teste

quinta-feira, 12 de março de 2009

O que estamos celebrando mesmo?

Da Folha de S. Paulo de hoje:

"Palestrante do seminário sobre desenvolvimento realizado ontem em São Bernardo do Campo, o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, encerrou sua exposição com um prognóstico:
-Ainda neste semestre teremos juros de um dígito!
Ciente da popularidade desse bordão numa plateia repleta de sindicalistas, o apresentador repetiu:
-Vamos frisar: um dígito ainda neste semestre!"

Brilhante. O secretário comemora o fato do país enfrentar uma crise internacional sem precedentes. Eu, algo antiquado é verdade, tinha a impressão que deveríamos nos regozijar com o crescimento, mas aparentemente o maior objetivo de política econômica é ter uma taxa de juros baixa, não interessa o motivo.

Deve ser por este motivo que o Japão festeja incessantemente desde a década de 1990 e o mundo celebra a maior recessão mundial desde a Grande Depressão.

A aplicar o mesmo critério, o secretário deveria comemorar a pneumonia que o impeça de ir ao trabalho.

Reações:

91 comentários:

O Chico Buarque já falou sobre isso uma vez, Alex. Basta trocar o termo "carnaval" pro povo por "corte dos juros" para os sindicalistas. Sem motivo pra comemoração, fica claro no fim da letra que são todos loucos varridos, coitados... A pena é que essas pessoas tem um certo espaço midiático para nos atormentar...

Segue a parte final da letra. Abraço!

E um dia, afinal, tinham o direito a uma alegria fugaz
Uma ofegante epidemia que se chamava carnaval, o carnaval, o carnaval
Vai passar, palmas pra ala dos barões famintos
O bloco dos napoleões retintos
e os pigmeus do boulevard
Meu Deus, vem olhar, vem ver de perto uma cidade a cantar
A evolução da liberdade até o dia clarear
Ai que vida boa, ô lerê,
ai que vida boa, ô lará
O estandarte do sanatório geral vai passar

Uma breve googleada e descobre-se que o Nelson Barbosa é economista da UFRJ.

2010 tá demorando muito pra chegar.

Maldade sua, Alexandre.

O cara, na realidade, estava comemorando o fato de ainda podermos fazer política monetária, ao contrário dos gringos. Nossa margem de manobra ainda é grande.

Você não acha mesmo que ele só estava jogando para a torcida, capaz apenas de enxergar as árvores, mas não a floresta. Pô, o cara é secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda.

Eu fico achando que você tem alguma birra com os petistas...

Ainda sobre os juros: se continuarem caindo desse jeito e os bancos continuarem cobrando as taxas de administração absurdas dos fundos, vão perder recursos para a poupança. Tá acabando o dinheiro fácil. Neguinho vai ter que suar para garantir o bônus...

Chucky

Alex você foi a favor do corte 150 pontos na Selic?

Eu acho que o Copom poderia fazer cortes prolongados.Nas próximas reuniões o Copom vai manter o juros inalterado.

Alex,

Será que ele quis dizer "Ainda neste semestre teremos uma nova diretoria no BC!"?

Abç.

M.

Ainda sobre os juros: se continuarem caindo desse jeito e os bancos continuarem cobrando as taxas de administração absurdas dos fundos, vão perder recursos para a poupança. Tá acabando o dinheiro fácil. Neguinho vai ter que suar para garantir o bônus...

Errado, os banqueiros vão fazer lobby para abaixar o redimento da poupança, novamente.

Caro Alex, por onde anda a ameaçadora inflação de demanda que te levava, ainda em setembro/outubro de 2008, a pedir mais aumento nos juros?

"Caro Alex, por onde anda a ameaçadora inflação de demanda que te levava, ainda em setembro/outubro de 2008, a pedir mais aumento nos juros?"

Imagino que leitura não seja o seu forte. O problema que eu via à época era o risco de repasse cambial, não excesso de demanda.

Mas prometo começar em breve uma campanha para erradicação do analfabetismo econômico...

"Errado, os banqueiros vão fazer lobby para abaixar o redimento da poupança, novamente."

Nao eh bem assim. Nao existe possibilidade FISICA de trazer a SELIC para abaixo do rendimento da poupanca. Entao, ou voce eh a favor de abaixar o rendimento da poupanca, ou voce eh contra uma reducao da SELIC.

"O"

Alex, complementando a discussão, estava pensando sobre inflação ontem e queria saber a sua opinião sobre qual a possibilidade, ignorando o efeito do possível repasse cambial, de haver uma aceleração da inflação devido à redução de escala imposta agora pela crise? Abraço!

Alex você acha que se enganou a respeito dos rapasses cambiais? Porque até agora eles não foram sentidos.

Olá Alex,

Mas cadê o repasse cambial? Repasse cambial pequeno ou grande, você não advoga que justamente por termos câmbio flutuante, as eventuais crises de balanço de pgtos são atenuadas porque o câmbio faz o ajuste?
Não é o que tem ocorrido? Gostaria de entender porque a Nova Zelândia pode reduzir tanto suas tx básica e porque para nós, ela é intocável?
Afinal, qual o patamar de juros ideal? Não te parece que a excessiva disputa por este valor é mais ideológica em vista de opiniões tão díspares?
Abs

ALEXANDRE!

Eu ja' pedi uma vez e reitero meu pedido. Deixa a galera ai' abaixar os juros, meu. Quanto mais baixo, mais perto eu fico da minha cabana em Floripa!


CHUCKY

Um dia Billy the Ben, nosso bandidinho favorito tambem podia fazer politica monetaria...

Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

PS: Ronaldo Trambolho logo logo vai acabar se candidatando a presidente. Com um gol por jogo, ele vai levar de roldao.

"Nao eh bem assim. Nao existe possibilidade FISICA de trazer a SELIC para abaixo do rendimento da poupanca. Entao, ou voce eh a favor de abaixar o rendimento da poupanca, ou voce eh contra uma reducao da SELIC."

Perfeito "O". Só para lembrar, os 6% da poupança (mais TR) são livres de imposto de renda. Com a TR entre 0,5%-1,0%, a Selic não pode cair abaixo de (respectivamente) 8,4%-9,1% (tomando como base o IR de 22,5%, para aplicações até 6 meses).

"qual a possibilidade, ignorando o efeito do possível repasse cambial, de haver uma aceleração da inflação devido à redução de escala imposta agora pela crise?"

Acredito que seja muito remota, senão o que teríamos visto no período de expansão seria uma desaceleração da inflação, e vimos exatamente o oposto.

"Alex você acha que se enganou a respeito dos rapasses cambiais? Porque até agora eles não foram sentidos."

É uma possibilidade a cada dia mais concreta. Mesmo levando em consideração as defasagens (um estudo da Tatiana Pinheiro sugere até dois trimestres de defasagem), os sinais do IPA, em particular IPA industrial, são muito menores que em outros casos de forte desvalorização da moeda.

Isto dito, ainda há gente queimando estoque formado a câmbio mais baixo, sem muita preocupação com o custo de reposição. Escrevo as mal-traçadas de um iMac que comprei em SP a preço mais baixo que compraria na loja da Apple em NY. Insustentável, eu acho, mas pode estar retardando o repasse.

De qualquer forma, tenho que reconhecer que o repasse não apareceu e pode ser que não apareça.

' Não é o que tem ocorrido? Gostaria de entender porque a Nova Zelândia pode reduzir tanto suas tx básica e porque para nós, ela é intocável?"

Jairo:

A primeira parte da sua pergunta respondi acima. Quanto à segunda, te, a ver com o histórico de cada país. Na NZ (e outros) o câmbio não tem os mesmos efeitos sobre inflação que teve em episódios passados no Brasil. Nossas estimativas de repasse (da Tatiana, na verdade) põem o coeficiente na casa de 10% em 4 trimestres. Se for verdade, tira sim alguns graus de liberdade da política monetária.

Se, porém, o repasse não existir (ou for muito pequeno) pelo motivo que seja, aí o espaço para cortar juro fica maior.

Quanto à taxa ideal de juros para o país, é aquela que produz a inflação na meta.

"Nao eh bem assim. Nao existe possibilidade FISICA de trazer a SELIC para abaixo do rendimento da poupanca. Entao, ou voce eh a favor de abaixar o rendimento da poupanca, ou voce eh contra uma reducao da SELIC."

Ok, eu não sabia dessa restrição, mas a SELIC ainda ia ter q cair muito pro lobby nao funcionar... Vamos rezar por isso, pq a economia precisa de impulso monetário

O anônimo de 21:57 me lembrou o título do post.

"O que estamos rezando mesmo?"

Alex, qual a sua opiniao sobre quant funds? Você diria que eles sao melhores ou piores em momentos de "turmoil"?

T.

"Não é o que tem ocorrido? Gostaria de entender porque a Nova Zelândia pode reduzir tanto suas tx básica e porque para nós, ela é intocável?"

Posso chamar os universitários?

Essa equipe economica da fazenda brincou de casinha no ceu de brigadeiro. Agora que a cobra vai fumar o despreparo da criancada vai ficar claro. Quem conhece o dia a dia sabe muito bem a desorientacao dessa patota na hora H... que Deus tenha piedade do pais.... Brace for impact!

CARA CAMBADA

E' cedo para aplaudir queda nas taxas de juros antes de se observar os resultados. Os austriacos estavam certos sobre a causa do inicio da crise. Talvez estejam certos sobre como ela deva acabar tambem.

Vamos aguardar um bocadinho. A pressa e' inimiga da perfeicao. Por isso e' que tem tanto anao por ai'.


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

"Essa equipe economica da fazenda brincou de casinha no ceu de brigadeiro. "

A equipe da fazenda estava brincando de Fundo Soberano durante o ceu de brigadeiro. Nao merecem respeito de ninguem. Como eh que o ministro da fazenda nao pediu demissao e foi a TV dar uma entrevista denunciando a hipocrisia e irresponsabilidade do governo quando soube da decisao de se aumentar o salario minimo acima da inflacao com uma crise obvia a sua frente?

Voces viram tambem o artigo do Marolinha no FT essa semana? Segundo nosso presidente (ou seja lah quem escreve sua pauta), politicas anti-ciclicas nao devem ser adotadas apenas durante crises... Fala serio!? Isso nao eh uma piada. Daih voce comeca a entender porque a fazenda achava que estava fazendo politica fiscal seria quando mantinha o superavit primario constante durante o maior choque positivo de termos de troca em uma geracao.

"O"

Não é de se estranhar esse tipo de afirmação dentro do universo petista-sindical. Tem coisas bem piores. Dêem uma olhada no que disse recentemente uma das cabeças ideológicas do PT, palavras que com certeza fariam sucesso no seminário em São Bernardo:

" Ou seja, quando se fala em "economia real" para se referir à esfera da produção, o que se anuncia é a retomada da discussão do núcleo do modo de produção capitalista, isto é, o valor produzido pelo trabalho, e havia sido justamente isso que o monetarismo neoliberal julgara ter liquidado para sempre ao supor que poderia tratar o capital como moeda e não como resultado do processo de trabalho."

Caro Alex,
"Quanto à taxa ideal de juros para o país, é aquela que produz a inflação na meta."
Discordo dessa parte, uma das coisas que causou a crise foi que a tx de juros ficou baixa por mto tempo, tudo bem que a economia dos EUA não implementaram metas inflacionárias, porém no período em que o Greenspam deixou a FFR mto baixo não houve problemas com a inflação. E ela ajudou a criar uma inflação de ativos (setor imobiliário. Logo eu acho que a tx de juros ótima seria aquela que se importa com a inflação mas tb com os preços dos ativos. Bem é isso que eu acho mas posso ta viajando.
Victor

Alex o repasse não aconteceu porque a economia desacelerou,principalmente pela "contração" no crédito que o Brasil teve em setembro/outubro.

Se houvesse uma recuperação mais rapida do credito,aquecendp a economia poderia haver repasse da desvalorização do dolar.

alguma coisa impede abaixar o rendimento da poupança a menos q 6%?

O Nelson é PhD pela New School of Social Research, um dos últimos redutos marxistas dos EUA...

"Logo eu acho que a tx de juros ótima seria aquela que se importa com a inflação mas tb com os preços dos ativos. "

O problema eh que com um instrumento soh, fica meio dificil de acertar dois alvos diferentes.

Que tal a taxa de juros responder aa inflacao, e outro instrumento, por exemplo, requerimentos de capital ou depositos compulsorios ou impostos lidarem com os precos dos ativos?

"O"

Não quero desvirtuar o prosseguimento do tópico, porém possuo uma dúvida crucial.

Vou fazer ANPEC esse ano e estou estudando bastante para obter uma boa classificação ( pretendo ficar top 30). Caso eu consiga esse objetivo, vou fazer ou EPGE ou Puc-RJ. Eis que surge a minha dúvida: Vocês não acham que o padrão do dep. de economia da Puc está caindo? O quadro de professor está muito enxuto. Não há mais as celebridades e referências em macro que davam aula no passado. Enquanto isso, o dep. da EPGE está farto de professores com diversas linhas de pesquisa. Ou seja, vocês não acham que a Puc decaiu relativamente à EPGE nos últimos anos?

Estou enganado?

grande abraço!
Anpequiano

Alex,

é desproporcional comparar o Brasil e o Japão no quesito juro. Os parametros que fazem com que o juro seja baixo lá, não são aplicaveis aqui.

E, se essa infeliz crise econômica está dando oportunidade para que através da queda da selic outras taxas básicas da economia brasileira caiam, que mal há nisso?

Seu post me pareceu mais um argumento a favor de juros elevados, em qualquer circunstância, do que efetivamente um argumento lógico, em favor do crescimento econômico.

Isso deve ser porque os ortodoxotários não tem teórias econômica para sair de crises.

O que vc acha?

JD.

"Os parametros que fazem com que o juro seja baixo lá, não são aplicaveis aqui."

Verdadeiro, mas irrelevante. A questão é que os juros ficaram perto de zero no Japão (e agora nos EUA e RU) porque o crescimento despencou e a economia ameaçou entrar em deflação (aliás, no caso do Japão, entrou). Você acha que os japoneses saíram comemorando "oba, nossa taxa de juro é zero"?

"Seu post me pareceu mais um argumento a favor de juros elevados, em qualquer circunstância, do que efetivamente um argumento lógico, em favor do crescimento econômico."

Para um analfabeto funcional pode mesmo parecer. Quem sabe ler notará que meu argumento é que é melhor crescer do que não crescer. Se você precisa de taxas positivas (ou mais altas) em situação de crescimento elevado para manter a inflação sob controle, tudo bem. Economia ensina que coisas boas vêm com custo.

"Isso deve ser porque os ortodoxotários não tem teórias econômica para sair de crises.

O que vc acha?"

Eu não sei o que "teórias econômica" pode ser, pelo menos não na última flor do Lácio, inculta e bela, mas - até agora - os que fizeram sugestões de política econômica com começo, meio e fim são todos economistas de impecável formação neoclássica (Roubini é PhD por Harvard; Krugman pelo MIT; Caballero pelo MIT, etc, etc).

Curiosamente a quermesse não tem muito a dizer sobre o assunto (repetir "o tempo, a incerteza, os contratos" ou "quando se fala em "economia real" para se referir à esfera da produção, o que se anuncia é a retomada da discussão do núcleo do modo de produção capitalista, isto é, o valor produzido pelo trabalho, e havia sido justamente isso que o monetarismo neoliberal julgara ter liquidado para sempre ao supor que poderia tratar o capital como moeda e não como resultado do processo de trabalho" não vai tirar a economia do buraco).

Já quanto ao que eu acgo, continuo achando isto uma completa e absoluta cretinice.

Isso de falar "nota-se que tal pessoa é um economista da UFRJ" não é um pouco injusto? O Scheinkman é de lá. Graduação, é verdade, mas...

"O" disse:
"O problema eh que com um instrumento soh, fica meio dificil de acertar dois alvos diferentes.

Que tal a taxa de juros responder aa inflacao, e outro instrumento, por exemplo, requerimentos de capital ou depositos compulsorios ou impostos lidarem com os precos dos ativos?"

Concordo. Quanto aos "instrumentos" para controlar bolhas:
- Requerimentos de capital: perfeito!
- depósitos compulsórios: não seguram bolha, apenas represam liquidez, diminuindo a potência da política monetária no controle da inflação.
- impostos: complicado. Neguinho já paga imposto quando liquida operação com lucro. E se o cara carregar a posição? Você quer cobrar um imposto marcando a carteira a mercado? E quando o cara perder, você devolve os impostos sobre o prejuízo? Fora os efeitos desencorajadores dos impostos sobre investimento numa economia sem bolhas.

Chucky

Maldita Canalha Desenvolvimentista,

Vocês só fazem é descer o pau na política do BC, que, mal ou bem, entregou uma inflação moderada, próxima à meta, num ambiente de crescimento econômicos nos últimos 5 anos.

Onde é que ele errou? O que vocês fariam diferente?

O Banco Central é uma ilha de competência no mar de inoperância da política econômica petista.

Fundo Soberano Manteguiano é outro nome que se dá à parte dos recursos do Tesouro que o PT separou para distribuir entre empresários "amigos", em troca de financiamento de campanha em 2010. Espero que não consigam.

Agora que a crise chegou, a gente vai ver quem tem mais garrafa velha pra vender.

Chucky

Eu achei interessante (e fiquei desapontado, pra ser sincero) que o Alexandre usou o fato que certos economistas tem PhDs em Harvard, MIT, etc como se isso fosse credencial de qualquer valor.
Krugman, Roubini, etc tem credibilidade nao por que foram pra grad school in Cambridge, mas pelo seu trabalho apos grad school.

Alias, eu ja encontrei muito panaca com PhD de Harvard, MIT, Stanford, etc.

Pra te dar uma ideia de como as coisas sao, eu ate ja ouvi falar de Sao Paulinos em Berkeley, o que danifica a credibilidade da escola 100% (por que alem de bicha, tem que ser burro). Pelo menos parece que o cancer-bicharal em Berkeley foi restrito ao Evans Hall e nao contagiou as partes mais nobres do campus. Infelizmente a Albany Village foi fechada pelo CDC por varios anos no final da decada de 90...

Po, Alexandre, onde os caras fizeram o seu PhD e irrelevante.

PIG, PhD

PIG

CHUCKY

Concordo com voce. Imposto e' uma josta, no matter what.

Qual e' a conotacao do termo "desenvolvimentista"? Acho que nao o entendo muito bem.

CAMBADA


Pode ser que o Bacen acabe fazendo alguma besteira, vamos aguardar. Mas que esta equipe segurou a coisa pra nao deixar que os petralhas arrombassem a festa, aah, isso e' inegavel. Ate' agora entre Greenzinho, velho safado e boko-moko, Billy the Ben e Henricao, o Bao, eu obviamente fico com o ultimo. De longe...



Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

Isso de falar "nota-se que tal pessoa é um economista da UFRJ" não é um pouco injusto? O Scheinkman é de lá. Graduação, é verdade, mas...

Se for assim, você quer a lista de grandes economistas brasileiros que fizeram a graduação na UFRJ? É bem extensa. Se for por ordem alfabética, deve começar com Aloisio Araujo...

"Eu achei interessante (e fiquei desapontado, pra ser sincero) que o Alexandre usou o fato que certos economistas tem PhDs em Harvard, MIT, etc como se isso fosse credencial de qualquer valor.
Krugman, Roubini, etc tem credibilidade nao por que foram pra grad school in Cambridge, mas pelo seu trabalho apos grad school."

O ponto não era o PhD como garantia de qualidade, PIG, mas sim para identificar qual a matriz teórica do economista (faz modelagem? fundamentos microeconômicos? alguma condição de equilíbrio?). Em outras palavras, deixar claro que os economistas com propostas mais concretas para sair da crise vêm de uma matriz neolássica e não estas bobagens auto-denominadas heterodoxas.

Se fosse são-paulino você entenderia...

Abs

Alex

"Se for assim, você quer a lista de grandes economistas brasileiros que fizeram a graduação na UFRJ? É bem extensa. Se for por ordem alfabética, deve começar com Aloisio Araujo..."

Pode incluir o Marcos Lisboa na lista. Mas a questão não é esta e sim se há qualquer identificação entre a linha da escola hoje (e não no final dos anos 60 e início dos 70) e a posição destes economistas.

O Brasil só vai parar de ter repasses cambiais na inflação quando aposentarem os IGP'S.

Alex, acho q vc tem razão,se não me engano nessa época existiam duas correntes de pensamento na UFRJ, uma influenciada por Gudin e Simonsen ( a herança dessa corrente é a EPGE ) e a outra por Furtado e Maria da Conceição Tavares ( essa turma continuou na UFRJ ).

Melhor ainda, acaba logo com todos os índices de inflação que a inflação acaba...Meu Deus do Céu!

Alex, vc acha que se o Governo diminuísse os gastos públicos não seria mais eficiente do que a redução da SELIC ?

Alex você virou a casaca? Milagre você só defender corte no juro,a maioria dos seus discursos é para o Copom aumentar o juro.

Prezados, não se avexem com o problema dos maus economistas ditadores de picados. Um dia eles vão dizer coisas verdadeiras, baseaas na boa teoria economica, podem acreditar.

Digo isso baseado num teorema estatístico, que pode ser facilmente demonstrado a partir do modelo axiomático de Kolmogorov e com uma simples aplicação da primeira fórmula de Bayes.

Chama-se "Teorema do Macaco Infinito", coloco abaixo apenas seu enunciado, uma vez que sua demonstração pode ser encontrada em qualquer livro elementar de probabilidades.

Teorema. "Um macaco, deixado livre para agir diante de uma máquina de escrever, por um periodo suficiente de tempo, escreverá, em algum momento, as obras completas de Shakespere"

(Dica: para provar, começe construindo uma sigma-álgebra boreliana e tome uma partição finita de ômega, fechada para uniões disjuntas)

Abc, Johny de Bruce

KEYNESIANISMO, O OPIO DO POVO


Era uma vez um pais que estava em profunda recessao. As financas estavam em ruinas e a producao nao parava de cair. Seu povo andava sem rumo, oprimido e desolado por desemprego alto e crescente. Mas eis que nao mais que de repente, como um raio de sol numa nebulosa manha de inverno, surge um lider que promete ao povo a ressurgencia do pais como potencia mundial. Carismatico e dono de poderosa oratoria, esse lider foi entusiaticamente saudado como o salvador da patria, o messias que todos aguardavam.

Um vez guindado ao mais alto posto da nacao, ele nao fez por esperar. Expandiu a oferta de moeda, retomou o credito, e exacerbou a utilizacao de sua fiat currency via tesouro. Com um vigoroso programa de obras publicas voltado principalmente para infraestrutura, e com injecoes macicas de recursos em bancos e industrias, particularmente a automobilistica, rapidamente reduziu o desemprego e conduziu o pais a uma rota desenvolvimentista sem precedentes. Limitou o lucro dos proprietarios de empresas baseado na premissa de que quem e' ajudado pelo governo nao pode ser livremente remunerado pelo seu capital.

A uma certa altura dos acontecimentos, 80% das obras civis e 50% das ordens industriais eram de um modo ou de outro ligadas ao governo.

Um dia as consequencias de tamanha utilizacao de recursos publicos bateram 'a porta, e a represa da inflacao comecou trincar. O messias nao se deu por achado, e naturalmente congelou os precos. Como nao poderia deixar de ser, no medio prazo isso causou problemas serissimos de alocacao de recursos por toda a economia. O messias entao lancou mao de controles de planejamento estatistico. Este planejamento, na aparencia, funcionou bem por um certo tempo, apos o que gargalos intransponiveis comecaram a pipocar por toda a cadeia produtiva, florescendo desta forma o mercado negro. Mesmo assim, ele foi eleito o "Homem do Ano" pela revista Time.

No ano seguinte ele invadiu a Polonia...



Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

Alex o que você acha de medidas pontuais para estimular a economia,como o setor da construção civil?

Construção Civil não tem demanda alta por importações,gera muitos empregos.

Alex você conhece algum estudo sobre os efeitos do crédito direcionado (TJLP,credito para agricultura) na Selic/ Spreads bancários?

Pode incluir o Marcos Lisboa na lista. Mas a questão não é esta e sim se há qualquer identificação entre a linha da escola hoje (e não no final dos anos 60 e início dos 70) e a posição destes economistas.

Essa papo de "linha de pensamento" só se aplica ao metrado e doutorado da UFRJ. A graduação é toda baseada nos livros mais convencionais. Pode olhar os primeiros colocados da anpec pra ver qtos sao de lá.

Marcos Lisboa foi uma "exceção",na UFRJ.Segundo ele é Microeconomista,não existe muita ideologia em Microeconomia.

Quase não existe Macroeconomistas bons que vieram da UFRJ.

"Quase não existe Macroeconomistas bons que vieram da UFRJ"

A frase correta eh "Quase nao existem macroeconomistas bons em qualquer lugar no Brasil." Eh uma arte esquecida, praticada por poucos.

"O"

Alex porque só o Brasil apresenta histórico de repasse do cambio para a inflação?

De 1991 até o final de 1998, o dólar canadense desvalorizou-se 40% em relação ao americano. Apesar disso, o Canadá teve ano a ano uma taxa de inflação sempre mais baixa do que a taxa americana.

Caro Alex e outros comentaristas por dentro do assunto: o que vocês acham do mestrado em Economia da FGV-SP? Alguém aqui sabe se esse curso está entre os mais concorridos da Anpec?
Grato pela atenção,
Danilo

Kleber,

Genial teu ultimo post.

abrç
André Lima

"Caro Alex e outros comentaristas por dentro do assunto: o que vocês acham do mestrado em Economia da FGV-SP?"

Perda de tempo. Enquanto a parte de macro for tocada pela turma que compartilha do colo do Bresser, ter o titulo de mestre da FGV-SP eh mais uma mancha em seu curriculo do que ponto positivo.

"Alguém aqui sabe se esse curso está entre os mais concorridos da Anpec?"

Nao.

"O"

Alex como vai ficar a questao fiscal dos EUA no longo prazo?

EUA vai ficar com um deficit de 10% do PIB para esse ano.Esses pacotes fiscais vao agravar ainda mais a recuperacao da economia americana.

Você defende pacote fiscais como se não houvesse limite para expansão dos gastos públicos.EUA tem que passar por um ajuste por uma recessão longa para corrigir os desequilibrios macroeconomicos ,como baixa taxa de poupanca... .

Morgan Stanley prevê contração de 4,5% no Brasil neste ano

A notícia está no site da Bloomberg, e só nos resta torcer para que venha a se revelar um brutal erro de análise. O banco americano Morgan Stanley refez suas projeções sobre o crescimento (ou a falta dele) na América Latina e chegou à conclusão de que a região terá uma contração de 4%. O Brasil? Em vez de crescimento zero, deve retrair brutais 4,5%. Sim, dado o conjunto da obra, o leitor pode perguntar: “E quem liga para banco americano a esta altura do campeonato?” É uma forma de ver as coisas. O México lideraria a catástrofe, encolhendo 5%.



Alguém ainda leva a sério previsões de economistas?

Alex,

O H. Meirelles está alardeando que a SELIC somente não reduz mais porquê a poupança tem que ser remunerada pela TR + 6 a.a.

Procede essa relação entre a poupança e a redução da SELIC?

"A notícia está no site da Bloomberg, e só nos resta torcer para que venha a se revelar um brutal erro de análise. O banco americano Morgan Stanley refez suas projeções sobre o crescimento (ou a falta dele) na América Latina e chegou à conclusão de que a região terá uma contração de 4%."

Eu não li o trabalho do Grey e do Marcelo. Quando ler. comento.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que vai analisar a possibilidade de fazer mudanças no cálculo do rendimento da caderneta de poupança depois de se reunir com os técnicos da área econômica.
"Eu tenho que voltar para o Brasil, fazer uma reunião com a equipe econômica, para ver como fica a caderneta", declarou Lula, em entrevista a jornalistas brasileiros antes de deixar Nova York e retornar a Brasília.
A preocupação com o rendimento da poupança é das instituições financeiras.
Depois do corte da taxa básica de juros na semana passada, os juros da caderneta ficaram mais atrativos do que os dos títulos públicos. O efeito pode ser uma migração de dinheiro dos fundos de investimento (FIFs) para a poupança. Para o governo, isso pode significar maior dificuldade para vender títulos e administrar a dívida pública.

Quem tinha falado que o lobby não ia trabalhar??????

"Procede essa relação entre a poupança e a redução da SELIC?"

Não acho que o Henrique esteja "alardeando" isto, m as trata-se de um assunto que o "O" já explorou com competência.

A CP paga TR+6% de juors, i.e. um rendimento nominal de cerca de 7% a.a. isento de IR. A Selic hoje é 11,25% a.a., mas sujeita a IR na fonte (22,5% para prazos até 6 meses).

Descontado o IR, o rendimento líquido da Selic vira pouco mais de 8.8% (se a aplicação foi por prazo maior o IR cai, mas não trato disto aqui).

Bem, se a Selic cair mais dois pontos, seu rendimento líquido será (9,25%*(1-0.225)=) 7,26%, inferior ao rendimento da poupança. Mas, isto não pode acontecer, porque sempre haverá a alternativa de aplicar o dinheiro a 7,5% na CP.

ANDRE LIMA

O gorducho picareta de Trier tinha razao quando cunhou a frase: "History repeats itself, first as tragedy, second as farce".

Muito obrigado pela forca.


PREVISOES DE CRESCIMENTO BRASILEIRO

O Morgan Stanley pode muito bem estar errado. Ou nao, como diria Caetano. Este mesmo banco esta' revendo para (muito) mais baixo sua previsao de 3 meses atras. Como todos os bancos e orgaos publicos e multilaterais estao continuamente revisando estas estimativas - e desde outubro 08 sempre para menor - pode muito bem acontecer que em 3 meses o numero de hoje seja considerado otimista.

No duro mesmo, a verdade e' que ninguem sabe o rumo do navio. Se soubessem nao ficariam revisando previsao a torto e a direito.


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

"Quem tinha falado que o lobby não ia trabalhar??????"

Como dizia minha avó: quem é burro pede a Deus que o mate e ao Diabo que lhe carregue.

Meu, como tem gente burra no mundo...

Eu acho que o governo deveria continuar a baixar a Selic e aumentar o rendimento da poupança para 1% AM.

Quanto ao mestrado da FGV/SP, concordo plenamente com o "O". Há um abismo gigantesco entre o pessoal de micro aplicada e os keynesianos de quermesse de macro! É uma pena, mas enquanto a galera de macro não se aposentar, o mestrado da FGV/SP não deslancha...

MAIS EVIDENCIA QUE DEUS EXISTE

Ecuador’s Foreign Reserves Drop to Lowest in Almost Two Years

March 16 (Bloomberg) -- Ecuador’s foreign reserves fell to their lowest since June 2007, driven down by slumping oil exports and capital outflows following the government’s debt default.

Foreign reserves declined 5 percent to $3.31 billion in the week ended March 13, following a 13 percent decline the prior week, the central bank said in a report on its Web site today.

Reserves have plunged 47 percent from $6.5 billion in September as the global recession eroded demand for the country’s oil exports and President Rafael Correa defaulted on some foreign bonds in December, saying the debt was “illegal” and “illegitimate.”

Ecuador uses the dollar as its currency, making its money supply dependent on dollar inflows.

É muito fácil ser banqueiro no Brasil...

Imagine: Selic a 10%.
Menos impostos: 8,0%
Menos inflação de 4,5%: 3,35% de rendimento real

Aí vem o banco e toma 2% de taxa de administração. Sobram 1,35% para o pequeno investidor.

Neguinho bem informado já está há muito tempo no Tesouro Direto. Já a plebe ignara entrega metade de seu rendimento para o banco "administrar" o fundo DI ou de renda fixa. Esse mesmo banco evita de todas as formas que o cliente desinformado saiba que o TD existe. Se o cara por acaso descobrir, o banco camarada cobra taxa de 3% a 4% do cliente para deixá-lo fazer seus próprios investimentos no TD.

Essa cambada petista é muito incompetente. Ficam malhando os bancos, que fariam lobby pelos juros altos, mas deixam essa mamata rolando solta.

Se o Mantega quer posar de anti-neoliberal e "desenvolvimentista", deveria fazer propaganda maciça do Tesouro Direto. Foderia os bancos, obrigando-os a agregar valor e ganhar a vida suando atrás de tomadores privados de crédito. De quebra, diminuiria o custo de financiamento da dívida pública e reduziria juros e spreads bancários, num ambiente de taxas Selic de "equilíbrio" mais baixas que as atuais. Seria uma imperfeição de mercado a menos.

Mas petistas e sindicalistas são assim mesmo: praticamente socialistas no discurso, mas, nos bastidores, estão no bolso de banqueiros, empreiteiros e empresários financiadores de campanhas.


Chucky

Obs.: e aí, Tio Alex, qual a sua opinião?

Olá, Alex!!!

Como vai? Espero que muito bem.

Pois bem: Dia desses lendo um livro texto de alguns professores (muito bons, por sinal) para a disciplina de Economia Internacional me deparei com uma dúvida e estou certo de que pode me ajudar.

Na definição da composição da demanda agregada, eles utilizaram o conceito de demanda externa líquida (exportações - importações), além dos gastos gerais com consumo e investimentos tanto do setor privado quanto do público.

Por outro lado, lendo outros economistas e recorrendo ao estudo de Contabilidade Social, encontrei a hipótese de que na composição da demanda agregada entra apenas as exportações, já que as importações fazem parte da oferta.

Qual a interpretação correta? Ao trabalhar com o saldo comercial não poderíamos estar subestimando a demanda?

Um grande abraço,

BRASILEIRO NUM TEM JEITO

Vive falando de democracia mas quer que o governo regule os juros da poupanca!

SAIAM DESSA VIDA, CUMPADRES! Sabem como e' por aqui? Cada banco paga o que bem entender para o poupador, que escolhe livremente onde vai aportar o seu dinheiro.

Ta' na hora de crescer...


Abraco de quebrar costela


Kleber S.


PS: Cumpadres, eu vejo ae uns amigos babando de raiva de banco. Ja' pensaram o que seria o mundo sem eles, hein?

Mas petistas e sindicalistas são assim mesmo: praticamente socialistas no discurso, mas, nos bastidores, estão no bolso de banqueiros, empreiteiros e empresários financiadores de campanhas.

Os banqueiros não tão fazendo lobby pelos juros altos agora, tão fazendo pra diminuir o rendimento da poupança.


Legal esse papo rolar aqui, em muito lugar é proibido, ou os petistas e sindicalistas atacam o alvo errado.

Repetindo: Não há NADA que garanta que o governo reduza o rendimento da poupança a menos que 6% a.a.

SAIAM DESSA VIDA, CUMPADRES! Sabem como e' por aqui? Cada banco paga o que bem entender para o poupador, que escolhe livremente onde vai aportar o seu dinheiro.

Quem sabe no dia em que o governo resolver incentivar a competição bancária, e não a consolidação tipo Itau/Unibanco...

A inflação calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) registrou recuo em quatro das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV) na passagem da primeira para a segunda semana de março. Em Brasília e no Rio de Janeiro, a queda levou as taxas para um patamar próximo a zero.


Ai meu repasse cambial...

É fácil ser bancário no Brasil

Poupança - O que eles estão pensando

Por Patrícia Campos Mello, Nalu Fernandes, Fabio Graner e Beatriz Abreu, no Estadão:
(...)
O governo pode vincular a remuneração da poupança à Selic. Essa é a alternativa que conta com maior simpatia na equipe econômica entre as opções que vêm sendo consideradas para evitar que o rendimento da poupança seja um empecilho à queda dos juros ou acabe provocando uma migração em massa de aplicações.
Porém, outras opções estão sendo avaliadas. Uma delas é estabelecer um porcentual acima do IPCA para definir o rendimento das cadernetas. Outra hipótese é dar ao Conselho Monetário Nacional (CMN) a prerrogativa de fixar periodicamente a remuneração, como ocorre hoje com a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP).
De acordo com os estudos do governo, se a Selic for adotada como parâmetro da remuneração da poupança, a vinculação não seria integral. O rendimento dos poupadores seria definido como um porcentual da taxa.
Esse "desconto" é justificável na medida em que, ao contrário dos fundos e de outras aplicações, a poupança é totalmente garantida pelo governo, tem liquidez imediata, é isenta de Imposto de Renda e, além disso, os poupadores não pagam taxa de administração aos bancos.
Uma variante dessa medida seria estabelecer uma flutuação entre a Selic e a rentabilidade da poupança: quanto maior a Selic, menor o porcentual que definiria a remuneração das cadernetas.

"Ja' pensaram o que seria o mundo sem eles, hein?"

Não precisa nem pensar (ajuda muito um pessoal aí). É só observar o que ocorre ao redor do mundo...

"A inflação calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) registrou recuo em quatro das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV) na passagem da primeira para a segunda semana de março. Em Brasília e no Rio de Janeiro, a queda levou as taxas para um patamar próximo a zero."

IPC quem?

E POR FALAR EM CONSOLIDACAO BANCARIA...

Que tal Wells Fargo + Wachovia, JPM Chase + WaMu? So' pra ficar nas maiores.

Para com esse papo, meu! O problema do Brasil e' que o governo quer fazer "justica social" com as proprias maos...


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

"Ja' pensaram o que seria o mundo sem eles, hein?"

Não precisa nem pensar (ajuda muito um pessoal aí). É só observar o que ocorre ao redor do mundo...


OPA!

Ninguém é louco de ser contra os bancos!

Uma coisa é perseguir os banqueiros (coisa que a imprensa tipo Nassif faz), outra muito diferente é ver que o sistema bancário brasileiro funciona de maneira muito diversa da de outros lugares no mundo, e com o aval do governo.

Caros,

Não me entendam mal. Não sou contra bancos ou sistema financeiro. Não sou a favor de estatizações ou mão pesada do governo no setor bancário.

Mas também não sou a favor de concentração bancária e bancos se aproveitando do seu tamanho para extrair boa parte do rendimento dos pequenos investidores. Vejam só: Bradesco e Itaú cobram 4% do cliente que resolve aplicar no Tesouro Direto. Outros bancos menores e corretoras cobram 0,5%. Se o mercado fosse competitivo, os dois grandes já teriam baixado suas taxas. Se não baixam, é porque se aproveitam dos custos de mudança dos clientes para impingir essa taxa proibitiva, que obrigará seus clientes a manter os recursos nos fundos dos bancos, pagando 2% de taxa de administração pelo trabalho de comprar umas LFTs.

Há falta de competição e excesso de poder de mercado dos bancos. Quando for este o caso, o governo deve tomar medidas para aumentar a competição. Tipo, uma propagandinha mais intensa, na TV, do Tesouro Direto não seria nenhuma intervenção bolivariana. Só ia transferir renda dos bancos para os pequenos investidores, que administrariam a própria carteira ao invés de pagar 2% para os bancos.

Se a administração de recursos dos bancos vale mesmo 2%, os clientes vão continuar nos fundos. Mas a gente sabe que não é o caso...

Chucky

Sobre a poupança:

A raiz dessa lambança toda é o direcionamento de crédito. Se o rendimento líquido da poupança ficar muito alto e induzir a migração das aplicações, vai haver excesso de recursos para crédito imobiliária que vai acabar estacionado no BC, ao invés de gerar novos empréstimos.

Por que ninguém discute, no mínimo, uma redução da parcela da poupança que é dirigida compulsoriamente para o crédito imobiliário?

Chucky

OLHAEO'!

Mais legislacao num resolve, cumpadres. Isso tudo faz parte do grande problema nacional. Tabela-se os juros na constituicao (!!!), decreta-se o rendimento da poupanca, regulamenta-se a percentagem da poupanca aplicada a credito imobiliario, po daqui a pouco voces vao querer que o governo publique - por medida provisoria, e' claro - um manual de fodas.

Somente a guisa de informacao geral, os governos daqui - muni, state e fed - nao fazem propaganda de porra nenhuma, exceto por recrutamento militar. E' muito gozado, ironico, xocante, sei la', ver que no pais do marcosvalerio ainda tem gente achando que o governo deva fazer propaganda disso ou daquilo. Tem do', ne' Chucky! Ce e' (muito) melhor que isso!

Nao 'a intervencao governamental! Nao ao nazismo disfarcado de lorotas Keynesianas, com ou sem quermesse! A todos liberdade, com responsabilidade! (Po, to meio politico hoje...)


Um abraco de quebrar costela


Kleber S.

Alex você sabe porque a taxa de poupança dos EUA nos últimos anos caiu de 10% para zero (exclua a crise).

"Alex você sabe porque a taxa de poupança dos EUA nos últimos anos caiu de 10% para zero (exclua a crise)."

Sei. Porque a riqueza das famílias cresceu uma barbaridade (vi os números hoje, mas estão num arquivo do Cristiano. Amanhã eu os publico).

"A riqueza das famílias cresceu uma barbaridade"

A riqueza "fictícia" aumentou,provocada pela política de baixa taxas de juros.

EUA passaram a ser financiados por poupança externa (Japão,China,Coreia,Países exportadores de petróleo).

Quando eu falo para você que os EUA precisam ter nível de poupança próximos de 10 a 15%,é para termos um ciclo de crescimento sustentável no LP.Por isso que é fundamental que os EUA passe por uma longa estagnação,para ajustar esses "desequilíbrios".

AÊ, Kleber,

Resposta 1:
Essa zona toda com a poupança faz parte do problema maior do crédito direcionado, que foi criado na época em que a situação macroeconômica brasileira era uma zona. Banco não emprestava, e o único jeito de existir crédito habitacional, rural e para investimento industrial era via o remendo do direcionamento de crédito.

Agora que estamos no meio do processo de estabilização macroeconômica, esses remendos vão ficando menos necessários e serão desmontados aos poucos. Quando os juros baixarem ao ponto de tornar financiamento imobiliário economicamente viável, a poupança se tornará obsoleta. Nesse meio tempo, a gente vai ficar assistindo as adaptações destas instituições primitivas.

Mas não dá pra não reparar que quem paga o subsídio do crédito direcionado são os pobres e a classe média. Estes são mal remunerados na poupança e no fundo de garantia, cujos recursos financiam imóveis para classe média alta e capital para grandes empresas.

Resposta 2:
Quanto à propaganda do Tesouro Direto, que mal há em divulgar uma informação pública que a maioria das pessoas desconhece? É de interesse do Tesouro abrir o maior número de canais para venda de seus títulos. Essa é a idéia por trás do Tesouro Direto. Que, por sinal, não é nem invenção tupiniquim, mas norte-americana:
http://www.savingsbonds.gov/indiv/indiv.htm

Chucky

Mudando de assunto, vou fazer propaganda do site do meu pai, de grande utilidade pública:
http://www.chucknorrisfacts.com

Chucky,

Você falou TUDO agora. Isso mesmo, vamos acabar com a poupança, ela não serve pra porra nenhuma. Mas o governo tem o DEVER de informar as pessoas para tirarem o dinheiro da poupança e aplicarem o dinheiro no tesouro direto ou aplicação com rendimento (já descontada a tx de administração, ok?) semelhante.

Chucky,

o link do tesouro direto americano completo é: http://www.treasurydirect.gov/indiv/products/prod_tips_glance.htm

MGLI

Chucky,
outra coisa vou concordar com o Kleber S.: Quem tem que fazer propaganda dizendo que cobra 0,5% ou 0,25% para aplicar no Tesouro direto não é o governo, mas quem está concorrendo com os bancos.

MGLI

Estamos lidando com a EXCLUSÃO DIGITAL!

muito desrespeito à UFRJ nos comentários

Ilan Goldfajn e Marcos Lisboa, os 2 graduandos da UFRJ, e estão no top5 de econmistas brasileiros. Mais respeito à graduação da UFRJ