teste

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Introdução

Caros leitores do MãoVisível,

Este é meu primeiro post, inaugurando minha participação como um dos portadores das chaves do boteco aqui.

Alguns de vocês tem se perguntado, afinal quem é o “O”? Outros inclusive especularam que eu seria algum professor famoso e influente ou ex-diretor do Bacen. Que nada! “O” é não só anônimo, mas também um anônimo. Posso lhes garantir que revelar meu nome não teria nenhum grande efeito, nem meu nome seria precedido de fanfarra e clarinetas.

Outra pergunta é sobre minhas credenciais. Mas por que isso seria relevante? Digamos que eu tenha de fato uma carreira ou diploma mais impressionantes que A ou B. É possível que eu tenha mesmo. Mas se isso for o caso, eu prefiro vender meus argumentos sem tentar impressionar os leitores com argumentos de autoridade. De modo oposto, talvez eu seja um mero pensadorzinho sem realizações do que se orgulhar, mas que gostaria de ter um diálogo com sumidades da economia tupiniquim sem ser vitimado pelas minha falta de credenciais.

Entretanto, como já revelado aqui, sou de fato um doutor em economia. Com diploma de uma escola bona fide, credenciada, reconhecida etc. Tenho também um emprego que me confere um grau satisfatório de respeito de meus pares, ainda que seja e queira continuar a ser um anônimo, ”O” anônimo.

E paremos com as introduções e vamos ao essencial.

Meu objetivo aqui é dar minha contribuição para fazer um Brasil melhor. Vou fazer meu melhor para romper um pacto de complacência com trabalho de qualidade duvidosa na pesquisa econômica sobre o Brasil; vou elogiar e colocar no holofote quem fizer por merecer; e tentar disseminar pesquisa de qualidade.

Duvido que vou poder contribuir com tanta frequência como nos últimos dias, afinal estou de férias agora! E paro por aqui, porque quero terminar a resenha do Bresser-Marconi antes do final do ano.

Reações:

21 comentários:

O:

Pra começar a fazer um Brasil melhor, acho que você podia fazer um comentário realmente esclarecedor e pretensamente definitivo sobre textos como esse:

http://www.ie.ufrj.br/revista/pdfs/demanda_efetiva_investimento_e_dinamica_a_atualidade_de_kalecki.pdf

Essas ideia tem muito, mas muito espaço nas universidades brasileiras.

Acho que explicando isso metade do seu trabalho já tava feito.

abs

Doutorado em escola brasileira, "O"? Top 10 de q, mundo?

Foi mal a curiosidade, mas estou nessa epoca de decidir pra onde vou...

Dr. Ânonimo,boa noite!

Como este blog já é DEZ, claro que teremos muita coisa boa em 20dez.
FELIZ 2010 E MUITO SUCESSO EM SUA VIDA.
O Alexandre é bom D+ e você apenas vai "sofrer" um pouquinho para ser tão irônico e inteligente como ele.Mas pelo post acho que já esta no caminho rsrsrs
Que bom, agora com dois geniais colegas, a nossa ECONOMIA ficará ainda mais rica e com mais posts.
Abraço,
João Melo, direto da selva!

É uma excelente idéia evitar o argumento de autoridade.

Pena que a maior parte dos periódicos do Brasil (em economia ou não)prestigia as "autoridades".

É só ver por aí. Tem periódico de economia aceitando paper em 2 semanas !!!

Mein gott, esse texto do Possas eh impressionante!

"Entretanto, como já revelado aqui, sou de fato um doutor em economia. Com diploma de uma escola bona fide, credenciada, reconhecida etc. Tenho também um emprego que me confere um grau satisfatório de respeito de meus pares, ainda que seja e queira continuar a ser um anônimo, ”O” anônimo."

Bom, pelo que sei de teoria economica da sinalização esse seu discurso tá furado. Bom e velho "O", nossa profissão (economistas) é baseada na autoridade do conhecimento. Só depois que o Alex se tornou acessivel pelo blog que passamos a espinafrá-lo de vez. Contudo, sem esquecer que ele é um economista que tem a autoridade de ser formado em Berkley.

Velho, se for para comentar as besteiras de um anônimo qualquer vai ser melhor debater com os carinhas do espectro econômico que já são identificados, e bem mais aloprado que o Alex e vc junto.

Sem babaquice, diga onde vc se formou, quais suas credenciais.

Vou te ajudar: Sou economista formado pela UFMG e mestrado pela UNB. Viu, é simples..

KY

Deixa ver se eu entendi direito... O jumento zurra que eu sou um babaca e acha que por causa disso eu mudaria de idéia sobre minha política de privacidade?! Que charmoso!

"Deixa ver se eu entendi direito... O jumento zurra que eu sou um babaca e acha que por causa disso eu mudaria de idéia sobre minha política de privacidade?! Que charmoso!"

Uai,acho que você não entendeu não: é simples eu urrei pra vc dizer suas credenciais, é simples.

Ou tá com medinho de não ter a autoridade do conhecimento?

No seu poster de estreia você sozinho conseguiu mostrar que é muito ruim.

KY

"Uai,acho que você não entendeu não: é simples eu urrei pra vc dizer suas credenciais, é simples."

Acho que voce esqueceu o 'z' antes de 'urrei', nao? Quer que eu corrija?

Errado "O", política industrial nunca é boa.Um setor se beneficia e os outros ficam "chupando" dedo.

"ivo disse...
Errado "O", política industrial nunca é boa.Um setor se beneficia e os outros ficam "chupando" dedo."

Somente Hayek libera!

"Acho que voce esqueceu o 'z' antes de 'urrei', nao? Quer que eu corrija?"

Se isso te faz você feliz.

Prezado “O”,
Compreendo sua posição quanto ao anonimato e acho admirável sua crença na inutilidade ao debate livre e aberto de titulações e baluartes acadêmicos. Aqueles que os possuem, teoricamente devem ter capacidade de mostrar maior coerência e melhor análise de fatos e situações, caso contrário, os títulos não passam de papéis, menos úteis, por sua gramatura, que um bom rolo de papel higiênico.
Porém, apesar de compreender sua posição sobre o anonimato, não concordo com ela. Atualmente o senhor tem criticado trabalhos de pessoas identificáveis. O Oreiro, que por acaso é meu colega de instituição (não de departamento), pode cometer o erro que for, mas sabemos que foi ele, para o bem ou para o mal ele é automaticamente responsabilizado por suas opiniões, o mesmo vale para seus orientados que por ventura comprem idéias sem criticá-las.
A mesma afirmação vale para o Bresser, Marconi, Sicsú, Cardim, Canuto, Lima, Maria de Lourdes etc.
Acredito ser este blog bastante influente, ao menos aqui para a UnB isso é verdade. Creio que o Alex e você possuem ótimas posições e colocações, mas não vivemos em um regime de exceções onde o pseudônimo é pré-requisito à segurança individual. Como concordo com muito do que fala não me faz falta sua identificação nominal.
Porém, para que tenhamos um debate limpo e transparente (sei que muitas vezes os que você critica não zelam por isso, mas eles não podem ser o padrão), os que você questiona, assim como seus alunos, têm o direito de saber que você é. Afinal, agora você começa a se tornar uma referência em muitas conversas de corredor de muitas universidades, conversas essas que são tão fundamentais para a formação de nossos alunos quanto artigos e livros texto.
Lembro que a manifestação de pensamento é livre, mas o anonimato é vedado (IV, Art 5º, CF 88). Você assume, agora, importância relativamente elevada para a formação de muitos de nossos alunos para descumprir norma tão básica do debate e da vida em democracia. No debate de opiniões que hoje é travado em nosso país, temos que ser mais corretos que o Rei, mesmo sabendo que os opositores não são.
Abs
José Carneiro

meu call, mesmo sabendo que nao tenho muita certeza. É balizado pelas 'dicas' dadas pelo O

O = JMPM

Fernando

Caro Fernando, voce aparentemente acertou o genero e a nacionalidade, digo 'aparentemente' porque nunca vi o passaporte de tal figura.

Caro José Carneiro,

Fico feliz que minhas opiniões sejam tão influentes como você descreve. Custo a acreditar!

Quanto ao anonimato, eu também produzo pesquisa com meu nome assinado e se chamado a debater publicamente alguma das figuras que você mencionou, duvido que minhas opiniões sejam diferentes daquelas que eu escrevo anonimamente.

Mas participar em blog com nome assinado é algo fora das possibilidades, por ora.

Um abraço,

“O”

Caro "O",

seus comentários e os do Alex são assunto frequente entre meus alunos e de outros professores.

abs

José Carneiro

Sempre gostei das opiniões e comentários do Sr. "O" neste blog, no entanto, acho que o espaço doravante dado a ele é exagerado.
Se ele deseja mais espaço para expor seu pensamento, por que não cria um tal blog do "O"? Eu o frequentaria com enorme prazer e interesse.
Apenas desejo enfatizar que a nova parceria não é vista com bons olhos por todos os leitores deste blog.

Abraço do Pai Alex.

PS: Sr. "O", chefinho não deixa vc brincar de blog, é?

"O = JMPM"

Não posso deixar de admitir que soa como um elogio, pois o JMPM é um dos melhores economistas neste nosso sertão. Lembro-me que outro dia alguém me perguntou se eu seria o Afonso Bevilaqua... Vai ver que eu pelo menos pareço inteligente, vixe!

Anonimo e Alex:
JMPM = João Manoel de Pinho Mello

mas o O acabou de desmentir meu call. Na verdade o unico embasamento que eu tinha era que eu lembro do O falando que estudou Adm na graduacao, e fez PhD fora. Essa era a semelhanca...

O risco do erro era que JMPM faz micro, e o O aparentemente macro

Fernando