teste

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Como se contradizer no longo espaço de duas linhas

"Washington, 14 - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, sinalizou que a tendência no Brasil, a exemplo de todos os países no mundo, é que haja redução de juros. Apesar de não falar em prazos ou índices, o ministro insistiu na necessidade de reduzir o custo do financeiro. 'Vai haver espaço para a política monetária mais flexível em todos os países', declarou Mantega, em entrevista à imprensa, depois de participar de várias reuniões ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com os primeiros ministros do Reino Unido, do Japão e da Austrália. (...)

Diante da insistência dos repórteres se o Brasil ia seguir a tendência do resto do mundo de reduzir os juros na próxima reunião do Copom, já que o ministro estava defendendo uma ação coordenada entre os países para conter a crise financeira, Mantega desabafou: 'vocês estão querendo é criar uma armadilha para que eu diga qual vai ser o próximo resultado do Copom, coisa que eu jamais direi, até porque eu não sei. Mas, aqui, o importante é dizer qual vai ser a diretriz, a linha mestra, e a linha mestra é a redução do custo financeiro no mundo inteiro e no Brasil também'. (...)

Mantega insistiu que 'nenhuma economia cresce com o custo financeiro elevado e crédito escasso'. E prosseguiu: 'nós temos de reverter isso, reduzindo o custo financeiro de diversas maneiras, e o Brasil vai fazer à sua maneira. Não vai fazer exatamente igual fez o Reino Unido ou os Estados Unidos. Mas nós também faremos um movimento neste sentido'. (Tânia Monteiro e Nalu Fernandes, enviadas especiais)"

Eu ia comentar, mas, francamente, preciso?

Reações:

74 comentários:

Alex é fundamental para o Brasil reduzir o juros nesse momento principalmente em momento de crise (ou manter).O custo seria bastante alto subir em um momento desse.Estamos vendo uma contração no grande credito,acho que a taxa em 13,75 é a ideal para evitar uma desaceleração muito grande em 2009.Em contra partida o ministro da fazenda poderia fazer um esforço fiscal maior (aumentar o primário para 5% ou mais).

O que eu não concordo é as ações do governo para impedir a crise.O banco central já tomou as medidas necessárias para evitar um empoçamento maior,os excessos que o governo estar comentando agora dando credito para todos pode atrapalhar os planos do Copom para 2009.

A Argentina não esta a beira da recessão, esse ano deverá crescer segundo a média estimações privadas 7,2% e o ano q vem entre 3,5% e 5%, mais até qo Brasil ou o Chile. O maior problema da Argentina é a inflação, q estava na casa dos 25% até metade do ano, mais felizmente agora apesar de alta, baixou para 18% anual.Segundo que o risco pais da Argentina não beira os 2 MP.

O governo passou 6 anos praticando uma política fiscal pró-cíclica. Agora que a economia tende a desacelerar é que o governo descobre as virtudes da política anti-cíclica.

Ou seja, qualquer que seja o ambiente econômico a resposta do governo é a mesma: aumento de gastos públicos.

Porra, Tio. Ta' reclamando de que? O Italiano ta' dando o mapa da mina, meu! Compre dolar e deixe a coisa seguir seu curso. The trend is my friend. Alias, eu to babando de vontade de voltar pra nossa "terra prometida".
Quanto mais burrada a tigrada fizer, e levar a uma desvalorizacao do real, mais cedo eu poderei realizar meu sonho de viver sem fazer porra nenhuma em Floripa. Por isso, eu imploro, Alex: nao fique metendo a boca no manteguinha por causa disso, falou? Voce sempre sera' bem-vindo na minha cabana em Fp. Ate' te levo ver jogo do Figueirense na Serie B. Com direito a autografo do Cisco Kid, OK? Mas nao fique ai' tirando a azeitona da minha empada! Competencia tem limites, ta' certo?

Ao cumpadre BobFields: com a sacanagem nogentina, o estoque mundial de pregos esta' miando. Num posso reservar nenhum pro bacalhau. Por isso pe' na vunda do Porcao, bacalhoada fica pra outra etapa. Vamula', Mengao! Ce tambem ta' convidado pra festa (inenarravel) em Fp. La' tambem ha' um consumo bem razoavel de "gim das selvas", que deixaria a nossa galera "anestesiada" numa boa.

Agora, mocada, falando de coisa mais seria. Voces viram o comportamento do Dow Jones ontem e hoje? Ja' tem algumas semanas que fatos semelhantes tem ocorrido. Eu, que sempre achei que teorias conspiratorias eram coisa de esquerdista lunatico, ja' estou criando uma, pois nem Maome' explica o que esta' acontecendo. In the meantime, deem uma olhadinha no que se passa na Letonia, pais "joia", e o chapeuzinho na mao, de joelhos, pedindo esmolinha 'a direita (FMI) e 'a esquerda (BCE).

Um abracao de quebrar costela, do sempre teu

Kleber S.

PS: Hoje nao tem ps.
Cheers

E a credibilidade conquistada a duras penas pode se perder novamente..sera' que e' tao dificil de entender?

Hoje a tarde por acaso ainda encontrei o trabalho do Tio Bevi (Taming Inflation Expectations)..Bem que o acaso podia nos dar uma ajudinha e fazer o Mantega entender o simples exposto

Abraço

pô alex...
claro que tem que comentar, afinal suas ponderações sempre são importantes mesmo que já tenha se pronunciado muitas vezes sobre esse assunto.
pelo menos provoque o Kleber S para uns comentários sobre seu ministro preferido.Afinal o que seria a vida sem ele!!
[ ]'s

joão carlos

Letonia 2008 = Argentina 2001

"O"

"Segundo que o risco pais da Argentina não beira os 2 MP."

Tem razão: acabei de olhar o CDS de 5 anos e está um pouco abaixo de 4 MP. O de 1 ano está em 4300 bps.

Isto e a tentativa de câmbio fixo devem levar o país 'a recessão.

Alex você tem conhecimento profundo sobre reformas microeconômicas ? Ou sua areá é economia monetária?

Se chamassem você para comandar as "reformas de base" que o Brasil precisa você saberia executar? Ou essa é a areá de economistas como Marcos Lisboa,Gambiagi (entre outros).

Igor,

Sei de um banco multinacional bem importante, ativo na Argentina, que estah prevendo -2% de crescimento em 2009. E esse eh o cenario "baseline"

"O"

To com um projeto genetico: o homem com tres bracos. O braco extra seria localizado nas costas, logo abaixo do pescoco, com o polegar voltado para a direita. A vantagem do novo homem? Quando ele virasse ministro ele com certeza conseguiria achar seu traseiro usando as proprias maos. Parece que hoje em dia alguns tem esta dificuldade. Mas com a maozinha extra o sucesso nesta tarefa seria garantido.

Letonia, indice Ze do Caixao PPP. E atencao que ela tem tudo para levar suas irmazinhas balticas junto no embrulho. Pessoal, a Letonia tambem teve um boom imobiliario. Com credito em euros e francos DIRETO AO CONSUMIDOR. Ja' estao numa "recessaozinha" de uns 4 pct. Pergunta para o auditorio: A tigrada vai conseguir honrar os debitos, num pais com 11 pct de deficit em conta corrente? Eu acho que naaaaaaao!

Esse e' o grande enrosco dos paises "joia" da Eastern Europe: dividas pessoais contraidas diretamente pela populacao em moedas conversiveis, cujos rendimentos sao em moeda local nao-conversivel.

Olhem bem a diferenca do angu americano e do europeu. As casinhas que estao sendo devolvidas pelos subprime sao concentradas na California, Las Vegas, Florida, Arizona. Lugares onde sempre ha' procura. Entao quando o neguinho abre o bico, o banco leva um hair cut, mas com o devido desconto sempre da' pra salvar algum. Mas e ai', primos, tem alguem no auditorio do Tio Alex que queira comprar uma casinha na Letonia? Na Polonia? Ou quem sabe na Romenia? Nao? Entao acho que os lenders estao f_didos e NAO pagos.

Por isso vejam voces que nem o Brasil tem a pior politica economica do planeta, nem os US tem os bancos mais burros do mundo. A situacao do velho continente ta' ficando feia, cumpadres, muito feia!

Enquanto isso toda a forca ao Mengao, que amanha podera' se tornar um Libertador da America. Ele nos libertara' do porco.

Um abraco de quebrar costela

Kleber S.

Voo lotado de NY pra SF, domingao, 5 horas e meia sem nada pra fazer. Entao vamos escrever umas mal-tracadas linhas no grande blog do Tio.

Pela primeira vez discordarei publicamente do emerito economista. A Argentina nunca entrara' em recessao com um kirchener no poder: eles simplesmente fajutarao o deflator, e a fantasia continuara' ate' o dia do Default Final, quando entao menino do Caixao invadira' a Casa Marronzada, arrebatara' seus preguinhos de volta e selara' o destino daquela nacao de uma vez por tOdAs!!! Neste dia o CDS spread nao sera' mais medido em MP, mas em GP. Vigaristas no mundo todo, em lugar de vender o Viaduto do Xa', Ponte do Brooklin ou Torre Eiffel, venderao bonus da divida argentina para seus otarios favoritos. Piadas de argentino substituirao piadas de portugues.
Avioes da Esquadrilha da Fumaca sobrevoarao a Av. Paulista despejando o estoque de "micones" acumulados no BC pelo Marolinha, com sua ideia de jegue de eliminar o dolar como moeda de transacao entre os dois paises. Maradona se naturalizara' paraguaio, e quando o ultimo "hermano" se mandar e apagar a luz de Ezeiza, Marolinha abrira' as comportas de Itaipu, cujas aguas cristalinas lavarao o pais por completo. E ai' poderemos comecar uma nova colonia, fazendo tudo como deveria ter sido feito para que a provincia platina tambem seja investment grade. (Po, to meio epico hoje).


Mas este nao e' o assunto principal. Hoje o negocio e' sobre minha teoria conspiratoria do mercado acionario. Ha' algum tempo eu comecei achar muito estranha a tal volatilidade, da forma com a qual ela anda se manifestando ultimamente. Voces repararam que os dois maiores rallies semanais recentes comecaram no momento seguinte ao se quebrar o suporte tecnico em torno de 8000 pontos? A partir dai' o indice subiu alucinado - quando deveria fazer o caminho oposto. Foi pra cima ate' um certo ponto, quando entao reverteu de novo, e perdeu quase tudo o que ganhou, nesta segunda vez. E literalmente TUDO o que subiu durante o rally farsesco do final de outubro (aqui denunciado pelo Klebe S. ENQUANTO ELE OCORRIA). Ate' um tempo atras haviam desculpas para uma arrancada fulminante dessas, mas agora nem isso existe mais. A mais gozada foi em 1 de Abril, quando anunciaram o fim da crise, sem estarem fazendo piada.

To desconfiando de que - no minimo - tem negao de calibre grosso criando "montanha artificial". Esse negao entraria comprando grandes lotes de alguma coisa. Como os computer models usados no trading pelos diferentes participantes sao muito semelhantes, eles detectariam a alta e sairiam disparando ordens de compra. O indice muda a direcao e comeca subir. Num dado momento, o pessoal contrarian entra em short squeeze, e tambem sao forcados a comprar para nao serem wiped-out. Ai' o indice explode, e o(s) esperto(s) que iniciaram a historia vendem no pico. O mesmo processo se da' no caminho inverso. So' que os personagens que protagonizaram a estoria estao substancialmente mais ricos, com a grana dos otarios que entraram na cunversa.

Relembremos que o rally do fim de outubro comecou no Japao, com acoes de siderurgicas e metal-mecanicas, setores que mundialmente ja' estavam - e continuam - dando bom-dia a caxorro. Na ocasiao, aqui nos US, GM subiu pra baralho! E 10 dias depois estava na lona! No rally intraday de 900 pontos na semana passada, as noticias na parte da manha nao poderiam sem piores. E na parte da tarde nao melhorou nada. Mas mesmo assim o mercado reverteu e subiu que nem rojao. Ai' depois no dia seguinte caiu. Ainda vai cair mais, quando entao vao fazer a mesma coisa all over again. Mas me engana que eu gosto, num e' mesmo?

Um abracao de quebrar costela e toda forca ao Mengao

Kleber S.

O cenário está dado, desvalorização cambial. Se o Meirelles sair para fazer campanha pelo governo de Goiás pior ainda. Entra um quermesseiro no lugar.
Em 2 anos estes caras podem fazer muita m...
O Alex pode falar à vontade, o mais provável é que façam o exato oposto do recomendado. Afinal o Alex é um expoente do neoliberalismo, representante do cassino financeiro internacional e das forças conservadoras que querem expoliar este país (com sotaque da Heloísa Helena por favor).

abs, BobFields

Kleber, veja a efetividade da mandinga angolana, e olha que usamos um corvo, imagine se tivéssemos um urubu legitimo por aqui

Henrique:

Eu chamaria o Marcos Lisboa para o micro e o Fabio para o fiscal.

Abs

Alex

olha a dilma: "A crise pode permitir políticas anti-cíclicas que privilegiem uma agenda verde em que o biocombustível consta como prioridade"
anti-cíclica vai virar moda, daqui a pouco instrutor de auto-escola vai dar aula assim: voce vai estar efetuando um movimento anticiclico no volante para estar covergindo a esquerda. atende de telemarketing vai justificar a promocao assim: nos 3 primeiros da promocao o sr. so paga 10 e vai estar pagando de maneira anticiclica nos proximos 9 meses 100 reais.

Mas que barbaridade a mandinga angolana, mermao! Montaram uma fabrica de linguica em pleno Maracana! Sera' que os expoentes da civilizacao alviverde darao mais um "trato" no Luxa?

Em adicao ao "dead cat bounce" - "Even a dead cat will bounce back up if it falls from high enough" - estamos criando em primeira mao aqui no blog o "live frog jump": "A live frog will jump as high as you wouldn't believe if thrown in a boiling water pan". Como ja' estamos perto do limite do suporte tecnico de 8000 pontos, o LFJ pode pintar amanha ou depois. Olho no lance, hein, primos!

BobFields, mais um pedido ai' pra voce, amigao: na quarta-feira tem Sao Paulo e Bacalhau. Manda dai' a mesma "forcinha" pro tricolor, ta' falado, cumpadre? Eu me comprometo a tentar arrumar uns preguinhos por aqui - de segunda mao, e' bem verdade - pro Ze do Caixao arrematar o trabalho.

Um abraco de quebrar costela

Kleber S.

PS: parece que o Marolinha - e uma boa parte da imprensa - nao entendeu o negocio de G20; nao morreu o G7/8 porra nenhuma: uma vez que eles decidam o que fazer, ai' eles chamam o resto da galera pra seguir o "consenso".

Kleber,

De fato a Letonia (Latvia) estah na mesma situacao da Argentina pre-calote: deficit em conta corrente e descasamento cambial.

Mas como jah disse antes, tem alguma coisa na Letonia. Se o cambio desvalorizar e o pais cair em uma recessao profunda, dah para imaginar estrangeiros indo para a Letonia com investimento direto beneficiando-se do cambio competitivo (por exemplo, o Skype tem seu escritorios na Estonia).

Se voce jah teve oportunidade de visitar Budapest, vai concordar comigo que com um pouquinho de desvalorizacao cambial, qualquer empresa multinacional nao vai precisar chantagear seus executivos para eles se mudarem para montar um escritorio ou fabrica la. (Sou muito mais morar em Budapest ou Praga do que em Tampa)

O problema mesmo eh quando estamos falando de paises mais atrasados em termos de instituicoes, como a Bulgaria, que tem um deficit em conta corrente tao grande quanto a Letonia, mas instituicoes terriveis, corrupcao, mafia controlando diferentes aspectos da vida economica e social etc.

Entao o estrago mesmo eh para quem emprestou para o "lestao": Bulgaria, Servia, Romenia... Esses sao irredimiveis.

"O"

Alex eu tenho algumas dúvidas sobre a grande depressão.

O livro do Blanchard ase monetária era de 7,1.

E cresceu até 8,2 em 1933.

Estoque real de moeda (M1/P)

1929- 26,4
1930- 26,0
1931- 26,5
1932- 25,8
1933- 25,6

O estoque real ficou constante.Porque houve uma redução no multiplicador bancário?

Po, Tio, voltai', meu. O blog nao pode parar. Sera' que amanha teremos LFJ? Ou o mercado vai se render 'a realidade de que a coisa esta' indo pro vinagre a passos largos?

Primos, nao esquecam que o Kleber S. foi o primeiro a sair com a teoria da deflacao mundial. Enquanto lula e sua "EQUIPE" contavam estorias pra ninar bovinos com metaforas pobres, "marolinha" "pequenininha gripe" e coisa e tal.

BobFields, meu chapa, a gente pode nao pegar o bacalhau carioca, mas o autentico, portugues, levou uma hoje que vai passar pra historia, num e' mesmo mermao?

A depressao ja' esta' pintando. Resta a saber se sera' igual, menor ou pior que em 29.

E um abracao (por tras) a todos os argentinos.

Do sempre teu

Kleber S.

Alex me explica de onde vai sair o numero magico de 4% que o governo ta projetando? O mercado projeta um 3% otimista.

ABS henrique

Leiam o artigo "Don't lay global housing bubble on U.S. doorstep" (http://www.thinktorontohomes.com/blog/2008/10/24/dont-lay-global-housing-bubble-on-us-doorstep.html), que isenta os E.U.A. da culpa do boom imobiliário dos países europeus. Vocês concordam? Não pode ser que o excesso de crédito que se gerou na economia mundial a partir da cadeia de securitização americana fez gerar liquidez suficiente (e perigosa) para inflar os preços nesses mercados? Ou isso é uma questão do tipo o ovo ou a galinha, algo que nunca poderemos saber quem começou ou que é um processo simultâneo, algo que começa com um sentimento de otimismo e vai se alastrando, liberando sempre mais grana? Alguém sabe quais eram as condições de crédito na Europa enquanto crescia a bolha por lá? Era tão frouxo quanto no caso do subprime americano? Ou no caso Europeu as execuções estão se dando mais por conta da queda econômica na medida em que o sistema financeiro de lá também participou do subprime americano?

Abraços!

Gabriel Gava

E ATENCAO, ATENCAO PARA OUTRO RALLY FARSESCO!

Parecia que o mercado tinha se rendido 'as evidencias de que o suporte tecnico em torno de 8000 nao poderia mais ser mantido. Ai', eis que nao mais que de repente, Bobama, demonstrando toda a etica que lhe e' peculiar, anunciou seu ministro da economia AINDA DURANTE O PREGAO. Certamente os racistas dirao que isso foi uma "negrice". Eu diria que foi uma chicaguice.

Mas de qualquer maneira, vamos ao cerne da questao. O Sr. Geithner e' um otimo economista, que chefia o Fed de NY. Na pratica, em funcao da crise e da localizacao do mercao financeiro, ele e' o homem mais importante ao nivel tatico em todo o pais.

Maravilha. O que ele vai fazer de diferente no Tesouro? Licas. Sera' que vao arrumar alguem tao bom para substitui-lo? Nao vai ser mole. Ele tem alguma ideia propria conhecida, que nao foi implementada por nao estar no "puder"? Nao.

Por isso, primos, nao se enganem. Bobama pode ter desvestido um santo para NAO vestir outro.

Um abracao de quebrar costela

Kleber S.

Alex o que você acha da venda do Nossa Caixa para o BB?

Ela foi vendida por uma relação P/VPA de 2,37. Isso é mais que os valores negociados de Itaú (2,16), e Bradesco (1,93) ( Só está abaixo da relação P/VPA do Unibanco (2,71), mas isso não se justifica para o valor da empresa, já que o ROE (retorno sobre patrimônio) é de apenas 18,3% (pior que todos os grandes bancos) para 23,4% do Unibanco e, no caso do Unibanco, há enormes ganhos de sinergia com o Itaú, o que nos faz esperar uma rentabilidade maior no futuro.

Para o BB, o negócio aumenta seu tamanho, mas a um custo muito elevado. O P/VPA do Banco do Brasil é de 1,21, com P/L de 4,8 e ROE de 25,4% (que contém ítens não recorrentes e por isso não é uma boa medida). O Banco do Brasil pagou 2 vezes seu valor em bolsa pelo Nossa Caixa, sendo que não tem nada justifique isso. Que grandes ganhos de sinergia virão? O BB vai administrar carteiras de crédito consignado melhor que o Nossa Caixa? Não vejo razões para achar isso. É um banco ineficiente e que não vai melhorar muito com o BB no comando, já que as carteiras de crédito não são complementares e não vejo porque o BB fará mais dinheiro com as carteiras de servidores públicos paulistas que a Nossa Caixa estava fazendo. Também não vejo o potencial de enxugar o quadro da Nossa Caixa, como tem no caso Itaú - Unibanco. Se fosse para a iniciativa privada, provavelmente enxugariam bem se nada os impedisse, talvez até 1/3 e o BB talvez nem enxugue, já que quer ganhar mercado e não negócios estratégicos para maximizar ganho de acionista.

Juliano:

Porque os bancos quebraram em massa.

Henrique:

Se botarem o governo para gastar e o BC não fizer nada pode até dar 4%, mas com a inflação na casa de 8-10%. A questão não é crescer em 2009 (isto qualquer um resolve com estímulo fiscal-monetário nas atuais condições brasileiras), mas sim garantir que o crescimento de 2009 não vá plantar as sementes da crise de 2010.

Abs

Alex, de volta de Londres onde com clima não podia ser pior. Não tanto no sentido físico da coisa (chovia e fazia frio. E daí? É Londres mesmo), mas sim porque a indústria de hedge funds foi (e está sendo) dizimada.

Um punhado destes "raised the gates", expressão polida para dizer que o digníssimo cliente terá que esperar um tanto para por as mãos no que sobrou do seu rico dinheirinho. Pequenas fortunas estão sendo feitas a partir de grandes.

Alex quanto aos Hedge Funds eles sempre foram acostumados acostumados a lê com a grande oscilação no seu patrimônio,só não espero ter pacote de salvamento dos Hedge Funds.

Eu tenho uma visão diferente da sua em relação pacote de salvamento do sistema financeiro americano.O governo não deveria sair oferecendo dinheiro assim aos bancos.A maioria dos bancos hoje conseguem se captar no mercado,problema é que o dinheiro do mercado é mais caro.O governo só deveria ajudar quem não conseguisse.

Sr. "O", tendo a concordar com voce. Existe uma grande diferenca entre os Balticos e o Sudeste europeu. Estive pela area in-and-out, voltarei pra Budapest de ferias em algumas semanas. E' muito mais divertido passar ferias em Buda do que em Tampa. Morar, huuuum, num sei nao. A recessao baltica ja' esta' a pleno vapor, menos 4 pct por enquanto. Um amigo daqui tem um irmao na Letonia. Segundo ele a situacao ta' preta, cumpadres.
Com o fim do mundo sovietico perderam seu mercado. Manufacturing quase desapareceu. E e' muito "cedo", alem de geograficamente pessimo, para transformar aquelas economias em "servicos".
Sobre o boom imobiliario na Europa: nao teve NADA a ver com o americano. Foi dinheiro europeu, utilizados por clientes europeus. Talvez o Brasil tenha sofrido uma influencia um pouco maior de dinheiro vindo de fora, mas ainda assim o crash do mercado brasileiro, paulistano em particular, QUE AINDA ESTA POR VIR (ANOTEM AI', HEIN, GALERA, DIRETO DO KLEBER S. RUMOR MILL!), e' muito mais por acao interna do que externa.

O fato e' que, como ja' "denunciamos" aqui varias vezes, paises do mundo todo lotaram suas pracas com dinheiro. Nos finalmentes deu no que deu: deflacao na cabeca.

Mas nao tem pobrema nao, cumpadres. Agora acharam o sub-messias aqui em NY, o tal do Geithner. Ele vai resolver todos os grilos dentro da filosofia economica do Bobama, que e' de subir impostos e subsidiar zumbis. Mas va' ser bom assim no diabo que o carregue, nao e' mesmo?

Outra noticia em primeira mao para os primos: ao cair de 7000, o Dow estara' OFICIALIZANDO a Depressao. So' faltara' conferir o tamanho.

Nesta semana tivemos o episodio bizarro do "salvamento" das montadoras de Detroit. Comecou por iniciativa dos Dems, e terminou pelas maos de um deles, com a historia do uso dos jatinhos. Tudo muito lamentavel, mas parece ter tomado um rumo certo: negao vai ter que explicar o que vai fazer com o dinheiro para eliminar os seus problemas de raiz. A conferir.

Um abracao de quebrar costela

Kleber S.

Caro Kleber,

Voce vai ser surpreso com a politica economica de Obama. Vai ser muito mais liberal no sentido classico da palavra e pro-mercado que voce espera. Os dems entendem de restricao orcamentaria melhor do que os reps e no momento que voce fatora a restricao orcamentaria, tem muita bobgem que voce deixa de fazer.

Quanto a Letonia, eu tenho um colega letao (voce jah notou que todos tem o primeiro nome no "plural"? Se voce fosse letao, seria Klebers...)

Pois bem, a historia que ele me contou eh que 2 anos atras, mais ou menos metade da divida das familias era em moeda estrangeira. Como havia um grande deficit em conta corrente, houve um panico e uma corrida contra o lats (ateh a moeda eh no plural!)... O ministro da fazenda ou o banqueiro central (se nao me engano o nome eh Domingos) veio a publico e assegurou que nao havia possibilidade alguma de uma desvalorizacao do lats, nem que a vaca latisse. Para provar seu ponto, ele apertou a politica monetaria mostrando toda sua toughness.

O bonito dessa historia eh que o Sr. Domingos conseguiu convencer o publico que uma desvalorizacao era mais dificil que o Corinthians ser campeao da Libertadores, pois os severos e calmos letoes passaram a refinanciar suas hipotecas em lats para moeda estrangeira.

Final da historia: hoje em dia praticamente 100% das hipotecas na Letonia sao em moeda estrangeira... E, alias, o deficit em conta corrente eh maior hoje do que era dois anos atras!

"O"

Alex a compra da Nossa Caixa pelo BB é uma prova que precisava para mostrar ao setor privado que o BB estar com condições iguais de competir com bancos privados.

Nenhum banco ofereceu o valor que o BB ofereceu pelo Nossa Caixa.Daqui há alguns anos iremos recuperar a liderança no mercado Brasileiro com a aquisição do BRB,BanriSul,Banco Votorantim.A vantagem do BB em relação a outros bancos é que o BB oferece a segurança ao sistema financeiro de nunca poder quebrar pois é um banco do governo.

URGENTE: A PROVA DO LFJ NO FT.COM

Titulo da reportagem:
"JP Morgan link in Warsaw investigation"

No fim do pregao do dia 12, neguinho tentou aplicar o truque por la'. So' que como a bolsa de Varsovia e' muito menor, circuit breakers interromperam o pregao, que caia 9.1 pct - e subiu que nem rojao logo apos - e pegaram o neguinho no ato.

Olho no lace, cumpadres!

Abracao

Kleber S.

"Nenhum banco ofereceu o valor que o BB ofereceu pelo Nossa Caixa."

Pois é Igor, isto é exatamente o que me preocupa. Por que será?

"Daqui há alguns anos iremos recuperar a liderança no mercado Brasileiro com a aquisição do BRB,BanriSul,Banco Votorantim.A vantagem do BB em relação a outros bancos é que o BB oferece a segurança ao sistema financeiro de nunca poder quebrar pois é um banco do governo."

1) Daqui A alguns anos, não HÁ alguns.

HÁ alguns anos o BB quebrava espetacularmente, mas graças ao meu, ao seu, ao nosso dinheiro (dois resgates, em 1996 e 2001, este último com a CEF junto) á coisa continuou.

Daqui A alguns anos teremos o prazer de ver o governo injetar mais alguns bilhões no BB, CEF, BNDES para limpar o balanço deles depois de crédito mal-dado e pagamentos acima do preço de mercado.

Se nao me engano o preco da acao do BB despencou relativamente aos outros bancos semana passada.

Quem me dera fechar a porta desse circo algum dia...

Alex acredito (eu) que mudou muita coisa no BB.Nesses anos que trabalho lá houve programa de demissão de funcionários.BB assim como CEF é um banco importante para dar crédito subsidiado a pequenas empresas e para a casa própria (CEF).

Um dos bancos que mais compraram carteira de créditos de bancos em dificuldades foram os estatais.Se o BB e CEF fossem privatizados não haveria um aumento nas taxas de juros oferecida por eles,aonde seria prejudicial para a construção civil...... .

Hoje ta' frio pra baralho, nao tem caminhada! Um grau C em novembro e' brincadeira!

Tio "O", nao pude reparar no detalhe da terminacao do nome, pois o meu amigo e' judeu - Goldman.
Mas tio, o quadro que voce pintou e' de desgraca, cumpadre. Ali ninguem vai pagar ninguem, nao, tio. Numa dessa o Tiefscheissen ja' enterrou o nariz!

Mas nao tem pobrema nenhum, certo, mocada? Bobama vem ai' com o sub-messias, e resolvera' essa porra dessa crise num passe de magica, num e' mesmo?

Tio "O", quem impos restricao orcamentaria no governo Clinton foi o presidente da camara, Newt Gingrich, um republicano. Dai' o superavit primario do "governo" do Billy J.
A verdade e' que os Dems tem a filosofia do "tax and spend", transformada pelo "governo" Buxi em "borrow and spend". Ve-se portanto que o maldito "spend" ta' sempre la'.
No embrulho de Detroit, Bobama e Cia queriam um bail-out puro e simples, com graninha indo direto para o bolso do sindicato. Faio! Agora vao ter que vir com "prano". He', he', he'. Ta' pintando ai' uma outra guerra civil, pois as montadoras estrangeiras, que tem custo sob controle, estao no Sul. Desnecessario dizer que os politicos de la' nao querem dar porcaria nenhuma pra Detroit. Na verdade, o sonho dessa rapaziada e' ver Detroit esvaziada na exata medida em que as montadoras estrangeiras possam ampliar sua capacidade sulista.

Tio, ainda nao consegui ver nenhuma diferenca entre o discurso economico do Bobama e o do Marolinha. Alias, se tem alguma, eu diria que a vantagem e' do brasileiro, que SABE que o saco TEM fundo.

Um abraco de quebrar costela, que agora ta' na hora de ouvir um pouco de Wagner

Kleber S.

PS: Alex, uma sugestao: ao acessar o blog os "primos" poderiam ser brindados com o preludio do Das Rheingold, a mais bela obra musical da saga humana sobre a Terra.

PS2: Po, BobFields, ce ta' mais sumido que pijama em lua-de-mel, cumpadre! Justo hoje, que tem trabalho pra fazer no Maracana, mermao!

O plural eh no primeiro nome!
Ex: Albert Einstein, se letao, seria Alberts Einstein

Ateh onde eu sei, quem tem exposicao nos paises balticos sao os bancos suecos.

"Se botarem o governo para gastar e o BC não fizer nada pode até dar 4%, mas com a inflação na casa de 8-10%. A questão não é crescer em 2009 (isto qualquer um resolve com estímulo fiscal-monetário nas atuais condições brasileiras), mas sim garantir que o crescimento de 2009 não vá plantar as sementes da crise de 2010."


Você defende que o Brasil faça uma pacote fiscal para evitar uma recessão? Eu discordo um pouco da sua opinião ,na areá fiscal o Brasil não fez uma política fiscal anti-cíclica que trouxesse um superavit nominal,portanto não pode fazer um bom pacote fiscal,existem outros países na AL que fizeram seu dever de casa como é o caso do Chile que fez sua lição de casa,podendo agora fazer um bom pacote fiscal.

Quanto a inflação o BC ano que vem vai correr para trazer a inflação para a meta ou próxima da meta?Se eles deixarem a inflação acima do teto da meta terão um trabalho maior para traze-la para o centro da meta futuramente.

"Você defende que o Brasil faça uma pacote fiscal para evitar uma recessão?"

Obviamente não. Defendo o contrário.

"Quanto a inflação o BC ano que vem vai correr para trazer a inflação para a meta ou próxima da meta?Se eles deixarem a inflação acima do teto da meta terão um trabalho maior para traze-la para o centro da meta futuramente."

Concordo.

Isto dito, precisamos melhorar a leitura, não Henrique?

Po, tio "O", ce ta' pensando que ser judeu no leste europeu sovietico era bolinho, meu? O passaporte dos sovieticos era de acordo com a nacionalidade. A nacionalidade do judeu era "judeu", independentemente de onde ele morasse, ou tivesse nascido. Na escola meu amigo era chamado carinhosamente de "fucking jew". Nao seria razoavel portanto esperar que ele tivesse um prenome letao.

Nao sei a exposicao relativa entre bancos suecos e austriacos nos paises balticos. Voce pode mesmo ter razao. Mas como o "Tief" ta' em todas essas bocas podres, suponho que ele tambem esteja perdendo uma graninha por la'.

Pessoal, o santo do BobFields e' forte uma barbaridade! Nao so' garantiu o tricolor contra o bacalhau carioca, como tambem deu uma passadinha na Baea e liquidou a fatura do gaucho! Ta' de parabens, BobFields! Alias, se voce puder fazer alguma coisa pro New York Giants nao ganhar o bi-campeonato daqui neste ano, eu ficaria eternamente agradecido!

Um abraco de quebrar costela

Kleber S.

Alex o uso da matemática no curso de economia prejudica a formação do economista.


[1] Durante a maior parte da história do pensamento econômico o uso da matemática na formulação de teoria foi restrito. Durante todo século XIX e nas primeiras três décadas do século XX a esmagadora maioria da produção acadêmica de teoria economica foi feita sem o uso de aparato matemático, existiam economistas matemáticos como Walras e Pareto, mas esses economistas estavam em pequeno número em relação ao resto da profissão. Só nas décadas de 30,40 e 50 que a economia se converteu quase que completamente a formalização matemática e a partir da década de 60 em diante quase toda a produção acadêmica de alto nível é baseada no uso de modelos matemáticos para expressar as teorias ao invés da boa e velha lógica verbal do Adam Smith.


[2] Existem muitos economistas que criticaram ou defenderam a formalização matemática. Os principais economistas que trabalharam para formalizar matematicamente os insights mais importantes (do ponto de vista do mainstream dos anos 40 e 50) que haviam sido desenvolvidos nos 150 anos anteriores a esse processo de formalização foram Samuelson, Arrow, Debreu e o von Neumann. Um dos principais argumentos a favor da formalização matemática foi proposto por Samuelson, o argumento é o seguinte: Através da formalização matemática podemos colocar todas as partes da teoria na mesa de forma clara, sem que nada esteja implícito. Ou seja, a matemática deve ser usada para tornar tudo o que está implícito explícito. Dessa forma seria possível transmitir a teoria de um pensador para outro com maior grau de entendimento do que a teoria significava.


[3] A formalização matemática realmente aparenta dar uma aura precisa para a teoria. Lendo um livro de economia matemática se tem a impressão de exatidão e clareza, e ao contrário, quando estou lendo um texto escrito com linguagem corrente se tem a impressão de que a teoria é vaga e não tem precisão científica. Isso é aparente se comparando a leitura de qualquer manual de economia matemática ou com um livro de economia antigo anterior a “revolução formalizadora” da economia ou, particularmente, a moderna literatura heterodoxa. O livro de economia matemática aparenta ser muito mais sofisticado e científico do que o artigo antigo, e ainda mais em relação a literatura heterodoxa. Na verdade essa diferença ocorre devido ao foco de cada tipo de análise.


[4] Num modelo matemático geralmente se deve provar a existência do equilíbrio. Esse é um exercício de matemática pura (no sentido que não tem relevância econômica direta) que serve para definir exatamente quais dados podem ser inseridos dentro do modelo para que o modelo tenha como “output” um resultado determinado. Nota-se que na economia moderna o output ou resultado de um conjunto de equações do modelo é geralmente chamado de equilíbrio. O conceito de equilíbrio perdeu sua natureza econômica com a passagem do tempo e com isso se perdeu também a análise econômica baseada nos processos econômicos ao invés da pura lógica da escolha numa situação onde os meios e os fins estão dados. Numa situação de pura lógica da escolha temos a maximização da utilidade em relação a restrição, e esse tipo de situação realmente ocorre no mundo real, só que é um processo que leva tempo, na análise dos processos econômicos se analisa o processo de formação da percepção do agente em relação aos meios que ele pode usar para atingir seus fins (as necessidades do agente).


[5] Na análise matemática geralmente se deve provar além da existência do equilíbrio outros elementos que na teoria econômica “verbal” não fazem sentido. Praticamente toda a literatura que analisa muitos resultados de modelos sofisticados não tem nenhuma relação direta com a teoria econômica pura, embora sejam realmente importantes para a economia matemática no sentido que servem como elementos na construção do modelo, embora não tenham relevância fora do modelo. O exemplo perfeito são os problemas de existência como já foi colocado. O problema da análise formal é que como as energias são desperdiçadas para a pesquisa nesse campo os outros campos recebem um tratamento mais superficial do que poderia ser dado se não existissem esses custos de mão de obra com a formalização. Bem, o mainstream conta com uns 15 mil PHDs nos EUA trabalhando para polir a pura lógica da escolha, logo, sobra homens hora para dar conta do serviço. Então a maior quantidade de trabalho intelectual necessário para fazer uma teoria matemática não representa grande problema para a ortodoxia, já para uma escola de pensamento pequena, a formalização matemática se torna mais trabalhosa e tem um grande custo para essa escola.


[6] Uma grande vantagem da formalização é que com a versão formal da teoria é muito mais fácil seu ensino de forma correta. A matemática força o indivíduo a ver a teoria detalhadamente, de modo a ganhar um entendimento mais profundo da teoria do que sem o seu uso. É sim possível estudar uma teoria profundamente sem matemática, mas a linguagem verbal não prende a mente com tanta força quanto a linguagem matemática. Também é claro que o uso de matemática leva a uma situação onde muitos "economistas" alimentam a ilusão de que entendem alguma coisa mas só sabem resolver as equações sem realmente compreender o que elas significam, o que é o mais importante.


[7] Já na teoria exposta de formal verbal um problema que geralmente ocorre é que como a teoria em forma verbal não é exposta de forma tão claramente definida podemos ter muitas interpretações da teoria e muitas vezes seu expositor não consegue se fazer entender por que estuda sua produção científica. O Kirzner várias vezes explicou que seus críticos não entenderam a “essência” de seus argumentos, na verdade vários dos economistas que se consideram pertencentes a escola austríaca tem um entendimento muito superficial das idéias de Mises and Hayek.


[8] Eu diria que essa seria uma boa estratégia de divulgação acadêmica da teoria austriaca a sua formalização matemática. Simplesmente porque atualmente todas as teorias respeitadas já foram formalizadas e só temos no campo das teorias não matemáticas coisas do nível do marxismo e pós keynesianismo. A matematização da teoria austríaca certamente contribuiria para seu sucesso dentro do mainstream. Na verdade a grande complexidade da teoria que dificulta sua matematização e seu entendimento generalizado pela profissão e mesmo por muitos de seus seguidores.


[9] De qualquer maneira a matematização da economia foi tremendamente ruim para seu progresso no início do século XX. Pensadores como Knight, Schumpeter e Mises estavam lidando com problemas que não iriam ser tratados novamente com a formalização. Problemas que eram mais avançados do que os problemas que a economia matemática esta lidando hoje! O que ocorreu é que uma exposição formal de uma teoria impede que os aspectos que não são precisamente articuláveis pelo pensador sejam colocados no papel. A formalização esteriliza o pensamento que transcende sua capacidade de articulação, e por isso impede que noções que não estão bem definidas mas que são importantes numa teoria sejam transmitidas. Antes da formalização da teoria neoclássica os economistas pensavam na teoria econômica como processos de ajustamento em desequilíbrio e não em estados de equilíbrio, após sua formalização que a teoria econômica se reduziu a uma coleção de modelos variados e deixou de ser uma ciência unificada. A noção de mercados como processos foi perdida e a análise de temas relacionados aos processos econômicos de troca, como por exemplo na análise da moeda, regrediu para níveis pré marginalistas (no caso da moeda muitos economistas analisam a moeda com moldes teóricos de 200 anos atrás ou sem nenhuma teoria).


[10] O melhor exemplo dessa regressão no nível da teoria econômica é a análise da moeda feita por Mises em 1912, ela é superior a qualquer modelo monetário moderno, já que atualmente na análise da moeda geralmente se assume que os agentes tenham preferências em relação a moeda, ou seja, que a moeda está inserida diretamente na função de utilidade. O problema é que a moeda é demandada justamente para que o agente consiga bens que ele realmente atribuí valor. O que ocorre é que os agentes demandam moeda porque eles esperam que com a moeda eles consigam aproveitar possibilidades de ganho com trocas que serão descobertas no futuro, ou seja, a existência da moeda está intrinsecamente ligada ao processo de descoberta espontânea. E a noção de descoberta espontânea não existe para a economia matemática. Na teoria econômica de antes de 1930 a noção de descoberta existia de forma implícita em quase todas as teorias existentes, só que ela nunca foi articulada de forma consciente até 1937 (Economics and Knowledge , Hayek), quando o estrago causado pelas revoluções matemática e keynesiana já estava feito.


[11] O que hoje é chamado de Escola Austríaca nada mais é do que o conjunto de insights que foram perdidos na formalização da teoria econômica ortodoxa nos anos 30. Ou seja, é a economia que estuda justamente a noção de mercado que não estava articulada de forma consciente nos escritos de economistas como Mises, Schumpeter, Knight, Hayek, Marshall e cia. Mises e Hayek eram justamente os pensadores onde a forma de pensar nos mercados como processos era mais saliente. Por isso foram os únicos que notaram a perda desses elementos e por isso foram contrários a formalização da economia. O problema é que esses elementos não estavam articulados de forma precisa, de modo que quando se le um trabalho que não utiliza os elementos se nota que algo está faltando, embora não seja possível definir o que é. Gradualmente esses conceitos foram saindo das ruinas da economia "neoclássica clássica" e foram refinados por economistas como Hayek e Kirzner e hoje são os elementos centrais da teoria austríaca moderna.



http://precodosistema.blogspot.com/2008/11/prs-e-contras-do-uso-de-matemtica-na.html

Juliano: Aristoteles disse o mesmo a respeito da aplicacao da matematica 'a fisica. Vai ver que foi por isso que o resultado de seu trabalho como fisico tenha sido um licho.

Abracao

Kleber S.

Kleber,

Pode ate ser que o seu banco austriaco favorito esteja nos paises balticos, mas a exposicao eh predominantemente um problema sueco.

Dah uma olhada no mapa, Viena eh a metropole (bem decadente hj em dia) da Europa central e do sudoeste. Os paises balticos historicamente nao tem relacao com o imperio austro-hungaro, mas sim com as ligas hanseaticas etc (nada como ter tido uma professora de historia de primeira classe no colegial).

"O"

No seu artigo (Lições de um bom livro) você cita que os EUA não abandonaram a ortodoxia econômica.

Eu discordo um pouco sua opinião,os EUA abandonaram a ortodoxia econômica não adotando uma política fiscal anti-cíclica nos anos de 2004,2005,2006.Em 2002 era necessário cortes nos impostos para mitigar o efeito da recessão.Em 2003 a economia já se mostrava em tendencia de recuperação, o governo americano em 2004 já poderia pensar em controlar os gastos (que dispararam no governo Bush.

O deficit americano em 2006/07 ficou baixo graças a política monetária e de Greenspan nos anos retrasados que possibilitou um crescimento maior crescimento da economia americana ,aumentando a arrecadação do governo.Uma política fiscal responsável no passado possibilitaria uma maior ação do governo americano para conter essa crise.

"Esse nao eh o problema. O problema eh se o BC dizer que a SELIC deve ser X e os titulos indexados a SELIC venderem com um desconto. Isto eh, se o mercado decidir que SELIC nao eh suficiente. Esse eh o risco. Se o manteguinha tiver um QI acima de 70 pontos, ele se preocupa com essa possibilidade pelo menos uma vez por semana."

Prezado Professor "O", como se dá isso na prática? Ou o BC vende pelo preço pedido pelo mercado ou não se financia, tendo a emissão como alternativa, é isso?

Parece-me um ciclo vicioso em que as expectativas vão se deteriorando cada vez mais. A cada rodada em que o BC não cede ao mercado a pedida aumenta. Eu não gostaria de estar na pele do Meirelles tendo de conviver com este bando de quermesseiros. Não sei quanto ele ainda vai agüentar.

abs, BobFields

PS. Kleber, essa rodada fui muito difícil para mim e para os mandingueiros angolanos. Secar o bacalhau foi fácil. Torci pelo empate entre Cruzeiro e Flamengo pois são meus dois times do coração e quero que fiquem entre os 4. Os orixás gastaram tanta energia com o Vitória X Gremio que não deu para fazer o porco perder.
Já este negócio de New York Giants vai ser uma ph##*+$#oda explicar pra eles, peça algo mais fácil.

Alex graças a regulamentação que o BC implantou no sistema financeiro o Brasil sofreu uma enorme contração no crédito.

Em 95 o crédito era de 38% do pib,esse valor só foi atingido em 2008.O BC deve extinguir os depósitos compulsórios,não faz sentido o BC ficar com o dinheiro dos bancos,depósito compulsório é roubo.

O Alex pode explicar melhor que eu. Mas caso nao esteja falando bobagem (acontece...), o Bacen fixa a SELIC, mas quem emite titulos indexados a SELIC eh o Tesouro. Se o mercado achar que a SELIC esta baixa demais, pode acontecer de nao haver demanda pelos titulos indexados a SELIC. Nesse caso, provavelmente ou o Tesouro passa a emitir titulos cambiais ou joaozinho vai pagar extra para comprar dolares...

"Alex graças a regulamentação que o BC implantou no sistema financeiro o Brasil sofreu uma enorme contração no crédito.

Em 95 o crédito era de 38% do pib,esse valor só foi atingido em 2008.O BC deve extinguir os depósitos compulsórios,não faz sentido o BC ficar com o dinheiro dos bancos,depósito compulsório é roubo."

Nada como falar do que não se entende, não? A sensação de falar de boca cheia sobre o que não se faz a mais p... idéia deve ser de liberação total.

Dados do BC. Crédito ao setor privado em 1995: 27,3% do PIB (não 38% do PIB). Só que muita coisa desapareceu simplesmente porque alguns bancos quebraram (Nacional, Econômico, Bamerindus, Bandeirantes), e outrs créditos foram considerados impagáveis (BB, CEF - só entre maip e junho de 2001 houve queda de mais de 2,5% do PIB pela "limpeza"do balanço destas instituições).

"O":

Neste caso o Tesouro venderá os títulos indexados à Selic com deságio, de modo que o papel passa a pagar Selic mais algum prêmio.

Abs

Alex

Alex qual é o nome do estudo da Fiesp que foi base para seu artigo "Econometria de Resultados"?

Alex,

algumas coisas que sempre quis entender mas tinha vergonha de perguntar:

1) O BC faz os leilões dos títulos do Tesouro, recebe o dinheiro e repassa para a União?
2) O BC mantem títulos do Tesouro em carteira e é remunerado por eles?
3) Existem papeis distintos, um para o BC fazer política monetária e outro para captar para o Tesouro? Ou utiliza-se os mesmos títulos de dívida para ambos os fins?

abs & many tks, BobFields

Bob:

1) Não. O Tesouro faz o leilão e deposita o resultado numa conta sua no BC (a Conta Única);

2) Sim, o BC tem uma carteira de títulos do TN devidamente remunerada. Claro que na consolidação do resultado do setor público isto se cancela;

3) Em tese os papéis são os mesmos, mas, na prática o BC usa mais a ponta curta da curva.

Henrique:

Agora não consigo achar a referência. Se não me engano está no site da Fiesp ainda.

Abs

Alex

Alex existe algum professor da Unicamp que é ortodoxo (que você conheça)?

Você já ouviu falar de "oxímoros"?

Não.....,Poesia ,Literatura nunca foi minha especialidade.Minha areá é exatas não humanas.

Não é literatura, nem poesia. É só português.

Eu não me lembro de ter aprendido no ensino médio.Quando fiz vestibular tinha chegado do intercambio,eu voltei no meio do terceiro ano.

Fato é existe alguém da Unicamp que não pertence a quermesse? Porque tirar dúvida com os Heterodoxos é pior.Nem conversar com eles você consegue.

Alexandre o que você tem contra as teorias austríacas sobre economia?

Aqui no Ibmec-MG nenhum dos professores aceitam a teoria austríaca.

Nada contra, exceto ser religião e não ciência. Mas eu respeito crenças religiosas.

Alex você já leu algum livro sobre a EA ação humana? Teoria da Moeda de Hayek?

Esses livros ajudam a entender a crise hoje.Se você sabe que indivíduos reagem a estímulos,
foi justamente o que Greenspan fez
,baixou demais as taxas de juros aumentando a demanda por investimentos mais rentáveis.

Não foi problema de regulamentação como você prega.

"Indivíduos reagem a estímulos"?

Por Böhm-Bawerk, como ninguém pensou nisto antes? Não se trata apenas de um "insight" profundo, como também vai contra toda a teoria econômica neoclássica.

Imaginem só, indivíduos reagindo a estímulos... Logo você vai querer nos convencer também que a interação entre indivíduos no mercado leva ao equilíbrio por meio do sistema de preços...Teremos que mudar todos nossos livros de microeconomia.

Você como ex-banqueiro central sabe que os agentes reagem a estímulos provocado pela alta/baixa de juros.

Foi justamente o que Greenspan fez baixou demais as taxas de juros 2002 a 2004 fazendo com que elas ficassem negativas,isso provocou uma busca por rentabilidade maiores.O mercado Subprime era um deles,se o "maestro" Greenspan não tivesse baixado tanto a taxa juros não teríamos esse problema.

É ilusão achar que regulamentação irá resolver o problema,sempre os bancos driblam a regulamentação.

Alex,

Voce estah com algum problema em seu doghouse? Estah lotado? Tenho certeza que o Juliano cabe.

Alex o que levou você a escolher Bekeley para fazer doutorado em economia?

Daqui há 1 ano acabo na EPGE o curso de economia,provavelmente entrarei no mestrado da EPGE.A maioria dos professores daqui fizeram doutorado em Chicago com exceção de alguns,ainda Chicago é considerada uma escola "TOP" de economia ou já foi superada por outras escolas?

Henrique:

Obviamente porque Berkeley é o melhor departamento de economia neste quadrante da galáxia...

Mas, na verdade, foi porque Berkeley me escolheu, quer dizer, foi quem me aceitou.

Isto dito, Chicago, Berkeley, MIT, Harvard, Princeton, até onde sei, ainda fazem parte dos "Top".

Pessoal:

que outras escolas estão bem ranqueadas? Ajudem o Henrique. Ando meio desatualizado...

Muito Obrigado Alex,mas Chicago tem algumas divergências com Berkeley.Um exemplo foi quando o governo americano lançou o pacote de salvamento do sistema financeiro,muitos economistas de Chicago foram contra o pacote.

porque o O ajuste de 1981/1983 no Chile foi eficiente para melhorar a balança de pagamentos, mas não teve o efeito esperado em relação à inflação?

Muitos economistas Brasileiros como MG,Arida... criticaram o plano recessivo do FMI.

Alex saiu um estudo do IPEA mostrando que o Brasil gastou mais com o juros da divida pública do que com saúde e educação.

io - Entre os anos de 2000 e 2007, os gastos do governo federal com educação, saúde e investimentos correspondeu a 43,8% do total de despesas com juros, segundo estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quarta-feira. Se considerada a despesa acumulada pela União, o pagamento de juros da dívida pública respondeu por cerca de 7% ao ano do total da renda nacional.

Ainda no período, o governo gastou R$ 1,267 trilhão com juros, que equivale a quase 54% da renda nacional de 2006 (R$ 2,37 trilhões), enquanto que as despesas com saúde foram de R$ 310 bilhões, com educação foram de R$ 149,9 bilhões e investimento, de R$ 93,8 bilhões.

O estudo do Ipea analisou a distribuição de renda do País e constatou que, entre 1990 e 2007, o rendimento médio mensal real dos 10% mais pobres cresceu 44,4% (de R$ 67 para R$ 97), enquanto dos 20% mais pobres aumentou 16,5%.

Já em relação aos 10% dos ocupados melhor remunerados, o rendimento médio mensal real registrou perda de 9,8% (de R$ 4.559 para 4.114). Para o 1% dos ocupados com maior rendimento, a queda foi maior, de 12,7% entre 1990 e 2007.

No período, a expansão média anual da renda nacional foi de 2,99%. Entre 1996 e 2001, a renda nacional cresceu, em média, 1,9% ao ano, fruto "das ações adotadas para enfrentar as crises financeiras da época, adicionadas à desvalorização do real e à contenção das importações", segundo o Ipea. Já de 2005 a 2007, a renda nacional aumentou 4,2% como média anual, estimulada pelo crescimento do mercado interno e das exportações.

Entre 2000 e 2006, a participação do rendimento do trabalho na renda nacional teve crescimento de 1%. De acordo com o estudo, a principal razão para o baixo desempenho da parcela do trabalho na renda nacional está relacionada à queda na remuneração dos trabalhadores ocupados nas empresas financeiras e nas famílias, com redução de 20% e 6,7%, respectivamente.



http://odia.terra.com.br/economia/htm/ipea_pais_gasta_mais_com_juros_do_que_com_saude_e_educacao_212335.asp

Igor:

A qualidade do trabalho do Ipea é tão grande que eles nem se deram ao trabalho de descontar a inflação da conta de juros.

Quem perde tempo com este lixo? Só funcionário público desocupado. O pessoal ocupado tenta servir o público.

A pedidos: mais um para o doghouse!

Alex você como monetarista em inflação inercial e de demanda?

MAIS MOTIVOS PARA RALLIES (FARSESCOS)

Uma boa dose de noticias ruins saiu hoje.

1- VW, Audi, BMW anunciaram corte de producao. Como 1 em cada 7 empregos industriais na Alemanha depende da automobilistica, e 20 pct das exportacoes alemas sao veiculos automotores, "sujou", certo BobFields?

2- Um detalhe legislativo empurrou os paises "joia" mais um pouquinho em direcao ao abismo: os paises-sede da maioria dos bancos estrangeiros operando na area decretaram que o dinheiro vindo do governo para bail-outs "nao podera' ser usado no exterior". Suas subsidiarias nos "joia" foram portanto largadas ao te-vira-negao. Ou seja, "sujou".

3- A maioria, senao todos, o buy-out funds vao reportar enormes perdas de equity no quarto trimestre. Como funcionam estes fundos: em geral tomam emprestado 85 a 90 porcento do valor utilizado para comprar uma empresa. O valor pago e' em geral o que pode ser servido pelo free cash-flow da "vitima". A divida e' totalmente downloaded no balance sheet da empresa adquirida. Vai dai' que qualquer melhora de cash flow se traduz em enormes ganhos para o buy-out fund, em funcao da grande alavancagem utilizada. Tudo muito bonito enquanto a economia cresce. Maaans, quando ela encolhe, o FCF caminha em direcao ao vinagre. Como consequencia o equity dos BOF encolhe rapidamente. Enquanto o FCF continua bom o suficiente para o servico da divida dos credores externos, ainda da' pra respirar. Mas quando a retracao e' grande o suficiente, ou a firma encontra novos emprestimos - que hoje em dia ta' mais dificil que achar inteligencia na quermesse - ou ela entra em concordata. Acho que o mais provavel e' uma onda de concordatas Anotem ai' e confiram. Ou seja, vai "sujar".

Um abraco de quebrar costela

Kleber S.

PS: Por isso mesmo pessoal, amanha bem cedo todo mundo correndo comprar acoes, tudo bem? Com noticias como essas e' bem provavel que o messias, ou seu sub, venha com uma chicaguice qualquer pra gerar um tumulto pra bolsa subir mais uns cinquinho.

Em tempo:

1- E' bom parar com essa mania de sacanear o caxorro.

2- O Juliano esta' focando apenas na primeira metade do "mito dos adolescentes e da cerveja na geladeira". Pra evitar o desastre, ha' duas alternativas: nao deixar a cerveja disponivel, ou impor disciplina ferrea aos adolescentes. Pragmaticamente falando, a primeira opcao e' de muito mais facil implementacao. Por isso nao posso deixar de dar certa razao a ele. Greenzinho, velho safado, criou todas as condicoes necessarias para a materializacao do "segundo postulado de Kleber S."

Outro abraco

Kleber S.

Outro PS: No fim de semana prolongado estaremos enunciando o "terceiro postulado de Kleber S.", que tera' um titulo inusitado: Termodinamica e Cinetica aplicadas 'a Economia. Nao percam, e tenham um Prozac 'a mao. A coisa vai ser mais feia do que a Catifunda em colonia de nudismo.

Alex,

Qual o seu entendimento sobre as escolas européias de economia? As britânicas (LSE, Universidade de Londres, Cambridge, Oxford, etc) ainda mantêm o prestígio de outrora ou estão de fato superadas pelas americanas? E as de outros países (Alemanha, Espanha, Suiça, França, Itália, etc)?

Abs
Caio Machado

"As britânicas (LSE, Universidade de Londres, Cambridge, Oxford, etc) ainda mantêm o prestígio de outrora ou estão de fato superadas pelas americanas?"

Deixa eu responder essa.

Eu nao recomendo as escolas britanicas. O ideal eh ir para uma das top americanas (Chicago, Berkeley, MIT, Harvard, Princeton, Stanford, Columbia, Yale...). Se voce puder ir para Minnesota ou qualquer escola fora dos EUA, vai para Minnesota.

O principal problema das escolas britanicas eh que o sinal eh fraco. MIT, Harvard soh aceitam o "cream of the crop"; Chicago nao dah o doutorado para quem nao conseguir provar ser o "cream of the crop"; por outro lado, um diploma do LSE significa que ou o cara eh bom, ex: Daron Acemoglu, ou nao, ex: um monte de gente. Entao, 10-20 anos depois de voce ter seu doutorado, neguinho ainda vai achar que voce eh esperto se voce tiver vindo de uma top americana, enquanto se voce vir de uma escola britanica, vc vai ter que provar sempre.

graças a Deus ele disse que não sabia o resultado do COPOM. Poderiam tê-lo levado a sério quando disse.