teste

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Dionísio

Não fui (infelizmente, mas por minha própria culpa) aluno de Dionísio Dias Carneiro. Também não posso dizer que tenha sido seu amigo. Na verdade, cruzei umas poucas vezes com ele, tipicamente em seminários no BC, na Casa das Garças (uma criação sua), ou ainda nos eventos para ajudar o esforço de financiamento do Departamento de Economia da PUC-RJ. Li, é claro, seus artigos na imprensa, assim como o material produzido por sua consultoria, e uns tantos de seus ensaios acadêmicos. Não tive, lamento informar, qualquer proximidade com ele.

No entanto, sinto que, de certa forma, o conhecia. Da mesma forma que no conto “Aproximação a Almotásim” o protagonista percebe num interlocutor uma qualidade que acredita provir de um homem desconhecido, não é difícil achar ecos do Dionísio numa geração de economistas, alguns dos quais tenho a honra de chamar de amigos.

É uma perda enorme, mas podemos nos consolar sabendo que a qualidade dele persiste em seus alunos e colegas. Um pequeno conforto para uma partida tão precoce.

Reações:

13 comentários:

Gostaria de saber a opinião destes 17 leitores, além dos 2 editores sobre a "afirmação" em questão:

"O assessor que está por trás das empresas que vêm recebendo apoio do BNDES é Charles Darwin"
Luciano Coutinho.

Brados
Martins

Acho que quer dizer que a seleção natural é quem determina quem recebe a grana.

Supostamente, portanto, companhias que não estão levando nada estão extintas...

(This company is no more! It has ceased to be! 'It's expired and gone to meet t'is maker! 'T's a stiff! Bereft of life, 't rests in peace! 'T's kicked the bucket, 't's shuffled off 'is mortal coil, run down the curtain and joined the bleedin' choir invisibile!! THIS IS AN EX-COMPANY!!)

Pensando bem, faz certo sentido: que empresa não está levando grana hoje?

Foi este Darwin que ajudou o Coutinho a escrever o programa de Reserva de Mercado da Informática?

Pessoal tem memória curta...

M.

Luciano Coutinho eh um mico que se pensa intelectual e sabe aproveitar como ninguem as benesses da ascensao social.

BNDES e Darwin? Não sei exatamente o motivo, mas vem à cabeça o seguinte link: http://www.youtube.com/watch?v=GcwtUBUqVxo

No final de 2009 o espeto no Tesouro foi de R$ 137,3 bilhões. A MP 487 de 26 de abril prevê para 2010 mais R$ 80 bilhões. Em 2010 já foram R$ 46 bilhões, elevando a conta para R$ 183,3 bilhões, até maio.

Luciano Coutinho, em entrevista ao ESP em 17/07/2010, ao ser indagado sobre a transparência do custo fiscal dos empréstimos do Tesouro e sobre a quanto chegava essa conta, declarou: “a IMPRESSÃO[*] que temos é que o resultado fiscal líquido da atuação do BNDES é positivo. Estamos fazendo essas contas e vamos apresentar EM BREVE.

http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,nao-ha-risco-de-descontrole-fiscal-no-brasil,27877,0.htm

O presidente do BNDES (o “professor respeitado por seus pares, de diferentes correntes de pensamento econômico no país”. By George Vidor, no referido artigo em que o “respeitado professor” fez a blague darwinista), veio a público para dizer singelamente que diante desse tremendo espeto no Tesouro ele tinha a IMPRESSÃO[*] de um resultado fiscal líquido positivo.

Depois disso, o que mais poderia surpreender?

E o que aconteceria a um diretor financeiro se durante a reunião de acionistas fosse indagado sobre a situação fiscal e então respondesse ter “a impressão[*] de que o resultado fiscal líquido da empresa seria positivo” e que “em breve apresentaria as contas”?

Desde o dia 17 de julho até hoje são passados 17 dias. E aí? Alguém teve alguma nova notícia a respeito das contas do BNDES?

[*]Impressão. Dicionário Houaiss.

Derivação: sentido figurado.

Noção ou opinião vaga, sem grande fundamento; palpite. Ex.: tenho a i. de que não vai dar certo

Pensamento ou sentimento acerca de algo, que configura um ponto de vista, uma opinião, um comentário (mais us. no pl.). Ex.:

Rubrica: medicina, psicologia.

Ação de um objeto sobre a sensibilidade, a qual é concebida como a excitação de terminações nervosas sensíveis por meio de um estímulo; reação do cérebro, quando excitado por um estímulo.

"Não fui (infelizmente, mas por minha própria culpa) aluno de Dionísio Dias Carneiro."
Qual foi a sua culpa?
Abraços

Janaína, deve ser bem fácil argumentar que o BNDES tem ido contra a seleção natural dos melhores, mais inteligentes. Vide o empréstimo que eles deram para o Inominável Luis Nassif e subseqüente melê.

Poxa vida, acabei nominando o Inominável... Tenho que tomar mais cuidado porque aqueles que mencionam o nome da Besta podem acabar engajando em diálogo inter-espécies.

Oi, "O".

Tudo bem? Sempre gostei de argumentar. Nos últimos tempos, porém, só polemizo na mesa de jantar. Há um lado bom (menos sacripantas cruzam meu caminho) e outro bem ruim (brincar de estátua nunca foi minha especialidade). C'est la vie.

Seguro os rompantes lendo outras coisas. Hoje, por exemplo, chamou minha atenção isso aqui: http://twitpic.com/2bsjp6

Imagina que bacana sentar numa mesa de bar com o Crumb...

Abraços,
Jana