teste

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

A outra goleada

No primeiro semestre deste ano a produção industrial brasileira caiu pouco mais de 2,5% segundo dados divulgados pelo IBGE e o consenso dos analistas aponta para queda superior a 1% em 2014 (acredito que será pior, mas fiquemos com o consenso). Dado este desempenho, o crescimento do PIB este ano talvez não chegue a 1%, implicando expansão média no período 2011-2014 inferior a 2% a.a., a mais fraca em um quadriênio desde 1999.

A resposta oficial aponta para a conjuntura internacional como a responsável. Recentemente, por exemplo, a presidente admitiu ter “minimizado os efeitos da crise externa sobre a economia brasileira”, ao atribuir a ela a culpa pelo crescimento medíocre durante sua gestão.

Parece um bom argumento, exceto, é claro, por não fazer qualquer sentido à luz dos números disponíveis. A valerem as projeções do FMI para a economia global este ano (crescimento de 3,4%), a média da expansão do PIB mundial nos últimos 4 anos aceleraria a 3,3% a.a., comparado a 3,0% a.a. observado no quadriênio anterior. Por outro lado, o desempenho nacional revelaria desaceleração expressiva no mesmo período, de 4,5% a.a. para 1,8% a.a..

Posto de forma mais delicada, apenas um exercício delirante de imaginação poderia atribuir a piora do desempenho brasileiro à conjuntura internacional, que, longe de ser brilhante, apresentou melhora modesta, embora visível, no mesmo período. Não bastasse isto, a diferença entre o crescimento mundial e o nosso (1,5 ponto percentual) é a maior em pelo menos 12 anos, outro recorde a se somar à maior goleada sofrida pelo país.


O caso pode ser ilustrado em maior detalhe pelo gráfico que compara a produção industrial brasileira à mundial. Como se vê, a indústria nacional seguiu sua contraparte global até o final de 2010, em que pesem alguns desvios pontuais, refletindo momentos de crescimento um tanto mais forte ou mais fraco.


Em particular, é aparente a recuperação mais rápida do país em seguida à crise de 2008-2009, pois demoramos apenas 2 anos para atingir o pico anterior (de outubro de 2008 a outubro de 2010), enquanto a indústria global precisou de quase 3 anos para isto.

No entanto, a partir de 2011 o Brasil “andou de lado”, situação que ainda perdura: nos 12 meses terminados em maio deste ano a produção nacional era 1% inferior à registrada em 2010 e indistinguível do pico que antecedeu à crise. Já a produção global no mesmo período era 10% superior à observada em 2010 e cerca de 7% maior que o pico pré-crise.

Qualquer que seja a métrica adotada, a verdade é que o mundo, mesmo combalido, não só cresceu bem mais que o Brasil, mas também o fez a uma diferença de velocidade jamais vista na história deste país.

Por tudo que foi dito, deve ficar claro que a origem do problema de baixo crescimento tem raízes locais. Da forma como entendo a questão relaciona-se essencialmente ao aumento dos salários muito à frente da expansão insignificante da produtividade, em particular no setor manufatureiro.

Ao contrário do que ocorre no caso dos serviços, este aumento do custo do trabalho encontra dificuldades de repasse para preços em face da concorrência externa. Assim, as margens industriais se contraem, limitando a expansão do setor, ao mesmo tempo em que a inflação de serviços segue vigorosa (acima de 9% nos 12 meses até junho).

A nota curiosa da desculpa (esfarrapada) para o baixo crescimento é que seus autores não parecem ter notado que, se fosse verdadeira, implicaria concluir que a aceleração observada no período 2004-2010 também resultaria do mundo mais forte, e não de méritos do governo de plantão. Não sei se o presidente Lula se deu conta da crítica de seus aliados a seu desempenho à frente do país. Provavelmente não, mas, em nome da verdade, seria bom alertá-los para achar uma justificativa mais sólida para o desempenho lamentável dos últimos anos.



(Publicado 6/Ago/2014)

Reações:

15 comentários:

Alex, vi atualmente que há um debate em torno de quais países poderiam ser comparados com o Brasil em termos de desempenho econômico. Do seu ponto de vista, quais seriam os países "mais comparáveis" ao Brasil?

Alex, o que vc acha dessa análise da política econômica?

http://brasildebate.com.br/928/

Abs.

Esse link acima (brasildebate) merece um post detalhado do O. É uma das analises mais lixo que ja pude ver ao longo da minha carreira como economista. Os caras mostram um unico dado (escolhido a dedo e, por sinal, ruim), adicionam paragrafos e paragrafos de bla bla bla e concluem (cientificamente) que o os ultimos governos foram fantasticos!!!

Bom dia Alexandre!
Ainda nao creio que eles acreditem no que falam. Creio que eles querem que seus aliados e eleitores acreditem. Se ha quem acreditam sao histericos. O histérico vive em um mundo fictício composto inteiramente de autopersuasão.

Simples estatísitcas como essa é que me encorajam a continuar a acreditar em alguns, poucos, muito poucos economistas brasileiros. Parabéns !!

Aproveitando a oportunidade, sugiro que vejam essa entrevista (e embate a partir dos 30min) do economista Thomas Sowell, em 1980(!!!) na qual ele desmascara tudo o que a ortodoxia de pesquisa economica prega.

https://www.youtube.com/watch?v=Y021WAdUlW8

Precisamos de mais pesquisas sem viés; precisamos de mais ecomistas sérios na TV e em programas de rádio. Precisamos nos tornar um povo que aprecie a evidencia empírica em detrimento de teorias vazias e vontades intelecualmente desonestas de burocrátas esquerdistas.

Quanto mais estudamos economia e nos inteiramos da situação do nosso país, menos esperança temos em alguma mudança.

É triste testemunhar uma argumentação política tão rasteira, amparada por uma população incapaz de interpretar os fatos e, consequentemente, à mercê de discursos e ações populistas. Infelizmente isso não é exclusividade do governo atual, o Brasil sempre foi assim, e tudo indica que ainda será por um bom tempo.

Enquanto o povo não mudar e evoluir, pode entrar o governo que for e o resultado será sempre o mesmo: A exploração abusiva de povo submisso.

Alex vc tem acesso a pesquisas eleitorais encomendadas por bancos ? E o candidato da oposição tem chance de ir para o segundo ?

Sr. Alex,

O gráfico mostra:

1- Faz quase 3 anos, a produção industrial está abaixo do máximo obtido em Jul/2011.

2- Uma diminuição da produção entre Jul/2001 e Out/2012.

Este dois fatos empíricos não vão contra a sua tese de restrição de oferta.

Abs,

Não... Reflete a restrição de oferta de mão de obra.

O SR já percebeu que Washington avança cada vez mais sobre os indivíduos nos EUA ?

E o FED imprimindo dinheiro sem lastro adiando o ajuste da economia,e o numero de pessoas vivendo as custas do estado aumentando.

http://spotniks.com/numero-de-assistenciados-pelo-governo-norte-americano-ja-supera-o-de-trabalhadores/

Comentem o artigo do Brasil debate por favor! Terrível!!!

http://brasildebate.com.br/928/

Será esse o melhor que a equipe ecônomica do Aécio Neves pode fazer ?

Aécio lança plano para combater a pobreza no Nordeste :: O tucano promete renda mínima de US$ 1,25 ao dia por pessoa, em programa com sete eixos

O artigo do site 'Brasil Debate' é equivocado. A base do argumento é um gráfico, que joga na conta do período liberal os dois primeiros anos do governo Collor, mas retira o período até o início do segundo mandato do governo Lula, em que boa parte da política econômica foi mantida e desmantelada sob o pretexto da crise de 2008.
Assim eles inflam o gráfico ao mudar o período base de acordo com a conveniência.

Eles usaram dados do FMI, que estão neste link (World Economic Outlook) e lá você pode ver que em poucos momentos o Brasil teve desempenho melhor que a economia mundial ou mesmo dos países emergentes.

Uau ... que política econômica mais ... 'original' !!

Aécio afirmou que está sendo definida por sua equipe econômica uma cesta de medicamentos, com prioridade para aqueles de uso contínuo, dentro do programa Digna Idade

fonte: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2014/08/24/interna_politica,561843/aecio-diz-que-havera-plus-no-ajuste-de-aposentadoria.shtml

Alex, essa vale a pena

Um comentário Orweliano, o Mantega inventou o duplicalcular a a noviconomia.