teste

quarta-feira, 9 de junho de 2010

“El PIB de oro”

Os números do PIB divulgados ontem são impressionantes sob qualquer ótica. Descontada a sazonalidade do período, o crescimento anualizado sobre o trimestre anterior atingiu quase 11,5%. Mesmo se usarmos a média dos últimos dois trimestres (10,4% ao ano), ou dos últimos três trimestres (10% ao ano), é inevitável concluir que o país cresce a um ritmo fortíssimo. E, note-se, neste critério de avaliação, a velocidade de crescimento não resulta da fraca base de comparação do começo de 2009; é mesmo extraordinário.

Obviamente, ninguém com mais de cinco neurônios acha ruim que a economia cresça vigorosamente. A questão é saber se este ritmo de expansão é sustentável, isto é, se pode ser mantido por um longo período, ou se, pelo contrário, ocasionará desequilíbrios graves que, mais à frente, cobrarão um preço elevado em termo de redução do crescimento futuro. A alternativa correta é a segunda.

Pudemos manter esta taxa de crescimento por algum tempo, da mesma forma que uma caixa de água pode receber mais líquido que sua capacidade de vazão desde que esteja suficiente vazia no começo. Contudo, assim como a caixa se encherá de água, levando ao fatal transbordamento na medida em que o espaço vago for preenchido, também os desequilíbrios surgirão quando a capacidade ociosa se esgotar. O desafio é elevar o crescimento sustentável, ou, nos termos do nosso exemplo, a capacidade de vazão.

Embora não falte quem sugira que basta um ato de vontade, tanto a teoria econômica como a experiência de inúmeros países indicam que o crescimento de longo prazo depende essencialmente de quatro fatores. Em primeiro lugar, a demografia, por exemplo, o tamanho da força de trabalho relativamente à população total. Quanto maior esta relação, tanto mais rápido deverá ser o crescimento.

Em segundo lugar, a qualificação desta força de trabalho, tipicamente medida pelos anos de educação, devidamente ponderados pela qualidade desta educação, como aferida em exames internacionais. Provavelmente relacionado à educação, mas afetado também por outras variáveis, há também o crescimento da produtividade da economia, geralmente associada ao ambiente de negócios, arranjos institucionais (como direitos de propriedade bem definidos), e abertura comercial, entre outros.

Estes três fatores têm em comum o fato de serem pouco passíveis de alteração por políticas governamentais, exceto em prazos muito longos (basta pensar que é necessária uma geração para alterar substancialmente a qualificação da força de trabalho). O que pode ser afetado num prazo mais curto é apenas o quarto fator: o volume de investimento.

Há desenvolvimentos positivos: o ritmo de expansão do investimento tem se acelerado, atingindo mais de 30% ao ano na média dos três últimos trimestres. No entanto, mesmo depois deste crescimento vertiginoso, a formação de capital representava apenas 18% do PIB no primeiro trimestre de 2010, insuficiente para fazer o estoque de capital aumentar o bastante para acomodar uma expansão do produto superior a 4-4,5% ao ano. Estimamos que, para manter o crescimento na faixa de 5% a 5,5% ao ano, o investimento deveria atingir valor em torno de 22% do PIB, ainda bem superior ao observado.

Note-se, ademais, que a poupança bruta tem girado ao redor de 15% do PIB, apesar da crença de alguns que o investimento geraria sua própria poupança. Isto reflete em larga medida o nível elevado do gasto público, ainda na casa de 20% do PIB (contra, por exemplo, 13% do PIB em nossos pares latino-americanos).

Vale dizer, não basta querer aumentar a taxa de investimento; é imperativo que o país eleve também sua poupança, de preferência por meio da redução do consumo público. Na ausência deste ajuste, será a poupança externa, mais uma vez, que financiará o crescimento, gostem disso ou não nossos keynesianos de quermesse.

(Publicado 9/Jun/2010)

Reações:

114 comentários:

Lendo esse post e o artigo do Sr. Oreiro no Valor Econômico de hj, entendo pq alguns partícipes aqui não aguentam o professor de BSB.

1° - encara a manutenção do crescimento com um mero ato de vontade

2º - credita ao mundo a restrição ao crescimento da economia nacional.

Para um leigo com eu, a metáfora da caixa d'água explica melhor nossa situação do que qualquer artigo do professor de BSB.

O Krugman explica no blog dele hoje que os economistas estão pedindo para o Fed aumentar os juros americanos por causa do aquecimento no Brasil. Deixe os gringos se preocuparem por nós ;-)

http://krugman.blogs.nytimes.com/2010/06/09/the-seductiveness-of-demands-for-pain/

Se este é o argumento do Raghu Rajan, seria muito ruim, mas vou ler o artigo todo e depois comento brevemente.

Não é o argumento central do artigo (http://www.project-syndicate.org/commentary/rajan6/English), mas faz mesmo parte dele.

O trecho em questão é o seguinte:

"Moreover, even if corporations in the US are not hiring, corporations elsewhere are. Brazil’s unemployment rate, for example, is at lows not seen for decades. If the Fed were to accept the responsibilities of its de facto role as the world’s central banker, it would have to admit that its policy rates are not conducive to stable world growth."

Eu acho que está equivocado. Caso o mundo estivesse sob um regime de taxas de câmbio fixas (moeda única, ou padrão-ouro), sim, o Fed seria, em larga medida, o banqueiro central do mundo.

Mas as taxas de câmbio flutuam, o que dá ao BC brasileiro, entre outros, autonomia de política monetária (não confundam com a discussão sobre independência/autonomia do BC). Ou seja, o BC no Brasil pode (como está fazendo) manejar a política monetária para evitar problemas no front inflacionário.

E pode, também, adotar as políticas prudenciais necessárias para não permitir a formação de problemas nos balanços dos bancos.

Em outras palavras, não acho que o Fed tenha que guiar sua política monetária por preocupações com o resto do mundo. Já tem dor de cabeça suficiente cuidando da própria casa.

Abs

A

Uma desoneração fiscal da poupança E no investimento em infra-estrutura e capacidade produtiva traria estes beneficios para se manter um crescimento maior e por maior prazo????

Comentário super infeliz do Rajan.

Isso que dá não macroeconomista falando sobre política monetária...

Caro Alex

Uma pergunta. Por que os economistas em suas análises(falo como leigo e, portanto, conto com a possibilidade de cometer uma injusta generalização), que corretamente apontam o sofrível investimento brasileiro na qualificação da força de trabalho como um dos entraves ao desenvolvimento sustentado, não relacionam a sustentabilidade com o investimento em inovação tecnológica? Mesmo com o pouco que que sei, ouso afirmar que historicamente os países que se deram bem em termos de crescimento e geração de riqueza e bem estar investiram e investem consideravelmente em inovação tecnológica, que pressupõe tanto a a importação de tecnologia quanto o investimento em pesquisa de C&T.

Neste artigo no ESP, li pela primeira vez (desculpem se generalizo injustamente) um economista relacionando taxas de crescimento e inovação tecnológica. Eu concordo com as críticas e com as conclusões do autor.

Ele diz que entre 2003 e 2008 a valorização cambial do real frente ao dólar foi 35%. Mas a valorização dos manufaturados brasileiros foi mais de 70%.

E pergunta: "por que o desempenho do setor industrial não foi tão bom quanto o do setor primário?”

A resposta, ele diz, “não está na taxa de câmbio, porque, como vimos, os preços subiram mais do que a apreciação do real".

Conclui que o que falta é investimento em inovação tecnológica:

"A origem desse fenômeno é conhecida e bem documentada na literatura econômica: empresários só inovam quando essa é a única estratégia viável para manter a sobrevivência da empresa, e ela só será adotada após terem sido esgotadas outras alternativas menos onerosas, como o acesso privilegiado a recursos públicos e a eliminação da concorrência por meio de barreiras comerciais ou institucionais."

A quem interessa uma taxa de câmbio desvalorizada?

José T. de Araújo. Diretor do Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES)

http://www.cindesbrasil.org/

Link para o artigo:

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100605/not_imp561813,0.php

Abs.

Eu entendo que o problema é grave, porque os esquemas perversos de sucção de recursos públicos, através do BNDES, Banco do Brasil e outros mecanismos que, além da geração em gabinetes de falsos empresários, com incentivo zero para inovar e infinito para extorquir, fundamentam o perverso envolvimento do governo (já diria do Estado, porque todos os governos parecem ser da mesma matriz) com a tal da falsa privatização que deveria dar conta de investimentos na infra-estrutura, obtendo financiamento no mercado, se fosse o caso. Mas preferiram tornar tais empresas privatizadas em bancos de investimentos sem risco, garantindo-lhes um retorno real de 11,5% (um número mágico, tirado da cartola de um agiota). Claro, o setor público além de ser uma zona é parte integrante do modelo que gera as distorções que impedem um crescimento sustentável. Em outras palavras, o custo desse crescimento mostra que ele é falso ou insustentável e que o problema é político. Ambiente competitivo seria a única saída para um crescimento sustentável.

"A origem desse fenômeno é conhecida e bem documentada na literatura econômica: empresários só inovam quando essa é a única estratégia viável para manter a sobrevivência da empresa, e ela só será adotada após terem sido esgotadas outras alternativas menos onerosas, como o acesso privilegiado a recursos públicos e a eliminação da concorrência por meio de barreiras comerciais ou institucionais."

Just not true. Obviamente o autor
1) passou muito pouco tempo trabalhando em empresas (ao invez de estuda-las)

2) e/ou nunca passou um tempo em algumas das muitas empresas americanas que inovam constantemente, ou

3) nao entende o que e inovacao (que nao e apenas tecnologica)

PIG

Falo como engenheiro, não como economista: quem faz a inovação são as pessoas, não a importação de tecnologias nem o gasto em centros de pesquisa. Falar de câmbio ou de incentivo ao setor industrial é só uma forma de desviar as conversas do assunto importante a longo prazo, que a a educação.

Caro Pait

"quem faz a inovação são as pessoas" Sim. Acertando e errando, inovando e copiando, as pessoas fazem tudo neste mundo. A questão é saber em quais condições podem inovar e fazer mais e melhor.

Somente depois de Lavoisier, que morreu na guilhotina, e mais exatamente na primeira metade do século XIX, é que se difunde mundialmente o conhecimento científico da redução do minério de ferro (óxido de ferro) como produto de reações termoquímicas. A tecnologia (altos-fornos) para o melhor aproveitamento desse meio externo (o minério) beneficiou-se diretamente desse conhecimento. Isto é, pela primeira vez na história os grupos humanos dão à produção do ferro e do aço uma escala que reduz significativamente o custo de produção, ao mesmo tempo em que se amplia enormemente a sua utilização em benefício dos grupos humanos

Conceitualmente, tenho grande afinidade com os trabalhos de André Leroi-Gourhan, principalmente o seu belo livro Evolução e Técnica:

"O homem não é um resultado, ele é um produto, e mesmo seu produto, um ser que soube e pode acomodar sua contingência, aproveitar a si mesmo e ao meio".

Gourhan reafirma a diversidade dos modos de apropriação dos meios técnicos, isto é, a noção de troca tecnológica entre os grupos humanos.

A vida social com o seu imenso sistema de trocas é uma opção biológica estratégica para a espécie. De acordo com Leroi-Gourhan, o que nos diferencia das espécies zoológicas é o fato de vivermos desde os primórdios em um meio técnico que tende a substituir o natural.

Nas palavras de Gourhan:

“Diferentes das espécies animais, que possuem um capital fixo de meios de aquisição e de consumo [eu observo: as espécies zoológicas são prisioneiras e, portanto, dependentes do nicho ecológico no qual estão inseridas. Por exemplo, um grupo de leões não se reproduziria fora das savanas e tenderia ao desaparecimento], os homens são todos sensivelmente iguais na sua nudez, aumentando por meio de atos conscientes a eficácia das suas unhas e da sua pele. O estudo deste invólucro artificial é a Tecnologia, as leis de desenvolvimento pertencem à economia técnica”

O trecho acima foi escrito no começo do século passado. Então, é preciso dar os descontos necessários, muito mais no estilo do que nos conceitos. Mas no fundamental o valor do livro permanece: a ideia de que a nossa diferença zoológica não será encontrada em uma dimensão metafísica, mas no fato verificável de que a espécie evolui (e é para essa noção de evolução que ele alerta em seu novo prefácio de 1964, avisando o leitor para tomar cuidado e não descambar em determinismos) em um meio técnico que tende a substituir o natural.

Acertando e errando, inovando e copiando, as pessoas fazem tudo neste mundo. A questão é saber em quais condições podem inovar e fazer mais e melhor.

Em algum lugar do mundo, e não por acaso nos centros mais dinâmicos e inovadores do capitalismo, os recursos privados e do Estado são carreados aos montes para inovação tecnológica e pequisa de C&T.

Certa vez ouvi horrorizado de um professor de ciências do antigo segundo grau da rede pública a seguinte mistificação, até hoje muito influente: "com apenas um metro quadrado de chão eu ensino ciências aos meus alunos". A frase voluntarista foi proferida como contra-argumento paulofreireano aos que defendiam o investimento do Estado na implantação de laboratórios de química e física na rede para bem ensinar ciências.

Pois é. Eu não chamaria esse pensamento grotesco de uma inovação tecnológica na educação.

é a restrição externa, estúpido!!!

E a lei de Thirlwall!!!

Pait,

Acontece que por mais educado que seja, o sujeito so investe na idéia dele (e inova, por conseqüencia) se ele achar que vai levar algum com isso. No brasil a livre iniciativa é tratada burocraticamente como uma variante da pilantragem, o que, por ironia, acaba favorecendo os pilântras! Tu já viu algum pilântra inovador?

Darwin explica: sobrevivência do mais adaptado, nosso habitat é filopilântrico.

André

Pig,

O que você disse em 1) 2) e 3), além de pedante, de forma nenhuma invalida a afirmação

"empresários só inovam quando essa é a única estratégia viável para manter a sobrevivência da empresa"

As empresas americanas inovam porque é bacana, bunito, talz?

André

Estimado Alex,

Devo ser uma de suas primeiras leitoras: sempre às 5:30 da matina. Gostei desse artigo amigo, a começar pelo espirituoso título: “El PIB de oro”, rs.

Considerando o último parágrafo: “Vale dizer, não basta querer aumentar a taxa de investimento; é imperativo que o país eleve também sua poupança, de preferência por meio da redução do consumo público. Na ausência deste ajuste, será a poupança externa, mais uma vez, que financiará o crescimento, gostem disso ou não nossos keynesianos de quermesse.”, indago: lúcidos, oikósnomós sofrem da maldição de Cassandra?

Beijos,

Lu.

Educacao sem oportunidades não serve para nada. Veja Cuba, Russia e a China do Mao. Ambiente competitivo resume tudo. Traduzindo, basta procurar os livros textos em microeconomia e alguns de macro. Se encontrar nesses livros uma prática diferente do que aqui se faz, aqui é que se faz errado. Não existe essa coisa de que em cada país a teoria é outra - os parâmetros, talvez.

"é a restrição externa, estúpido!!!

E a lei de Thirlwall!!!"

HiiiHooohnn...

Parabéns Alex, a lógica do artigo é cristalina como sempre!

Uma provocação: se houvesse controle de capitais não poderia a autoridade monetária manter uma taxa de cambio mais depreciada, causando assim um aumento na poupança nacional (e portanto da taxa de investimento) por meio dos lucros retidos do setor exportador?! Parece ter sido esta a essencia da estratégia de crescimento do Japão, Tigres e China mais recentemente (juntamente é lógico com os outros fatores de longo prazo mencionados no seu artigo).

Keep up the good work.
Ed

Esse artigo do Oreiro merece um prêmio...na boa, como o cara se presta a publicar isso??

Estou sentindo vergonha alheia.

abs, Lucas

"Note-se, ademais, que a poupança bruta tem girado ao redor de 15% do PIB, apesar da crença de alguns que o investimento geraria sua própria poupança."

É impressionante como tanto ortodoxos quanto heterodoxos fazem um reducionismo degrandante um do outro...

Calma, Chutando a Lata! Só quis dizer que grandes gastos em centros de pesquisa e subsídios para investimentos em tecnologia viram elefantes brancos se não houver bons profissionais. Por outro lado, os profissionais competentes em geral vão precisar de mais que o "metro quadrado de terra batida" do paulofreireano. Podem dispensar os castelos mas não dispensam um ambiente favorável. Não chega a ser um pensamento maoísta ;-)

O que aconteceu com o Dr."O", foi exonerado do blog?

Chutando a Lata
Você acredita mesmo nesse mito de "educação socialista"?
O que eu vejo é um monte de zumbis que foram "alfabetizados" para cumprir uma função limitada na engrenagem de moer carne.
Que livros esse pessoal pode ler, que carreira podem escolher, que livros ou artigos podem escrever?
Camarada, a educação socialista é uma educação de mortos vivos.

SOBRE INOVACAO

Um dia japones chegou em casa e pegou a mulher dele com outro na cama.

"Moderninha, hein? Agora so' falta fumar!"

"Olhaeo' fulano. Aproveita que voce chegou mais cedo hoje, puxa essa cadeira ai', senta e aprende."

Entao vamos acabar com essa confusao mental que se criou no blog sobre o assunto. O unico cara que tem a visao clara do assunto e' o Andre'. Tenho trabalhado com estrategia industrial ha' muitos anos em varios paises. O negocio gira em torno de dois fatores: inovacao x competitividade. Isso esta' necessariamente ligado ao produto. Um processo inovador numa industria madura somente se refletira' numa maior competitividade. Discorremos sobre a materia ligeiramente no blog dias atras. Como e' usual, porcos e perolas nao combinam, num e' mesmo galera?

Outra vez: aco e' aco. O estado da arte atual satisfaz os grandes consumidores. Entao nao havera' mais um aco "revolucionario", como houve nos primordios dessa industria. Vai ser basicamente mais do mesmo ate' o dia do Juizo Final. 'A noite. Eventuais melhorias serao feitas sempre no contexto de competitividade.

Inovacao consiste em lancar produtos inexistentes. O IPad, por exemplo e' inovador. Melhorar o processo de montagem de computadores e' "competitivo". Empresas americanas que "vivem inovando", conforme comentario suino acima, o fazem porque, como disse o Andre', se nao o fizerem estarao mortas. A inovacao e' parte da razao de ser da Apple. Caso ela nao consiga mais inovar, ela desaparecera' em poucos anos. Muito poucos. Mesmo que o governo a brinde com subsidios ou contratos governamentais. Isso somente adiaria a tragedia.

A filopilantropia - outra vez,muito bem observada pelo Andre' - tem como principal consequencia o impedimento de real inovacao. Porque o canalha beneficiario da benesse simplesmente nao precisa criar nada inovador. Da mesma maneira agem subsidios governamentais. Acabam virando cabide de empregos para os suinos amigos ideologicos dos governos de esquerda, ou fonte de grana para safardanas amigos do erario dos governos de direita. Tudo em nome do povo, do bem nacional. Picaretagem.

Quem tem duvidas a respeito, procure se informar da historia dos produtos de informatica no Brasil. Um autentico faz-me-rir.

Sabem quando vao criar algo inovador tipo IPad no pais? NUNCA. Ate' porque nao tem nem ninguem tentando. O "modelito" de crescimento do Brasil e' claro: filopilantropia pros nacionais, e plataforma de manufatura pra America do Sul para os multinacionais, alem do bom e velho extrativismo. O Da Lata portanto esta' certo. O ambiente nao e' propicio para inovacao, portanto ela nao ocorre, nao importando a competencia dos profissionais locais.

O Pait tambem esta' certo quando ele comenta sobre portentosos centros de pesquisa. Eu vi muita empresa pequena fazendo coisa sui-generis por aqui. Sem centro de porra nenhuma. Mas, isso sim, movido a necessidade brutal de sobrevivencia. Quem disse que a necessidade e' a mae da invencao estava certissimo.

Ah, antes que eu me esqueca, tambem trabalhei com varios cientistas russos, egressos da URSS no chamado brain drainage. Alguem tava tirando sarro qundo usou essa expressao no caso deles. Basicamente worthless knowledge. Porque nunca tiveram a mentalidade voltada pra sobrevivencia mercadologica. Copiando MHS, eles tinham ideias boas e ideias novas; pena que as novas nao eram boas, e as boas nao eram novas.

Entao vamos para com essa arenga ideologico-bostejadora porque isso e' da cartilha do Oreiro, do Campineiro, e de outros petralhas e keynesianos que vivem da punga do seu dinheiro. (Po, quem sabe isso ae um dia vira refrao de samba-enredo!)

Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

>As empresas americanas inovam porque >é bacana, bunito, talz?

>André

Em muitos se nao quase todos os casos, sim. Se voce acha que eles inovam por que nao tem opcao, ou por causa principalmente ou somente de incentivos financeiros, voce esta enganado.

Eu tive (e tenho) a oportunidade de presenciar/observar em primeira mao inovacao tecnologica de carater realmente revolucionario.

Em geral, em lugares como Silicon Valley e Route 128 inovacao nao tem nada ou pouquissimo a ver com as alternativas competitivas das companhias. E muito mais sobre cultura e mindset.

Infelizmente, isso nao e algo que voce aprende ou descreve lendo artigos academicos (ou lendo o que for)...

PIG

O artigo do Oreiro merece uns comentários hein...

No Brasil, se formam 30 mil engenheiros por ano. Desses, não sabemos realmente quantos sabem o oficio e se o praticam. Na Coréia (do Sul, obviamente), formam 80 mil e tem uma população bem menor do que a nossa. Pergunta: quando teremos uma política pública que gere o volume de profissionais qualificados, de forma a se ter massa crítica? Além disso e principalmente: Será que é necessário esse volume de profissionais em um país em que grande parte das fábricas renovam seus equipamentos no exterior – para piorar geralmente com algum tipo de ajuda governamental , como câmbio favorável ou crédito? Essa é a política de substituição de importações do Celso Furtado, Maria da Conceicao Tavares e de toda a turma do BNDES. Como sabemos, não substituíram patavina. Os americanos estão preocupados com seus alunos de nível médio, porque eles estão em 8lugar no rank mundial em matemática. Nós estamos na lanterna e poucos se preocupam com isso. Aqui, a discussão é sobre cotas. Estão evoluindo. Vão estabelecer cotas para o doutorado. Isso sem falar na fatídica política industrial tupiniquim. Mercado nessa paulistada!

Gostei do comentário do Kleber S., é sempre bom não ser chamado de maoísta ;-) Na época da reserva de mercado tinha muita coisa para fazer rir, e algumas para fazerem chorar - aqueles poucos que estavam querendo inovar, e que foram os primeiros a quebrar. Realmente, é uma política que não ajuda a inovação.

Na Rússia, 3 setores deram certo. A matemática, o xadrez, e a música. As áreas menos afetadas pela ideologia. As melhores cabeças iam para onde tinham mais liberdade - talvez possamos dizer, onde a Rússia tinha vantagens comparativas. Na maioria das áreas mais aplicadas, em geral um desastre.

Ei! Garotada! Se na maratona científico-tecnológica, o favorito já largou laaaaá na frente, e é mais veloz que o Tupiniquim, pra que Vossas Senhorias estão discutindo acerca das estratégias de alcançá-lo????????? Na França de Victor Hugo falava-se de fechar presídios e abrir escolas. Aqui, moçada, é macabro, mas mutatis mudandis...

Kleber,

Perfeito, só discordo do seguinte

"Ate' porque nao tem nem ninguem tentando"

Tem gente pra cacete tentando. Espiríto inovador existe, ao contrário do que parece pensar o PIG, de que isto seria exclusividade das almas elevadas san francisco bay area e adjancências. O que mata a inovação no Brasil é o seguinte

1) Como eu disse no post anterior, ambiente. A burocra pra abrir uma empresa é insana, a carga tributária imoral, e é mais fácil e indolor se livrar de esposa pentelha que de um funcionário FDP. Nosso ambiente favorece sujeitos que tem grandes idéias....na área de manipulações políticas, mercadológicas, burocráticas, legais e afins. Não é a toa que Eike Batista e Daniel Dantas são dois dois dos maiores expoentes do nosso empresariado. O que eles criaram?

2) O crédito de risco no Brasil é marginal. Como normalmente é grana a fundo perdido eu chutaria que esta grana tende a ficar nos seus países de origem. Quanto ao crédito público, o governo Mula alardeou a uns anos atrás o oferecimento de crédito de risco para empreendedores. UHU! Sabe quanto? A fabulosa cifra de R$ 3M. Isso deve ser equivalente a média de grana perdida por falta de estanqueidade ao trasportá-lo na cueca.

3) Já trabalhei numa empresa inovadora brasileira (que se travestia de americana pra vender mais fácil para os gringos hahaha - forma alternativa de mitigar o risco brasil). Adivinha aonde eles conseguram o startup money? a) USA b)USA c) todas as anteriores?

3) Cultura: Vivemos tantos anos matando cachorro a grito que regra geral as crianças são educadas para não ariscar nem palitinho em jogo de purrinha. Então achar parceiros para um empreendimento é até mesmo bons cérebros dispostos a se arriscar numa pequena empresa também não é mole. O paradígma: Um emprego público ou numa estatal. Existe outro país no mundo com jornal publicado regularmente (Folha Dirigida) com o único propósito de cobrir concursos públicos?

Só pra terminar de foder tudo, o que existe de capital de risco de verdade é viciado. BNDES é piada. A Petrobras, por lei, tem que investir, uma parcela do faturamento em P&D a fundo perdido. Acho que é 1%do faturamento de certos poços mais alguma coisa de parcela de Royaties. No fim das contas dá uns 500M por ano e isso e grana para baralho, como diria o Kleber. Só que é uma grana viciada que tá indo pelo ralo. Primeiro pq o sujeito tem que estar vinculado à uma universidade, e mesmo estando vinculado, so ganha a grana se tiver um amigo dentro da BR. Vira ação entre amigos, só para não variar. Segundo, que é grana correndo atrás de idéia em vez do contrário. Óbvio tem tudo para dar errado, e dá, afinal o cara da universidade não concorre com ninguém, seu único obejetivo é produzir qquer merda boa o bastante apenas para completar seu contrato e fim de papo.

Antes que alguém levante o assunto, acho uma m. a livre iniciativa inovadora depender de grana do governo. Acho que o governo faria muito melhor não dando um tostão pra ninguém e usando esta grana pra desonerar o ato de abrir uma empresa.

Chutando a lata,

"Será que é necessário esse volume de profissionais em um país em que grande parte das fábricas renovam seus equipamentos no exterior"

Te digo sem medo de errar: do ponto de vista das empresas, sim: A grande maioria dos engenheiros trabalhando no brasil não usa p. nenhuma do que aprendeu na graduação, e as empresas não os escolhem por isso. O diploma de engenharia é só um certificado que diz "Eu consegui passar pelo crivo de uma instituição respeitada, logo não sou um completo idiota, ou, no jargão empresarial (bleargh) sou capaz de "superar desafios"". E eles tem bons motivos pra fazer isso: Se com diploma de uma pública (estou falando de engenharia senhores!) ou de uma boa privada já é precária a situação, imagina sem!

Saudações cordiais,

André

P.S. Luciene, desculpe os palavrões, engenheiro é uma desgraça. Os economistas parecem mais polidos e elegantes, ponto para eles!

“Inovacao consiste em lancar produtos inexistentes”. Oh, waal!

Muito barulho, pouco fruto.

“Infelizmente, isso nao e algo que voce aprende ou descreve lendo artigos academicos (ou lendo o que for)...” Oh, waal!

A glorificação anti-intelectualista (paulofreireana) da sabedoria do umbigo dos arrogantes militontos da “prática prática”: “Quando Lula fala, o mundo se ilumina e tudo se esclarece”. (Marilena Chauí)

“Knowledge and power meet in one”. Se quiserem ser livres os homens precisam unir ciência e política. O aforismo baconiano "knowledge is power" pode ser traduzido assim: o conhecimento é o meio mais poderoso e seguro de conquistar a natureza. Claro está que o renascentista inglês não refere aos à bobajada vaidosa de si mesmo da “prática prática”.

“Os vaidosos são o escárnio dos homens sábios, a admiração dos tolos, os ídolos dos parentes, os escravos das suas próprias jactâncias” (Francis Bacon).

Não adianta atirar no mensageiro.

Aviso à praça que encontrei o artigo original do economista José T. De Araújo Jr:

Progresso Técnico e Desempenho Exportador: Peculiaridades do Caso Brasileiro

(Trabalho preparado para o XXII Fórum Nacional. Rio de Janeiro, 17 a 20 de maio de 2010.)

http://www.cindesbrasil.org/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=473&Itemid=41

São 16 páginas nas quais o autor, para horror dos misólogos, busca refutar com elementos lógicos e empíricos as proposições “sobre os riscos de doença holandesa no Brasil, e de eventual desindustrialização da pauta de exportações, decorrentes da contínua apreciação cambial desde 2003 (Bresser-Pereira, 2010; Pires de Souza, 2010)”. Para o autor, as evidências “indicam que o principal obstáculo ao crescimento das exportações de manufaturados não reside na taxa de câmbio, mas no precário desempenho inovador da indústria brasileira”.

O texto está divido em cinco partes. A primeira, como se viu acima, é uma introdução na qual o autor apresenta as suas fontes teóricas e as proposições que critica e as que defende. As partes seguintes:

“A seção 2 comenta a evolução do comércio exterior do país entre 1990 e 2009, examinando as interações entre os seguintes indicadores: (a) nível da taxa de câmbio real; (b) balança comercial; (c) termos de troca; (d) índices de preços e de quantidades das exportações de produtos básicos, semi-manufaturados e manufaturados; (e) coeficientes de penetração das importações desagregados por ramos industriais. A seção 3 destaca o excepcional crescimento das exportações de dois capítulos da nomenclatura tarifária, o 33, relativo a produtos de perfumaria, e o 88, relativo a equipamentos de transporte aéreo. Nestes capítulos estão incluídas as vendas externas de duas empresas, Natura e Embraer, cujo faturamento depende basicamente das inovações que lançam no mercado. A seção 4 usa algumas contribuições da literatura sobre inovação e crescimento, como as de Aghion e Griffith (2005), Arrow (1962) e Baumol (1990), para discutir o peculiar comportamento da indústria brasileira em relação à inovação tecnológica. Por fim, a seção 5 resume as conclusões do artigo.”

Em relação à inovação na indústria brasileira, está no texto a correta percepção (por óbvio que não nestes termos chulos que são meus): quem tem cu tem medo. Enfim, a competição é um poderoso agente da inovação, assertiva com a qual concorda Kleber S e creio que os demais. Portanto, conclui o autor “não há qualquer justificativa racional para o fato de que o Brasil continue sendo uma das economias mais fechadas entre os principais membros da OMC”.

PS: Os çabios poderiam me explicar no que as análises deste artigo corroboram a “arenga ideologico-bostejadora [...] da cartilha do Oreiro, do Campineiro, e de outros petralhas e keynesianos que vivem da punga do seu dinheiro”?

E Esopo contava sobre a mosca que pousada no eixo da roda dizia: “Quanta poeira faço levantar!”

ARAUJO, O SUJO

Ce ta' com a cabecinha meio fraca, num ta', cumpadre?


PAIT

Concordo plenamente com xadrez e matematica. Mas ainda nao consegui assimilar Rachmaninoff.


ANDRE

Bateu na medalhinha, cumpadre. To contigo e nao abro!

AOS SUINOS PETRALHAS

Por muitos seculos o homem levantava de manha bem cedo, via o sol nascer e pensava que ele girava em torno da Terra. Com o passar do tempo ele adquiriu a certeza disso. Quando um vagabundo arrogante chamado Aristoteles decretou que isso era cientifico, demorou quase que dois mil anos pra limpar a josta. Vejam voces portanto que uma pessoa que ve uma coisa e acha que entende o que esta' se passando, muitas vezes assim o pensa simplesmente por ser idiota. Uma pena que certas pessoas que vivem nos US e "acompanham" o processo de desenvolvimento de empresas inovadoras no Silicon Valley nao tenham aprendido porra nehuma.


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

Eu não ia falar nada....mas eu não resisto...

"Aviso à praça que encontrei o artigo original do economista José T. De Araújo Jr"

Senhores autores e comentaristas do blog: Tremei! É chegada a hora da revelação!

"Para o autor, as evidências “indicam que o principal obstáculo ao crescimento das exportações de manufaturados não reside (sic) na taxa de câmbio, mas no precário desempenho inovador da indústria brasileira”.

Aê chinezada, segundo a 1a. lei de J.Jr só exporta manufaturado quem inova, então cês tão tudo fu. Ces vêm violando essa lei a 30 anos mas agora ó...babou. J.Jr pegou vocês!

André

P.S. waal!? hummm essa Coca é Fanta...

Just off topic: E aí, galera? Alguém de vocês já leu o livro : "Monetary Policy, Inflation, and the Business Cycle:
An Introduction to the New Keynesian Framework" do Jordi Galí?http://press.princeton.edu/titles/8654.html. Se sim, por favor me digam o que acham dele (tô pensando especialmente no Alex e no Tio "O", mas qualquer outro que o tenha lido também pode me dar a sua opinião)

Abrs,

A

PIG

>Em muitos se nao quase todos os casos, sim.

UAHAHAHAHAUAHUAHUA!

Tu és um pândego, um fanfarrão! Esse tempo todo tirando onda com a nossa cara e eu não tinha entendido...1x0 pra vc!

André

Rachmaninov é pré-revolucionário. Os compositores geniais soviéticos, Prokofiev e Shostakovich, escaparam do terror por pouco. O mais seguro era tocar seu instrumento e não dizer nada, nem compor. Isso incidentalmente confirma que a economia pode crescer sem inovação - concertos de música antiga entram no PIB tanto como música moderna.

A verdadeira restrição ao crescimento da economia brasileira vem do front externo. O problema do Brasil é que a elasticidade renda das importações é muito maior do que a elasticidade renda das exportações. Nesse contexto, o crescimento acelerado só é possível, temporariamente, por intermédio do endividamento externo.

Nesse trecho o Oreiro se superou... o que que uma coisa tem a ver com a outra? Meu deus...

Mas a renda não geraria a poupança? hahahaha

De fato, a FBKF cresceu a uma taxa de 7,1% no quarto trimestre de 2009 (contra o trimestre anterior) e 7,4% no primeiro trimestre de 2010. Em termos anualizados isso significa um crescimento quase 30% da FBKF !!! Mantido esse ritmo de aumento do investimento e supondo uma expansão de 6% ao ano para a economia brasileira nos próximos 2 anos, a taxa de investimento irá atingir 27,67% do PIB em 2011 (partindo de 0,18% do PIB em 2009).

Aham, e o efeito da comparação com o TOMBO espetacular do primeiro trimestre do ano passado não vai acabar??? aaaaaaaa

0,18% do PIB? cuma?

A taxa de investimento em 2011 é a melhor parte... puta q pariu... em 2012 a gente vai tá investindo que nem a China...

André,

Nem pense em se desculpar amigo.
Não cultivo o hábito de falar palavrões, mas sei que dependendo das circunstâncias, eles são bem apropriados, rs.

Gostaria de manifestar o quanto admiro essa peculiar característica dos homens: de se divertirem tanto, entre si, sem gastar sequer 1 denarius!

Bjs.,
lu.

Gentes boas, Schumpeter caducou ou não é mais leitura obrigatória?

ANDRE'

Ae voce errou, grande cumpadre! O porco NAO e' fanfarrao. Ele e' apenas burro. Eu nao o chamo de burro porque esse apelido carinhoso eu ja' reservei para o ministro. Ate' por uma questao de versao de seu nome para a lingua-mae (dele).

Evidentemente nem so' de inovacao cresce a economia. Demografia e competitividade imperam ate' um certo ponto. A partir do ponto que o pais atinge um certo nivel, inovacao passa a ter peso crescente. Um pais campesino cuja produtividade e' estagnada, mas cuja populacao cresce, enquanto a terra aguenta, tambem cresce. Ate' o dia em que o jacare' maltusiano vem e liquida a fatura daquela galera.


A, das 17:17

Voce pagou pelo tal livro ou conseguiu ele de graca? Porque se voce pagou eu diria a voce que jogo licho fora toda terca-feira. Se voce quiser, pode vir retirar, numa boa. Assim nao preciso mais pagar a Waste Management. Ideias do enrustidao - e suas derivadas -nao valem o papel em que elas sao escritas.

E O BUXIXO NOVO (DE ONTEM, HOJE EU TO NUMAS DE ZEN)

E' que os bancos espanhois ja' nao estao encontrando financiamento na praca, exceto pelos super-grandes. Estes, ainda assim, com a caucao alema. Em se confirmando o fato, banco portchugays ja' deve estar latindo pra economizar caxorro, e aceitando deposito de bacalhau.

E um abraco de quebrar costela, do sempre teu


Kleber S.

O livro da Gali é muito bom. De forma geral, aborda os mesmos temas do livro do Woodford(2003), mas de uma maneira mais direta e, na minha opinião, mais clara. Vale a pena comprar sim...

"Gostaria de manifestar o quanto admiro essa peculiar característica dos homens: de se divertirem tanto, entre si, sem gastar sequer 1 denarius!"

hahahah isso diz muito sobre a mulheres... peço desculpas pelo comentário quase machista...

mas é que a Luciene é bem clara no que diz...

Caros, vocês viram que interessante: O Caminho da Servidão está como o livro mais vendido na Amazon esta semana.

Por isso ainda tenho esperança nos EUA. Aqui algo como isso seria impensável.

O Brasil precisa de mais liberais como um contra ponto no pensamento hegemônico e dar certo.

Sobre o tal artigo do Oreiro, a questão não é só o que está no texto, mas o que não está.

Faltou ele dizer que os defensores do câmbio flutuante não defendem apenas o câmbio flutuante. Ou seja, ele esquece de citar todas as outras questões. Basta ler os textos neste blog e veremos que há outros pontos importantes.

E outra coisa que está ausente no artigo, é como com o câmbio depreciado teremos esta explosão no investimento. Não era ele mesmo que dizia que nós estávamos condenados à desindustrialização? Faltou a explicação.

Mas basta lembrar a tese do Bresser, que mesmo com a elevação do investimento, ainda temos desindustrialização.

erro de digitação: câmbio apreciado no lugar de câmbio depreciado.

Ae galera, se quiserem zoar alguem que ocupa uma posição mais ilustre, dá uma olhada no último relatório do Ministério da Fazenda:

http://www.fazenda.gov.br/portugues/docs/perspectiva-economia-brasileira/link.htm

Highlight: Apesar das críticas e comparações com economias com baixo nível de transferência às famílias, a taxa de poupança voltou a crescer acompanhando o aumento dos investimentos. Em particular, a taxa de investimento, que amplia a oferta de bens e serviços, teve aumento de 18% sobre 2009, dos quais 1,5 p.p. decorre do aumento da poupança interna. Para os próximos anos, esperamos um crescimento substancial na taxa de poupança pública e privada.

Opa! fica ainda melhor:


A taxa de poupança doméstica brasileira é compatível com a maioria das economias ocidentais, principalmente aquelas que proporcionam maior transferência de renda às classes baixas por parte do Governo. Isso não impediu que a taxa de investimento público e privado crescesse no Brasil nos últimos anos. Ao contrário, o maior volume de transferências de renda tem ajudado a ativar a demanda doméstica, gerando maior crescimento econômico e investimentos público e privado. É este cículo virtuoso que faz aumentar a poupança doméstica e, simultaneamente, o PIB do País. A taxa de poupança brasileira deve continuar se elevando no futuro próximo, mas de modo sustentável e sem prejuízo para o próprio dinamismo da economia. É inadequado comparar nossa poupança com economias asiáticas como a da China, onde a taxa chega a 43% do PIB devido a uma estrutura de custos e benefícios totalmente diferente dos países ocidentais. As empresas, por exemplo, estão submetidas a baixos custos trabalhistas e câmbio favorável, o que se reverte em elevada lucratividade e, portanto, poupança. As famílias chinesas, por sua vez, precisam poupar grande proporção da sua renda para cobrir o consumo futuro com educação universitária, previdência e casa própria.

Perguntando ao Kleber quebra costela: se por aqui não se inova, não há competição e tudo ou quase tudo é artificial, gerando um pib percapita muito do mequetrefe, qual seria o caminho viável para o Brasil, de forma que pudéssemos aumentar o bem-estar da populaçao brasileira?

“Eu não ia falar nada....mas eu não resisto...”

“Aê chinezada, segundo a 1a. lei de J.Jr só exporta manufaturado quem inova, então cês tão tudo fu. Ces vêm violando essa lei a 30 anos mas agora ó...babou. J.Jr pegou vocês!”

Pois é. Perdeu uma boa chance de se manter calado. Mas democraticamente escolheu tagarelar.

Não sei avaliar se as proposições apresentadas pelo autor do artigo são falsas ou verdadeiras. Para emitir juízo, eu teria que examinar (pesar) as fontes teóricas e empíricas apresentadas. No entanto, sei bem reconhecer quando um texto está estruturado em termos lógicos e quando não está.

No caso, aquilo que estupidamente se afirmou ser uma lei (“a 1a. lei de J.Jr") é, em termos lógicos, uma proposição hipotética (condicional), a qual, por isso, deverá ser suportada ao longo do texto por elementos lógicos e empíricos. Portanto, a interlocução ou crítica do texto se fará com base no confronto das proposições enunciadas com os elementos que a suportam, e não com o coruscante desfile retórico de rótulos (neoliberal, keynesiano, ortodoxo, heterodoxo etc) e de impropérios contra o autor. Este desfile somente fala ao gosto dos sectários da mesma igreja.

Sem dúvida, a desonestidade intelectual é a principal marca dos sofistas de todos os tempos.

PS: Diz-se dos tagarelas que eles costumam se queixar de terem recebido da natureza apenas uma língua e dois ouvidos. Impossível dialogar com o gárrulo, pois ele não ouve. O boquirroto é como um vaso furado onde as palavras sensatas entram e saem imediatamente.

Brincando com termos da medicina, Plutarco diz que o nome da doença do falador é asingesia, ou seja, impossibilidade de manter silêncio. O outro lado da mesma doença seria a anekoía, inabilidade para escutar. Resulta numa doença, também nomeada por Plutarco, a diarréousi, diarreia da língua (Essas últimas considerações são de autoria de um bom amigo).

Para quem se interessar:

A Tagarelice E Outros Textos. Plutarco. Tradução Mariana Echalar, Ed. Landy.

"uma proposição hipotética (condicional), a qual, por isso, deverá ser suportada ao longo do texto por elementos lógicos e empíricos. Portanto, a interlocução ou crítica do texto se fará com base no confronto das proposições enunciadas com os elementos que a suportam, e não com o coruscante desfile retórico de rótulos"

Alguém deconstrói esse jargão para mim? Ou posso botar na coleção de frases fantásticas?

PLUTARCO, AAAAH, PLUTARCO!

A cabecinha do Araujo, o Sujo, sofre de confusao mental. Cumpadre, ce ta' mais confuso do que a defesa do Mexico! Respire fundo, leia o texto do Andre de novo, feche os olhos e repita comigo: "Eu sei que sou assim, mas eu hei de melhorar".


DA LATA

Vamos observar algumas coisas obvias juntos:

- Quem faz carro na Coreia? Hyundai.

- Quem faz carro no Brasil?
Volkswagen.

- Quem faz eletroeletronicos na Coreia?
Samsung.

- Quem faz eletroeletronicos no Brasil?
Phillips.

Ate' ketchup e' multinacional, Da Lata! A primeira coisa que o Brasil precisa e' desenvolver industrias nacionais que criem marca, que continuem nacionais, e que desenvolvam produtos proprios. Cade a Gradiente? Elevadores Atlas? Acos Villares? Metal Leve? Gurgel? Falidos ou multinacionalizados, numa boa ou pre-falencia.

A Samsung ja' inova. A melhor imagem em LCD e LED. E' a unica marca que ao entrar no Best Buy reconheco 'a distancia. Gradiente? Falida.

O Brasil perdeu este bonde, Da Lata. As marcas nacionais criadas com capital brasileiro entre os anos 50 e 80 em geral acabaram no Chez Luzia. As do Japao, posteriormente Coreia e agora China prosperaram.

Sorry about that.


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

PS: Ah, por que elas foram parar no Chez Luzia? Porque foram "protegidas" por uma pa' de tempo. Quando houve abertura, mesmo uma aberturazinha de merda, cheia de tarifas obscenas, crau! E' o que vai acontecer com a automobilistica se abrir amanha. O carro brasileiro e' obsceno. Porque protegido por tarifas likewise. Ae num precisa inovar: teorema do Andre'.

Não penso diferente de você, Kleber Quebra Costela. Eu apenas prefiro resumir a minha preferência política dizendo que o essencial é termos uma situação que promova uma "ambientação competitiva" que certamente nos levaria ao que você propõe.Quanto a tal da desindustrialização, sugiro que a turma entre no site da ABIMAQ que anda reclamando da situação atual e pouco pode fazer para inibir a importação de maquinas usadas pelos seus associados. Por falar nisso, quem conhece essa estatística?

Prezado Kleber S
Você disse tudo! E não me faça mais perguntas do tipo "Quem faz isso ou aquilo no Brasil?", porque me mato!Quem faz: medicamentos,eletro-eletônicos, equipamentos de petróleo (FMC!!!!!),bens de capital (Asea- Brown Bovevi, Voith, Krupp,etc, etc), postes de cimento(Cavan!!!), e tudo o mais. tem umas excessãozinhas (WEG!)

Espetacular como vc transita de dados de curto prazo (pib trimestral) para politicas estratégicas de longo prazo (demografia, educação, instituições) e tudo isso de forma sucinta e clara, ignorando (no sentido de fazê-lo irrelevante), o trade-off entre curto e longo prazo. O Brasil ainda tem chance.

http://bancaprivata.blogspot.com/2010/06/sem-comentarios.html

”Alguém deconstrói esse jargão para mim? Ou posso botar na coleção de frases fantásticas?”

Não é jargão, Pait. É um princípio elementar da lógica. Fantástico é o desconhecimento disso.

Então vamos lá. Tentarei ser didático.

Basicamente, lógica é o estudo da argumentação válida. Na lógica clássica (que não é a aristotélica), a condicional é uma afirmativa que só é falsa caso a antecedente seja verdadeira e a consequente falsa. A seguir, vamos tentar entender o que é “antecedente” e “consequente”.

Uma afirmativa com a forma "Se A, então B" é como dizer que "Se Pedro vive numa ilha (A), ele é ilhéu (B)”. O "antecedente" é A e o "consequente" é B. No caso de Pedro, a afirmativa é verdadeira porque antecedente e consequente são verdadeiros. Mas nem tudo é tão simples como parece. Na condicional "Se Deus existe, a vida faz sentido" não é preciso, por exemplo, que eu prove que é verdadeira a existência de Deus e que é falso que a vida faz sentido. Nesse caso, preciso mostrar que não há conexão conceitual entre o antecedente e o consequente, isto é, conceitualmente Deus pode existir (antecedente) sem que a vida tenha sentido (consequente).

Vamos agora tentar aplicar o que vimos rapidamente acima ao artigo em questão.

“Se existe inovação, aumenta a exportação apesar do câmbio alto”. (condicional afirmada pelo autor no artigo)

“Se existe inovação” é a antecedente.

“Aumenta a exportação apesar do câmbio” é a conseqüente.

As condicionais exprimem conexões conceituias. Então, para verificarmos se a afirmativa é falsa ou verdadeira teremos que examinar os nexos entre a antecedente e a conseqüente. Isto é, é preciso que no artigo esteja provada que a consequente (aumenta a exportação apesar do câmbio) também é verdadeira e que esta está em conexão com a primeira.

PS: Para o autor, a antecedente “existe inovação” é provada verdadeira pelos casos empíricos da Natura e da Embraer. No entanto, eu não tenho condição de pesar essa prova, pois não sei operar a balança das provas em economia. Não posso, portanto, nem afirmar e nem negar que os nexos lógicos e empíricos entre a antecedente (inovação) e a consequente (aumenta da exportação) são verdadeiros ou se esses nexos são fruto da imaginação do autor.

Desde o início minha dúvida é essa. Perguntei ao Alex, e reconheço que não da melhor forma, por que o artigo dele não incluia a inovação tecnológica no rol dos fatores do crescimento sustentado no longo prazo. Alex não respondeu. Tem os seus motivos. Eu os respeito pois aceito as boas regras da convivência civilizada. Em outras palavras, o dono do blog responde a comentaristas se quiser e, no que me diz respeito, não está obrigado a nada. Para mim, basta que Alex não pare de escrever os seus artigos porque eles me fazem pensar a economia a partir de iluminações que não imaginava possíveis.

No entanto, a mesma cortesia não dispenso aos grupelhos paroquiais e aos aspirantes a aitolá que se acham no direito de brandir suas fatwas e anathema sit aos que não se ajoelham às suas santidades.

Por último, desafio quem quer que seja a provar com base em argumentos lógicos que é verdadeira esta assertiva proposta pelo tagarela:

“Aê chinezada, segundo a 1a. lei de J.Jr só exporta manufaturado quem inova, então cês tão tudo fu. Ces vêm violando essa lei a 30 anos mas agora ó...babou. J.Jr pegou vocês!”

Não basta afirmar. É preciso provar que o autor enunciou alguma lei no artigo. Como isso nunca será provado fora do plano da retórica semi-analfabeta, reafirmo o que disse antes:

A desonestidade intelectual é a principal marca dos sofistas de todos os tempos.

Kleber S

Você que faz o tipo “brave heart” do clã dos sabidos. Então por que foge de explicitar os nexos que você afirma existir entre o artigo e a “arenga ideologico-bostejadora [...] da cartilha do Oreiro, do Campineiro, e de outros petralhas e keynesianos que vivem da punga do seu dinheiro”? O que você teme?

É Plutarco sim, Kleber S. E no teu caso: diarréousi, a diarreia da língua.

Paulo,

quem parece está incorrendo numa diarréousi é você. Se você quer defender o artigo, faça o debate.

Prove você que o artigo não defende a tese que sem inovação não há melhoria no desempenho das exportações. Você criticou o método do André, mas fez pior que ele. Ele ironizou, mas apresentou um contra-argumento. Enquanto você só ridicularizou o comentário dele.

A começar pelo título, em várias passagens ele associa inovação e desempenho nas exportações.

Se chega a ser ou não uma lei para sustentar o artigo, é discutível. Mas o centro da argumentação dele, até mesmo para refutar a tese da doença holandesa. é que inovação pode anular os efeitos da apreciação cambial.

Ou seja, pensando inversamente, se com inovações podemos compensar uma apreciação cambial e exportar mais, o que acontece se a inovação não existir?

AO ARAUJO, O SUJO

Grande, Araujo! Agora entendi a sua bronca. Tenho uma novidade pra voce: a frase que te incomodou tanto NAO foi escrita em relacao ao seu comentario postado acima.

Ela nao passou de uma alegoria metaforica diagonal obliqua, numa alusao concreta 'a visao politico-tecnocratica da esquerda em prover o numerario para atividades remotamente associadas ao processo inovador com fundos provenientes dos contribuintes. Era por conseguinte atavica e indissociavelmente ligada ao comentario do Andre'. Nada a ver com o seu post, cuja leitura eu abandonei assim que mataram Lavoisier. Ficou mais claro agora?


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

AO DA LATA

Da Lata, mermao, esqueci de postar a resposta no comentario anterior, dirigido ao dileto Araujo, o Sujo.

Desnecessario dizer que concordamos em tudo, exceto talvez por um detalhe. Pelo que eu entendi, voce acredita que com o modelo certo - com os ingredientes consensados nas mensagens acima - a situacao reverte, e o Brasil passara' a ser um pais inovador.

Sobre isso eu diria o seguinte. A Islandia tem um vulcaozao e um vulcaozinho (pelo menos um). O vulcaozinho e' esseae que entrou em erupcao e sacaneou com todo o trafego aereo europeu. O vulcaozao entra em erupcao em media a cada 50 anos. Ja' esta' mais de 20 anos overdue. Dizem os cientistas que uma erupcao do vulcaozao teria o poder de interromper toda a comunicacao na face da terra. Caso isso aconteca e dure pelos menos uns 60 anos, e o Brasil siga a nossa receita, ae tem chance. Caso contrario nao vejo como. Quando me dei conta disso, imigrei.


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

Caro Rogério

Como já disse antes, não posso defender ou atacar o que não tenho condição de examinar. Eu apenas queria saber se há alguma relação relevante entre inovação e aumento de exportação. Mas a coisa degringolou para a baixaria e não fui quem começou. Examine os comentários desde o início e tire suas conclusões.

Agradeço a sua intervenção e encerro aqui os meus comentários.

Vou me restringir à condição de leitor. Considero este blog fundamental para o meu bom entendimento do que é relevante em economia.

VACINACAO HOLANDESA


Enumeramos acima os itens que compoem o modelito economico brasileiro. Facamo-lo uma vez mais.

1- Filopilantropia: e' o metodo (batizado pelo Andre') em que o erario pari dinheiro para que vivaldinos abram empresas as mais diversas. O cambio afeta a pilantragem? Nao. O canalha nao tem a menor intencao de pagar o emprestimo.

2- Plataforma de manufatura para o mercado sul-americano: as empresas multinacionais adotaram a estrategia de montar manufacturing hubs para servir extensas areas continentais. Essa atividade e' afetada pelo cambio? Muito pouco. Uma vez que a empresa X montou sua subsidiaria sul-americana no Brasil, ela ja' esta' la'.

3- Produtos do solo e do sub-solo: tambem nao sao afetados pelo cambio. Usualmente tem cotacao em dolar. Mas o cambio nao afetaria o custo desses produtos? Sim. (QUE PUTA FRANGASSO DO BARALHO, TORCIDA! ESSE VAI PRO GUINNESS COMO O MAIOR FRANGO DA HISTORIA DAS COPAS!!!!). O maior custo nao causaria uma diminuicao das exportacoes desses produtos? Nao. Porque sao justamente ELES que causaram a apreciacao cambial. Isso ocorre justamente porque o mercado de commodities esta' superaquecido, e o ganho em preco e' muito mais expressivo que a perda em custo.

4- Outras industrias: sim, suas exportacoes sao afetadas pela valorizacao cambial. No entanto, quando ocorre a situacao descrita acima, o mercado domestico tambem esta' forte. Essas empresas focam entao no mercado domestico.

Ve-se portanto que a atividade industrial que seria potencialmente afetada por cambio valorizado e' a do item 2. Este efeito no entanto se daria no longo prazo. Vamos raciocinar como os executivos da matriz, para verificar que decisao tomariamos em funcao da apreciacao cambial brasileira pra a nossa South American Hub. Nos considerariamos entao muda-la para:

- Guianas. Nao. Num tem infra estrutura nem mao-de-obra qualificada.

- Venezuela. Nao. Tem os mesmos problemas das Guianas, alem de contar tambem com o Xavez, e a natural desestabilizacao estrutural do sistema legal que caudilhos trazem em sua esteira de destruicao.

- Colombia. Nao. Vai que as Farc ganhem a guerra. Alem disso, nenhum executivo da matriz iria topar o risco de sequestro.

- Equador. Nao. Tem os mesmos problemas da Venezuela.

- Peru. Nao. Ta' na mesma situacao das Guianas.

- Bolivia. Nao. E' uma Venezuela sem petroleo.

- Chile. Nao. Sua moeda tambem e' sensivel ao preco de commodities, portanto tao valorizada quanto o real. Alem disso vota e meia tem terremoto. Pra complicar mais ainda a situacao, a populacao e' pequena. O estoque de mao de obra especializada e' pequeno. Se a moda pega o custo explode.

- Paraguai. Nao. Vide Guianas.

- Uruguai. Nao. Vide Paraguai.

- Nogentina. Nao. Tem mao de obra, tem tamanho, mas e' longe, nao tem seguranca institucional e ta' cheia, virtualmente abarrotada de.......nogentinos! Qualquer coisa que de errado no pais vao botar a culpa na gente e nacionalizar a nossas fabricas.

Entao a unica alternativa seria exportar diretamente da matriz. Mas isso significa matar a estrategia. Defeats the purpose.

Vai dai' entao que o artigo do Alex NAO e' uma mera coincidencia estatistica. Existem razoes logicas fortissimas que explicam o fenomeno.

Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

PS: O Howard ta' fazendo um milagre atras do outro! Crosses!!!

Falando ao Kleber Quebra Costela, você está com as respostas afiadas e tenho que concordar com todas e inclusive acatar os conselhos. O problema é que já tô acima dos 55 anos e a minha aposentadoria está em jogo (como sabemos, o trabalhador CLT tupiniquim poupa pra cacete – 10% INSS+ 10% por parte do empregador +8 % FGTS, fora as prestações da casa própria que invariavelmente, quando o dragão da correção monetária é despertado, o leva a pagar pela sua casa própria mais de duas vezes do seu valor – naturalmente , alguns vão querer dizer que INSS é imposto...) e a saúde está em trajetória descendente e num plano muito inclinado, como sói acontecer com os caboclos brasileiros (eu como acompanho o obituário aqui no DF, sei que a expectativa de vida que propalam por aí é uma piada). É claro que o problema é político. A minha esperança é que esta tal de democracia possa abrir a brecha certa. Tá difícil, porque a primeira coisa que fizeram foi vedar o buraco político, pois, como sabemos, todos os políticos são corruptos – generalizo porque erro muito pouco - dando o colorido idêntico a todos os partidos, principalmente os de esquerda (O PSTU será o PT de amanha e o PT de hoje é o PMDB de ontem e por aí vai). Por isso que acato todas as formas de rebeldia, inclusive as tímidas e até as erradas, respeitando quem quer fazer a sua num quadrado todo pessoal. O que é bacana é o fato de encontrarmos gente séria no caminho, como pinta no blog do Mao Visivel que também dá a sua cota de civismo e ainda coloca os problemas brasileiros num contexto inteligente. Por isso me agrada não só a a sua participação, bem como a de outros que mostram interesse sério nos posts do blog, tal qual o André e outros, até porque também ajudam a colocar pimenta no doce dos malandros. Tenho certo que no próximo post do Alex novas idéias irão pintar, mesmo que seja numa inovação que pouco fruto dê. Um abraço e GO AHEAD.

O Kleber é um bobão com raiva do próprio país. Tem lá os seus motivos. Eu sou pró paulo araújo a quem admiro por fazer comentários de excelente nível (embora não seja infalível).
Krebão bobão daman uber savant fica por tem neurônios.
Preciso fazer um abaixo assinado para que o PA continue participando?

Rabi, Krebão bobão is at the threshold. Much anger in him. Anyway you could prevent him to slip into the dark side of the force?

AO DA LATA

Voce tem toda razao. O contato pessoal e o nivel intelectual dos debates aqui e' impar. E' um estimulo permanente 'a atividade de pensar.


AO ARAUJO, O SUJO

Eu acho que voce deveria reconsiderar, e continuar a ser um participante ativo. Quer a gente concorde com o que voce escreve, quer nao, voce estrutura um raciocinio nos seus posts. Para discordar, alguem tambem tem que fazer o mesmo. E ae todo mundo aprende um pouco.


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

PS: Da Lata, eu to meio pessimista com o destino da democracia. Num futuro nao muito distante sera' preciso uma lideranca como poucas vezes existiu para que o sistema se mantenha. A gente fala sobre isso no decorrer da semana.

AO ANONIMO DAS 20:56

Voce deveria processar seu professor de ingles, viu cumpadre? Nao? Ele ensinou direitinho, foi so' voce que nao aprendeu porra nenhuma? Ve-se aqui entao um caso curiosissimo: um fulano que e' anaufabeto em duas linguas!!!!

Ta' vendo, fulano, voce fica fazendo ataques pessoais em vez de postar raciocinios, porque voce sabe que nao se aguenta num "confronto" intelectual. Mas como eu costumo dizer, esconder a propria ignorancia e' como querer tapar o sol com a peneira. Simplesmente num da'.

Um abracao (por tras)

Do sempre teu


Kleber S.

Paulo,

o artigo que você citou trás como parte do argumento que a inovação é um fator importante no desempenho das exportações. E o André colocou um outro argumento, citando o caso da China que como "inovação" tinha apenas a mão-de-obra barata.

E antes da China foi a Coreia do Sul e Taiwan.

E durante um bom tempo a exportações deles não tinham outra característica importante que a imitação e preço baixo.

Mas não precisa parar de opinar aqui por causa da forma do debate. Basta você ver os artigos do Alex para perceber que a acidez e a ironia fazem parte deste blog. É aprender a lidar com isto. Garanto que o aprendizado é bom.

Pegando o gancho do "Da Lata".
O trabalhador CLT contribui prá caramba para o INSS... e o INSS é gerido estruturalmente como o fundo do Madoff... as chances de isso dar certo são as mesmas da fina da Copa ser entre Austrália e Eslovênia.

Krebão bobão know not difference between emigrar and imigrar. Savant analfa.

GALEGO

O problema nao e' so' ai' no Brasil. Alias, esse pais vai ser um dos ultimo a sentir o tranco colossal do esquema previdenciario madoffiano.

O estouro dessa boiada ja' comecou na Europa. Billy the Ben e Geithner aplicaram o maior conto do vigario mundial em toda essa galera desavisada que tae. Eles sabiam muito bem da "identidade maldita". Sabiam tambem que se fizessem a coisa sozinhos, iriam destruir o dollar. Entao "coordenaram" a acao toda conclamando a participacao de todo o laranjal do G20.
Qual deve ter sido o raciocinio utilizado? O mesmo da piada do americano, o japones e o leao. Pra evitar ser servido de jantar para a fera faminta, o americano NAO tinha que correr mais do que o leao, apenas mais do que o japones. Atraves da manipulacao politica dos otarios, os americanos botaram uma porcao de outras carnes entre eles e o leao. O conceito fundamental foi usar o estado pra impedir a quebra do sitema bancario. Os primeiros a abrirem o biquinho foram os baixinhos. Isso trouxe o segundo passo macabro: pra salvar os estadinhos, vao quebrar os estadoes. Mais carne pro leao. Enquanto isso a divida publica americana se valoriza, e o estado (barakistano) pode gastar mais.

Ae se da' a santa alianca da ignorancia com a venalidade do Barakistao. O povo idiota pensa que o Fede esta' salvando seus empregos; a classe media ve seus ganhos sem fazer forca na bolsa de valores recomporem seu patrimonio. E os banqueiros otherwise falidos ganham fabulas e pagam bonus e dividendos pra la' de obscenos como se nada tivesse acontecido. Enquanto isso a bomba-relogio da aposentadoria dos baby-boomers da' o seu tac final, pois no ano que vem esses fulanos comecam a se aposentar. Mas enquanto a tchurma estiver morrendo de medo do leao do bonds market, e o bichinho estiver despedacando europeu, a situacao por aqui se equilibra. O proximo pais a entrar nessa ciranda mortal e' o Japao! Ja' dissemos aqui anteriormente e repetiremos 'a exaustao: o Japao e' uma mosca em busca de um para-brisas. Com isso o Barakistao tentara' ganhar mais tempo. E' bom que essa estrategia de certo. Caso contario teremos uma Secessao. Dessa vez pra valer.

Um abraco de quebrar costela

Kleber S.

PS: A burrice do anonimo anaufabeto bilingue nao para NUNCA. Eu me encontro nos Estados Unidos, para onde eu IMIGREI. Inacreditavel que voce tenha escrito 5 palavras em ingles e cometido dois erros! Mas va' ser ruim assim no raio que o parta! Por que voce nao da' uma de esperto, e veste o manto da humildade, escrevendo bobagens na sua lingua nativa? Seria porque nao haveria um manto pra esconder a extensao da sua ignorancia? E cade o seu conteudo, hein, ignaro? Vai perguntar pro seu mentorzinho petralha o que dizer, hein?

HUHUHUHUHHOHOHOHOHHAHAHAHAHAAAAA!!!

>>Em muitos se nao quase todos os casos, sim.

> UAHAHAHAHAUAHUAHUA!

> Tu és um pândego, um fanfarrão! >Esse tempo todo tirando onda com a >nossa cara e eu não tinha >entendido...1x0 pra vc!

>André

Pode chamar do que bem entender, se isso ajuda voce a resolver os seus problemas mal resolvidos (nao me surpreende que o Kleber concorde com voce, os dois devem precisar e de um Viagra).

Eu nao te conheco, e nem tenho curiosidade, mas pelo que voce escreve voce nunca teve a oportunidade de observar inovacao de verdade em primeira mao. Eu ja trabalhei em start-ups bem e mal sucedidas, estou no BOD de varias outras e posso afirmar com certeza, e baseado em experiencia propria, que o que motiva e impulsiona os entrepreneurs mais bem sucedidos e sus companhias a inovar nao e a falta de alternativas. Que foi a besteira, o absurdo que voce escreveu. Eu so tentei te educar com uma dose de realidade.

Fanfarroes sao os bocais que acham que sabem tudo sobre qualquer assunto por que leem a Folha de Sao Paulo, o WSJ, e o blog do Alex. Voce pode teorizar e afirmar o que bem entender. Mas responda o seguinte: quantos individuos e companhias americanas que inovaram de forma significativa voce conhece bem? bem aqui significa saber como e por que 'sausage is made." Quais? Onde? Como? Eles o fizeram porque nao tinham alternativa?

Afinal, expertise como a sua so pode ser baseada em conhecimento profundo e de primeira mao. Vc deve ter visto em primeira mao pelo menos 10 ou 20 companhias extremamente inovadoras e ter determinado que todas ou a maioria inovaram porque nao tinham alternativa. Ou sera que nao sou eu o fanfarrao?


PIG

DESMASCARANDO UM PORCO

Ha' algum tempo atras, esse individuo chiqueirento, num debate sobre o health care americano, arovorou-se conhecedor do sistema porque fazia check-ups anuais na Clinica Mayo. Esse argumento em particular demonstrou que ele nao passa de um indigente intelectual, o que consiste em 50% de seu ser.

De acordo com essa caracteristica, la' vem ele de novo com o argumento de que 'eu sei porque eu experimentei'. Pode ate' ter experimentado, mas pelo visto, nao entendeu porra nenhuma, como o homem que via o sol nascer e pensava que este girava em torno da Terra.

Qual e' a outra metade da personalidade do ser suino? Isso ficou demonstrado no mesmo debate (sobre saude). Naquela ocasiao ele me chamou de mentiroso quando eu disse que o fator de maior peso na reducao de custos do sitema era "tort reform". A farsa durou apenas algumas horas, quando ofereci aos cumpadres que assim o desejassem, copia do relatorio do Congressional Budget Office onde esta assertiva era objetivamente comprovada com Sua Santidade, o Dado. Estados que implementaram tort reform reduziram substancialmente seu health care cost. Ficou claro na epoca que o suino tambem e' um indigente moral, pois nao hesita em recorrer a mentiras pra se fazer prevalecer.

Como a indigencia moral se manifestou no caso entre ele e o Andre'? Seguinte:

1- Americanos e brasileiros sao produto de imigracao europeia para o continente americano.

2- O sistema economico desenvolvido nos US deu resultados superiores.

3- O que da' resultado superior e' melhor do que o que da' resultado inferior, isso e' um truismo que talvez so' a marilenaxaui' nao concorde.

4- Esse resultado superior, segundo o suino, acontece em funcao do mind set do americano.

Isso implica portanto que o americano tem mente superior 'a do brasileiro!!! BARRABAS, MOCADA, ISSO E' EUGENIA!!!

Eu num disse em comentario sobre a questao israelense que ele era antisemita? O porco e' claramente um individuo que esposa teses nazistas!!!!

Mas agora cuidado, hein cumpadres! Voces podem ser tentados a pensar que so' porque alguem por aqui emprega o porco os americanos sejam piores. Nao entrem nessa picada porque ela seria o reverso da mesma moeda.

Muito provavelmente o motivo pelo qual o suino conhece tantos start-ups e' porque cada uma que ele bota a mao, ele quebra.


HUHUHUHUHUHOHOHOHOHOHOHOHAHAHAHAHAHAHAAAAAAAAAAAAAA!


Um abraco de quebrar costelaaaaaa!!!

Do sempre teu

Kleber S.

PIG

Pra golpear abaixo da cintura tem que ter um pouco de estilo meu velho...essa sua do viagra foi putamente sem graça e sem sentido, concorda?

Quanto ao assunto propriamente dito, vamos colocar assim: Eu acho que você deve até ser um cara gente boa, mas é duma ingênuidade de nível de grêmio estudantil, e, me desculpe a sinceridade, tal comportamento acima dos, digamos, 24-25 anos, é sintoma inequivoco de embotamento das faculdades cognitivas, popularmente conhecido como burrice. Quanto a você ser parte do BOD de alguma porra eu duvido e faço pouco.

Seu principal equivoco é que este comportamento apaixonado e desiteressado que você descreve é característica de indivíduos, não de empresas. Portanto, com uma mínima parte do que você disse eu concordo totalmente: O que motiva indivíduos inovadores não é a falta de alternativas, é a natureza do indivíduo. O cara simplesmente não tem a menor vontade de atuar em algo tradicional. Agora, quando falamos de empresas maduras, ou mesmo de pessoas maduras, que tem que pagar hipoteca, prestaçao do carro, da casa de praia, faculdade dos filhos, etc etc a coisa muda MUITO de figura. Minha impressão é que você deve ter feito aquele tour pelo google, ouviu as palestras edificantes e ficou deslumbrado.

Quer um exemplo? Quando o Page e o Brin fizeram seu PHD e posteriormente o google, certamente o que os motivou não foi falta de alternativas ou questões de sobrevivência. Anos depois, quando eles adimitiram colocar travas no google como parte da homologação requerida pelo governo xines, o que os motivou foi pura e simplesmente o desejo de botar também aquele mercado no bolso. Naquele ponto o pragmatismo já estava acima do idealismo. Quando o Steve Jobs contrata e mantém seu departamento de criação, quando a Embraer ou a Natura, para usar exemplos seus, gastam milhões em pesquisa de mercado, o que os motiva é sobrevivência pura e simples meu caro, é continuar tendo emprego no final do mês.

Se você quiser continuar este papo, faça-nos um favor: Me prove, com argumentos, que o que eu disse acima é pura batatada. Se não vamos encerrar o assunto que já encheu.

E pra retribuir o seu golpe baixo, gostaria de dizer que você é feio, bobo e cara de melão.

Saudações cordiais!

André

Paulo,

Fala sério cara, vai fugir do parquinho só porque os outros meninos implicaram um pouco com você? Todo esse papo de inovação começou com o seu texto do grande J. Jr, logo sua contribuição é positiva! Só tem umas coisas que você, na minha modesta opinião, deveria evitar. Quer ver?

Oh Wall! : Não pode. De jeito nenhum. Em nenhuma hipótese. Esquece.

Usar Platão, Plutarco, oxossi, pai tomás, caboclo sete flexas etc como argumento: Não pode, a não ser que faça algum sentido e isso é raro.

Detonar o sujeito com argumentos: Pode e deve. Quer um exemplo? Fui injusto com você naquele comentário do J. Jr, na verdade falei 1/2 merda. O Kleber apontou isso sutilmente no comentário dele, do jacaré maltusiano.

Ah, muito importante: Lê o texto com calma, umas duas vezes, pra ter certeza que você entendeu. Tu bateu no Kleber nuns dois ou três posts seguidos a toa: Ele estava concordando com vc!

Saudações cordiais,

André

Eu ja trabalhei em start-ups bem e mal sucedidas, estou no BOD de varias outras e posso afirmar com certeza, e baseado em experiencia propria, que o que motiva e impulsiona os entrepreneurs mais bem sucedidos e sus companhias a inovar nao e a falta de alternativas.

Eu sou Napoleão... Quando eu entrar na discussão eu quero ver quem vai ter argumento.... hahahaha

Belo argumento de autoridade anônima... é mesmo um fanfarrão...

... assim, ninguém vai ganhar Toddynho!

Bjs.,
lu.

No domingo passado, três manchetes nos jornais O Globo e Correio Braziliense reveladoras do modelo brasileiro - A primeira fala de que pobre também paga imposto e como paga, o que me fez lembrar de uma campanha política por remédio grátis em que se destacava que você paga impostos até quando toma um cafezinho e portanto todos têm o direito de decidir para onde os mesmos irão. Eu mesmo , como cidadão e economista, apoio essa política, bem como saúde pública em geral. A segunda reportagem fala dos grandes projetos públicos ou privados que ao invés de aumentar a riqueza da região a faveliza. O exemplo mais escrachado é o de Carajás. A terceira fala de como o campo está sendo ocupado por firmas estrangeiras - eu mesmo já fico sem saber se isso é bom ou ruim. Para terminar, lembro que a Apple , para poder efetivamente produzir seus Ipads, deve ter bolado máquinas fantásticas, tal qual o verdadeiro cientista que além das déias originais tem que inventar os mecanismos para testá-las, exatamente como fez Einsten. Tudo isso me leva a perguntar: crescimento com base nessas taxas de investimentos propaladas levam a quê? Lembrando ainda que muitos desses investimentos têm como origem o BNDES que tira da cartola mais de 150 bilhões ou quantia superior,fico mais cético ainda quanto a essa idéia de taxa de crescimento sustentável ter que se apoiar em taxas elevadas de investimento. A nossa historia passada, montada na ditadura militar, mostra que isso se deu com supressão das liberdades e com arrocho salarial e todo o tipo de privilégios para os industriais paulistas e os demais coadjuvantes oportunistas da política brasileira. Claro , poderiam argumentar de que ruim com ele, pior sem ele. Tenho minhas duvidas,porque não posso garantir a ubiqüidade dos fenômenos que aqui descrevo. De qualquer sorte, prefiro mil vezes que os políticos ataquem o problema em sua origem de que simplesmente se levante fundos para picaretas!

Kleber:

Voce ainda tem a cara de pau de trazer o debate de helathcare de volta? Pera ai, voce que parece saber e entener de tudo, nao disse que a reforma nao ia passar? O que aconteceu? Sera que voce e ainda mais burro ainda do que parece?

(quanto ao seu papo furado sobre tort reform quem foi provado idiota na epoca foi voce, porque repetiu o que leu no web site do rush limbaugh: insurance premiums de malpractice sao uma fracao minima do custo total de healthcare, e se voce for ver quanto um medico de primay care paga por ano na maioria dos estados, fica ainda mais obvio).


PIG

Andre:

voce (e os outros) pode duvidar ou acreditar no que bem entender. Voce pode me achar gente boa ou nao. Nao me interessa.

eu so tentei dividr um pouco da minha experiencia aqui em Silicon Valley, por que talvez fosse relavante para alguem que disse que inovacao so ocorre quando as companhias nao tem alternativa.

Mas sugiro o seguinte: converse com alguem que realmente conheca a cultura daqui e em quem voce confie. ter feito PhD em Stanford or in Cal Berkeley nao e o suficiente. Alguem que passou varios anos aqui, colaborando trabalhando experimentando. Alguem que tenha, como eu, visto em primeira mao que na maioria das vezes inovacao nao e motivada e nao ocorre primariamente devido a quaisquer incentivos financeiros.


E obvio que todo mundo aqui quer ganhar dinheiro e ficar rico: uma casa de 3 dormitorios e 1800 sq ft em Palo Alto custa 2 milhoes de dolares....

Mas o que faz start-ups ou individuos em companhias grandes por aqui criar e perseguir inovacoes nao e a falta de opcoes. E a vontade de "win," (nao de ganhar dinheiro, mas win) de mudar o mundo, e a curiosidade intelectual. Nao tem nada a ver com falta de opcoes, como voce disse originalmente. Nao e um ato last resort.

Voce nao precisa acreditar em mim. O Kleber pode continuar escrevendo as besteiras que ele aprendeu lendo a Forbes Magazine no banheiro, com o seu tom de esperto. (a unica previsao que ele fez aqui que realmente ocorreu foi dizer que o mercado vai cair. Hah! Meu relogio quebrado vai marcar a hora certa duas vezes amanha! Genius!)

PIG

o bobinho ataca novamente:

http://jlcoreiro.wordpress.com/2010/06/13/uma-outra-politica-cambial-e-possivel-a-critica-da-critica-ortodoxa-sobre-a-viabilidade-de-uma-nova-politica-cambial-para-o-brasil/

O bobinho nao perde por esperar...

CAMBADA

Vamos mais uma vez mandar uma mensagem para o Porcalhao, que insiste em continuar com seus ataques diretamente do mangueirao.

1- O maior custo de nao have tort reform e' o da "medicina defensiva". Como o porco e' um idiota de quatro costados, ele nao consegue entender isso.

2- A reforma do sistema de saude como enviada por bobama ao congresso nao passou mesmo. Seus quesitos principais eram:

- Universalidade
- Criacao de plano governamental

Isso nao passou nem perto. Aprovou-se entao um remendo ao sistema atual pra salvar a cara do presidente.

3- Se o Porcalhao nao conseguiu atinar com as previsoes feitas neste blog pelo Kleber S., ele nao passa de um doente mental que cria suas proprias realidades. O nome comumente utilizado nessas situacoes e' esquizofrenia. O Kleber S. fez aqui dois tipos de previsoes: as que se concretizaram e as que vao se concretizar.

4- Para acabar com essa cretinice de ver um idiota completo me chamar de burro, eu proponho o seguinte: cada um de nos manda um cheque de 100 mil dolares para uma mesma pessoa, nominal ao outro. Apresentamo-nos entao para um teste de QI numa instituicao a combinar. O vencedor leva os dois cheques, e o perdedor nao so' posa para uma foto com fantasia de jumento, como tambem para de encher o saco com a sua ignorancia aqui neste blog.

Mas como e' duro falar com gente ignorante!

Um abraco de quebrar costela (aos outros)

Do sempre de voces

Kleber S.

Logo logo o Kleber e o PIG vao se encontrar em um banheiro publico para comparar o tamanho dos respectivos soldadinhos.

PORRA "O"

Sempre que eu penso que voce chegou ao cumulo da baixaria voce me surpreende com uma baixaria maior.

Cheers

Caro Cheers,
Realmente não entendi o seu comentário,
"O"

MAS NAO E' O BENEDITO, CAMBADA?


Agora o "O" vem dar uma de desentendido...
Mas num faltava mais nada aqui nesse blog!

Enquanto isso, neguinho, ou melhor dizendo, mursinho, ta' botando pra quebrar la' no Kirguistao. O pais cresceu uma barbaridade 'as custas do extrativismo mineral desde sua emancipacao do Imperio Russovietico, mas que no entanto todavia, pra falar o portugues claro, agora miau. Pra ser mais simples, as minas de ouro praticamente se exauriram. Agora entraram numas de, civilizada e islamicamente, meter xumbo no estrangeiro. Na falta de outros, estao matando uzbeques a dar com pau. Mas isso e' assunto interno do povo islamico, num e' mesmo cambada?

Gostaria de saber o que o Bichamaraty esta' "pensando" a respeito! Por que o Marolinha, o vosso energa-humanista nao se propoe a mediar o conflito? Ou pelo menos mandar ae umas "barraquinha" pra botar os refugiados. Alias, neste caso eu sugeriria mandar barraquinhas de tecido bem grosso, resistente mesmo, pra dedeu. Porque esses refugiados nao vao ter mais porra nenhuma que fazer, nem lugar nenhum pra ir por muiiiiitos anos.


E um abraco de quebrar costela


Kleber S.

Kleber,

Com essa mania de querer falar de tudo, entender de tudo, você acaba colocando o pé na boca mais vezes do que você pensa.

O conflito no Quirgistão não tem bulhufas a ver com religião... Primeiro, o Quirgistão não é "islâmico" (os quirgizes são em geral ex-comunistas, ateus e bebem como russos)... Segundo, eles não cresceram uma barbaridade (na realidade, são provavelmente mais pobres hoje em dia do que nos últimos anos da União Soviética quando eram recipientes de subsídios de Moscou)... Terceiro, menos ainda o conflito é uma questão de xenofobia (é uma briga entre duas faccões da elite proveniente da ex-União Soviética, ex-KGB contra ex-KGB).

Finalmente, você seria levado mais a sério se não vestisse seu preconceito tão abertamente.

Ás vezes, estar num mundo ineficiente pode ser de alguma serventia. Hoje, religando meu computador reserva, por alguma razão alienígena, me veio o post de sexta-feira, 10 de abril de 2009 - Ainda o fardo do economista neoclássico (ou ajoelha Polyana!). Muito interessante sob vários pontos de vista. Primeiro, uma didática simples e clara, empregando um modelo tão a gosto de muitos e a contragosto de outros tantos. Segundo, pelas criticas e os esclarecimentos de detalhes técnicos que geralmente demoram para ser filtrados pelos não-especialistas . Em terceiro, pelo encaminhamento das respostas. Naquele debate, até onde li dos comentários – quando aparecem os viadinhos, dá uma canseira sem fim (como eles correm) – só senti falta da citação de Lucas e Alvarez (Interest Rate and Inflation). Com isso, trago uma sugestão ao Alex (ganhar dinheiro): separar os posts como esse , junto com os comentários pertinentes, e publicá-lo num livro. Se a idéia for boa, não deixe de mandar o livro autografado. GO AHEAD.

Eu agora entendi.

O Kleber e aquele tipo de cara que achq que ele e o cara mais esperto do mundo - mais inteligente, experiente, e com mais conhecimento que todo mundo. Pena que os burros nao o escutem. Ou e um humorista dos ruins cuja tatica e tentar escrever a maior besteira possivel.

1. Burrao, dizer que nao houve reforma de helathcare passada pelo congresso americano requer nao so burrice mas ingnorancia de como as coisas funcionam em Washington.

2 - A proxima vez que voce for ler a Forbes ou a Fortune no banheiro para depois tagalrelar aqui o que voce acha que entende lendo dessas publicacoes profundas, faca a seguinte pesquisa: qual economista respeitado que estuda healthcare acha que tort reform tem qualquer coisa a ver com diminuir os custos de healthcare? Aqui vai uma pista, bobinho: Alguns dos estados com tort law mais liberal tem os maiores custos de healthcare.

3 - Quanto a teste de IQ, eu nao sinto a necessidade de provar pra ninguem qualquer coisa sobre a minha inteligencia. Quanto a sua, e facil de perceber que voce e bem limitado, baseado na superficialidade do que escreve, na sua postura ao escreve-lo, e na dificuldade que voce tem de seguir um raciocinio logico que te contraria.

Deve ser frustrante.

PIG

professor Alex,

Faz algum tempo que lhe sugeri publicar um livro com os melhores artigos, a idéia do chutando a lata de separar os posts, junto com os comentários pertinentes, e publicá-lo num livro" é excelente. Assim, não precisaremos guardar os artigos e comentários em folhas.
Charles.

"O"

Eu nao tenho nenhuma informacao sobre quanto algum povo bebe, nem lista de nomes de faccoes da KGB.

Sobre o fato de o Kirguistao e o Usbekistao serem islamicos, isso nao sou eu quem estou falando. O site Beyond the Wall, cuja tendencia e' desnecessario dizer, lista ambos os paises como islamicos. Entao parece que quem esta' metendo o pe' na boca e' voce. O site da Wikipedia, uma enciclopedia da web que qualquer um pode consultar de graca, corrobora o site anterior, publicando uma lista com os dois paises na mesma situacao: Ubekistao com 88% de islamicos, Kirguistao 75%, ambos sunnis.

So' pra terminar, preconceituoso e' que afronta Sua Santidade, o Dado. Esses sim, metem o pe' na boca.

PIG

"If one day you are invited to play chicken, but you say, I don't think that's a good idea, you played chicken already... and lost!"
Henry Kissinger


Sem abraco hoje, pequenez nao merece nenhum


Kleber S.

"O" METENDO O PE' NA BOCA OUTRA VEZ


Uma coisa que nao foi desconstruida no post anterior, foi a bobagem (pra nao questionar honestidade intelectual) postada pelo economista sobre as taxas de crescimento do Kirguistao. O CIA World Data Book lista as taxas daquele pais em 8.5% em 2007 e 7.6% em 2008. Acho que isso corrobora a ultima das minhas afirmativas, de que "eles tinham crescido uma barbaridade nos ultimos anos". Mas parece que o tal de "O" sabe tudo, nao e' mesmo, cumpadres, mesmo que ele tenha uma opiniao TOTALMENTE diversa de Sua Santidade, o Dado.

Do sempre amigo da verdade, e daqueles que a cultuam

Kleber S.

PS: Claro que este blog tem o direito de publicar o que quiser. Mas me parece que a ideia original do Alex sempre foi a honestidade intelectual, e nao aplauso incondicional. Se isso nao e' mais bem-vindo aqui, just let me know. Nao quero invadir espaco onde nao sou aceito.

KS, não se esquenta, não vale a pena, continua por ai divertindo e informando a galera. duvido que o Alex se oponha a isto. os teus insights da época da crise certamente fazem parte da antologia de tudo que foi falado e escrito públicamente sobre o assunto em português. privar-nos de comentários com naipe de tal potencial, por meras futricas e ciúmes juvenis, seria mesquinharia. você tá muito acima disso.

o "O" parece ser ligeiramente deslumbrado, provavelmente coisa da idade ( e de uma titulação?!). e sim, teve uma bad trip ao deitar cagação de regra sobre as ex-repúblicas soviéticas, que não é a primeira nem a última. mas ele também presta um serviço ok quando desmitifica esses voluntariosos desenvolvimentistas.

KS, se mantém por aqui, a galera que já está com as costelas calejando apela.

vê se cuida desse coração, grande abç.

;^)

“Eu nao tenho nenhuma informacao sobre quanto algum povo bebe, nem lista de nomes de faccoes da KGB.”

Sim, o que mostra que você é ignorante sobre assuntos do Quirgistão.

“Sobre o fato de o Kirguistao e o Usbekistao serem islamicos, isso nao sou eu quem estou falando. O site Beyond the Wall, cuja tendencia e' desnecessario dizer, lista ambos os paises como islamicos.”

Pela tua lógica então, a Turquia seria islâmica também (apesar do Estado secular)? E aposto que a França qualificaria como um país cristão, não? O fato é que o Quirgistão é um Estado secular, herdeiro direto da União Soviética, os quirgizes em sua ampla maioria pouco se lixam para religião (tanto que ¾ são muçulmanos que bebem como russos, o resto são russos que bebem como russos),e se você não sabe desses fatos básicos sobre o país, você é tão qualificado a se pronunciar sobre esse assunto quanto um quirgiz que pensa que Lula ganhou o prêmio Nobel de física em 1993 e brasileiros em geral seguem os cânones da Igreja Católica Romana fielmente é qualificado para se pronunciar sobre o Brasil.

"O", O SEMI-DEUS QUE PRESCINDE DE DADOS...

Agora eu preciso saber quem bebe e quem nao bebe pra poder ser conhecedor de um pais qualquer. Sobre a lista de ex-agentes da KGB, porque voce nao a publica, hein o cagador de regras? Por que voce nao tem.

Quem esta' colocando esses paises na lista de paises islamicos tambem nao sou eu. Turquia tambem faz parte dessa lista, nao importando o que Vossa Bobencia pense a respeito. O mundo nao gira me torno de voce. Por falar em Sua Santidade, o Dado, voce "esqueceu" de mencionar os dados de crescimento. Alias, voce continuou sem mencionar dado nenhum, como soe acontecer.

Sobre ser KGB x KGB, isso foi dito dos disturbios dos anos 90. Neste caso de enorme limpeza etnica eu nao consegui nenhum artigo reportando a respeito. Tem uma organizacao conhecida de todos, Human Rights Watch, cujo site traz informacoes a respeito, e coincidentemente apresenta a minha linha de raciocinio. Mas pra que dados, nao e' mesmo, ja' que Vossa Bobencia tudo o sabe por definicao.

Ah, mais uma coisinha: VB 'esqueceu" de comentar os numeros do crescimento em anos recentes. Vais ficar numas de "sem dado", como sempre ou vai fabricar os eu?


HUHUHUHUHHOHOHOHOHOHAHAHAHAHAAAAAA!


Um abracao por tras, do sempre teu


Kleber S.


PS: Valeu, Inconoclastas, aquele abraco.

"O", O SEMI-DEUS QUE PRESCINDE DE DADOS...

Agora eu preciso saber quem bebe e quem nao bebe pra poder ser conhecedor de um pais qualquer. Sobre a lista de ex-agentes da KGB, porque voce nao a publica, hein o cagador de regras? Por que voce nao tem.

Quem esta' colocando esses paises na lista de paises islamicos tambem nao sou eu. Turquia tambem faz parte dessa lista, nao importando o que Vossa Bobencia pense a respeito. O mundo nao gira me torno de voce. Por falar em Sua Santidade, o Dado, voce "esqueceu" de mencionar os dados de crescimento. Alias, voce continuou sem mencionar dado nenhum, como soe acontecer.

Sobre ser KGB x KGB, isso foi dito dos disturbios dos anos 90. Neste caso de enorme limpeza etnica eu nao consegui nenhum artigo reportando a respeito. Tem uma organizacao conhecida de todos, Human Rights Watch, cujo site traz informacoes a respeito, e coincidentemente apresenta a minha linha de raciocinio. Mas pra que dados, nao e' mesmo, ja' que Vossa Bobencia tudo o sabe por definicao.

Ah, mais uma coisinha: VB 'esqueceu" de comentar os numeros do crescimento em anos recentes. Vais ficar numas de "sem dado", como sempre ou vai fabricar os eu?


HUHUHUHUHHOHOHOHOHOHAHAHAHAHAAAAAA!


Um abracao por tras, do sempre teu


Kleber S.


PS: Valeu, Inconoclastas, aquele abraco.

Perdi a conta de quem disse o quê, mas há indícios de briga KGB x Tcheka:

http://www.nytimes.com/2010/06/16/world/asia/16kyrgyz.html

Escrevi indícios, não certeza. Parece plausível, mas notem que uma opinião correta não confirma todas as outras opiniões do autor, nem um erro as invalida.

PAIT

Voce esta' certo em seu comentario sobre o artigo citado. Eu acabei de sair do site do NYSlimes sem achar o artigo em questao. Mas o primeiro artigo que salta aos olhos do leitor naquele site fala de 400,000 refugiados, segunda a fabrica de dados da ONU. Caso o "O" nao fabrique nada melhor, sou forcado a aceitar esse. Numa populacao de 4.5 milhoes de kirguizes e 1 milhao de usbeques vivendo naquelepaiz, isso e' um exodo de proporcoes biblicas. Por isso a explicacao KGB x Cheka soa implausivel. Talvez lideres do movimento tenham algum tipo de filiacao. A Cheka soa incrivel, pois essa organizacao mudou de nome em 1922.

Isso parece com o seguinte, o':

1- Morro do Juliao
2- Nao tem volume de trafico pra todo mundo
3- Carlao Engenhao e Zezinho Maracanan partem pro exterminio mutuo
4- Carlao e' flamenguista, membro da Flavela
5- Zezinho e' Vasco, membro da Vasmorro
6- Pode-se portanto, ao bel-prazer de cada um dependendo de sua honestidade intelectual, caracterizar a briga como pela sobrvivencia do traficante mais forte, ou como um fato corriqueiro entre torcidas organizadas

Mas ce num acha que caso o Globo venha com a manchete:

"650 mortos no morro do Juliao em briga entre vascainos e flamenguistas"

a coisa vai soar meio estranha?

Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

Hey Kleber,

Você já deveria saber evitar discussão que não pode ganhar...

(1) “Agora eu preciso saber quem bebe e quem nao bebe pra poder ser conhecedor de um pais qualquer.”

Sim, se você soubesse que quirgizes bebem como russos, você saberia que como bons ex-comunistas e antes disso, súditos do Czar, eles não ligam muito para esse assunto de religião. (O que você saberia se tivesse tido oportunidade de ler sobre o país...)

(2) “Sobre a lista de ex-agentes da KGB, porque voce nao a publica, hein o cagador de regras? Por que voce nao tem.”

Quer uma lista? No wikipedia você pode encontrar a biografia de cada um dos políticos eminentes daquele país.

O primeiro presidente, Akayev, não era um membro da nomenklatura da URSS (era um acadêmico), mas ele logo trouxe os comunistas para seu governo, inclusive a atual presidente, Roza Otunbayeva, que fora chefe da representação da URSS na Unesco e embaixadora na Malásia, antes de ser ministra do Akayev.

O presidente deposto, o Bakiyev, que roubou até dizer chega, é o chefe político na região onde os riots estouraram... O neguinho que era segundo escalão no governo do Bakiyev teve que sair correndo do país para não morrer. Os tais ‘massacres étnicos’ são um power play da turma do Bakiyev (que é ‘dono’ de Osh) para voltar ao poder ou pelo menos tirar o máximo que puder do país para financiar a aposentadoria em Moscou ou São Petersburgo...

(3) “Quem esta' colocando esses paises na lista de paises islamicos tambem nao sou eu. Turquia tambem faz parte dessa lista, nao importando o que Vossa Bobencia pense a respeito.”

Se a Turquia está incluída na lista, estão usando uma definição irrelevante de país islâmico, porque o estado turco é secular.

(4) “O mundo nao gira me torno de voce. Por falar em Sua Santidade, o Dado, voce "esqueceu" de mencionar os dados de crescimento. Alias, voce continuou sem mencionar dado nenhum, como soe acontecer.”

Perdeu, Kleber. A frase que você pariu e agora quer deserdar é “O pais cresceu uma barbaridade 'as custas do extrativismo mineral desde sua emancipacao do Imperio Russovietico”. Pois bem, a taxa de crescimento anual do Quirgistão de 1992 a 2009 foi de 1.5% ao ano (Fonte: World Economic Outlook de abril de 2010), a segunda pior média de crescimento entre 14 ex-repúblicas soviéticas (Moldova cresceu –0.6% ao ano).

O caso do Quirgistão nos últimos 20 anos é de desintegração econômica. O país era um grande recipiente de subsídios da URSS, tinha uma base industrial herdada da Segunda Guerra, 2% da população eram alemães do Volga, a maioria da população nas províncias do norte era russa, havia judeus na universidade etc. Com a desintegração da URSS e consequente fim dos subsídios, o país afundou e a classe média educada de Bikshek optou pela Rússia, Israel, Alemanha etc

Sabe como é, Kleber-mané... O Tio ‘O’ fala de um monte de assuntos... que ele entende.

(5) “Sobre ser KGB x KGB, isso foi dito dos disturbios dos anos 90. Neste caso de enorme limpeza etnica eu nao consegui nenhum artigo reportando a respeito.”

O grande amigo Pait encontrou um link para o New York Times de ontem... Eu já sabia disso desde semana passada, eu devo ter melhores fontes sobre o país do que o NY...

(6) “Ah, mais uma coisinha: VB 'esqueceu" de comentar os numeros do crescimento em anos recentes. Vais ficar numas de "sem dado", como sempre ou vai fabricar os eu?”

Não tenta mudar a história, Kleber. Você descreveu o Quirgistão como país que “cresceu uma barbaridade (...) desde sua emancipacao do Imperio Russovietico.” Essa frase demonstra total ignorância (em inglês: no fucking clue) sobre a história daquele país nos últimos 20 anos. Eu apontei o erro, é uma lástima que você não tenha o equilíbrio emocional para admitir que escreveu sobre o que você não conhece.

Ciao,

“O”

"O"

Parabens pelo dado que demonstrou meu erro em generalizar os ultimos anos para um period mais longo. Contra dados nao ha' argumentos. A minha frase teria sido correta caso eu tivesse dito "anos recentes".

As informacoes que voce expos sobre a situacao politca do Kirguistao sao de conhecimento publico ha' muito anos, e somente a sua mania de cagacao de regra o permite afirmar que eu nao as soubesse. Ainda sobre o tema, nao sabia que quem bebe nao possa ter uma religiao. Alias, diz-se do Brasil que ele e' o maior pais catolico do mundo, embora o governo seja secular.

Dentro do modelo de cagacao de regra, pais islamico e' o que VOCE quer que seja. Acho portanto que se alguem tem de tratar de desiquilibrio emocional aqui e' voce, que e' incapaz de se render a evidencias que sao geralmente aceitas por reais instituicoes.

Pra terminar, voce, com sua mania de ruleshitting, define que em funcao de afiliacoes passadas se criou uma onda de refugiados das maiores de todos os tempos. Se ha' um tal artigo falando isso, isso nao torna o seu argumento correto.

Nao distorca as coisas pra desviar a atencao do meu comentario original: quando faltou pao, islamicos foram para a garganta de islamicos, e se alguem falou alguma coisa nesse blog, foi esse licho de ruleshitting-como-se-fosse-dado que voce escreveu.


Menas, "O", menas.

Kleber S.

Essa partida entre teve mais ataque e contra ataque do que a copa inteira até agora. Nem sei quem ganhou, mas parabéns aos 2 técnicos pelo estilo empolgante!

RULE SHITTING E' UMA COISA, MENTIRA PURA E ACINTOSA E' OUTRA

Fui consultar o site do World Economic Outlook Abril de 2010, que e' um relatorio de FMI.

Qualquer um que leia o relatorio citado pelo "O", podera' constatar os eguintes "erros" em seu post acima.

1- O relatorio NAO tras dados desde 1992.

2- Nao fiz as contas pra todos os paises, mas pelo menos outras duas republicas dentre as 15 ex-URSS tiveram um crescimento expressivamente menor que o Kyrgyztan. A Ucrania e' MENOR hoje do que era antes do fim do imperio. A Russia, pouco maior, mas cresceu menos do que o maldito pais em questao. Convenientemente o "O" distorce as coisas e diz que o Ktan era a "pior entre 14". O que tambem esta' errado. E olhem amigos, quem esta' falando NAO e' o Kleber S. E' o FMI, atraves do relatorio citado como fonte de dados pelo proprio "O".

Agora a frase de que "nos ultimos 20 anos o quadro do Quirguistao e' de desintegracao economica...o pais afundou".

Isso NAO e' erro. ISSO E' MENTIRA. QUEM ESCREVEU ISSO NAO PASSA DE UM EMBUSTEIRO QUE ESTA' QUERENDO ENGANAR VOCES, AMIGOS!!!

VEJAM OS DADOS NO SITE DO FMI, NO MESMO RELATORIO CITADO PELO EMBUSTEIRO QUE QUER OS ENGANAR, REFERENTES CRESCIMENTO ANO A ANO DO KYRGYZTAN:

1993 -13.0
1994 -19.8
1995 -5.7
1996 7.0
1997 9.9
1998 2.1
1999 3.7
2000 5.4
2001 5.3
2002 0.0
2003 7.0
2004 7.0
2005 0.2
2006 3.1
2007 8.5
2008 8.4
2009 2.3

Isso e' desegragecao economica? NAO. E AE NAO E' CASO DE RULESHITTING. E' UM CASO ACINTOSO DE MENTIRA. Apos o impacto inicial do fim do Imperio, com 3 anos de crescimento negativo, o Kyrgyztan cresceu pra Lula nenhum botar defeito. De 1996 a 2009 o PIB praticamente DOBROU!!!!! Isso seria "desintegracao economica"? Indicacao de que o pais "afundou"?

Evidentemente que nao.

Por isso daqui pra frente, quando eu me referir ao bloguista, o farei chamando-o de "E". De embusteiro.


E um abraco de quebrar costela


Kleber S.

Caro Kleber, agora estou na piscina me divertindo.

Sugiro que voce volte para a planilha e calcule a taxa de crescimento do PIB real (assumindo que você domina o conceito de juros compostos) e compare com os números que eu postei antes de sair abocanhando o feno com tanta fone.

A MENTIRA CONTINUA

Agora "E", de embusteiro, pego na curva da mentira, vem com historia de feno. Os numeros estao la' no tal do WEO do FMI. A lista acima mostra a do crescimento do Kyrgyztan em particular. A tal historia dos juros compostos e' outro embuste. MENTIRA. Que so' pegara' preguicoso que nao quiser ver quem vos fala a verdade e quem vos engana.

Lista de mentiras do posto do "E":


1- Que ha' dados desde 1992 no WEO de abril 2010. NAO ha'.

2- Que entre 14 ex-republicas sovieticas o Kyrgyztan e' a 13a. em termos de crescimento do PIB. Nao. E' pelo menos 12a. Digo pelo menos porque fiz as contas so' pra dois casos, Russia e Ucrania. Se ha mais alguma, nao sei. So' queria ver se havia embuste ou nao. HA'.

3- Que o quadro no Ktan e' de desagregacao economica. NAO E", EMBUSTEIRO, NAO E'. Os numeros estao postados acima, numa transcricao do site que VOCE citou. VOCE FOI PEGO NUMA MENTIRA DESLAVADA, NUMA TENTATIVA CLARA DE MANIPULAR A OPINIAO DE QUEM FREQUENTA O BLOG.

VOCE DEVERIA TER VERGONHA DISSO, em vez de vir com estoria de que alguem aqui deveria comer feno. Se feno e' alimento, deveria ir pra voce, burrao embusteiro, que pensou que todo mundo aqui e' vagabundo como voce e nao teria saco pra ir atras da SUA fonte de dados.

SE FERROU! AGORA ENTENDO PORQUE O ALEX SE IDENTIFICA, MAS VOCE NAO. Porque ele nao tem medo de nada. E' intelectualmente honesto. Voce nao. Voce mente, "E", pura e simplesmente usa um recurso sujo pra sustentar argumentos picaretas. E' assim que voce trata seus "modelitos", e'? Um economista que mente nao serve pra nada, "E". Alias, nao, errei: voce sempre pode ser usado como um mau exemplo.


E so' pra mostrar minha generosidade, posta ae o endereco ou CP. Eu moro na zona rural. Muitas fazendas por aqui plantam feno. Eu te mando um pacote fresquinho na proxima safra. Vai te fazer um bem dadado, "E"mbusteiro.

Meu conselho aos cumpadres contiua: visitem o site do WEO. Facam as continhas com "juros compostos", como o fenofilo disse. E vejam quem e' aqui que precisa do precioso vegetal.


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

Caro Kleber,
Você claramente tem algum desequilíbrio mental...
Depois eu respondo para as suas maluquices, mas enquanto isso, vai tomar um banho de água fria...

Eu me perdi. Alguém poderia resumir a discussão para mim?
Obrigado
Alex

RESUMO DA DISCUSSAO

Alex, o post acima a ilustra muito bem. Afirmacoes enganadoras com "base" em dados do World Economic Outlook de abril de 2010 foram desmascaradas. A pior delas e' de que o Kygyztan esteja em "estado de desagregacao economica ha' 20 anos". Postei os numeros acima, do mesmo site. Se esses sao numeros de desagregacao economica, realmente nao ha' mais o que conversar. Mas talvez se crie ae algum embuste pra definir desagregacao economica como algo mais exotico tipo numero de judeus que deixaram o pais, ou algo parecido.

Um grande abraco


Kleber S.

Resumindo...

Vanitas.

Bjs.,
lu.

PS.: "Vanitas vanitatum et omnia vanitas". Rei Salomão. O original é em hebraico ou aramaico.

Gostaria de ter uma explicaçao para a ideia dos juros compostos para o calculo da taxa media de crescimento do Kugstão (eh isso ?). Me parece que o ponto central é a inclusão ou não dos valores negativos ou mesmo da extensão da serie; deveria englobar um numero maior de pontos no tempo (o que seria impossível no caso). Como os numeros negativos nao se repetem, uma explicaçao para isso seria interessante - que é a propria mudança estrutural. Eu fico mais satisfeito com uma ponderaçao que mostre isso, o que me levaria a dar um peso maior para os valores mais recentes. Uma taxa de crescimento de 4 a 5% me daria um retrato adequado da situaçao. Claro, uma noçao do que está acontecendo na economia ( o tal do modelo) seria interessante para fechar o numero. De qualquer forma, acho interessante o debate sobre países que não sei nem onde ficam.

Adoráveis,
Meninos,
Rapazes,
Amigos,
Humanos...

Rogo que não se constrajam com minha presença; jamais quis ser indelicada amigos.

De coração/cordis/cuore/coeur, os con-siderio (tenho junto às estrelas).

Aprendo muito com vocês. Alké*!

Beijos e um fim de semana abundante em contemplações,

lu

PS.: Começem conferindo o sorriso crescente de Hécate/Selene nos Céus.

* do grego, coragem.

Ai ai ai...

“1- Que ha' dados desde 1992 no WEO de abril 2010. NAO ha'.”

A série de PIB real (NGDP_R) do Quirgistão começa em 1992 (Aliás eu gostaria de saber como que o Kleber imagina que pode ser calculado o crescimento em 1993 sem os dados do PIB de 1992)...

”2- Que entre 14 ex-republicas sovieticas o Kyrgyztan e' a 13a. em termos de crescimento do PIB. Nao. E' pelo menos 12a. Digo pelo menos porque fiz as contas so' pra dois casos, Russia e Ucrania. Se ha mais alguma, nao sei. So' queria ver se havia embuste ou nao. HA'.”

Na minha lista eu não contei nem Ucrânia nem Rússia, apenas comparei o Quirgistão com outras ex-repúblicas menores.

Moldova -0.56
Kyrgyz Republic 1.51
Tajikistan 2.06
Lithuania 2.16
Latvia 2.98
Kazakhstan 3.16
Uzbekistan 3.99
Mongolia 4.55
Estonia 4.80
Turkmenistan 5.66
Armenia 5.79
Georgia 5.79 (desde 1994)
Azerbaijan 6.05



”3- Que o quadro no Ktan e' de desagregacao economica. NAO E", EMBUSTEIRO, NAO E'. Os numeros estao postados acima, numa transcricao do site que VOCE citou. VOCE FOI PEGO NUMA MENTIRA DESLAVADA, NUMA TENTATIVA CLARA DE MANIPULAR A OPINIAO DE QUEM FREQUENTA O BLOG.”

Imbecil, dentre 169 países com dados desde 1992, o Quirgistão está em 150 em termos de crescimento. De 1992 a 1995, o PIB deles caiu 35%. Se isso não é desintegração econômica, eu não sei porque você tem que ser tão histérico com a crise atual...

Acabei de notar que a lista de 14 repúblicas tem apenas 13 e inclui a Mongólia que, apesar dos outdoors com gibberish em cirílico em Ulam Bator, nunca foi - obviamente - parte da União Soviética.

Na lista que eu copiei e colei eu havia esquecido tambem da Belarus (3.7%), que cresceu um bocado mais que o Quirgistao.

Voltando para os dados do WEO e o Quirgistão, eu calculei taxas de crescimento logarítmicas para os 183 países na planilha do WEO de 1980 a 2009. A contração medida no Quirgistão de 1992 a 1995 foi de 42% (em logs). Apenas 9 países na planilha experimentaram contrações maiores que 40% (Albânia, Azerbaijão, Kuwait, Quirgistão, Moldova, Ruanda, Sierra Leone, Tajiquistão e Ucrânia). Destes 9, a contração do Kuwait se deveu a uma guerra, Sierra Leone e Ruanda devido a guerra civil, e os 6 ex-soviéticos sofreram com a transição pós-comunista.