teste

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Comentário do Irineu de Carvalho Filho

O Irineu mandou o seguinte comentáro ao post anterior. Sozinho vale um post.
* * *
Além dos problemas operacionais da proposta do Professor Oreiro que você já discutiu, existem outros problemas mais profundos, que demonstram falta de reflexão sobre processos históricos e de economia política, algo irônico em se tratando de um economista que se entende como heterodoxo.

Vejamos, o objetivo do professor é recuperar a competitividade da indústria manufatureira brasileira, que teria sido prejudicada pela apreciação cambial. A premissa, compartilhada por economistas como Dani Rodrik, é que o Brasil sendo um país em desenvolvimento (não é), existem falhas de mercado que impedem o desenvolvimento de nossa manufaturas. Para tanto, ele sugere políticas econômicas que dentro de sua argumentação causariam uma depreciação da taxa de câmbio efetiva (que eu acredito ele define implicitamente como a razão de nosso índice de preços em dólar com os preços de nossos parceiros comerciais).

Mas este é um erro conceitual. A variável que de fato dita a competitividade de nossa indústria não é o preço relativo dos bens que nós consumimos, mas sim os custos unitários do trabalho em dólar relativamente a nossos parceiros comerciais. Estes custos dependem crucialmente de fatores como o nível do salário mínimo, do salário de reserva e dos custos extra-salário, que pelo menos na base da distribuição de salários e no setor formal da economia são variáveis de política.

Mas aqui mora a ironia. O professor ignora a história e a economia política brasileira. Existe um consenso em nossa sociedade, que certamente vai ser refletido na política econômica de qualquer grupo político no poder, que o Estado deve agir para reduzir nossa desigualdade e aumentar a participação dos salários na renda nacional, principalmente aqueles da maioria de trabalhadores com menor qualificação. Deste consenso emanam várias políticas públicas desde a Nova República que com diferentes graus de efetividade visavam reduzir a concentração de renda ou consumo: a aposentadoria rural, o programa do leite, o aumento do salário mínimo real, a expansão da rede de proteção social, o Bolsa Família etc.

Não tenho dúvidas, este objetivo é nobre, e certamente vai ser uma diretriz básica de nossa política econômica desde que continuamos sendo uma democracia. Mas esse objetivo está em direta contradição com a competitividade em setores da indústria manufatureira intensivos em mão-de-obra.

Minha opinião é que a escolha já foi feita: desde que o Brasil se tornou uma democracia, tanto os eleitores quanto a classe política têm demonstrado com votos e escolhas de política econômica que nossa prioridade (como alguns gostam, nosso projeto nacional) é melhorar a distribuição funcional e pessoal de renda, não competir com as Chinas do mundo na fabricação de roupas ou sapatos.

Então, posso agora concluir com uma metáfora: o professor Oreiro está esgrimindo contra moinhos de vento como se fossem dragões e a vasta maioria dos brasileiros torce para os moinhos e não tem medo de dragões.

Abraços,

Irineu de Carvalho Filho

* * *

P.S. (do Alex)

O Rogerio Ferreira entrou na discussão e escreveu um artigo aqui. Fica a referência e o convite para o Autovetor.

Reações:

92 comentários:

Alex,

Realmente o post está muito claro. Curioso é que para os "heterodoxos" o caminho mais fácil sempre é o da desvalorização cambial. Nem pensar em elevar produtividade e agregar valor aos produtos comerciálizaveis através da troca com o exterior. É mercantilismo na veia. E o trabalhador que se aperte.

Abç.

M.

Muito bom o comentário.

Somente acho que o professor Oreiro não está lutando contra moinhos e sim contra algo como a lei da gravidade.

A história econômica brasileira é repleta de soluções de curto prazo a la Oreiro, que trazem sérias distorções e implicações nefastas no longo prazo. Acredito que o cerne da discussão deveria também se dar nos efeitos de longo prazo de controle de capital, taxa de câmbio controlada e outras sandices.

Toda vez que o câmbio baixa é essa mesma história.

Alex, é verdade o que um cidadão disse no outro post. Você é BEM mais moderado na Globo news. Não que vc esteja errado, mas nem parece a mesma pessoa.

Dificil de convencer alguem, mais um economista que tenta provar que A nao é A, e que Z nao é Z.

Tolerar uma apreciacao cambial da magnitude como observada agora, baseado na argumentacao de que a nossa democracia de fato escolhe o que é melhor para o pais é uma piada de mal gosto. Talvez falte ao Professor Irineu maiores conhecimentos de Historia Brasileira. Somente para citar outro absurdo seguindo tal raciocinio, é de se esperar que a populaçao elegeu o Color na esperanca de assistir ao sequestro de liquidez...

O post não diz que a população concorda com cada decisão tomada.

E no caso do Collor, tanto não concordou que ele caiu.

O que o post diz é que, em termos gerais, o que tem sido feito na gestão do país não é muito diferente do que ela espera.

Até mesmo o dito "setor produtivo" que reclama do câmbio, recebeu alguma compensação.

No meu entendimento, apesar da Nova Republica e do proposto "choque de capitalismo" do PSDB, ainda vivemos sob o peso da Era Vargas.

" é uma piada de mal gosto."

Mais um comentário da terra onde os advérbios aprisionaram as conjunções adversativas, assim como os adjetivos.

Triste, triste...

"Somente para citar outro absurdo seguindo tal raciocinio, é de se esperar que a populaçao elegeu o Color na esperanca de assistir ao sequestro de liquidez..."

Suponho que em teu planeta o Collor tenha se reelegido ou completado o mandato, nao?

Piada de mau gosto é afirmar que o país sofre da doença holandesa.

Como está no post, a questão central "não é o preço relativo dos bens que nós consumimos" e "sim os custos unitários do trabalho em dólar relativamente a nossos parceiros comerciais".

Alguns priorizam apenas a distribuição de renda, nada se comenta ou propõe sobre a geração de renda, competitividade e eficiência da economia.

Não se trata cair na falácia do Delfim de fazer crescer o bolo para depois distribuir. Mas há indicadores de eficiência econômica que se fossem priorizados, melhorariam nossos indicadores sociais consideravelmente num prazo não muito longo.

É curioso ver que as políticas defendidas por alguns em nome dos "excluídos" no presente, só compromete os rumos da economia, não resolve os problemas e ainda pode ampliar o número de "excluídos" no futuro.

eu vi que a concordância foi para o espaço no meu comentário...

"Alex, é verdade o que um cidadão disse no outro post. Você é BEM mais moderado na Globo news. Não que vc esteja errado, mas nem parece a mesma pessoa."

Vai ver porque o Alex não é burro. Pra algum jornalista cretino distorcer os fatos não custa muito.

Que argumento mais imbecil.

"A variável que de fato dita a competitividade de nossa indústria não é o preço relativo dos bens que nós consumimos, mas sim os custos unitários do trabalho em dólar relativamente a nossos parceiros comerciais."

Quer dizer então que uma desvalorização cambial afeta os preços relativos dos bens que consumimos (e que no caso do argumento acima, não interessam), mas não afeta os preços relativos dos fatores de produção no Brasil e na China (ou qualquer outro lugar, como a Dimensão Z).

Olha, isso não é nem primeiro ano do curso de Economia, é primeiro ano do curso primário mesmo......

"Quer dizer então que uma desvalorização cambial afeta os preços relativos dos bens que consumimos (e que no caso do argumento acima, não interessam), mas não afeta os preços relativos dos fatores de produção no Brasil e na China (ou qualquer outro lugar, como a Dimensão Z). "

Caro anônimo das 19:29,

Não tenho dúvida alguma que uma desvalorização cambial afeta os preços relativos dos fatores. Mas de quanto você acha que tem que ser a desvalorização cambial necessária para fazer o Brasil competir com a China em manufaturados intensivos em mão-de-obra? Eu diria mais perto de 50% do que de 10%.

Meu argumento é que não é politicamente factível no Brasil de hoje em dia um realinhamento de preços desta magnitude.

Ainda mais se prestarmos atenção ao mundo em nossa volta e notarmos que a taxa de câmbio não é o único fator ditando a competitividade da indústria e existe várias outras políticas públicas que não vão ser mudadas no curto ou médio prazo que geram um viés contra o desenvolvimento de indústria intensiva em mão-de-obra no Brasil.

Irineu

Olá,

Vocês não podem perder essa:

Convenção e Rigidez na Política Monetária: uma estimativa da função de reação do BCB

Autor: André de Melo Modenesi (um discípulo do Sicsú)

link: http://www.ie.ufrj.br/datacenterie/pdfs/seminarios/pesquisa/texto2010.pdf

PS: Ninguém comentou a última do Sicsu:

http://www.ipea.gov.br/003/00301009.jsp?ttCD_CHAVE=11743

Eu tinha visto uma outra versão do mesmo argumento. É curioso: o objetivo de política monetária passa a ser uma taxa de juros baixa e o instrumento para alcançá-la é a taxa de inflação...

Não é possível ser muito mais cretino do que isso.

irineu:

em suma: stolper samuelson?
abs
sgold

Há aqueles que não querem mesmo entender o que está em discussão e as contradições de sua própria proposta.

Para estes os seguintes pontos não ficaram claros:

1- Construir um fundo de estabilização cambial sem o acúmulo de superávit nominal prévio é sem sentido,

2- O Tesouro ou BACEN tem o mesmo poder de influenciar o câmbio,

3- O ajuste fiscal necessário por si só já torna desnecessário a constituição do próprio fundo com o objetivo de administrar o câmbio (como o Alex já demonstrou o ajuste fiscal seria suficiente para levar os pós keynesianos ao Nirvana: depreciação do câmbio e redução dos juros),

4- e o risco-país está reduzido;

Não há nenhum esforço para derrubar a tese do fundo estabilizador pós keynesiano, porque ela nem decolou. Nasceu morta, enforcada no próprio cordão umbilical.

Mas como foi dito que o fundo estabilizador é uma política de longo prazo, é no horizonte do longo prazo que o debate deve ser respondido: o foco da política econômica, pensando no crescimento de longo prazo, deve ser a política cambial? A nossa competitividade deve ser centrada no câmbio? Para alguns parece que sim.

Inovação, melhor qualificação do trabalhador, eficiência e outras coisas do gênero não constam no vocabulário destes economistas. Elevação do nível educacional da população também não.

A nossa competitividade será sempre via preços?

Câmbio apreciado não é um problema para a Alemanha (sei que a comparação não é simples). Mas não adianta, ao invés de olharem para exemplos melhores que os nossos, querem olhar para outros de difícil comparação ou não perceber nuances que vão além de maior “presença” do Estado na economia (número de alunos indianos e chineses fazendo PhD nos EUA, número de pessoas que falam inglês na Índia e na China, etc).

Se controle sobre a economia fosse suficiente a Somália seria de primeiro mundo. Dizem que tudo lá é regulamentado.

Para quem tanto critica o anti-historicismo da ortodoxia, esquecem que não estamos mais nos 50 e ver que o Brasil já se urbanizou.

Ao invés de olhar para frente e ter a Alemanha como referência, e ver como pode ser melhorada a eficiência e competitividade do país, prefere ficar de olho no retrovisor e falar sempre da Índia e China (e não percebe que a Índia e a China olham para os EUA, Japão e Alemanha como referência e não para o Brasil!).

Tem um ditado chinês que diz: quando o sábio aponta para a lua, o ignorante olha para o dedo.

A melhor política industrial de longo prazo, no meu entendimento, seria um "fundo estabilizador" não para o câmbio, mas para a educação básica no Brasil. Mas para feirantes de fim-de-feira, que só pensam em competição via preços, questões como estas nem sequer existem.

O que alguns não percebem é que suas propostas não resolvem os problemas de curto prazo e só comprometem o longo prazo.

Misturei várias idéias, mas espero que tenha ficado claro e um pouco lógico...

Alex,desculpa fugir um puco do assunto.Você chegou a conhecer o fundo quantitativo do Santander,que é operado por computadores?

Caro Alex,

Talvez meu texto não tenha sido claro, pois o Professor Oreiro aparentemente entendeu-o como "a tese de que uma política ativa de administração da taxa real de câmbio é contrária ao objetivo político de uma menor desigualdade social".

Acho que vale a pena tentar de novo. A premissa de minha tese é que o objetivo prioritário da política econômica brasileira é reduzir a desigualdade, ou se preferir, aumentar a inclusão social. Tal objetivo é transparentemente expresso por uma ampla gama de políticas públicas implementadas desde meados dos anos 80 que visam aumentar a renda ou o consumo dos brasileiros mais pobres. Cada um de nós pode discordar da efetividade de uma ou outra dessas políticas, mas creio que até aqui o meu argumento é - acredito - um ponto pacífico para qualquer observador do Brasil.

Meu entendimento das propostas do Professor Oreiro e de outros de pensamento similar como o Professor Bresser Pereira é que eles gostariam que o Brasil tivesse uma moeda mais fraca para que pudéssemos ser mais competitivo em setores da indústria manufatureira intensivos em mão-de-obra. Eu argumento que esta é uma cruzada perdida, assim como Don Quijote esgrimindo contra os moinhos de vento, pois ser competitivo em indústria intensiva em mão-de-obra competitiva é inconsistente com nosso objetivo prioritário de reduzir a desigualdade.

Portanto, ainda que a proposta do Professor Oreiro para depreciar o câmbio real fosse efetiva, esta não seria efetiva para o objetivo dele de melhorar significativamente a competitividade industrial nos setores intensivos em mão-de-obra, pois existe toda uma gama de outras políticas públicas que empurram na direção contrária e não vão ser mudadas.

Se precisar eu explico de novo.

Irineu

"Alex,desculpa fugir um puco do assunto.Você chegou a conhecer o fundo quantitativo do Santander,que é operado por computadores?"

Não Carlos. Deve ser do Asset (do outro lado da Chinese Wall).

"Se precisar eu explico de novo."


Poupe o fôlego. Não adianta.

Abs

Alex

O pessoal da Heterodoxia parece que não tem contato com o mundo "real".

Argentina seguiu o que Oreiro queria,cambio depreciado.O resultado foi o inverso,inflação maior,taxação das exportações,queda do investimento privado.

Ele deveria entrar em contato com a "freguesia" para ver a facilidade que empresa argentina tem de lançar bonus no exterior.

Felipe:

Diga-se de passagem que a política fiscal argentina foi mais apertada que a brasileira e certamente mais apertada do que que teríamos condições de adotar no futuro próximo. Ainda assim deu problema.

Abs

Alex

Os comentários acabam por ampliar as fronteiras do tema que cada “post” traz à discussão. E, durante dias, semanas até, os que vêm ao “A Mão Invisível” vão lendo os comentários que se sucedem continuamente. Penso que se esses comentários pudessem receber uma numeração seqüencial, ficaria bem facilitado seu acompanhamento. No mais, vida longa a este verdadeiro fórum de debates econômicos (e umas tantas saborosas gozações)!

Carequinha se você for em algum debate da Fiesp ou CNI,você veria a grande reclamação dos empresário com a valorização do cambio.

Lucrécio

A desvalorizacao do cambio eh o bolsa familia do exportador brasileiro. Eh claro que estimula a economia no curto prazo, mas correm o risco de nao produzirem mais do que um level effect no produto a longo prazo (pra cima ou pra baixo diga-se de passagem). Ambos podem ser uteis se utlizados para sustentar outras reformas estruturais, mas nao eh a isso que estamos assistindo. Tanto governo quanto o oposicao no Brasil nao entendem o que faz um pais crescer no longo prazo. Quanto maior a economia, maior eh o tombo....

Ciro Obama Gomes

"Carequinha se você for em algum debate da Fiesp ou CNI,você veria a grande reclamação dos empresário com a valorização do cambio."

E se eu for A uma pizzaria veria um monte de pessoas pedindo pizza...

A valorização do câmbio diminui a lucratividade do setor exportador que não tem como se proteger dela.

Lucrécio

"A valorização do câmbio diminui a lucratividade do setor exportador que não tem como se proteger dela."

Por Thor! Nunca tinha pensado nisto! Você já publicou?

Muitas empresas ano passado tiveram prejuizos por conta de Hedge.Elas usaram formas heterodoxas de ganhar $$$ para recompensar a valorização do dólar.

Em uma economia com cambio competitivo isso não aconteceria.

Lucrécio

Rogério Ferreira, excelente resumo.

Considero interessante o debate que Irineu teceu sobre a história das decisões econômicas no Brasil, principalmente referindo a trajetória de decisões (ilusões) preço/comercial de cunho imediatista.

Podemos encontrar no capítulo 9 do livro Economia Internacional. Teoria e política, Krugman (o antigo é "muito" melhor!) e Obstfeld, explicações bem interessantes sobre como políticas restritivas comerciais são usadas como política de poucos contra uma maioria silenciosa. Ou seja, uma minoria propõe soluções (ilusões) que conseguem capturar os louros políticos e econômicos a despeito de uma maioria silenciosa.

Assim, as propostas heterodoxas para restrição de poupança externa (controle cambial), desvalorização cambial "em marcha forçada" e ajuste fiscal inócuo (medidas pró-tributos) soam como música para políticos que adoram medidas curto-prazistas (viva o Bem Amado!) e como cereja no bolo dos “clientes da pizzaria”.

Ao se adotar políticas heterodoxas teremos os mortos para o cemitério que Odorico Paraguassú insistia em inaugurar.
Martins

"Realmente o post está muito claro. Curioso é que para os "heterodoxos" o caminho mais fácil sempre é o da desvalorização cambial. Nem pensar em elevar produtividade e agregar valor aos produtos comerciálizaveis através da troca com o exterior. É mercantilismo na veia. E o trabalhador que se aperte."

DA ONDE SAIU ISSO?
Pseudo-ortodoxo!

"DA ONDE SAIU ISSO?
Pseudo-ortodoxo!"

Hmm, pelo tom chiliquento imagino quem seja...

Mas quem que o Oreiro acha que vai comprar os 15% do PIB de titulos de longo prazo em reais?

Eu conheco o Mantega, ele nao eh o cara mais esperto do mundo, mas tenho certeza que ele nao eh tao burro quanto o Oreiro tenta pinta-lo.

"Em uma economia com cambio competitivo isso não aconteceria."

Na dimensão Z um país chamado Coreia do Sul?

Anônimo disse...

"Mas quem que o Oreiro acha que vai comprar os 15% do PIB de titulos de longo prazo em reais?"
17 de Outubro de 2009 20:54

Provavelmente os aparelhados e gigantescos fundos de pensão estatais, ou o Agnelli para se segurar na presidencia da Vale!

Sinceramente, agora a coisa desandou de vez!

Marx pertence à ortodoxia? Estamos na Coreia do Norte? Pastore defende o "fundo de estabilização cambial" gerido pelo Tesouro?

A nova filosofia e sociologia do conhecimento inaugurada pelo senhor Oreiro, baseada apenas num autor, nos mostra que a minoria vira maioria e a ortodoxia vira heterodoxia.

É o mundo de ponta a cabeça. Marx dizia que a dialética de Hegel estava de ponta a cabeça. O senhor Oreiro, não menos pretensioso, afirma que a ciência econômica também está de ponta a cabeça.

O que entendemos por ortodoxia deve ser chamado de heterodoxia e a heterodoxia deve ser entendido como ortodoxia.

Só assim o senhor Oreiro realiza o seu desejo íntimo de ser chamado de ortodoxo.

Mas lamento dizer, senhor Oreiro, que a questão não é o nome que se adquire na pia batismal.

Independente de ser chamado de ortodoxo, pseudo-ortodoxo ou heterodoxo, no mundo real um fundo soberano consistente precisa de superavit nominal prévio. E o ajuste fiscal necessário para tal fundo já é suficiente para depreciar o câmbio e reduzir a taxa de juros.

Lamento dizer que o jogo de palavras não é suficiente, nem manipulações semânticas. Uma afirmação do Pastore, usando um tal de "peso de argumento" de Keynes, não é suficiente para dizer quem é de primeira linha ou segunda linha.

E não vi o Pastore fazendo coro ao pretenso "fundo de estabilização cambial". O que ele ressalta é necessidade de não se "abusar dos estímulos monetários e fiscais, reagindo à tentação de fazê-lo às vésperas de eleições.". Evitando artificialimos que ele conduzam á elevação da inflação, moderando estímulos fiscais que expandam a demanda.

Coerência e consistência interna na argumentação não prejudica a ninguém.

""Mas quem que o Oreiro acha que vai comprar os 15% do PIB de titulos de longo prazo em reais?"
17 de Outubro de 2009 20:54

Provavelmente os aparelhados e gigantescos fundos de pensão estatais, ou o Agnelli para se segurar na presidencia da Vale!"

Mas nao eh assim que funciona... Os fundos de pensao estatais (ou seja lah quem for financiar essa medida lunatica) teriam que vender obrigacoes do setor privado para comprar mais titulos do setor publico. Na pratica, isso significaria um sell-off na Bolsa ou um credit squeeze do setor privado. Muito provavelmente taxas de juros de longo prazo aumentariam. A proposta eh tao ruim que nao chega nem a ser engracada.

Carequinha só o Brasil teve problemas com derivativos cambiais.

Lucrécio

Caro Rogerio,

O problema do Oreiro eh um complexo de inferioridade imenso, mas tao grande que faz parecer mania de grandeza.

Mas no fundo, ele se preocupa em nao ser tratado como "sub-humano".

Tem gente que, com um pouco mais de coragem, teria evitado o caminho facil do doutorado no Brasil, e nao precisaria agora exorcizar todos os fantasmas de poder ter sido e nao ser.

Eh impressionante como uma decisao mal feita aos 20 poucos anos de idade reverbera pela vida toda de uma pessoa.

"Carequinha só o Brasil teve problemas com derivativos cambiais."

Só no Planeta Mongo, sob a regência do Imperador Ming.

"Korea is a good example of a country where derivative losses on KIKO (Knock In Knock Out) foreign exchange options in the small and medium enterprises were so large that the government had to step in to provide liquidity support and credit guarantees on a large scale to the sector. In Brazil and Mexico, the central bank conducted foreign exchange interventions that were designed to bail out the companies that had suffered huge losses in foreign exchange derivatives."

http://www.iimahd.ernet.in/~jrvarma/blog/index.cgi/Y2009/corporate-OTC-derivatives.html

Fala a verdade. Você topa a humilhação contínua porque sempre aprende alguma coisa (ou aprenderia, se tivesse um sistema nervoso central)

"O ideal é usar títulos de longo-prazo para realizar as operações de compra de divisas, daí a necessidade de se constituir um fundo com recursos do Tesouro Nacional, como foi explicado recentemente pelo Ministro Guido Mantega."

Yeah, right. Com a curva de juros empinada como está vai sair baratinho, baratinho (e aidna escreve que isto não é vantagem para os bancos, mas para o governo).

A maior perda foi do Brasil,um empresário coreano não faz Hedge porque o cambio é competitivo.

O Banco Central deveria ajudar as empresas exportadoras que tiveram perdas com derivartivos.

Lucrécio

"Voces neoclássicos de segunda linha se baseiam no modelo Mundell-Fleming de graduação (nem o livro do Obstfeld-Rogoff voces parecem ter lido) para dizer o seguinte: se o governo fizer uma contração fiscal, então o risco país cai, ai a taxa de juros off-shore se reduz e com isso capital sai (ou deixa de entrar no pais) o que deprecia automaticamente o câmbio. Não é esse o raciocínio simplório de voces? "

Nunca pensei que o sujeito fosse tao ignorante de economia assim... Fala serio, meu! Alguem avisa para ele que no Mundell-Fleming, uma reducao no risco pais aprecia o cambio real, nao o efeito contrario. Isso eh basico. Como que ele conseguiu ser aceito em um programa de mestrado em economia com tal deficiencia de entendimento?

"O"

"um empresário coreano não faz Hedge porque o cambio é competitivo."

É a negação. Vamos explicar de novo:

"Korea is a good example of a country where derivative losses on KIKO (Knock In Knock Out) foreign exchange options in the small and medium enterprises were so large that the government had to step in to provide liquidity support and credit guarantees on a large scale to the sector"

"Voces neoclássicos de segunda linha se baseiam no modelo Mundell-Fleming de graduação (nem o livro do Obstfeld-Rogoff voces parecem ter lido) para dizer o seguinte: se o governo fizer uma contração fiscal, então o risco país cai, ai a taxa de juros off-shore se reduz e com isso capital sai (ou deixa de entrar no pais) o que deprecia automaticamente o câmbio. Não é esse o raciocínio simplório de voces? "

Hmmm, não, não é. Até porque, como notou o "O", isto teria o efeito inverso. É, porém, o raciocínio simplório de quem argumenta que a melhora fiscal reduziria o risco-país e apreciaria o câmbio, fenômeno que, como já afirmei, está uns 7 anos atrasado.

Hoje com CDS de um ano na casa de 50-60 bps esse efeito seria muito reduzido. Prevaleceria o efeito da redução da demanda doméstica.

O Planeta Mongo fica na dimensao Z?

Alias, Diego Tardelli manda lembrancas...

Alex,

Isto é só um recado, não precisa postar.

Você já disse para o Irineu que não adianta tentar explicar nada para a turma do Oreiro.

Eu concordo.

Mas na ânsia do debate, eu acabei escrevendo uma resposta que ficou consideravelmente grande.

Ele está no seguinte endereço http://autovetor.wordpress.com
(não se preocupe, não estou me aproveitando do seu blog para roubar audiência).

Não sei se vale a pena responder ou mesmo postar como comentário no seu blog.

Atenciosamente,

Rogerio

"Alias, Diego Tardelli manda lembrancas..."

Como diriam meus antepassados: "oi, oi, oi, oi..."

Rogerio. Vou colocar o link para seu artigo.

Abs


Alex

Esse "Plano Cruzado" é muito bom! Nunca decepciona! Partidários do Belluzzo são assim: iludem no início e... bem, o final vocês já sabem.

Aliás, só por curiosidade: quem foi que colocou o Belluzzo no conselho da BM&F??? Bizarro!

O Belluzzo nao sabe economia, mas ele eh um politico muito habil com um instinto de sobrevivencia invejavel.

"O"

O Belluzzo nao sabe economia, mas ele eh um politico muito habil com um instinto de sobrevivencia invejavel.

"O"
..................
Com certeza! Inclusive "instinto de sobrevivência" é a expressão utilizada quando da comparação de George Soros com Warren Buffet no livro "OS SEGREDOS DE GEORGE SOROS E WARREN BUFFET". Depois de se ferrar bastante na vida o cara vende a alma pro diabo!

Engraçado esse debate.
Conforme o próprio BC, as compras de dólares para formação de reservas superaram o ingresso de dólares no país nesse ano. Ainda assim, o real se valorizou muito.
E ainda tem gente dizendo nesse blog que os dólares que ingressam no país "querem participar do crescimento do país". Mesmo que isso possa ser verdade, como explicar a valorização se a demanda pelo Bacen foi superior à oferta pelo mercado?
A questão é que existem capitais pegando carona nesse influxo, fazendo apostas com derivativos em mercados offshore, sem qualquer trânsito pelo mercado cambial brasileiro, e que tem contribuído enormemente para essa valorização. estão operando a favor da tendência de desvalorização do dólar, num ciclo de realimentação dessa tendência, fazendo com que a valorização do real supere em muito aquela que seria de se esperar dada a desvalorização do dólar perante terceiras moedas.
Sobre isso ninguém comenta nada aqui.

Bromélio

"Sobre isso ninguém comenta nada aqui.

Bromélio"

Nós tentamos limitar as cretinices a uns poucos comentaristas. Mas você pode se juntar a eles, se quiser.

O Estadao tem uma historia dizendo que os custos do governo federal com pessoal tem acelerado.

A minha questao e a seguinte: suponhetemos que os custos com pessoal caiam 30% (60Bn de reais), e que em outros custos discrecionarios o governo federal economize mais uns 100Bn de reais.

Qual seria o impacto economico dos gastos do governo caindo uns US$100 Bn ao ano?

Se deixarmos de lado a questao etica - que isso e tudo dinheiro do contribuinte e deve ser bem gerenciado - ha um impacto material no desempenho economico do pais?

PIG

Carequinha os bancos ja estão fazendo apostas com derivativos,isso explica a valorização do real.

Lucrécio

Nós tentamos limitar as cretinices a uns poucos comentaristas. Mas você pode se juntar a eles, se quiser.

É o típico comentário de quem não tem nada a dizer.

Bromélio

Alex,

isto foi escrito por você na Folha de São Paulo, certo?

"Ou seja, se alguém quer enfraquecer o real, basta adotar uma política fiscal oposta à que temos posto em prática. É mais eficiente do que botar duas instituições governamentais batendo cabeça no mercado de câmbio e, principalmente, evitaria a visita ao Dr. Einstein."

Então, se alguém quer resolver o problema do câmbio, está dado o caminho.

No que eu acompanho o blog, há uma posição clara em favor da flutuação do câmbio, ajuste fiscal e do regime de metas de inflação.

Na polêmica sobre o câmbio, o que se faz é mostrar é a fragilidade de certos argumentos para justificar sairmos do câmbio flutuante para o administrado.

Peço que digam onde entendi errado.

Mas agora o Oreiro surtou de vez. Agora ele parece o coelho do mundo de Alice, que vive correndo por estar sempre atrasado.

Na visão dele, temos poucos segundos de vida. Estamos caminhando para a morte cambial simonseniana (a frase do Simonsen era na época do câmbio fixo).

Fábricas estão sendo desmontadas, coreanos invadindo as nossas ruas através do contrabando, etc.

Mas eu não entendo, o próprio Oreiro fez esta afirmação:

“Nos últimos meses, não é o diferencial de juros que está apreciando o câmbio, mas o ingresso de capitais na bolsa de valores. Em breve, será o investimento no pré-sal."

Pergunta: se as nossas fábricas estão perto de fecharem, nossas exportações irão a zero, nossa renda desaparecerá e o país não sairá da estagnação, o que o capital estrangeiro está indo fazer na bolsa? Comprar ações para vender sucata? Acho que não.

E eu não sou fake.

"É o típico comentário de quem não tem nada a dizer.:

Naahhh. É o comentário de quem está sem tempo e paciência para lidar com oligofrênicos. Tente outro blog.

Professor Alex, que que vc acha da possivel nomeacao de Luciano Coutinho para Presidencia do BC???

Abraco

Luiz

Calma Alex,agora a quermesse ficou feliz:IOF de 2% para Gringo aplicar na bolsa.

Mais como Brasil é Brasil,daqui a pouco vai aparecer fundos oferecendo contas em nome de laranja,abre empresas aqui no Brasil... .

"Professor Alex, que que vc acha da possivel nomeacao de Luciano Coutinho para Presidencia do BC???"

Soh tenho um comentario a fazer: eu shorted Brasil quinta quando eu ouvi falar disso pela primeira vez. Meio de loucura. Mas acho que o Mantega hoje acabou de fazer chover na minha horta.

irineu:

por favor, desconsidere meu comentario anterior. confundi.

mas concordo com voce. por tras de uma suposta heterodoxia dos proponentes de controles sobre o cambio, pode estar se escondendo um vies elitista.

por outro lado, a questao nao me parece teorica, mas empirica. de um lado, o efeito sobre o poder de compra da populacao. de outro, a criacao de vagas de emprego.

vou colocar da seguinte maneira: se houvesse democracia na China, a populacao apoiaria a politica de desvalorizacao cambial (menos poder aquisitivo, mais emprego)? A sua analise implica que não, mas nao tenho certeza.

Mas deve-se ter cuidado com comparacoes. A situacao demografica da China (urbanizacao crescente) é muito diferente da brasileira. Entendo que na China a questao do emprego é mais crucial.

Bom, espero que dessa vez eu tenha contribuido com alguma coisa relevante.

abs
sgold

Sgold,

Esse "trad-off" entre poder de compra e desemprego só existe na sua cabeça.

Se achas que não, traga-nos as relações "empíricas" a que se refere.

Carequiinha Oreiro tem um bom artigo mostrando que o dolar barato diminui o investimento.


http://jlcoreiro.wordpress.com/2009/10/19/cai-o-ultimo-argumento-contra-a-mudanca-na-politica-cambial-cambio-valorizado-afeta-negativamente-o-investimento/

Por isso que a taxação do IOF foi importante.


Lucrécio

Luciano Coutinho presidente do Bacen, Marcio Pochmann e Joao Sicsú diretores ??? Nao duvido que um desses vire ministro da Fazenda.

Sera que rola ganhar grana facil no "over" igual nos 80's ??

"Carequiinha Oreiro tem um bom artigo mostrando que o dolar barato diminui o investimento."

E ele também tem um artigo dizendo que o Brasil passou por um processo de desindustrialização nos últimos anos.

Em termos de cretinice deve ser o único que consegue competir com você. Eu ficaria de olho. Numa destas ele vai roubar todo seu capim...

Esse artigo nunca existiu.Esse artigo dele contradiz o estudo de Celso Pastore de que o cambio barato ajuda o investimentol.

Lucrécio

"Esse artigo nunca existiu."

Sei. Como nunca existiu um país chamado Coreia do Sul, onde nunca houve problemas com derivativos.

Que marca de alucinógeno você usa? Ou é só efeito colateral do pesticida?

Se existir tudo mundo erra um dia,você não errou sobre o impacto do cambio na inflação?

A taxação do IOF vai ser importante porque benefícia o setor produtivo que estava perdendo competitividade por causa do cambio desvalorizado.

CNI,FIESP apoiaram as medidas do governo.

Lucrécio

Só agora vi no blog do Leonardo Monasterio um post sobre fatores culturais, etc... pra quem gosta de chamar os outros de prguiçosos...

"Lazy Japanese and Thieving Germans" do Ha Joon Chang:

http://www.sed.manchester.ac.uk/research/events/conferences/povertyandcapital/chang.pdf

O que nos dirão agora os ilustres papagaios sobre a decisão do governo de taxar o capital financeiro no país? É para conter a sobrevalorização cambial? Ou eles apenas não gostam do capital especulativo feio e bobão que migra para os países da perifa pra realizar lucros de tempos em tempos?
Diga-nos, oh Schwartsman sábio(can)Guru.

LCBP

hugo (penteado?):

eu e' que nao entendo sua duvida. se a china valorizar sua moeda, o poder de compra da populacao aumenta. mas as mercadorias que produzem ficam mais caras.

se o brasil desvalorizar sua moeda (conforme alias analise do irineu) o poder de compra do trabalhador (no que se refere a tradeables) diminui, mas o produto brasileiro fica mais barato no mercado internacional.

isto não é trade-off?

alem disso, não é esse o vies elitista dos sois-disant heterodoxos? mantenham os trabalhadores consumindo pouco, e os empresarios ganhando muito, passando as ferias na europa e educando seus filhos em escolas de elite.

não é disso que estamos falando?

abs
sgold

O Sr. não acha que a taxação de 2% de IOF será um dique frágil para conter a pressão dos capitais ávidos pelos rendimentos oferecidos no país(renda fixa e bolsa)? A expectativa nos países desenvolvidos não será de juros reais baixíssimos nos próximos anos? Na mesma linha de raciocínio, os EEUU não deixarão o dólar rolar escada abaixo, já que medidas protecionistas estão fora de moda?

Mais uma vez o governo pune o mercado por uma situação que o próprio governo é resposável por agravar.

O governo prefere elevar ainda mais a carga tributária, através da cobrança de IOF sobre investimentos na bolsa, do que rever a sua política fiscal.

Sempre o mercado é o demônio a ser exorcizado. A elevação da carga tributária e o gasto público ineficiente não aparecem como os verdadeiros vilões da história.

Tentar interferir no câmbio através da cobrança de IOF é uma medida que iguala desiguais, pois ao fazer isto na entrada não diferencia o capital de curto do de longo prazo.

É pouco inteligente isto. Mas só revela a vontade de arrecadar que o governo possui.

E o Oreiro tem cada sacada. Uma matéria de jornal é o grande argumento para dizer que o câmbio prejudica o investimento. Mas ele não fala nada sobre o David Kupfer, que na matéria fala algo bem diferente. Segundo ele, as empresas devem aproveitar o momento para investir.

E pensando em argumentos que se anulam, tem o artigo do Pastore falando que o investimento é facilitado pelo câmbio apreciado.

Será que agora o assunto vai se resolver com recorte de jornal: quem tiver mais recortes de jornal com artigos falando a seu favor ganha?

"CNI,FIESP apoiaram as medidas do governo."

Não diga. E quando o BNDES reduzir a TJLP eles irão protestar, imagino.

Errar é humano, mas jumentar é muar.

"Ou eles apenas não gostam do capital especulativo feio e bobão que migra para os países da perifa pra realizar lucros de tempos em tempos?
Diga-nos, oh Schwartsman sábio(can)Guru."

Este capital, além de feio e bobão, é chato também...

"O Sr. não acha que a taxação de 2% de IOF será um dique frágil para conter a pressão dos capitais ávidos pelos rendimentos oferecidos no país(renda fixa e bolsa)? "

Torço para que sim. Os motivos eu comento no post que devo publicar amanhã.

Alex provavelmente eles vão voltar atrás,provavelmente deve ir um grupo de economistas "ortodoxos" bater no planalto,vão mostrar que estavão errado,vão tirar a taxação.

Empresas vão reclamar que o custo do capital vai aumentar.... .

Pra mim o capital era espaculativo em 97,98,99 o Brasil precisava manter o juro alto para determinar o preço do câmbio.

Com o regime de cambio flutuante não existe capital expeculativo.Em 2002 tava todo mundo apostando "contra" o Brasil,quem mandou dinheiro para fora depois se arrependeu.

Como ficaria a vida do setor exportador?

É preciso para para pensar,os bons professores da EESP (Nakano e Bresser) apioaram as medidas.

Paulo Tenani provavelmente foi um dos únicos que não deve ter concordado.

Lucrécio

"Como ficaria a vida do setor exportador? "

Seria difícil. Imagine só, eles teriam que trabalhar...

"É preciso para para pensar,os bons professores da EESP (Nakano e Bresser) apioaram as medidas."

Nossa! Não vai me dizer que eles também apoiam a queda dos juros...

"Não diga. E quando o BNDES reduzir a TJLP eles irão protestar, imagino."

Quem reduz a TJLP é o CMN por meio de Resolução BACEN (assinada pelo Meirelles).

Mongol

Se o carequinha é tão contra o IOF deve ser uma medida que realmente faz sentido. Se alguém que não tem capacidade nem de prever a tendência de inflação, imagine pensar em empregos no Brasil. O negócio desse careca é ajudar o banqueiro chefe dele a ganhar grana fácil com nossos impostos. ACORDA GALERA!

Hugo Penteado não! rs rs

"alem disso, não é esse o vies elitista dos sois-disant heterodoxos? mantenham os trabalhadores consumindo pouco, e os empresarios ganhando muito, passando as ferias na europa e educando seus filhos em escolas de elite"

Sim, correto. Essa é a visão estapafúrdia dos keynesianos de quermesse. Mas isso não é um "trade-off" entre emprego e poder de compra, é redistribuição de renda.

Do jeito que você colocou pareceu ser possível, manipulando-se a taxa de câmbio nominal, um trade-off entre nível de emprego e poder de compra, na economia como um todo.

Do mesmo jeito que a desvalorização cambial torna o produto nacional mais competitivo e estimula exportações, a valorização cambial permite a aquisição mais barata de tecnologia e recursos externos, liberando os recursos internos para serem empregados de forma mais eficiente. Qual o efeito líquido no emprego e no poder de compra em cada circunstância? Não sei. Depende de ocasião para ocasião e aí cabe o estudo empírico, mas que não há trade-off, isso não há. Não há por que ter. A não ser que você defina "emprego" como "empregos em empresas exportadoras" e defina "poder de compra" como "termos de troca internacional". E nem assim, porque dificilmente o governo conseguirá controlar o câmbio real.

Eu reconheco o minha ignorancia:

Alguem pode definir com precisao "capital especulativo?"

E explicar por que ele e' ruim?

Eu sempre achei que todo investimento era especulativo. E eu sempre achei que a entrada de capital estrangeiro fosse positiva para o pais. E eu sempre achei que grana era grana, a nao ser que tivesse sido tocada por um Sao Paulino...

Por examplo, Sand Hill Road no Vale do Silicio, ta cheio de especuladores. Quando um banco empresta a uma empresa em troca de um risk premium, nao e especulacao?

E ate onde eu saiba, ninguem aindae obrigado a vender ou comprar quaisquer papeis, em qualquer transacao..qual e o problema do tal capital especulativo?

Vale lembrar que nem para os pterodoxos existe trade-off.

Para eles o câmbio desvalorizado traz aumento de emprego e de poder de compra no longo prazo. Quantas vezes já não ouvimos o nakano papagaiar isso?

"O negócio desse careca é ajudar o banqueiro chefe dele a ganhar grana fácil com nossos impostos. ACORDA GALERA!"

Oh, fui desmascarado. Oh, o que vou fazer? Oh, será que as pessoas ainda vão gostar de mim? Oh, como fiquei infeliz.

Falar que heterodoxo só fala em desvalorização cambial para promover industrialização é nunca ter lido nada da heterodoxia...

PS: Eu não sou heterodoxo, mas conheço a economia heterodoxa, por ter sido formado nela...

"Falar que heterodoxo só fala em desvalorização cambial para promover industrialização é nunca ter lido nada da heterodoxia..."

E voce volta da Dimensao X quando?