teste

domingo, 15 de maio de 2011

Dica do Mankiw: os economistas favoritos dos economistas

O artigo completo está aqui. O aperitivo está nos gráficos abaixo: pré-século XX, século XX, mas já falecidos, vivos acima de 60 e vivos abaixo de 60. Clique nos gráficos para aumentá-los.



Minhas escolhas seriam: David Ricardo, Paul Samuelson, George Akerlof e Paul Krugman.

P.S. Fiquei devendo uma explicação (escrevi meio na correria, mas agora acabei de liberar um comentário em que o autor - Anônimo - explicou suas escolhas e me bateu certa culpa pela preguiça).

1) Ricardo: óbvio que Smith foi o fundador da disciplina e quem teve a sacada da "mão invisível", mas, para mim, Ricardo foi quem primeiro mostrou as possibilidades analíticas da Economia. Quase tudo que ele escreveu pode ser traduzido na forma de modelos. Para mim, ele mostrou a caminho. (David Hume também tem uma belíssima análise do balanço de pagamentos que o Obstfeld ainda mantinha no seu "reader" quando estudei com ele há quase 20 anos)

2) Samuelson: eu li Keynes (incompreensível, ainda que reconheça a dificuldade que enfrentou por abrir um campo totalmente novo), algumas coisas do Friedman (excelentes, como a teoria da função consumo, o papel da política monetária, o positivismo na economia), e Schumpeter (mais o TDE que o Business Cycle - este último chato). Admiro todos (e também o Tobin e o Hicks, ambos brilhantes). Isto dito, quem deu forma à economia no século passado, praticamente sozinho, foi o Paul Samuelson. Quase não há campo na teoria em que ele não tenha dado alguma contribuição relevante: micro, macro, comércio, crescimento. Falou bobagem às vezes? Sim, como os demais e como todos nós, mas, mais que qualquer um, é o pai da economia que estudamos hoje.

3) Akerlof: talvez a escolha mais difícil de justificar, mesmo porque eu balancei entre vários nomes. Não tem nem o que falar do Arrow, mas, sinceramente, as coisas dele não são muito minha praia. Acho o Lucas fenomenal como economista, outro cara que, quase sozinho, deu nova face à macro, etc, mas ainda tenho restrições a algumas das suas conclusões. Becker é interessante, mas também nunca entrei muito a fundo no trabalho dele. Gosto muito das coisas do Solow (e do senso de humor, sem dúvida) também. Porém, acredito que tanto a gama como o alcance do trabalho do Akerlof são mais interessantes. Seja na questão das implicações de informação assimétrica, seja na exploração dos microfundamentos da economia keynesiana e pela coragem e seriedade com que ousa sair da disciplina, sem a postura babaca do Stiglitz.

4) Krugman: quem acompanha o blog sabe que eu quero ser o Paul Krugman quando crescer. Não o blogueiro (embora acompanhe e goste do blog, sem concordar 100%), mas o economista capaz de - com meia dúzia de equações - ir à raiz de um problema até então insolúvel e tirar daquilo sacadas com que nem sonhávamos. Ninguém faz nada parecido.

Reações:

52 comentários:

Say,Friedman,Lucas e Mankiw.

Smith, Friedman, Solow e Mankiw


The Anchor

Mankiw????

A pesquisa é séria pessoal...

Lucas

Smith, Schumpeter, Arrow e Acemoglu.
Saudações

Smith, Friedman, Lucas e Acemoglu...

Foolish! onde já se viu deixar de fora no "Figure 2", Mr.Furtado!
Aposto que Margarina hoje pela manhã, já pediu para presidenta começar a campanha para colocar o "bombinha" no lugar do velhinho tarado.

Por que alguém votaria no Mankiw?

Minha opinião:

Ricardo, Keynes, Solow e Krugman.

Diga a sua, Alex.

Smith, Friedman, Becker & Mankiw.

Eu já disse as minhas (é que estão depois dos gráficos, meio escondidas).

David Ricardo, Paul Samuelson, George Akerlof e Paul Krugman.

Santíssima Trindade (Smith/Ricardo/Marx), Keynes, Lucas, ???

Acho que sem Marx o desenvolvimento de uma ciência econômica não comunista teria parado em Ricardo. Marx é um gênio "do mal", mas um gênio...

Gostaria de saber de quem votou no Mankiw qual a grande contribuição dele além de um manual bacaninha e alguns insites muito marginais e específicos sobre preços...

Preferir o Friedman ao Keynes é coisa de quem nunca leu nenhum dos dois.

Sugestão para o próximo post: jogo dos sete erros no artigo do Oreiro e Marconi no Valor de sexta e fim de semana (13, 14 e 15 de maio): "Câmbio: adiar ajuste pode sair caro".

Smith, Samuelson, Becker e Shleifer (ou Glaeser, ou quem sabe o Tirole... empatados os 3). Incrível o Shleifer não estar nem entre os top 17...

Menger, Hicks, Foley, Arthur.

abs.

Gustavo.

Como não se pode preferir Friedman a Keynes? Por que não pode ter Mankiw?

O assunto é preferência! Como diz o Shikida, gosto não se discute.

Vocês, anônimo das 11h49 e Delfinzinho, pode discordar de achar Keynes mais influente ou relevante que o Friedman.

Mas preferência? Posso gostar do Mankiw justamente por como ele monta a análise dele bem fudamentada em diversos pontos que se originaram de outros caras.

Minha lista:
1 - Não sei, não li nenhum cara desses antigos muito a sério. Do pouco que li, gostei mais de Marshall e Menger.
2 - Friedman, sem dúvida.
3 - North
4 - Easterly

Smith (o pai de todos), Keynes (que é bem diferente do que os "pós-keynesianos desenvolvimentistas" acham que é), Lucas, Acemoglu.

Krugman???? Fala sério!!!

A macroeconomia do PK é uma desgraça...

Eu prefiro Ed Prescott e Finn Kydland...

"Delfim Bisnetto disse...

Gostaria de saber de quem votou no Mankiw qual a grande contribuição dele além de um manual bacaninha e alguns insites muito marginais e específicos sobre preços..."

a pesquisa dele em relação a rigidez nominal é referência. e sim, o "manual bacaninha", e os seguidos insights, nem tão marginais assim, também contribuem, claro.

exposição é fundamental para a popularidade. se os fãs do DeLong se surpreendem com os votos daqui, só precisam olhar para a posição do Mankiw no ranking.


" 16 de maio de 2011 11:38
Anônimo Anônimo disse...

Preferir o Friedman ao Keynes é coisa de quem nunca leu nenhum dos dois."

o 2°, no original, eu desisti na 2a pg...já o Friedman, mesmo pela linguagem, mais atual, é muito mais tranquilo e intuitivo, além das constantes participações em programas, inclusive, com tiradas espirituosas.

está se falando em preferências, portanto, é natural que os mais acessíveis sejam mais populares, até na academia.

ou não?

acho que o que não resta dúvida é que a lista dos economistas vivos com 60 anos ou mais é muito mais rica em temas e insights interessantes. qualquer um dos 10 primeiros nela dá um banho nos vivos com menos de 60...

Say, Herbert Hoover, Ed Prescott, Lee Onanian

Wicksell, Friedman, Buchanan, Levitt

Cardin, Oreiro, Sicsu e De Paula.

just kidding...

1. Marx
2. Keynes
3. Garegnani
4. Marc Lavoie

Abs,

Leo

Marx, Keynes, Leijonhufvud, Marc Lavoie.

Abs,

Leo

Samuel Pessoa, o homi ( ou seria homo ??? ) que defende a volta da CPMF.

"Como diz o Shikida, gosto não se discute."

Só o Shikida?

Abaixo dos 60, Krugman, sem sombra de dúvida.

Acemoglu e Levit é sacanagem.

Já há alguns anos germina uma inferência estatística séria para a econometria que jogará muito trabalho no lixo.

Abs

Leo

E para diretor do FMI, qual o melhor nome, Alex? Algum brasileiro como quer o embaixador Amorim? Talvez você mesmo?

"está se falando em preferências, portanto, é natural que os mais acessíveis sejam mais populares, até na academia.

ou não?"

Não necessariamente. Friedman é muito mais acessível (em termos de clareza de comunicação e raciocínio intuitivo) do que Keynes.

Também não tenho nada contra o Mankiw, só acho que dizer que a política monetária não funciona direito porque os agentes têm vergonha de ficar trocando os preços toda hora só vale para períodos muito específicos, em que as instituições estejam muito firmes.

Pelo menos tem a vantagem de ser menos controverso que o Krugman.

Alguém pode fazer um resumim desse Lavoie? Não conheço.

Sobre a turma sub-60, é arriscado. Se o dólar dançar, muito supereconomista vai pro saco também!

Repara no nome do blog do Shikida

Ricardo, Samuelson, Lucas e Acemoglu.

Ricardo corrigiu vários erros de Smith, isso o fez ganhar pontos na minha votação.

"Não necessariamente. Friedman é muito mais acessível (em termos de clareza de comunicação e raciocínio intuitivo) do que Keynes."

tem razão, eu me contradisse.

Meus caros,
Só dois comentários:
1- ""Como diz o Shikida, gosto não se discute."

Só o Shikida?"???
Gosto muito do Shikida, mas este comentário é bobo (e não foi feito pelo Shikida). Este é um artigo clássico do Becker (que o Shikida homenageia no nome de seu blog). Não é o Shikida, é o Becker!!!!
2- Devemos pensar nesta enquete em termos de gerações. Claro, é impossível definir o melhor. Ciência é a junção das contribuições de muitas pessoas, e algumas contribuiram muito. Eu já votei mas esclareço meu voto:
(a) Superantigões: Claro Smith, Ricardo, Marshall, sei lá. Escolhemos Smith por óbvio mas os outros são ótimos, claro.
(b) Os bem velhões, Keynes, Samuelson, Schumpeter. De repente, de longe, o Keynes foi o mais influenete. Em um olhar mais atento, Samuelson pode ganhar esta parada (principalmente devido a questão metodológica). Fruedman corre por fora. Escolhi Schumpeter porque foi estremamente gratificante para mim descobrí-lo (e muito mais importante do que as bobagens do Keynes - o qual nunca li).
(c) a Velha geração: Como discutir a super-importância de um Arrow, um Stiglitz, um Lucas, um Prescott (mais de 60, não?). De repente, temos dois gigantes (acho) Arrow e Lucas (não seriam de gerações distintas?). Como foram colocados na mesma cesta, Lucas (o melhor economista de sua geração) ficou de fora. Como não escolher o Arrow?
9d) Os mais novos. Alguém falou que a geração anterior é mais brilhante. O que é isto? Deixe o povo trabalhar, eles nem atingiram o ápice da carreira ainda. E neste caso também temos um montão de nomes. Escolhi o Acemoglu por já ter trabalhos muito interessantes e por desconfiar que ele ainda vai fazer muita coisa boa, mas como esquecer o resto? O Krugman tem excelentes contribuições mas desconfio que não fará mais nada.
Saudações.

"O", qm são os seus escolhidos?

Lucas

Prezado Alex,
Não sei se é hora e lugar, mas você está nos devendo um artigo sobre “Corrupção” no Estado. Se o político presta uma consultoria e recebe milhões, etc. etc., como valorizar isso em termos econômicos, em termos de desenvolvimento e progresso? O famoso “rouba-mas-faz”, por exemplo, não seria melhor do que o tal que recebeu o sarcástico comentário do Millor: “o homem que desmoralizou a honradez” (julgando o tal político como um poço de probidade, mas que deixou a cidade, falida). O que pode ser feito concretamente para a utopia de uma classe política decente: paredon(?), cadeira elétrica, fábrica de sabão, esclarecimento do eleitor, lavagem cerebral e implantação do chip da honestidade, o fiscal do fiscal do fiscal…? Será verdade o dito popular “se prender os ladrões não tem quem possa fechar a porta da cadeia? Bem, perdoe-me a empolgação, mas o tema é fértil, não?
Com abraços e parabéns pelos seus talentosos artigos.

1 - Maria da Conceicao Tavares
2 - Delfin Neto
3 - Karl Marx

Ricardo, Friedman, Solow (apesar de gostar também de Lucas) e Krugman.

Alex, tu quer ser Krugman quando crescer e eu queria ser tu quando crescer. Acho seus textos e suas explicações fantásticas. Quem dera eu tivesse um pouco do seu conhecimento. Krugman para mim é outra dimensão. Um dia pretendo alcançar.

Parabéns!

Abraço,
Sérgio Ricardo

""Não necessariamente. Friedman é muito mais acessível (em termos de clareza de comunicação e raciocínio intuitivo) do que Keynes."

tem razão, eu me contradisse."

Tem um negócio curiosos sobre isso. Às vezes o fato do cara escrever de modo "críptico" ajuda na popularidade, pois a dificuldade ou falta de clareza do texto acaba permitindo as interpretações mais estapafúrdias, de modo que todo mundo "se enxerga" ali.

É um pouco o caso do Keynes. Muito mais o de filósofos como Hegel...

Absurdo o Mantega ou o Mercadante não terem sido citados.

Smith. Samuelson, pelas mesmíssimas razoes do Alex. Becker por ter inventado campo de atuação da economia. Acemoglu.

Meus caros,
Eu citaria o Manteiga pela sua atuação inesquecível em "ùltimo Tango em Paris".
Saudações

Leônidas, Pelé, Zico e Ronaldo!

Economia todo mundo faz!
Just kidding :)

Krugman, argh!
Se deixasse esse cara quebraria o já quebrado EUA!

Luis Nassif, Guido Mantega, Ma. Conceição Tavares e o Bozo.

Wicksell, Friedman, Solow, Acemoglu

A lista para dar risada só com os "acadêmicos" da minha faculdade UFRJ

Em nível decrescente de caricatura

Ma. Conceição Tavares, Andre Modenesi, Cardim e Reinaldo Gonçalves

e a marida conceição tavares???? Ela até ganhou um premio ai da nossa presidenta por todas as grandes contribuições feitas ao pensamento economico latino america!!!!??? poxa, ela deveria aparecer em alguma dessas listas... não importa qual.... isso é um monopólio de ideais americanos que impedem o desenvolvimento do pensamento crítico e inovador!

wicksell, hicks, solow, woodford