teste

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Preso na Dimensão Z


Acordei num universo paralelo. Leio que há no governo quem considere que a política fiscal teria contribuído para o mau desempenho da produção no final do ano passado e começo deste ano. Segundo esta versão, a busca pelo superávit primário teria forçado o governo a cortar seus gastos, principalmente no que diz respeito aos investimentos, reforçando a queda da demanda. Seria um (mau) exemplo de política fiscal pró-cíclica (que reduz o gasto nos períodos de menor crescimento e os aumenta nos momentos de aceleração), do tipo que o Brasil tem criticado nos países europeus.

Tamanho desprezo pelos dados (produzidos, diga-se, pelo próprio governo) só seria possível num universo (que, no meu blog, batizei de “Dimensão Z”) em que as regras da lógica não tenham validade e toda evidência empírica deva ser tomada justamente como seu oposto. No universo em que nasci, porém, as coisas funcionam de um modo distinto...

Lá, por exemplo, descobrimos que o gasto primário do governo federal cresceu 7% acima da inflação nos primeiros quatro meses do ano comparados ao mesmo período do ano passado, um aumento da ordem de R$ 17 bilhões (já corrigido pelo IPCA), pouco inferior a 1% do PIB. Deste total, R$ 13 bilhões se referem ao aumento do gasto corrente; já o gasto de capital cresceu algo como R$ 3,7 bilhões. Neste mesmo período o superávit primário cresceu apenas R$ 1,6 bilhão, impulsionado pela expansão da arrecadação.

Já quem no meu universo nativo buscasse amparo nos dados das contas nacionais notaria que, de acordo com a definição mais estreita do consumo do governo adotada nesta contabilidade (que, principalmente, retira as transferências a famílias do dispêndio governamental), o gasto real cresceu 3,4% no primeiro trimestre do ano comparado a igual período de 2011. Em termos dessazonalizados, porém, isto significa um aumento de 1,5% sobre o quarto trimestre de 2011, correspondendo a uma taxa anualizada superior a 6%. No último semestre os gastos governamentais se expandiram a uma taxa média da ordem de 4% ao ano.

Não por acaso o consumo público no Brasil voltou a ultrapassar a marca de 20% do PIB no primeiro trimestre de 2012 (dados já ajustados ao padrão sazonal) e, mais importante, também superior ao investimento, que se retraiu a 19% do PIB. Continuamos, para todos os efeitos, a ser um país em que o governo gasta muito e, inexplicavelmente, se espanta quando o setor privado investe pouco.

Isto dito, ao menos fora da Dimensão Z, não há qualquer fiapo de evidência que sugira que o governo tem seguido uma política fiscal pró-cíclica. A verdade é que os gastos têm aumentado quando a economia cresce pouco e também quando cresce muito; a única coisa que se altera é a justificativa.

De fato, é curioso como a conversa acerca da alteração da política fiscal, de supostamente pró-cíclica para anticíclica (que, em si, não seria um problema), só aparece quando o PIB patina. Quando o crescimento se acelera não se vê, nem de longe, o mesmo fervor pela redução de gasto, como, aliás, a experiência de 2009-10 demonstrou à exaustão.

Por fim, a noção de que o problema é de demanda deve ser pensada com cuidado. O consumo privado tem crescido a 4% ao ano os últimos seis meses, não muito distinto do consumo público. Juntos representam pouco mais de 80% da demanda interna e do PIB.

O problema, no caso, é o investimento, cujo desempenho ruim significa menos crescimento hoje e menor capacidade de crescimento à frente. Mas o investimento não será destravado pelo aumento do gasto público (há boas razões para se pensar no oposto), nem pelo crédito subsidiado. Talvez, quando o governo parar de atirar em todas as direções na vã esperança de acertar alguma coisa e institua um mínimo de estabilidade de regras, a coisa voe. Fora disso seremos sempre prisioneiros da Dimensão Z.

- Saca só essa política pró-cíclica meu...


(Publicado 6/Jun/2012)

Reações:

49 comentários:

E o que foi a entrevista do Tombini? Vi partes na Globo News. O que dizer de um banqueiro central que fala apenas de incentivos para o crescimento do PIB? Daqui a pouco vão colocar o Luciano Coutinho no Bacen...

É, Alex... Estamos enterrados até o pescoço na "Dilmensão Z"... Salve-se quem puder!

Alex, vc entende que investimentos em portos, rodovias, hidroelétricas, etc, devam ser feitos por empresas privadas? Existe o interesse delas? Como resolver gargalos de infraestrutura?
Ronaldo

Eu acho que os caras olham para o debate nos EUA e na Europa e pensam: "viram só, o Krugman acha que o problema é o colapso da demanda, e que política fiscal ajuda." Pedir para o pessoal diferenciar uma economia com desemprego nas alturas e juros perto dos 0% de uma economia que opera a pleno emprego e ainda com espaço para a política monetária parece demais.

Zamba

Sinceramente, nem me preocupo mais com esse debate fiscal. Simplesmente gostaria de saber é pra onde está indo essa montanha de impostos.

Olá,

Eu também me preocupo cada vez menos com o crescimento desse ano e do ano que vem. Acho que o governo está amarrado politicamente a esta questão, embora não consiga propor nada de novo. Hoje, o que me preocupa enormemente é a montanha de créditos podres que os bancos públicos devem estar acumulando. Por consequência, lamento também que estejamos antecipando demanda sem que estejamos criando mecanismos de desenvolvimento econômico de longo prazo.

Abraços,

Rafael

Nobre bicarequinha
Você bem merece ter perdido a cobertura duas vezes. Contam-se em uma mão os bons comentaristas deste bloque. Da última vez que elevamos o nível do debate, você ganhou espaço em horário nobre. De minha parte, fiquei muito ofendido por você não ter ao menos mandado um beijinho para a galera.
Ben Oliveira

''Sinceramente, nem me preocupo mais com esse debate fiscal. Simplesmente gostaria de saber é pra onde está indo essa montanha de impostos.''

Você quer saber onde o governo está gastando o dinheiro dos impostos sem se importar com política fiscal?

Alex,

Mais uma vez volto aqui para dizer que realmente essa inflacao esta fugindo do controle...

IPCA com 0,36% no mes de maio, com acumulado de 12 meses abaixo de 5% realmente eh tenebroso...

E agora Jose?

Não acho que o problema seja o incentivo desenfreado a demanda, entendo que o problema é incentivar a demanda pelo lado do Consumo, neste momento o incentivo deveria ser dado pelo Investimento, contudo o discurso do Tombini de apocalipse, que ele vem vendendo desde o ano passado, reduziu o apetite dos empresários e a ineficiência dos gastos do governo em infraestrutura (leia-se desvios de recursos, etc), acabam por reduzir o potencial dos investimentos privado e público. Para piorar a situação temos uma equipe econômica muita fraca, liderada pelo Mantega.
Sds.
M.

Uma pergunta: o noticiário fala da queda do preço das comodities como algo positivo para a inflação brasileira, que estaríamos aproveitando a deflação do exterior, contudo se os preços caem em dólares, nós como exportadores receberemos menor quantidade de divisa, tudo o mais constante nossa moeda deveria desvalorizar, com efeitos negativos sobre a inflação doméstica. O raciocínio está correto?

Alex,

quando a inflação começa a subir?
Ou será que já começou a maquiagem?
Décio

e o repique inflacionário, hein?

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/47353-inflacao-anual-cai-para-499-com-a-freada-da-economia.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/47357-ate-servicos-os-viloes-da-alta-dos-precos-sentem-queda-do-consumo.shtml

Se o governo conseguir manter o nível baixo de desemprego pode-se aceitar um certo nível de endividamento da população. O problema é manter esse desemprego baixo por muito tempo, já que o modelo de crescimento adotado é insustentável e já mostra sinais de esgotamento. Sobre os créditos podres o que está preocupando mesmo é o que está acontecendo com os pequenos bancos. Não acontecia nada desde o episódico com o banco Santos em 2004, mas de 2010 pra cá os podres começaram a pipocar aparentemente sem justificativa. Será que o BC relaxou demais?

Interpretação errada, na dimensão Z, soluções erradas! Repito aqui o comentarista de seu outro texto, na previsão do PIB deste ano: "Diria 1,7%, só porque acaba em numero primo. Mas dada a disposição do governo de intervir na economia e "acelerar" o crescimento vamos acabar com algo próximo de 0,9%"
Haveria chance de ser maior se passassem a ver os numeros na dimensão Mão Visível.

Alguém que já leu este artigo quer comentar?

http://iepecdg.com.br/uploads/texto/Juros,%20Cambio%20e%20Reservas.pdf

Comrade Alex
Infelizmente o acesso diário e este blog foi vetada na empresa onde trabalho.
Um feito e tanto para a nova direção e diretoria criada para abrigar ex-presidente de empresa de economia mista (e controlada) e ex-presidente de partido, que diga-se de passagem, fá de uma boquinha.
Portanto, não terei mais meus minutos de sabedoria diariamente, somente esporadicamente.
Cabe ressaltar que os blogs com tratamento / visão diferente não foram vetados.
Censura velada.
Brados
Ps: excluir meu número da listagem de 17 leitores.

"Uma pergunta: o noticiário fala da queda do preço das comodities como algo positivo para a inflação brasileira, que estaríamos aproveitando a deflação do exterior, contudo se os preços caem em dólares, nós como exportadores receberemos menor quantidade de divisa, tudo o mais constante nossa moeda deveria desvalorizar, com efeitos negativos sobre a inflação doméstica. O raciocínio está correto?"


Corretíssimo...

"Mais uma vez volto aqui para dizer que realmente essa inflacao esta fugindo do controle..."

Aposto que você não voltou aqui quando a inflação surrpreendeu para cima em abril e tenho certeza que não voltará a aparecer em janeiro de 2013, quando ficar claro que a inflação de 2012 ficou entre 5-5.5% (mais perto dos 5.5%).

Como sei? Sabendo, ora...

Realmente, vc tem razão Alex.

O BC deveria não ter reduzido mais a Selic, uma vez que o centro da meta é 4,5% e não 5-5,5%.

A economia patinando e vc preocupado com 0,5-1 ponto percentual de inflação...

Fala serio... Eu rio de vc, careca!

Pualie, o que foi mesmo que voce, sobre minha afirmação, esclareceu ?

Alex, outra mentira petista que precisa ser denunciada: “DESEMPREGO NO BRASIL É 6% E ESTÁ BAIXANDO!”
Veja a lógica: 15 milhões no bolsa família. Estes não estão sendo considerados no desemprego. Portanto se o emprego diminui (o que ocorre com a desindustrialização do país, o que é um fato), aumenta-se os inscritos no bolsa família, mantendo-se o desemprego na % desejada. Elementar! O surpreendente, porém é os cronistas econômicos insistirem em dizer que estamos em pleno emprego (Somente se os 6% de desemprego que o governo confessa se refira aos operários qualificados, aqueles que tiveram seus empregos exportados para Ásia e que estejam no seguro desemprego e que está crescendo segundo estudo do Mansueto).
Faça as contas: A população ativa é 100 milhões, 15% está no bolsa família. Somados aos 6% que o governo ADMITE como ESTANDO desempregados, temos uma soma de 21% de desemprego. O mesmo nível que a Argentina está.

Direto da Dimensão Z

"Nos últimos três anos, quase um terço do total dos recursos disponibilizados pelo BNDES foram canalizados para somente dez grandes grupos econômicos privados em processo de concentração e fusão. Se se considerar as empresas estatais, chega-se ao resultado de quase dois terços do total dos recursos (286 bilhões de reais) desembolsados pelo banco público para apenas doze grandes empresas nacionais privadas e estatais. Com isso, a coordenação dos investimentos estimulada pelo aparelho de Estado visa reduzir – quase duas décadas depois da equivocada privatização selvagem imposta pelas políticas neoliberais – a dependência e a subordinação do capitalismo brasileiro, cada vez mais associado à lógica do século XIX (produtor e exportador de produtos primários). Com o deslocamento do centro dinâmico mundial dos Estados Unidos para a Ásia, em especial para a China, o Brasil, assim como toda a América Latina e África, passaram a assumir o papel de principal ofertante de commodities, o que leva passivamente à reprimarização de sua pauta de exportação. A PDP, nesse sentido, projeta o salvamento de alguns setores dessa triste trajetória de subordinação imposta pela trágica condução neoliberal do passado."

Márcio Pochmann, no n° 15 da revista Margem Esquerda, da Boitempo.(07/12/2010)

"O Estado e seus desafios na construção do desenvolvimento brasileiro"

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=17244

No mundo visível...

Custo dos empréstimos do Tesouro Nacional ao BNDES: R$ 22,8 bilhões em 2011.

http://mansueto.wordpress.com/2012/06/07/custo-dos-emprestimos-do-tesouro-nacional-ao-bndes-r-228-bilhoes-em-2011/

Se essa historica reducao de juros nos levar a uma inflacao de 5,5% no final do ano, frente a uma crise mundial desta magnitude, com reducao de juros para o consumidor brasileiro, entao entendo que o governo agiu de maneira adequada em sua reducao de juros. Nao haveria outro momento mais oportuno. Vc fazia previsoes sombrias quando a inflacao acumulada beirava 7%. Essa sua previsao eh bastante positiva.

"Vc fazia previsoes sombrias quando a inflacao acumulada beirava 7%"

Falso: eu disse que a inflação ia bater na trave e entrar no ano passado (e foi o que ocorreu) e ficar acima da meta este ano e tenho várias entrevistas na Jovem Pan para a Denise Campos de Toledo dizendo exatamente isso. Quase errei no ano passado...

Realmente, vc tem razão Alex.

O BC deveria não ter reduzido mais a Selic, uma vez que o centro da meta é 4,5% e não 5-5,5%.

A economia patinando e vc preocupado com 0,5-1 ponto percentual de inflação...

Fala serio... Eu rio de vc, careca!

A produção industrial recuou no mês -0,2% e no ano -2,9%. Pior ainda é que a produção de Bens de Capitais caiu 9,8% no ano e a de Bens Duráveis outros 10,3%. Nesse sentido, estou com aqueles que acham os cortes do BC tímidos pois o PIB está nitidamente abaixo do potencial (sejá lá como se calcula isso) e a taxa de juros neutra (seja lá como se calcula isso) está em queda.
Assume importância a discussão da política fiscal, inflexão oportuna do Alexandre neste post.

"Fala serio... Eu rio de vc, careca!"

Quem?

"Quem?"

Um cara tão anônimo quanto seu companheiro de blog...

Aliás, você reprova a prática do anonimato?

"Um cara tão anônimo quanto seu companheiro de blog..."

Não.

Quem te perguntou, otário...kkkkkkkkkk

kkkkkkkkkkkkk

Boa Alex! Tremendo otario, haha

Quanto a este papo de careca, vou em defesa da categoria:

Homens carecas em geral têm mais testosterona.
Homens com mais testosterona pegam melhor.
Logo, homem careca é bom de cama.

Morram de inveja.

A INFLAÇÃO ATÉ MAIO.
ACUMULADOS ATÉ 05/2012 (META DE INFLAÇÃO 4,5% a.a; 0,367485 a.m):
META ACUMULADA ATÉ 05/2012: 1,85509%;
IPCA 2,24 (20,7% ACIMA DA META);
IPC 10 2,81% (51,47% ACIMA DA META);
IPC M 2,79%; IGP 10 2,11%; IGPM 2,59%; IPA M 2,24%; INCC 10 2,88%.

No segundo semestre vai piorar mais ainda?

"Aliás, você reprova a prática do anonimato?". Cada figurinha...

"Quem?

Lu"

Loooooooooooserrrrr!!!!!!!!!!

E a presidente falando em "investimento pró-cíclico" ...

o que me faz duvidar se ela realmente sabe o que quer dizer "pró-cíclico".

Alguém conhece o livro "Economics of Worldwide Stagflation", do Michael Bruno e Jeffrey Sachs? Se sim, podem me dar a sua opinião sobre ele?

Obrigado!

Poderiamos discutir economia, e respeitar pontos de vista distintos. Ninguem entra aki obrigado. Ficar chamando de careca ou qq coisa assim eh muito babaca.

Alex, ainda sobre o DESEMPREGO: Na verdade único emprego que está crescendo é o do estado brasileiro em seus vários níveis e das estatais, as quais não têm compromisso com produtividade, com resultado e quanto mais cresce mais imposto consomem.
Fuçar este tópico é uma boa contribuição para compreender o estado real da economia.

Alex,

Alguma indicação de um texto que trate do processo de crescimento econômico em economias fechadas?

Obrigado

"Blogger Jorge Browne disse...

Quanto a este papo de careca, vou em defesa da categoria:

Homens carecas em geral têm mais testosterona.
Homens com mais testosterona pegam melhor.
Logo, homem careca é bom de cama."

A voz da experiência, pelo visto já provou de tudo.

Anon das 16:33 disse "A voz da experiência, pelo visto já provou de tudo"

Eu falei que iam morrer de inveja hehe...

IPC-C1 de 0,59%-abril para 0,78%-maio 5,07%-12meses lol! Pobre só serve pra votar mesmo!

O que tem em comum IPC-C1, pobres e voto mesmo?

Alex,

A expectativa do mercado para a inflacao de 2012 esta mais proximo de 5 do que de 5,5%...

E agora Jose?

RBK

Nos meus números, os juros reais ficarão entre 2% e 7% (largo né!), produzindo inflação entre 6% e 3%. Como sabemos em qual pedaço da banda o governo gosta de ficar, a Selic ficará perto/abaixo de 8% até aonde a vista alcança (2014, 2015, estou ficandommeio míope!).
Claro tem o fiscal, indexação, o inexorável aquecimento global e a campanha para Libertadores. O fato é: good times are gone pro CDI! E quem tava no volante foi o Tombini, que assim como o Lula ficará na história como o cara.
Maradona

Sempre me choca a forma grosseira como o host trata o pessoal aqui. Tem muito sujeito que merece mas há de se esperar mais elegância de alguém que já saiu da puberdade e estudou mais de 20 anos na vida.

"Sempre me choca a forma grosseira como o host trata o pessoal aqui."

Eu tenho uma solução simples para seu problema: não acesse o blog; garanto, Violeta Enrubescida dos Montes Floridos, que você não mais ficará chocada.