teste

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Mais GloboNews

Hoje (13/dez) devo participar do Entre Aspas discutindo a crise europeia. Se der, o vídeo será aqui postado.

Reações:

19 comentários:

Alex,
Em alguns debates você tem enfatizado a questão da falta de competitividade de alguns países da zona do Euro.
Analisando o ranking elaborado pelo Fraser Institute que mede o grau de liberdade econômica de inúmeros países podemos perceber que países como a Itália, Espanha, França, Portugal entre outros estão muito mal rankeados no sub-índice Regulação do crédito, do mercado de trabalho e dos negócios.
Só para ilustrar: a Espanha está na posição 101, Portugal está na posição 122, França está na posição 72 e a Itália está na posição 94.
Você concorda com a afirmação de que a excessiva regulação, principalmente, no mercado de trabalho nesses países é um fator que retira competitividade desses países?
Abraço.

Sim, sem dúvida. Minha questão é o que pode ter causado a apreciação da taxa real de câmbio pós-unificação., ou, de forma equivalente, o que explica a elevação do custo unitário do trabalho nestes países face à Alemanha.

Parte foi um problema macro (ingressos de capitais apreciaram o câmbio real via inflação); parte pode ser explicado por mercados de trabalho sobrerregulados, que implicam baixo crescimento da produtividade.

Abs

Alex

Longe de mim a ideia de querer pautá-lo. Embora o formato do programa [2 entrevistados com visões diferentes, quando não opostas] dificulte, gostaria de ouvir mais a respeito da sua resposta ao Cristiano. Você costuma ser claro e didático quando tem tempo para expor seu pensamento, o que é sempre muito bom para os que não têm familiaridade com a matéria.

delfim de hj no valor leu seu texto de umas semanas atrás? quase plágio!

Daqui a pouco estão assinando sua carteira na Globo News, Alex!

Paulo:

Tento elaborar um pouco mais a resposta. Para ser sincero há alguns efeitos que preciso modelar para ter mais certeza da resposta final.

Abs

"Daqui a pouco estão assinando sua carteira na Globo News"

Pelo menos uma vaga permanente no estacionamento...

Morreu André Urani. Uma perda!

O BCB acertou em reduzir as taxas de juros.

Apostou alto e levou.

Nãnãninã... Você só poderá dizer se levou caso a inflação em 2012 fique em 4,5%. Até agora errou, porque as expectativas estão firmes bem acima da meta.

alex,
permita-me uma dica: nos seus textos, vc consegue ser mais objetivo que quando dá entrevistas..acho que dá pra melhorar sua objetividade...
um abraço

É verdade Fabio. Eu me dou melhor com a palavra escrita: dá tempo para pensar, reescrever, lapidar; ao vivo ainda preciso melhorar.

Abs

Alguém avisa o Antonio Lopes ali que a Inglaterra nunca saiu do Euro..



The Anchor

Como leigo, acho inviável a tese do aumento da tal 'competitividade' como fator de estímulo para o aumento da produção e atividade econômica, como se isto fosse a solução definitiva.
Alguém sempre terá que carregar o piano; em economia também existem o lado da riqueza e a face da pobreza.
Caso todos os países do mundo fossem igualmente extremamente competitivos,....

Alex,

Dei uma olhada nos dados e realmente parece haver um desequilíbri de produtividade.

A inflação em todos os países do euro foi maior do que na Alemanha.

Além disso, a maioria tem déficit na conta corrente.

Mas será que isso é realmente relevante? Déficit em conta corrente não é um problema em si. Por que seria nesse caso?

Ao que tudo indica, o ajuste vai ser por deflação nos periféricos.

É claro que isso terá um impacto no PIB.

A minha dúvida é se o efeito da diminuição da demanda interna com o problema da produtividade pode ser fatal para as contas públicas?

É possível mensurar isso?

Abs

"Você só poderá dizer se levou caso a inflação em 2012 fique em 4,5%."

A meta é até 6,5%.

"A meta é até 6,5%"

É pensando assim que corremos o risco de estourar mesmo o teto. Vá ler o decreto; a meta é 4,5%.

Alex, eu entendo sua preocupação com a aceitação de que 6,5% está bom, pois dentro da margem de erro. MAs o que insisto é que a redução que está ocorrendo nos jutos não tem refletido na inflação dos meses subsequentes. E além disso, tivemos um trimestre sem crescimento.
Não parece uma ótima oportunidade para reduzirmos os juros? Crescimento no trimestre nulo e crise internacional?

"É pensando assim que corremos o risco de estourar mesmo o teto. Vá ler o decreto; a meta é 4,5%."

A coisa está ainda pior. Peguei o bonde andando e não sei quem estava falando, mas ontem no Conta Corrente discutia-se se um IPCA até 6,55% poderia ser arredondado para 6,5%, atendendo ao teto.