teste

terça-feira, 31 de julho de 2018

Talleyrand tropical


“Não aprenderam nada e não esqueceram nada” foi a primeira coisa que me passou pela cabeça ao ler a entrevista de Fernando Haddad ao Pravda, perdão, Valor Econômico no início da semana. Não vou me aprofundar nas barbaridades proferidas acerca da “radicalidade liberal”, nada mais que o velho “controle social da mídia” (sob novo nome)  nas pegadas do sinistro Franklin Martins, nem acerca da curiosa afirmação sobre a inconstitucionalidade da prisão em segunda instância com base em decisão que Fernando imagina que o STF tomará em algum momento, me atendo aqui aos aspectos econômicos da proposta.

A começar por atrocidade frequente, que, diga-se de passagem, não é monopólio do Fernando, mas que encontra mais eco do que deveria: o uso de fração das reservas para financiar “joint ventures, investimentos privados, PPPs em infraestrutura”.

Trata-se, na melhor das hipóteses, de ressuscitar o papel do BNDES nos anos dourados de Dilma, Mantega & Associados, qual seja, bancar, a leite de pato (e põe pato nisso!) projetos que iluminados do governo de plantão acreditem ser de interesse nacional, em nome de “aumentar a remuneração das nossas reservas”, notando que “interesse nacional” em tal contexto costuma significar “interesse bastante particular do meu grupo político, quase sempre inconfessável e ainda assim vendido ao distinto público como algo que supostamente deveria beneficiá-lo”.

Na pior das hipóteses trata-se de vender reservas para obter reais e gastá-los, deixando em seu lugar apenas a dívida (e péssimos projetos!).

Já as propostas para reduzir o spread bancário parecem cuidadosamente pensadas de forma a evitar qualquer proximidade com os estudos sérios do problema mapeados por economistas do calibre de Marcio Nakane e João Manoel Pinho de Mello.

Nenhuma palavra sobre aumento de concorrência no setor, seja por meio da abertura do mercado, seja pela redução da assimetria de informações (no caso, cadastro positivo), ou menção à privatização de bancos públicos (para novos entrantes, bem entendido), ou ainda pelo estímulo às fintechs.

Há novidades, como a utilização de bancos públicos para forçar a redução do spread, algo jamais tentado nos últimos 24 meses, bem como a brilhante ideia de induzir bancos a reduzirem o spread por meio de incentivos tributários, ou seja, o contribuinte bancaria os lucros das insituições financeiras que generosamente aceitassem cobrar menos de seus clientes em troca de impostos mais baixos.

Nada semelhante, como se vê, às renúncias tributárias oferecidas a vários setores no primeiro mandato de Dilma, em troca da preservação do emprego e do aumento do investimento, que fracassaram de modo retumbante, fiasco que desta vez não irá se repetir porque… Pois é, por quê?

Por fim o entendimento da questão previdenciária é parco, expresso na afirmação: “o problema está no regime próprio daqueles que não foram afetados pelas reformas de Lula e Dilma”. Sim, há um sério problema associado às aposentadorias e pensões do funcionalismo, o que não permite concluir pela inexistência de um problema ainda mais sério no INSS, devidamente ignorado na discussão.

Enfim, se alguém esperava algo de novo e inteligente no projeto econômico petista minha sugestão é que espere um pouco mais (com sorte, duas ou três gerações devem bastar).

Não era (ainda bem!) o meu caso e, vejam só, esta previsão eu acertei na mosca…




(Publicado 25/Jul/2018)

Reações:

4 comentários:

Bem, se Deus realmente for brasileiro, esse sujeito não passa nem pro segundo turno em 7 de outubro proximo! Rezo todo santo dia por esse e por, pelo menos, mais uns dois outros pré-candidatos...

Alexandre, o que acha das 3 ideias :
1 - usar as reservas para pagar a dívida pública e amenizar o problema fiscal ( evidentemente não digo usar 100% das reservas, digo para usar uma parte delas )
2 - pegar dinheiro emprestado no exterior a juros menores ( fmi , por exemplo )
3 - uma combinação das alternativas anteriores.Pegar um emprestimo substancial no exterior com uma duração mais longa e com juros menores. O valor do empréstimo seria o valor das reservas e elas seriam usadas como garantia. Com uma garantia seria mais fácil conseguirmos o emprestimo ( e convenhamos,conseguir uma duraçao mais longa e juros menores que os da nossa dívida não é algo utópico ). Alem disso, caso honremos a dívida não perderiamos as reservas, que seriam só uma garantia.

Enfim, essas são as perguntas. Já me desculpo se as ideias forem um desvario, não sou profissional do ramo
Abs

"1 - usar as reservas para pagar a dívida pública e amenizar o problema fiscal ( evidentemente não digo usar 100% das reservas, digo para usar uma parte delas )"

Faz sentido, porque provavelmente temos mais reservas do que precisamos. No caso, economizaríamos o diferencial de juros internos e externos. Não resolve o problema, mas ajuda um pouco;

"2 - pegar dinheiro emprestado no exterior a juros menores"

É a mesma proposta em (1). Vender reservas equivale a tomar dinheiro lá fora à taxa de juros que remunera as reservas.

O que não faz sentido, no caso, é tomar grana mais cara do que a remuneração das reservas .

Fazer o que Voegelin propõe é como dar aspirina para paciente terminal.Se não curar o problema da dívida pública,nada vai funcionar.Precisa acabar com esse funcionalismo caríssimo,com suas aposentadorias caríssimas...Se não acabar com esse estado glutão e armário de cabides,vamos continuar a correr atrás do rabo até o cachorro morrer ou a vaca ir pro brejo,o que um dia acaba acontecendo,e um maduro pega pra si.Não é assim,Alex?