teste

sexta-feira, 30 de março de 2012

Outro momento inesquecível

Tive a honra de ser convidado para ser o patrono da turma de 2011 da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. Segue abaixo o meu discurso, assim como a foto da placa com que fui homenageado.

Em primeiro lugar, boa noite a todos.

 Para mim, mais que uma boa noite, trata-se de uma noite excelente, na verdade inesquecível.

Mal tenho o que dizer que possa expressar a satisfação e a honra de ter sido convidado para ser o patrono desta turma de 2011 da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, a popular FEA-USP. Na qualidade de ex-aluno da casa, tanto de graduação como de mestrado, foi com imensa alegria que recebi convite e, mesmo me sabendo despreparado para isso, não hesitei em aceitar esta honraria.  Assim sendo, quero, acima de tudo, agradecer à turma de formandos por este presente extraordinário e lhes desejar uma felicidade ainda maior do que a que me proporcionaram (não vai ser fácil, pelo que sinto neste exato instante). E, juntando à palavra o gesto, acrescento que não pretendo tomar muito do tempo de vocês, para que possam, o mais breve possível, comemorar com familiares e amigos esta conquista importante.

Vocês se formaram numa das melhores escolas do país e têm todo direito de estarem orgulhosos pelo feito. São poucos os que atingem o que vocês já conseguiram.

Entretanto, mesmo num momento de celebração (talvez principalmente nos momentos de celebração) cabe um tanto de reflexão acerca das responsabilidades que terão, precisamente pela formação privilegiada que construíram ao longo dos últimos anos, além da formação também privilegiada que lhes permitiu ingressar na universidade mais disputada do Brasil.

Olhem ao seu redor. Os desafios do Brasil são imensos e, se não cabe apenas aos administradores, contadores e economistas resolvê-los, é bom lembrar que nas suas áreas específicas de atuação, as tarefas são formidáveis.

A despeito de todos os problemas por que passa a economia mundial, um olhar mais cuidadoso notará que raras vezes o ambiente internacional foi tão favorável ao Brasil. A emergência da China (e da Ásia como um todo) sublinhou a importância do país como um grande produtor de commodities, trazendo ganhos inimagináveis há poucos anos, quando as exportações brasileiras se arrastavam teimosamente ao redor de US$ 75 bilhões/ano, em comparação aos mais de US$ 250 bilhões exportados no ano passado.

Ao mesmo tempo, o apetite do mundo pelo Brasil cresceu exponencialmente: o investimento estrangeiro direto, inferior a US$ 4 bilhões em 1995, o primeiro ano da estabilização, atingiu mais de US$ 66 bilhões no ano passado, um aumento de 17 vezes (quase 20% ao ano!).

Paro por aqui com números e dados. O que importa acerca das duas figuras que acabei de mencionar é como elas capturam o tremendo impacto da economia mundial sobre o Brasil, certamente um dos fatores mais relevantes para explicar o bom momento pelo qual o país passa, manifesto, inclusive, na aceleração do crescimento e das oportunidades que finalmente se oferecem a todos nós.

Todavia, se é verdade que o país se beneficiou muito deste estado de coisas, não é menos real o senso que fizemos bem menos do que poderíamos para atacar as distorções que há décadas prejudicam nosso crescimento: a educação de baixa qualidade (os aqui presentes excluídos, é claro), infraestrutura deficiente e um sistema tributário tenebroso são apenas alguns dos exemplos mais prementes de uma agenda de reformas que, a despeito da sua obviedade, não consegue se mover. Anestesiados pela onda que ergueu todos os barcos, inclusive o nosso, pouco fizemos para perenizar os ganhos que se originaram de fatores temporários, ainda que persistentes.

É precisamente aí que vejo a responsabilidade de vocês. Não é, quero deixar isto bem claro, uma exclusividade da sua geração; a minha geração (ainda ativa e, espero, por bastante tempo) tem muito a pagar ao país em termos de colaborar para o processo de aprofundamento do crescimento. Vocês, contudo, já estão sendo chamados para participar desta batalha.

Egressos da FEA, cada qual de vocês, em sua específica área de atuação – seja Administração, Contabilidade ou Economia – terá que contribuir para a racionalidade do processo produtivo, pois se trata precisamente daquilo que passaram os últimos anos estudando, ainda que o enfoque de cada uma das disciplinas seja algo distinto. Seja pelo esforço da boa gestão das empresas, seja garantindo medidas acuradas da atividade econômica e empresarial, seja ainda na análise e recomendação de políticas macro e microeconômicas, o que se espera de vocês é que traduzam seus anos de estudo em ações que busquem melhorar a eficiência econômica do país.

Não se assustem com esta responsabilidade. O que acabei de afirmar não requer que, a cada passo profissional, a cada atividade, vocês sejam obrigados a refletir profundamente o que estão fazendo para o bem do Brasil e, presumivelmente, sejam chamados a cantar o hino ao final de cada jornada de trabalho. É mais simples, podem ficar tranquilos.

Vocês passaram os últimos anos aprendendo e treinando. Da mesma forma que não se espera de um atleta que, durante salto, ou nos 100 metros rasos, repasse mentalmente cada momento do seu treinamento, não lhes será exigido, a cada instante, respostas para os muitos problemas que afligem o país. O que lhes será pedido é que, no curso de suas atividades profissionais, vocês aproveitem tudo o que estudaram, tudo o que aprenderam, para fazer o melhor possível para garantir que a racionalidade prevaleça.

Se conseguirem fazer isto, posso garantir que terão contribuído mais para o bem-estar do país do que legiões de ministros que se esforçaram (e ainda se esforçam) no sentido precisamente oposto, não necessariamente por mal, mas porque – seguindo tradições que não são as da nossa escola – deixaram de lado as lições que ali se aprende.

Sim, pelo histórico da FEA-USP, podemos esperar que alguns de vocês sejam chamados a desempenhar papéis protagonistas que gerações anteriores de “feanos” também desempenharam. Mas, mais do que isso, espero que todos vocês coloquem mais um tijolo na construção de um país melhor. Esta é sua tarefa, esta é sua responsabilidade.

Só peço um favor: se possível, também não deixem os picaretas dominarem o debate.

Mais uma vez, parabéns a vocês e muito, muito obrigado, pela honra de ser seu patrono de formatura. Desejo a todos uma carreira brilhante, reconhecimento e uma alegria ainda maior do que a me proporcionaram hoje. Tudo de bom!

Homenagem bonita (fico muito grato)

Reações:

10 comentários:

Obrigado por ter aceitado ser patrono de nossa turma e pelo discurso de ontem.

O texto da placa resume de forma institucional o respeito que tenho pelo seu trabalho e pela coragem com que defende suas ideias.
Obrigado.

Eu é que agradeço Evandro.
Abração

Alexandre,

A sua escolha é realmente motivo de merecido orgulho. Parabéns para você e para os alunos que, inteligentemente, tomaram sábia decisão.

Um ótimo final de semana.

João Melo, direto da floresta amazônica.

Parabéns para a Turma da FEA-USP e para o Patrono.

Isso prova que por mais que tentem não é fácil deter a inteligência.

Abraços a todos!!!

Parabéns para a FEA-USP e para o Patrono.

Alex,

Quando poderemos saber a disciplina que você tá lecionando no Insper? É Macroeconomía? Se sim, tem um livro ótimo chamado Macroeconomics in Emerging Markets (CUP, 2011), do Peter Montiel. Talvez possa ser intessante pra você.

É Economia Internacional? Se sim, tem os livros de Krugman-Obstfeld-Melitz e Feenstra-Taylor. São excelentes, A nível de mestrado, o melhor livro é Advanced International Trade, de Feenstra. E para a parte open macro, o já clássico e dated Foundations of International Macroeconomics, do Obstfeld-Rogoff.

O curso se chama Problemas em Economia e, ao contrário das minhas expectativas iniciais, não é uma disciplina eletiva, mas obrigatória.

Eu e o Sérgio Martins somos responsáveis pela maior parte do curso, mas a parte micro ficou com outros professores.

Minha parte é essencialmente macro e envolve a discussão de problemas concretos e como a teoria macro e um tanto de métodos quantitativos podem ser usados para tratar destes temas.

Conheço o Montiel (cheguei a pensar em usar, mas acabei concludino que não). Não há livro-texto. Um bom pedaço do curso requer que os alunos resolvam problemas pesquisando inclusive a bibliografia.

Por enquanto os temas foram mais ligados ao regime de metas e política monetária. Em breve focaremos mais na questão cambial.

Abs

Até o Fiori está batendo na Unicamp...

http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/4/4/desenvolvimentismos

E o Ricardo Carneiro ficou nervosinho com isso hahaha

http://www.valor.com.br/opiniao/2601664/desenvolvimentismos

Att,

Joao Bosco

Legal, Alex. Quem dera ser seu aluno. Mas o INSPER é carão. Quanto custa a mensualidade? 1200 $R?

O livro do Montiel é show. Acho que no Brasil deveria ser traduzido, para que pudesse ser usado masivamente nos cursos de graduação de economia.