seus preços por livre e espontanea vontade, se eles tem excesso de capacidade obviamente eles vão vender ao preço vigente

No Valor de hoje foi publicada uma reportagem sobre o descrédito que o IT vem recebendo em função da baixa performance das economias desenvolvidas. Alguns acusam o IT de ser um dos causadores da crise eclodida em 2007.

Um exemplo dado como de inovação e sucesso (acho que precipitadamente), é o dos EUA que balizaram sua meta de inflação com uma taxa mínima de desemprego a ser perseguida. Alguns interpretam isso como uma derivação do modelo de meta para PIB nominal.

D qualquer modo, os EUA não desviaram sua meta de inflação dos 2% e nem assumem a taxa de desemprego como meta, apenas como um sinalizador para que o mercado possa interpretar a duração e a extensão dos programas de afrouxamento monetário. Ou seja, mais uma ação de comunicação e transparência do Fed para ancorar as expectativas, evitar incertezas quanto à extensão ou profundidade dos programas de liquidez adotados.

Ao contrário, o modelo brasileiro faz uso da taxa câmbio, por exemplo, sem parâmetros ou uma clara comunicação de como será gerida para que as expectativas não flutuem em torno do nada. Por isso, antes que se diga que também estamos inovando nossa IT, acredito que estejamos nos distanciando de seu real objetivo.

MF

porque esses neoclassicos fazem blogs? a unica coisa que sai da boca deles é "aumentar a produtividade" ou "as regras do jogo estao sendo mudadas (wtf?)"

nesse quesito não diferença alguma entre paulo guedes e o mais radico neokeynesiano a nivel de policymakingggg

nem preciso demonstrar o resultado pifio de medidas liberalizantes na america né ?

"porque esses neoclassicos fazem blogs?"

Em primeiro lugar porque eles sabem que, numa pergunta, escreve-se "por que", mas principalmente porque é mais interessante do que louvar os extraordinários resultados da economia argentina...

"A nivel de" policy making, tem gente aqui que exagera na alfafa...

Da série remake de filme de terror doa anos 80:


http://www.ieco.clarin.com/economia/Moreno-acordo-congelar-precios-meses_0_860313984.html

Quanto tempo até um gênio local sugerir o mesmo para o Brasil?

“Como que o fato de banqueiros criarem depositos antes das reservas é irrelevante? É "double entry bookeeping" total.. toma 500 reais, oh by the way, voce me deve 500 reais.. se der merda o BC imprime dinheiro e foda-se.. Onde que esse dinheiro foi poupado antes?”

Ai minha nossa senhora das causas perdidas…

Se o empresário que empresta do banqueiro que soltou a flatulência que se transforma em crédito usa o crédito flatulento para comprar equipamentos ou estruturas, isso aumenta o investimento. Poupança doméstica é igual ao PIB menos consumo, o que é a mesma coisa que dizer que poupança doméstica é igual a investimento menos o balanço em conta corrente, ou que poupança doméstica é igual a investimento menos a poupança externa. Então mudando a poupança externa para o outro lado da equação, temos investimento igual a poupança (doméstica+externa).

É, portanto, impossível por definição que investimento seja diferente de poupança (doméstica+externa). Não tem antes, nem depois. Isso vale em todos os momentos. É um sistema de entrada dupla, assim como é impossível que o ativo de uma firma seja diferente do seu passivo mais patrimônio líquido.

Isso é macroeconomia básica, material de primeiro ou segundo ano de graduação, mas que muito cabra burro e/ou vagabundo com diploma de doutor em universidade quermesseira não aprendeu ou finge que não aprendeu.

"O"

Corrigendum:

Ai minha nossa senhora das causas perdidas…

Se o empresário que empresta do banqueiro que soltou a flatulência que se transforma em crédito usa o crédito flatulento para comprar equipamentos ou estruturas, isso aumenta o investimento. Poupança doméstica é igual ao PIB menos consumo, o que é a mesma coisa que dizer que poupança doméstica é igual a investimento menos o deficit em conta corrente, ou que poupança doméstica é igual a investimento menos a poupança externa. Então mudando a poupança externa para o outro lado da equação, temos investimento igual a poupança (doméstica+externa).

É, portanto, impossível por definição que investimento seja diferente de poupança (doméstica+externa). Não tem antes, nem depois. Isso vale em todos os momentos. É um sistema de entrada dupla, assim como é impossível que o ativo de uma firma seja diferente do seu passivo mais patrimônio líquido.

Isso é macroeconomia básica, material de primeiro ou segundo ano de graduação, mas que muito cabra burro e/ou vagabundo com diploma de doutor em universidade quermesseira não aprendeu ou finge que não aprendeu.

"O"

Existem economistas gabaritados que dizem que o senhor estar errado.Eles são Belluzo,Nakano,Bresser Pereira,Oreiro,Sicsú,Marcio Holland.

"Isso é macroeconomia básica, material de primeiro ou segundo ano de graduação, mas que muito cabra burro e/ou vagabundo com diploma de doutor em universidade quermesseira não aprendeu ou finge que não aprendeu.

"O"
"

Estudei em uma "universidade de quermesse" e não lembro de ter ouvido ning, minimamente sério, questionar essa igualdade.

Mas, o que eles falavam, ainda de acordo com a minha vaga lembrança, é que a decisão relevante era a de investimento... óbvio q as implicações disso seriam, entre outras, que o nível de poup doméstica não seria relevante para o desenvolvimento economomico, que o importante são as tais "fontes de financiamento" etc... mas isso não tem muito a ver com as besteiras que o pessoal tem dito aqui.

Abçs







“Mas, o que eles falavam, ainda de acordo com a minha vaga lembrança, é que a decisão relevante era a de investimento... óbvio q as implicações disso seriam, entre outras, que o nível de poup doméstica não seria relevante para o desenvolvimento economomico, que o importante são as tais "fontes de financiamento" etc... mas isso não tem muito a ver com as besteiras que o pessoal tem dito aqui.”

Eu discordo disso, apesar de não ter olhado dentro da alma da quermesse. Minha impressão é que a visão que você descreve é apenas uma versão mais educada, menos estridente, do discurso do anônimo que fumou maconha no estacionamento durante as aulas de Contabilidade Nacional.

“Mas, o que eles falavam, ainda de acordo com a minha vaga lembrança, é que a decisão relevante era a de investimento... óbvio q as implicações disso seriam, entre outras, que o nível de poup doméstica não seria relevante para o desenvolvimento economomico, que o importante são as tais "fontes de financiamento" etc... mas isso não tem muito a ver com as besteiras que o pessoal tem dito aqui.”

Eu discordo disso, apesar de não ter olhado dentro da alma da quermesse. Minha impressão é que a visão que você descreve é apenas uma versão mais educada, menos estridente, do discurso do anônimo que fumou maconha no estacionamento durante as aulas de Contabilidade Nacional.

"O"

“Existem economistas gabaritados que dizem que o senhor estar errado.Eles são Belluzo,Nakano,Bresser Pereira,Oreiro,Sicsú,Marcio Holland.”

Essa foi boa, mas o nome da tia jeca palmeirense escreve-se com dois ‘zz’.

"O"

"Eu discordo disso, apesar de não ter olhado dentro da alma da quermesse. Minha impressão é que a visão que você descreve é apenas uma versão mais educada, menos estridente, do discurso do anônimo que fumou maconha no estacionamento durante as aulas de Contabilidade Nacional.

"O"
"

Ok... Pode até ser. Mas, era essa versão que o pessoal apresentava na sala de aula, em seminários etc.

A minha impressão é essa versão estridente e doidona é de qm não entendeu mt bem o ponto e gostou de ser doidão e do contra.

"O",

Tente entender uma coisa simples, por favor:

O produto à longo prazo se ajusta a um nível pré-determinado do produto potencial existente. A idéia aqui é que , por exemplo, um aumento autônomo das decisões de investir, partindo de uma situação de plena capacidade, geraria um desequilíbrio entre oferta e demanda agregada , um excesso de demanda que faria os preços aumentarem em relação aos salários nominais. Esta inflação de demanda, ao gerar a mudança na distribuição, transferiria renda de uma classe que poupa menos (ou nada) para a classe que poupa mais, permitindo o aumento da poupança através da chamada “poupança forçada dos trabalhadores”. Ao diminuir o salário real a inflação reduziria o consumo dos trabalhadores e compatibilizaria assim o maior investimento com o produto potencial dado.

Alex

as contas do governo estão mais maquiadas que a hebe camargo

no proximo post favor colocar a foto da dignissima in memorian

abrx
luiz

Alex,

Ao ler o noticiário econômico e os comentários em seu blog tenho ficado tremendamente comovido. Me dá vontade de sair declamando "ai que saudades que eu tenho da aurora da minha vida...". Já não basta as trapalhadas do governo, mas agora aparece um sujeito ressuscitando a tese da inflação como conflito distributivo. Por um momento viajei no tempo e me vi de novo com 18 anos andando pelos corredores da FEA. Obrigado, anônimo por esse momento tão comovente. Puxa, há quanto tempo eu não ouvia isso?

Anonimo "O"

Então é o investimento que determina a poupança ex-post
acho q heterodoxs vencem nesse caso HEIM

Esse video é genial

roda viva de 1995 com ciro gomes

nassif demonstrando toda sua sapiencia, kkkk

http://www.youtube.com/watch?v=2G9NZmlSkfg

Meus caros,
Agora um comentário sério (tem gente aqui que não entende algumas piadas que posto, infelizmente), porém simples. Eta é para os estudantes (com economia fechada, eu também tenho que trabalhar - é fácil pensar no caso da economia aberta).
Suponha uma sociedade que consiga produzir, em pleno emprego, 100 grãos de trigo.
Vamos às perguntas difíceis:
- Se as pessoas comem 80 grãos, quantos grãos elas podem plantar?
- Se as pessoas comem 70 grãos, quantos grãos elas podem plantar?
- Se distribuíssemos papel colorido para a população e ela comesse 80 grãos, quantos grãos elas poderão plantar?
- Se distribuíssemos papel colorido para a população e esta comesse 70 grãos, quantos grãos elas poderão plantar?
- Se distribuíssemos pedras brilhantes para a população, e elas comessem 80 grãos, quantos grãos elas podem plantar?
- Se distribuíssemos pedras brilhantes e papel colorido... (vocês já entenderam).
Mas, espera um pouco, isto parece ser uma grande falácia, uma vez que assumi que esta sociedade produzia tudo que podia!!!
Pois bem, vamos supor que exista desemprego de fatores de produção. A produção poderia ser 100, mas foi somente de 70 grãos!!! Vamos pegar estes neoclássicos bobos agora, há, há, há. Vamos lá. Agora só existem 70 grãos:
- Se as pessoas comem 60 grãos, quantos grãos elas podem plantar?
- Se as pessoas comem 50 grãos, quantos grãos elas podem plantar?
- Se distribuíssemos papel colorido para a população e ela comesse 60 grãos, quantos grãos elas poderão plantar?
- Se distribuíssemos papel colorido para a população e esta comesse 50 grãos, quantos grãos elas poderão plantar?
- Se distribuíssemos pedras brilhantes para a população, e elas comessem 60 grãos, quantos grãos elas podem plantar?
- Se distribuíssemos pedras brilhantes e papel colorido... (vocês já entenderam).
Saudações
PS: Espera aí, mas algum grão pode não ser comido nem plantado!!! Me pegaram!!! Neste caso, este grão foi estocado e estoques (mesmo não planejados) são ... INVESTIMENTOS!!! (Aos alunos, entenderam porque variação de estoque também é investimento? Investimento é qualquer coisa que transforma consumo presente em consumo futuro).

"Então é o investimento que determina a poupança ex-post
acho q heterodoxs vencem nesse caso HEIM"

?!

Parece-me caso perdido.

"Suponha uma sociedade que consiga produzir, em pleno emprego, 100 grãos de trigo.
Vamos às perguntas difíceis:
- Se as pessoas comem 80 grãos, quantos grãos elas podem plantar?"

Na verdade, os heterodoxos comeriam 80 grãos e usariam seus resíduos para a produção de ideias mirabolantes. O processo de elaboração dessas ideias no sanitário seria contabilizado como investimento, o que quebraria a igualdade com a poupança.

"Esse video é genial

roda viva de 1995 com ciro gomes

nassif demonstrando toda sua sapiencia, kkkk

http://www.youtube.com/watch?v=2G9NZmlSkfg "

Eu me dei ao trabalho de assistir. O melhor (pior) momento está em 52'30'' . Dureza.

Alex

claaro, antes defender uma Argentina que cresce algo como 7% ao ano nos ultimos anos, do que defender reformas que quebraram a Argentina de menem, enquanto ele era saudado nos EUA, Europa etc por defender o "free trade"

ai ai, se a historia não fosse 100% contra voces

Nossa, esse vídeo do Nassif é MTO bom! O cara é uma porta! Por alguns segundos eu cogitei a possibilidade de ele não ser um picareta, mas apenas um ignorante.

"claaro, antes defender uma Argentina que cresce algo como 7% ao ano nos ultimos anos"


kkkkkkk, fala sério. Você acredita mesmo que a Argentina cresceu 7% ao ano, fajutando o que fajutou os números de inflação?

Se quiser te vendo uma montanha no Rio de Janeiro com uma estatuona em cima...

hauHAUahUAHuhaU esse cara da argentina eh o melhor de todos

mudei minha opiniao! O video do nassif eh o melhor! hahahahah 52:30 eh fantastico!

"É, portanto, impossível por definição que investimento seja diferente de poupança (doméstica+externa). Não tem antes, nem depois. Isso vale em todos os momentos. É um sistema de entrada dupla, assim como é impossível que o ativo de uma firma seja diferente do seu passivo mais patrimônio líquido."

Opa, entao os neoclassicos ja admitem dinheiro endogeno. Agora, se esse dinheiro endogeno for investido, I=S, mas NAO IGNORE O TEMPO. O dinheiro é criado de flatulencias cmo voce disse, e depois investido.. ou seja é o INVESTIMENTO que determina a poupança. E a DEMANDA EFETIVA que determina o investimento. Isso empiricamente é muito comprovavel