teste

terça-feira, 5 de julho de 2011

Deal breaker

A falta de respeito pelos dados não é uma característica exclusiva dos nossos picaretas. Vejam, por exemplo, o seguinte trecho do artigo de Paul Marshall e Amit Rajpal:

(...) delinquencies in Brazil (defaults in excess of 15 days) have begun to move up rapidly, from 7.8 per cent to 9.1 per cent of total loans between December 2010 and May 2011. Delinquencies are now rising at a very hectic rate. They have risen at 23 per cent in the first five months of this year in absolute terms or at an annualised rate of 55 per cent.

Exceto, é claro, que não. De acordo com dados do BC (na verdade, a média ponderada da inadimplência de pessoas físicas e jurídicas que eu calculei a partir dos números do BC) a inadimplência total de 15 a 90 dias veio de 3,5% para 4,3% (para quem se interessar, PF veio de 5,3% para 6,3% e PJ de 1,7% para 2,2%). No caso da inadimplência acima de 90 dias houve aumento de 4,6% para 5,2%. Não há nenhum número remotamente semelhante ao citado pelos autores na nota à imprensa do BC com os dados mais recentes de crédito.

Comparando com a média dos últimos 6 anos a inadimplência geral (15 dias) está 0,2% acima, por conta da PJ (0,4% acima), já que a PF está 0,1% abaixo da média no período. No número de 90 dias, a inadimplência está 0,4% acima da média histórica, novamente puxada pela PJ (+1,2%), enquanto a PF está 0,7% abaixo da média.

O resto do artigo pode ser espetacular e os caras podem estar cobertos de razão, mas, quando vejo uma escorregada desta, já paro de ler. E vocês?
BC data

Reações:

15 comentários:

Parando ou continuando, o que me chama a atenção é que nos últimos dias tem havido uma insistência no tema, especialmente no FT. Essa escorregada mostra a minha preocupação, há uma forçada de barra, não sei com qual propósito,ou posso imaginar, mas não gosto de acreditar. O que me preocupa é a paralização de um governo fraco notadamente refém das mazelas do governo anterior, veja esse caso do ministério dos transportes, os caras desobedeceram na lata e a Dilma botou o rabinho no meio das pernas, por que será??

Alex,

A parte que diz qual é o comprometimento da renda com despesas de juros é verdade. E o número é assustador. 26%.

A renda dos trabalhadores está quase estagnada, e as pessoas estão consumindo com base em endividamento MUITO caro.

(não estou prevendo nenhuma catástrofe)

Xumbo neles. Uma vez que voce confie na estatistica do BC.

Abracao

Não é nem questão de confiar Kleber. Alguém poderia achar que a estatística do BC é um lixo; mas aí tem que dizer de onde tirou o número. Estes caras tiraram um número qualquer do chapéu, que não guarda qualquer relação com qualquer outro número publicado!

Pau neles!

Abs

Sem duvida seu argumento tem logica irretorquivel.

Abracao

Ele deve falar do estoque total nominal de crédito inadimplente (ou algo parecido).
Aproximadamente: 4,3%/3,5% dá esses 23%.
Concordo que ele tá de sacanagem, mas levando em conta que o hedge fund do autor está short em bancos do Brasil, faz mais sentido...

A

Informação que obtive é que dois setores estão preocupando: carros e imóveis, e eles tem um peso importante pelo valor agregado. Carro eu não me preocuparia tanto,mas imóveis sim.

Qual deles, A? O Eureka?


The Anchor

"Qual deles, A? O Eureka?"

Qual deles o que?

Alex, estes caras são dois gestores de fundos que falaram em bolha de subprime no Brasil no FT em Fevereiro, sendo que o credito imobiliário em relação ao PIB é 4%. Ou seja, não devem ser levados a sério.

Não sei, só sabia que ele trabalhava na Marshall & Wace ou algum nome assim..

A

Uma vez que você confie na estatística do BC. Na guerra promocional do governo PT em se auto-louvar, a primeira vítima é a estatística (Vide Argentina). Existem vários ângulos de se apresentar as estatísticas. As que aparecem nos jornais são sempre as favoráveis como aquelas que o autor do blog apresentou.
“A parte que diz qual é o comprometimento da renda com despesas de juros é verdade. E o número é assustador: 26%. A renda dos trabalhadores está quase estagnada, e as pessoas estão consumindo com base em endividamento MUITO caro”.

Tem jornalista que adora "encontrar" notícias de peso. Eu não paro de ler não, ao contrário, me interessa muito saber se foi dificuldade de álgebra ou viés político que motivou o artigo...