teste

terça-feira, 6 de maio de 2014

Saudades de 2014

Estima-se que o “pacote do desconforto eleitoral” anunciado pela presidente na semana passada custe algo entre R$ 8,5 e R$ 9,0 bilhões em 2015. Trata-se, é claro, de sinal de irresponsabilidade fiscal, mas, medido relativamente ao valor esperado do produto para o ano que vem, é algo como 0,2% do PIB. Ruim, mas dificilmente a gota d’água que faria transbordar o pote até aqui de mágoa em que se transformaram as contas fiscais brasileiras.

É, na verdade, café pequeno perto dos desafios que esperam qualquer um que se sente na cadeira presidencial no dia 1º de janeiro de 2015.

Para começar o valor real do superávit primário do país – deduzida a contabilidade criativa, receitas não recorrentes, etc. – não deve alcançar 1% do PIB em 2014, provavelmente bem menos. Idealmente deveríamos retornar aos patamares que vigoravam antes de 2009, em torno de 3% do PIB, mas não é necessário muito esforço para perceber que se trata de uma impossibilidade tanto política quanto econômica, em face da já conhecida rigidez do orçamento nacional e das regras de reajuste de salário mínimo.

Há, em segundo lugar, a questão a cada dia mais premente da inflação reprimida. Preços de combustíveis, energia, transportes urbanos, para ficar apenas nos mais visíveis, terão que ser corrigidos a partir de 2015. Resta saber se à vista (conforme recomendado) ou em suaves prestações (no caso colaborando para manter as expectativas inflacionárias devidamente inflamadas), mas não há como escapar dos reajustes sob pena de agravamento das condições financeiras nada confortáveis da Petrobras, bem como das distribuidoras de energia.

E, apesar da repressão dos preços administrados, a inflação corre sério risco de ultrapassar o teto da meta no fechamento de 2014, o que provavelmente forçará o BC (constrangido, claro) a retomar o processo de aperto monetário que, por ora, ameaça interromper sob a argumentação que... Bom, na verdade, sem argumentação alguma, além do fato óbvio de ser ele quem determina as taxas de juros de curto prazo.

Por fim, a se materializar o cenário em que o Federal Reserve começaria a elevar a taxa de juros em algum momento de 2015, o BC também teria que abrir mão da maciça intervenção sobre a taxa de câmbio e permitir que esta se ajuste a condições internacionais bastante distantes das que vigoraram até há pouco.

Note-se que os itens desta agenda dizem respeito apenas à questão da recuperação da estabilidade perdida, isto é, trazer a inflação de volta à meta em prazo razoável, eliminar os demais desequilíbrios macroeconômicos e corrigir as imensas barbeiragens setoriais cometidas nos últimos anos.

Há, além desta, uma agenda adicional, com foco em questões como produtividade, liberalização, redução de entraves burocráticos, avanço na infraestrutura, etc., sem a qual continuaremos limitados ao crescimento medíocre, na casa de 2% ao ano, observado recentemente.

O tamanho do esforço requerido para recuperar a estabilidade e nossa capacidade de crescimento sustentável é proporcional ao peso da verdadeira herança maldita, resultado de anos de políticas econômicas equivocadas, cujos efeitos transparecem no crescimento irrisório, inflação persistentemente acima da meta (4,5%, não 6,5%!), desequilíbrios crescentes das contas externas, desarrumação do setor energético, baixo investimento e as demais (in)consequências do experimento heterodoxo a que o país foi submetido.

Quem fizer a coisa certa ainda terá que conviver inicialmente com inflação alta e crescimento baixo, preparando o terreno para recuperação da estabilidade e do crescimento à frente. Caso, porém, não seja feita, o tamanho da conta continuará a crescer, como faz ininterruptamente desde 2010.


Tudo indica que 2015 será um ano que dará saudades de 2014; mas que seja por bons motivos, senão em 2016 nossa saudade será ainda maior.



(Publicado 7/mai/2014)

Reações:

17 comentários:

Alex,

Seu artigo hoje na Folha deveria ser O avesso do avesso 2, não?

Apesar dos temas diferentes.Aliás, vc deveria fazer uma série com esse título rsrs

Cadê o "O"?

Abs

Depoimento do Mantega no Congresso é mais engraçado que vídeo da Porta dos Fundos...

Quém é esse tal de Cláudio Dedeca, prof. da unicamp ?

http://globotv.globo.com/globo-news/globo-news-painel/t/todos-os-videos/v/globonews-painel-discute-a-questao-do-salario-minimo/3338872/

>>>> um prof. Dr., que reconhece uma autoridade ministerial de um tal de Luiz Marinho, sindicalista, é no mínimo, falta de decoro com a profissão de economista.


O irmão do Alex, o arbitro Howard Webb:

http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/brasil-mundial-fc/post/em-amistoso-juiz-da-final-de-2010-rouba-bola-leva-carrinho-e-revida-empurrao.html

Dedeca é uma besta...mas todos naquele depto. são idiotas.

Está tudo perdido, mesmo - vide a confusão dos aumentos das bebidas frias (aliás... existe então bebida quente?!? o que seria uma bebida... quente !?!?)

O mesmo governo que critica o setor privado por querer lucrar com acopa, aumentando preço de passagem aérea, botel, etc e tal (leia: Governo vai combater "preços abusivos" em hotéis do Rio durante a Copa), utiliza-se do mesmo expediente para aumentar a sua... receita em uns R$1BB.

Ou seja, quando o empresário deseja lucrar com a copa, é errado, anti-patriótico, e conduta gananciosa; quando é o próprio governo - não há problema, está tudo bem, nós somos diferentes.

Alex, o texto da coluna de hoje (14) na Folha está ótimo, exceto pelos dois primeiros parágrafos, completamente desnecessários. Uma agressão sem motivo algum. E humildade faz bem — o seu português também não é dos melhores, e é difícil encontrar um post seu livre de erros de gramática ou ortografia.

"Uma agressão sem motivo algum"

Que agressão!! Os dois primeiros parágrafos "provocam" o restante do texto.

Amigo, vc é burro.

Da série, Os Trapalhões (da Dilma): Ministro Mantega vem a campo para desmentir Ministro Mercadante que falou a verdade.

Mantega rebate Mercadante e diz que governo não segura preços

Olá Alexandre

Estou chegando ao final da minha graduação em Economia e jamais pensei que a definição do tema da monografia seria tão complicado. Hoje estou entre dois. O primeiro é responder o por quê da desaceleração da PEA (em 2013) e a repercussão disso sobre a oferta de mão-de-obra, inflação e crescimento econômico. Minha hipótese é que há muito mais do que demografia por trás do problema. O segundo é a questão recente do controle de preços administrados. Discutir os efeitos disso sobre o balanço de pagamentos (combustíveis) e as contas públicas (energia), mas sobretudo discutir a hipótese de que esse controle vem alimentando as expectativas de inflação e tornando ineficaz o aperto monetário iniciado em 2013.

Enfim, coloquei tudo isso porque nem após as conversas com meus professores consegui me decidir. Acho os dois temas interessantes e meus professores dizem que os dois tem consistências dão fôlego para uma monografia. Sem "sacanagem", o que você acha melhor? Peço até a ajuda dos leitores do blog!

Ahahahahah, o Lula é o Didi, A Dilma é o Dedé, o Mantega o Zacarias e o Marco Aurélio Garcia o Mussum. Ahahhaahah, perfeito a colocação.

Com relação à entrevista do Mercadante, tenho um dúvida: o Plano Real teve ou não uma âncora cambial? O repórter fala que não e o ministro que sim. Há alguma controvérsia acadêmica sobre o assunto?

Se alguém quiser responder, agradeço

No lançamento do Real o câmbio era flutuante, ocorre que no início houve grande valorização cambial, o que ajudou no controle de preços. Esta não é a estória toda, o câmbio passou por diversas mudanças, culminando com a banda diagonal endógena...

Alex o que voce acha do ranking de liberdade economica da heritage fundation?

O senhor faz parte da equipe de economista que aconselha o Eduardo campos?

Não. Aliás de ninguém.

Alex, vc anda sumido e o "O" nem se fala...estão ganhando dinheiro? Juntos?